Onde Treinar

Devo correr uma meia maratona enquanto treino para os 42k?

Maratona · 10 out, 2016

A preparação para a tão temida e especial maratona é tomada por sentimentos, fases de treinamento e decisões que podem fazer uma grande diferença na hora da competição. O crescimento gradativo até os 42 quilômetros passa pela distância da meia maratona, prova favorita de muitos atletas, e enquanto alguns treinadores gostam de incluir competições oficiais para ditar o ritmo nos treinos, outros são mais cautelosos para evitar que o atleta se esforce de uma forma desnecessária e acabe gerando problemas no futuro.

É certo que não existem verdades universais, ainda mais quando se trata do corpo humano, porém, listamos algumas razões para você refletir durante essa escolha.

Americana recebe a segunda edição da Corrida Pague Menos. Inscreva-se aqui!

Foto: Iuliia Sokolovska/Fotolia Foto: Iuliia Sokolovska/Fotolia

A periodização necessita de diversos cuidados e o alinhamento correto é necessário, para não lidar com problemas mais para frente. O médico Mauro Delgado é um dos atletas que acabou exagerando nas provas testes e se deu mal. "Estava treinando forte e com um ritmo ótimo para Maratona de Nova York, sendo assim coloquei algumas provas de 21k para encaixar o pace. Em uma delas busquei um ritmo desnecessário e acabei quebrando, com isso não pude correr a prova alvo, já que acabei com uma lesão e também um grande arrependimento", conta.

O treinador Nelson Evêncio encara a inclusão de provas testes como benefício para o atleta, mas tudo deve ser feito com moderação. "Um corredor que tem como objetivo a maratona possui um período específico em que faz treinos de 21k, 24k, 25k, 30k, 32k e até 36k. Então, correr uma meia maratona pode ser um treino de rotina ou uma prova que serve como avaliação. Normalmente, além dos treinos, os atletas do meu grupo correm duas meias maratonas como parte da preparação".

A intensidade que o corredor coloca na prova deve ser avaliada por seu treinador, já que músculos, ligamentos e tendões devem retornar aos níveis normais o mais rápido possível, assim como enzimas, hormônios e antioxidantes. Regular tudo isso não é tarefa fácil e o corpo pode acabar sobrecarregado, sendo assim é necessário manter-se atento e diminuir a empolgação durante esse tipo de teste.

O também treinador, Rafael Moreno explica que para não esgotar todas as reservas antes do objetivo, o ideal é aumentar o volume de forma gradativa, colocando algumas provas para ajudar na preparação e observar como está o desempenho do atleta.

Lembre-se sempre que a "prova teste" tem esse nome por não ser seu objetivo final, sendo assim deixe a competição para o momento certo e não acabe com o sonho dos 42 quilômetros precocemente. Busque a orientação de um profissional e discuta o caminho mais equilibrado para a performance que você busca.


Devo correr uma meia maratona enquanto treino para os 42k?

Maratona · 10 out, 2016

A preparação para a tão temida e especial maratona é tomada por sentimentos, fases de treinamento e decisões que podem fazer uma grande diferença na hora da competição. O crescimento gradativo até os 42 quilômetros passa pela distância da meia maratona, prova favorita de muitos atletas, e enquanto alguns treinadores gostam de incluir competições oficiais para ditar o ritmo nos treinos, outros são mais cautelosos para evitar que o atleta se esforce de uma forma desnecessária e acabe gerando problemas no futuro.

É certo que não existem verdades universais, ainda mais quando se trata do corpo humano, porém, listamos algumas razões para você refletir durante essa escolha.

Americana recebe a segunda edição da Corrida Pague Menos. Inscreva-se aqui!

Foto: Iuliia Sokolovska/Fotolia Foto: Iuliia Sokolovska/Fotolia

A periodização necessita de diversos cuidados e o alinhamento correto é necessário, para não lidar com problemas mais para frente. O médico Mauro Delgado é um dos atletas que acabou exagerando nas provas testes e se deu mal. "Estava treinando forte e com um ritmo ótimo para Maratona de Nova York, sendo assim coloquei algumas provas de 21k para encaixar o pace. Em uma delas busquei um ritmo desnecessário e acabei quebrando, com isso não pude correr a prova alvo, já que acabei com uma lesão e também um grande arrependimento", conta.

O treinador Nelson Evêncio encara a inclusão de provas testes como benefício para o atleta, mas tudo deve ser feito com moderação. "Um corredor que tem como objetivo a maratona possui um período específico em que faz treinos de 21k, 24k, 25k, 30k, 32k e até 36k. Então, correr uma meia maratona pode ser um treino de rotina ou uma prova que serve como avaliação. Normalmente, além dos treinos, os atletas do meu grupo correm duas meias maratonas como parte da preparação".

A intensidade que o corredor coloca na prova deve ser avaliada por seu treinador, já que músculos, ligamentos e tendões devem retornar aos níveis normais o mais rápido possível, assim como enzimas, hormônios e antioxidantes. Regular tudo isso não é tarefa fácil e o corpo pode acabar sobrecarregado, sendo assim é necessário manter-se atento e diminuir a empolgação durante esse tipo de teste.

O também treinador, Rafael Moreno explica que para não esgotar todas as reservas antes do objetivo, o ideal é aumentar o volume de forma gradativa, colocando algumas provas para ajudar na preparação e observar como está o desempenho do atleta.

Lembre-se sempre que a "prova teste" tem esse nome por não ser seu objetivo final, sendo assim deixe a competição para o momento certo e não acabe com o sonho dos 42 quilômetros precocemente. Busque a orientação de um profissional e discuta o caminho mais equilibrado para a performance que você busca.

Correr na areia irá te tornar mais resistente durante as provas

Atletismo · 07 out, 2016

Correr faz bem para saúde, humor e autoestima, disso todo mundo já sabe. Agora imagine aliar tudo isso com um ambiente único como o de uma praia? Essa é a rotina de muitos que moram em cidades litorâneas.

Mais do que respirar novos ares, a corrida na areia traz diversos benefícios. Um bom corredor sabe que treinar em diferentes terrenos faz parte de uma boa preparação e cria um estímulo em que muitas vezes o corpo não está habituado, melhorando o rendimento na hora da prova.

“Correr na areia melhora a força muscular, a percepção do corpo e do espaço. Além de todos os outros benefícios da corrida”, afirma o treinador Nelson Evêncio.

Participe da segunda etapa do tradicional Circuito Rei e Rainha do Mar

Foto: Daily Sublime/CC BY-ND 2.0 Foto: Daily Sublime/CC BY-ND 2.0

Por esses e outros motivos, correr na praia é uma excelente estratégia para o fortalecimento do corredor, mas também é o terreno que mais exige da musculatura, necessitando de cuidados especiais.

A prática queima mais calorias, justamente por exigir muito da musculatura, sendo um ótimo exercício para entrar em forma. Além disso, o condicionamento e o rendimento são melhorados através do hábito. A explosão e resistência são consideravelmente otimizadas, ajudando o corredor a obter melhor performance durante competições.

A dica para pessoas inexperientes nesses terrenos é começar correndo na areia molhada, a variação nela é muito menor do que na areia fofa. O corredor pode alternar cerca de dois a três minutos na areia seca, para acostumar com novos estímulos.

Gary J. Wood/CC BY-SA 2.0 Gary J. Wood/CC BY-SA 2.0

Para aguentar longos treinos é necessário que o corredor diminua a intensidade que está acostumado na esteira ou calçada. Este pequeno ato pode prevenir uma serie de lesões e garantir que os treinos durem mais. Correr descalço pode ser outro benefício, deixando os pés mais fortes. E fazendo com que a interação ao ambiente seja maior, mas o atleta deve estar atento com objetos cortantes e pedras ao longo do trajeto.

Nelson também afirma que correr descalço ou de tênis depende do tipo de areia. Na fofa é melhor correr descalço, na dura de tênis, mas vez ou outra é interessante para o atleta também correr descalço para desenvolver melhor a musculatura dos pés.

Para concluir, treinar na areia é muito recomendável, porém para corredores mais avançados. Os principiantes devem adquirir experiência e condicionamento nos treinamentos convencionais, sob asfalto, terra batida ou esteira.


Correr na areia irá te tornar mais resistente durante as provas

Atletismo · 07 out, 2016

Correr faz bem para saúde, humor e autoestima, disso todo mundo já sabe. Agora imagine aliar tudo isso com um ambiente único como o de uma praia? Essa é a rotina de muitos que moram em cidades litorâneas.

Mais do que respirar novos ares, a corrida na areia traz diversos benefícios. Um bom corredor sabe que treinar em diferentes terrenos faz parte de uma boa preparação e cria um estímulo em que muitas vezes o corpo não está habituado, melhorando o rendimento na hora da prova.

“Correr na areia melhora a força muscular, a percepção do corpo e do espaço. Além de todos os outros benefícios da corrida”, afirma o treinador Nelson Evêncio.

Participe da segunda etapa do tradicional Circuito Rei e Rainha do Mar

Foto: Daily Sublime/CC BY-ND 2.0 Foto: Daily Sublime/CC BY-ND 2.0

Por esses e outros motivos, correr na praia é uma excelente estratégia para o fortalecimento do corredor, mas também é o terreno que mais exige da musculatura, necessitando de cuidados especiais.

A prática queima mais calorias, justamente por exigir muito da musculatura, sendo um ótimo exercício para entrar em forma. Além disso, o condicionamento e o rendimento são melhorados através do hábito. A explosão e resistência são consideravelmente otimizadas, ajudando o corredor a obter melhor performance durante competições.

A dica para pessoas inexperientes nesses terrenos é começar correndo na areia molhada, a variação nela é muito menor do que na areia fofa. O corredor pode alternar cerca de dois a três minutos na areia seca, para acostumar com novos estímulos.

Gary J. Wood/CC BY-SA 2.0 Gary J. Wood/CC BY-SA 2.0

Para aguentar longos treinos é necessário que o corredor diminua a intensidade que está acostumado na esteira ou calçada. Este pequeno ato pode prevenir uma serie de lesões e garantir que os treinos durem mais. Correr descalço pode ser outro benefício, deixando os pés mais fortes. E fazendo com que a interação ao ambiente seja maior, mas o atleta deve estar atento com objetos cortantes e pedras ao longo do trajeto.

Nelson também afirma que correr descalço ou de tênis depende do tipo de areia. Na fofa é melhor correr descalço, na dura de tênis, mas vez ou outra é interessante para o atleta também correr descalço para desenvolver melhor a musculatura dos pés.

Para concluir, treinar na areia é muito recomendável, porém para corredores mais avançados. Os principiantes devem adquirir experiência e condicionamento nos treinamentos convencionais, sob asfalto, terra batida ou esteira.

2 receitinhas de suco para turbinar seu treino

Caminhada · 06 out, 2016

Antes dos treinos para correr ou praticar qualquer outro esporte, o atleta precisa estar sempre bem hidratado e alimentado para alcançar o desempenho desejado. Mas como fazer isso sem se sentir pesado depois?

É nessa hora que os sucos podem ser seus melhores aliados e quanto mais natural melhor. Eles devem conter carboidratos de baixo e moderado índice glicêmico para te fornecer a energia necessária. Além de funcionarem como uma opção bem saborosa.

Afinal, quem não gosta de um suco geladinho?!

O Webrun te ensina duas receitas de sucos fáceis de fazer que vão te dar mais energia e turbinar seu treino!

1. Gengibre com salsa

•Suco de 2 limões grandes
•200 ml de água de coco
•Gengibre a gasto (se acha muito forte, coloque pouco)
•1 maço de folhas de salsa

O limão é rico em vitamina C. O gengibre tem propriedade anti-inflamatória e o poder de aumentar a circulação do sangue, enquanto a salsa age como um estimulante natural. Já a água de coco é considerada uma bebida energética natural, fonte de vitaminas e minerais importantes para o bom funcionamento do organismo. Além de melhorar a disposição, é uma ótima fonte de hidratação.

Foto: Flickr/Katrin Gilger CC BY-SA 2.0 Foto: Flickr/Katrin Gilger CC BY-SA 2.0

2. Couve com laranja

•300 ml de suco de laranja
•½ maçã*
•1 folha de couve

*A maçã pode ser substituída por frutas como pera ou melão, que tem propriedades parecidas.

A couve é rica em minerais, como o cálcio, ferro e fósforo, e vitaminas A, complexo B e C. Ela age como antioxidante; ajuda a regular o funcionamento do metabolismo e aumentar a disposição. Já o suco de laranja, além da vitamina C, energiza o corpo e, segundo estudos, promove o bom humor.

Nas duas receitas basta bater tudo no liquidificador e consumir antes do treinos. Se os ingredientes forem frescos e orgânicos melhor ainda. Adoçar fica a seu critério.

Participe da Amazing Runs Graciosa!

Foto: Fotolia Foto: Fotolia

E não se esqueça de que o suco deve ser bebido logo após o preparo para não perder nutrientes!


2 receitinhas de suco para turbinar seu treino

Caminhada · 06 out, 2016

Antes dos treinos para correr ou praticar qualquer outro esporte, o atleta precisa estar sempre bem hidratado e alimentado para alcançar o desempenho desejado. Mas como fazer isso sem se sentir pesado depois?

É nessa hora que os sucos podem ser seus melhores aliados e quanto mais natural melhor. Eles devem conter carboidratos de baixo e moderado índice glicêmico para te fornecer a energia necessária. Além de funcionarem como uma opção bem saborosa.

Afinal, quem não gosta de um suco geladinho?!

O Webrun te ensina duas receitas de sucos fáceis de fazer que vão te dar mais energia e turbinar seu treino!

1. Gengibre com salsa

•Suco de 2 limões grandes
•200 ml de água de coco
•Gengibre a gasto (se acha muito forte, coloque pouco)
•1 maço de folhas de salsa

O limão é rico em vitamina C. O gengibre tem propriedade anti-inflamatória e o poder de aumentar a circulação do sangue, enquanto a salsa age como um estimulante natural. Já a água de coco é considerada uma bebida energética natural, fonte de vitaminas e minerais importantes para o bom funcionamento do organismo. Além de melhorar a disposição, é uma ótima fonte de hidratação.

Foto: Flickr/Katrin Gilger CC BY-SA 2.0 Foto: Flickr/Katrin Gilger CC BY-SA 2.0

2. Couve com laranja

•300 ml de suco de laranja
•½ maçã*
•1 folha de couve

*A maçã pode ser substituída por frutas como pera ou melão, que tem propriedades parecidas.

A couve é rica em minerais, como o cálcio, ferro e fósforo, e vitaminas A, complexo B e C. Ela age como antioxidante; ajuda a regular o funcionamento do metabolismo e aumentar a disposição. Já o suco de laranja, além da vitamina C, energiza o corpo e, segundo estudos, promove o bom humor.

Nas duas receitas basta bater tudo no liquidificador e consumir antes do treinos. Se os ingredientes forem frescos e orgânicos melhor ainda. Adoçar fica a seu critério.

Participe da Amazing Runs Graciosa!

Foto: Fotolia Foto: Fotolia

E não se esqueça de que o suco deve ser bebido logo após o preparo para não perder nutrientes!

Bio Ritmo lança duas novas academias dentro da academia

Mulheres · 05 out, 2016

Inovando com o conceito de mall fitness — um verdadeiro shopping de microacademias no mesmo espaço, a Bio Ritmo está lançando o Race Bootcamp e o Burn com o objetivo de ir além do modelo convencional de academias. Segundo o presidente do Grupo Bio Ritmo, Edgard Corona, a novidade é inédita no país. "A rede investe constantemente para melhorar a experiência do aluno, oferecendo produtos inovadores e exclusivos", conta.

Conheça as novas academias dentro da Bio Ritmo

O Race Bootcamp é um treino que junta musculação, cardio e funcional em um mesmo treino que promete queimar 600 calorias em 45 minutos.
Para trabalhar todo o corpo, o Race utiliza halteres, esteira, rubber band e exercícios calistênicos de forma coletiva, em uma sala com sonorização e iluminação especiais. O objetivo dos exercícios é manter a frequência cardíaca elevada o tempo todo e assim garantir que a pessoa continue queimando calorias ao longo do dia.

De acordo com a gerente de ginástica da Bio Ritmo, Julia Michelin, o treino é também uma experiência sensorial. “No Race Bootcamp, vários desafios são propostos ao longo do treino e ambientação especial contribui para o estímulo do aluno que se sente muito mais motivado a chegar ao seu máximo”, comenta.

Race Bootcamp/ Divulgação Bio Ritmo Race Bootcamp/ Divulgação Bio Ritmo

Já o Burn Hiit Room promete um emagrecimento muito mais rápido, já que são 30 minutos intensos de treino com air bike, remo, step deck e halteres. Durante o treino cada aparelho representa uma estação. São cinco rounds de 45 segundos de execução e 15 segundos de descanso em cada uma das estações.

A air bike e o remo são ergônomos que trabalham com o corpo todo, já que há movimentos simultâneos de pernas e braços e, em ambos, o ar é utilizado como forma de resistência. No step deck os exercícios são com elástico e pliométricos. E na estação de pesos, são neuromusculares e calistênicos.Assim como no Race, o Burn mantém a frequência cardíaca lá em cima e garante a queima calórica ao longo do dia.

Não há contraindicações para praticar o Burn, resultados rápidos ao trabalhar em séries de alta intensidade os exercícios integrados, funcionais e ergométricos. Além disso, o treino proporciona a queima de gordura e a melhora significativa do condicionamento cardiovascular, em uma aula dinâmica e intensa.

“O treino possui movimentos simples, mas é curto e intenso. Isso gera adaptações metabólicas que resultam em emagrecimento e definição muscular”, explica Larissa Kussano, gerente de musculação da Bio Ritmo.

O Burn apresenta melhores resultados se feito em alta intensidade, mas cada aluno pode ditar o seu ritmo e intensificar o esforço à medida que se sentir mais confiante e capacitado. “Os exercícios realizados no step deck e com os halteres podem ser facilmente adaptados, caso o praticante apresente uma restrição articular, por exemplo”, comenta a especialista.


Bio Ritmo lança duas novas academias dentro da academia

Mulheres · 05 out, 2016

Inovando com o conceito de mall fitness — um verdadeiro shopping de microacademias no mesmo espaço, a Bio Ritmo está lançando o Race Bootcamp e o Burn com o objetivo de ir além do modelo convencional de academias. Segundo o presidente do Grupo Bio Ritmo, Edgard Corona, a novidade é inédita no país. "A rede investe constantemente para melhorar a experiência do aluno, oferecendo produtos inovadores e exclusivos", conta.

Conheça as novas academias dentro da Bio Ritmo

O Race Bootcamp é um treino que junta musculação, cardio e funcional em um mesmo treino que promete queimar 600 calorias em 45 minutos.
Para trabalhar todo o corpo, o Race utiliza halteres, esteira, rubber band e exercícios calistênicos de forma coletiva, em uma sala com sonorização e iluminação especiais. O objetivo dos exercícios é manter a frequência cardíaca elevada o tempo todo e assim garantir que a pessoa continue queimando calorias ao longo do dia.

De acordo com a gerente de ginástica da Bio Ritmo, Julia Michelin, o treino é também uma experiência sensorial. “No Race Bootcamp, vários desafios são propostos ao longo do treino e ambientação especial contribui para o estímulo do aluno que se sente muito mais motivado a chegar ao seu máximo”, comenta.

Race Bootcamp/ Divulgação Bio Ritmo Race Bootcamp/ Divulgação Bio Ritmo

Já o Burn Hiit Room promete um emagrecimento muito mais rápido, já que são 30 minutos intensos de treino com air bike, remo, step deck e halteres. Durante o treino cada aparelho representa uma estação. São cinco rounds de 45 segundos de execução e 15 segundos de descanso em cada uma das estações.

A air bike e o remo são ergônomos que trabalham com o corpo todo, já que há movimentos simultâneos de pernas e braços e, em ambos, o ar é utilizado como forma de resistência. No step deck os exercícios são com elástico e pliométricos. E na estação de pesos, são neuromusculares e calistênicos.Assim como no Race, o Burn mantém a frequência cardíaca lá em cima e garante a queima calórica ao longo do dia.

Não há contraindicações para praticar o Burn, resultados rápidos ao trabalhar em séries de alta intensidade os exercícios integrados, funcionais e ergométricos. Além disso, o treino proporciona a queima de gordura e a melhora significativa do condicionamento cardiovascular, em uma aula dinâmica e intensa.

“O treino possui movimentos simples, mas é curto e intenso. Isso gera adaptações metabólicas que resultam em emagrecimento e definição muscular”, explica Larissa Kussano, gerente de musculação da Bio Ritmo.

O Burn apresenta melhores resultados se feito em alta intensidade, mas cada aluno pode ditar o seu ritmo e intensificar o esforço à medida que se sentir mais confiante e capacitado. “Os exercícios realizados no step deck e com os halteres podem ser facilmente adaptados, caso o praticante apresente uma restrição articular, por exemplo”, comenta a especialista.

Existe idade mínima para correr?

Caminhada · 03 out, 2016

Hoje em dia com a diversidade de tecnologias que entretêm as crianças sem sair de casa é cada vez mais difícil fazê-las tomarem gosto pelo esporte. Por isso o papel do adulto é incentivá-las e se preciso procurar uma modalidade que se adapte às preferências e necessidades da criança em cada fase de seu desenvolvimento. Até porque, toda criança que pratica algum esporte tem a saúde e a qualidade de vida melhor do que outras que não se movimentam.

A corrida, por ser uma modalidade que exige várias partes do corpo, ajuda as crianças a combater o sedentarismo e a obesidade infantil. Além de ser uma aliada na prevenção de doenças como a hipertensão, diabetes e dislipidemia — excesso de Lipídios ou Lipoproteínas no sangue.

A corrida só não é recomendada para crianças com problemas cardíacos, pois acelera os batimentos. Ou doenças respiratórias, como a asma e a bronquite, já que podem causar falta de ar.

Participe da The Running Dead e corra sua primeira prova de obstáculos infestada de zumbis. Inscreva-se!

Crédito: Fotolia Crédito: Fotolia

No entanto, como em todos os outros esportes é preciso tomar algumas precauções. O Webrun conversou com o Dr. Natan Silva, educador físico e diretor científico do Departamento de Educação Física da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo.

Após começar a andar, as crianças naturalmente logo aprendem a correr e não há problema nisso, de acordo com o especialista. Muito pelo contrário. “Sabe-se que níveis adequados de atividade física proporcionam efeitos positivos sobre o crescimento das crianças, quando levados de forma recreativa”, explica.

Entretanto, na hora da corrida as crianças não devem ultrapassar longas distâncias, pois isso pode atrapalhar o crescimento infantil. “O excesso de treino pode causar microtraumatismos nos tecidos dos membros inferiores e superiores. Além disso, estudos mostraram que as placas de crescimento são mais vulneráveis em crianças do que em adultos. Portanto, a sobrecarga de treino e correr longas distâncias pode fazer com que efeitos benéficos sobre o sistema esquelético desapareçam, torne o momento traumático e até prejudique o crescimento normal da criança”.

O treinamento específico para a modalidade só é recomendado após 15,16 anos de idade. E ainda assim, o Dr. Natan alerta que se deve ficar atento, pois nessa idade a força muscular do tendão não chega nem perto da de um adulto. “Dessa forma os jovens são muito mais propícios a lesões caso o treinamento seja extenuante e levado excessivamente como competitivo. Mesmo nessa faixa etária de 15, 16 anos, o profissional responsável pelo treino deve respeitar as limitações do desenvolvimento muscular no momento da preparação dos treinamentos”.

Contudo, o Dr. Natan ressalta que a corrida como qualquer outra prática esportiva deve sempre ser encarada como uma atividade lúdica. “As crianças e os jovens devem praticar atividade física de forma geral, sem haver a cobrança em relação a resultados”.

Portanto, se você quer adaptar seu treino e começar a levar seu filho para correr com você, não se esqueça de que a criança precisa sempre estar com as consultas pediátricas em dia. Ela não tem o condicionamento físico de um adulto. E o mais importante é se divertir!


Existe idade mínima para correr?

Caminhada · 03 out, 2016

Hoje em dia com a diversidade de tecnologias que entretêm as crianças sem sair de casa é cada vez mais difícil fazê-las tomarem gosto pelo esporte. Por isso o papel do adulto é incentivá-las e se preciso procurar uma modalidade que se adapte às preferências e necessidades da criança em cada fase de seu desenvolvimento. Até porque, toda criança que pratica algum esporte tem a saúde e a qualidade de vida melhor do que outras que não se movimentam.

A corrida, por ser uma modalidade que exige várias partes do corpo, ajuda as crianças a combater o sedentarismo e a obesidade infantil. Além de ser uma aliada na prevenção de doenças como a hipertensão, diabetes e dislipidemia — excesso de Lipídios ou Lipoproteínas no sangue.

A corrida só não é recomendada para crianças com problemas cardíacos, pois acelera os batimentos. Ou doenças respiratórias, como a asma e a bronquite, já que podem causar falta de ar.

Participe da The Running Dead e corra sua primeira prova de obstáculos infestada de zumbis. Inscreva-se!

Crédito: Fotolia Crédito: Fotolia

No entanto, como em todos os outros esportes é preciso tomar algumas precauções. O Webrun conversou com o Dr. Natan Silva, educador físico e diretor científico do Departamento de Educação Física da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo.

Após começar a andar, as crianças naturalmente logo aprendem a correr e não há problema nisso, de acordo com o especialista. Muito pelo contrário. “Sabe-se que níveis adequados de atividade física proporcionam efeitos positivos sobre o crescimento das crianças, quando levados de forma recreativa”, explica.

Entretanto, na hora da corrida as crianças não devem ultrapassar longas distâncias, pois isso pode atrapalhar o crescimento infantil. “O excesso de treino pode causar microtraumatismos nos tecidos dos membros inferiores e superiores. Além disso, estudos mostraram que as placas de crescimento são mais vulneráveis em crianças do que em adultos. Portanto, a sobrecarga de treino e correr longas distâncias pode fazer com que efeitos benéficos sobre o sistema esquelético desapareçam, torne o momento traumático e até prejudique o crescimento normal da criança”.

O treinamento específico para a modalidade só é recomendado após 15,16 anos de idade. E ainda assim, o Dr. Natan alerta que se deve ficar atento, pois nessa idade a força muscular do tendão não chega nem perto da de um adulto. “Dessa forma os jovens são muito mais propícios a lesões caso o treinamento seja extenuante e levado excessivamente como competitivo. Mesmo nessa faixa etária de 15, 16 anos, o profissional responsável pelo treino deve respeitar as limitações do desenvolvimento muscular no momento da preparação dos treinamentos”.

Contudo, o Dr. Natan ressalta que a corrida como qualquer outra prática esportiva deve sempre ser encarada como uma atividade lúdica. “As crianças e os jovens devem praticar atividade física de forma geral, sem haver a cobrança em relação a resultados”.

Portanto, se você quer adaptar seu treino e começar a levar seu filho para correr com você, não se esqueça de que a criança precisa sempre estar com as consultas pediátricas em dia. Ela não tem o condicionamento físico de um adulto. E o mais importante é se divertir!

Quer uma motivação extra? Corra em grupo!

Caminhada · 26 set, 2016

Fotolia Fotolia

Engana-se quem pensa que a corrida é um esporte para se praticar sozinho. Cada vez mais corredores de todas as idades, amadores e profissionais juntam-se para correr em grupos. Afinal, tem coisa mais legal do que se unir com outras pessoas com afinidades em comum para praticar um esporte? É isso que muita gente leva em consideração ao juntar a galera para correr.

Além de conhecer pessoas novas e fortalecer vínculos de amizade, a corrida em grupo pode te ajudar a não perder a motivação e, principalmente, a disciplina. Quando você combina de praticar com alguém fica muito mais fácil aderir e permanecer na atividade.

Assim a vontade de correr só tende a crescer. Foi isso que aconteceu com a jornalista Giselli Souza, 34, de São Paulo. Ela começou a correr em 2005 e passou a “treinar sério” em 2006. A paixão pelo esporte foi tão grande que ela fundou o Divas que Correm, um clube para inspirar mulheres, dos mais variados tipos físicos e faixa etárias de todo o país, a correr como ela.

O grupo deu tão certo que hoje o Divas que Correm tem parceria com outras empresas e acompanhamento tanto presencial quanto a distância, por meio de um aplicativo de celular que oferece treinamentos específicos.

Para Giselli, que começou correndo por conta própria, correr em grupo traz uma motivação diferente. No entanto, ela afirma que o trabalho profissional e de acompanhamento é fundamental . “Mesmo para quem já corre e busca performance, como é o meu caso, o acompanhamento de um bom treinador é imprescindível para que o desempenho seja progressivo, sem colocar a saúde em risco. Já tive várias lesões nos meus dez anos de corrida; hoje estou migrando para o triathlon e mantendo o meu ciclo de maratonas”.

Ela conta que a corrida a ajudou muito mais do que passar dos 83 kg para os 58 kg na balança. “Hoje, sou muito mais bem resolvida comigo, não só com o meu corpo, mas com a minha expectativa em relação à vida e às pessoas também. Construí muitas amizades verdadeiras com o esporte, que levei para a minha vida pessoal e certamente sou muito mais feliz”. O próximo desafio da Giselli é a Maratona de Buenos Aires, a quinta prova de 42km que irá disputar.

Participe da Corrida e Caminhada Feminina MCDonald's 5K

Divas que Correm Divas que Correm

Confira 5 dicas de Giselli para começar a correr em grupo

1. Sem pressa

Ao começar é preciso ter calma e entender que nem sempre você precisa acompanhar o grupo. Cada atleta tem um estilo de vida e um corpo diferente.

2. Observe seu corpo

Nem sempre temos respostas rápidas como a do colega que corre ao nosso lado. A motivação em grupo é bacana, mas é fundamental respeitar o seu limite individual e entender que comparações não levam a nada.

3. Espírito esportivo

Não existe essa de competir no treino, mas sim de buscar referência em outros atletas para se manter constantemente motivado.

4. Acompanhamento profissional

O trabalho profissional e de acompanhamento é fundamental para a segurança das atletas, especialmente quem vê na corrida uma forma de emagrecer.

5. Cuide da cabeça

O acompanhamento profissional é importante, mas cuidar da cabeça tem que ser algo que precisa andar lado a lado com os cuidados físicos.

Além dessas dicas, lembre-se de deixar os problemas de lado na hora dos treinos e ser pontual, não é justo fazer os outros ficarem esperando, assim você sempre terá companhia na hora da corrida!


Quer uma motivação extra? Corra em grupo!

Caminhada · 26 set, 2016

Fotolia Fotolia

Engana-se quem pensa que a corrida é um esporte para se praticar sozinho. Cada vez mais corredores de todas as idades, amadores e profissionais juntam-se para correr em grupos. Afinal, tem coisa mais legal do que se unir com outras pessoas com afinidades em comum para praticar um esporte? É isso que muita gente leva em consideração ao juntar a galera para correr.

Além de conhecer pessoas novas e fortalecer vínculos de amizade, a corrida em grupo pode te ajudar a não perder a motivação e, principalmente, a disciplina. Quando você combina de praticar com alguém fica muito mais fácil aderir e permanecer na atividade.

Assim a vontade de correr só tende a crescer. Foi isso que aconteceu com a jornalista Giselli Souza, 34, de São Paulo. Ela começou a correr em 2005 e passou a “treinar sério” em 2006. A paixão pelo esporte foi tão grande que ela fundou o Divas que Correm, um clube para inspirar mulheres, dos mais variados tipos físicos e faixa etárias de todo o país, a correr como ela.

O grupo deu tão certo que hoje o Divas que Correm tem parceria com outras empresas e acompanhamento tanto presencial quanto a distância, por meio de um aplicativo de celular que oferece treinamentos específicos.

Para Giselli, que começou correndo por conta própria, correr em grupo traz uma motivação diferente. No entanto, ela afirma que o trabalho profissional e de acompanhamento é fundamental . “Mesmo para quem já corre e busca performance, como é o meu caso, o acompanhamento de um bom treinador é imprescindível para que o desempenho seja progressivo, sem colocar a saúde em risco. Já tive várias lesões nos meus dez anos de corrida; hoje estou migrando para o triathlon e mantendo o meu ciclo de maratonas”.

Ela conta que a corrida a ajudou muito mais do que passar dos 83 kg para os 58 kg na balança. “Hoje, sou muito mais bem resolvida comigo, não só com o meu corpo, mas com a minha expectativa em relação à vida e às pessoas também. Construí muitas amizades verdadeiras com o esporte, que levei para a minha vida pessoal e certamente sou muito mais feliz”. O próximo desafio da Giselli é a Maratona de Buenos Aires, a quinta prova de 42km que irá disputar.

Participe da Corrida e Caminhada Feminina MCDonald's 5K

Divas que Correm Divas que Correm

Confira 5 dicas de Giselli para começar a correr em grupo

1. Sem pressa

Ao começar é preciso ter calma e entender que nem sempre você precisa acompanhar o grupo. Cada atleta tem um estilo de vida e um corpo diferente.

2. Observe seu corpo

Nem sempre temos respostas rápidas como a do colega que corre ao nosso lado. A motivação em grupo é bacana, mas é fundamental respeitar o seu limite individual e entender que comparações não levam a nada.

3. Espírito esportivo

Não existe essa de competir no treino, mas sim de buscar referência em outros atletas para se manter constantemente motivado.

4. Acompanhamento profissional

O trabalho profissional e de acompanhamento é fundamental para a segurança das atletas, especialmente quem vê na corrida uma forma de emagrecer.

5. Cuide da cabeça

O acompanhamento profissional é importante, mas cuidar da cabeça tem que ser algo que precisa andar lado a lado com os cuidados físicos.

Além dessas dicas, lembre-se de deixar os problemas de lado na hora dos treinos e ser pontual, não é justo fazer os outros ficarem esperando, assim você sempre terá companhia na hora da corrida!

Editorial 2015: os desafios do Mercado segmentado

Atletismo · 23 fev, 2015

O carnaval passou e a partir de agora para muitos brasileiros o ano começa oficialmente. Mas não para nós dos portais Webrun e Webventure, que entramos em 2015 mesmo antes das primeiras badaladas do dia primeiro de janeiro. Ainda em 2014 tivemos muitas reuniões e discussões de planejamento.

Ano passado enfrentamos o desafio da Copa do Mundo, que tirou muitos investimentos do mercado de running e aventura para o já mundo milionário do futebol e nos fez literalmente correr em ritmo ainda mais frenético para alcançar as metas. Muitos eventos surgiram principalmente nas corridas de montanha, ao mesmo tempo em que alguns de asfalto não conseguiram manter seus patrocínios e não foram realizados.

No mundo da aventura vimos o ecoturismo ganhar ainda mais força com muita gente viajando para destinos dentro e fora do Brasil para praticar os esportes que há poucos anos eram restritos a atletas profissionais. Os grandes eventos são cada vez mais raros, com exceção da tribo off road que mantém acesa sua paixão no Rally dos Sertões e em eventos menores ao longo do ano.

Para 2015 o cenário brasileiro e mundial não se mostra muito favorável a grandes investimentos com todas as denúncias de corrupção, alta do dólar e incertezas sobre o futuro econômico. E temos uma vez mais o desafio de não nos entregarmos e continuarmos nossa luta para trazer a melhor informação aos nossos leitores e, por que não dizer, fãs que conquistamos ao longo dos 18 anos de Webventure e quase 13 de Webrun.

No Webrun nos manteremos antenados ao que acontece nas principais provas do Brasil e do mundo, trazendo um calendário completo, resultados e com nossa equipe de jornalistas, blogueiros e colunistas empenhada em encontrar sempre algo diferente. A qualidade de vida não pode ficar de fora e manteremos nossa tradição de passar dicas de como ter uma vida mais saudável.

O ano finalmente começou! Foto: psdesign1/ Fotolia O ano finalmente começou! Foto: psdesign1/ Fotolia

Já no Webventure seguiremos com a linha editorial adotada nos últimos anos de nos focarmos em Viagem, principalmente os destinos ecoturísticos conhecidos e os ainda pouco divulgados na mídia. Isso sem deixar nossa veia esportiva de lado, já que esse ano teremos o Mundial de Corridas de Aventura no Pantanal, uma etapa da Volvo Ocean Race no Brasil e a 23ª edição do Rally dos Sertões.

Desmembramos nossa área de foto e inscrições, que agora se tornaram empresas independentes para melhorar a qualidade do serviço prestado e buscar novos mercados. Com o Ticket Agora aturemos em inscrições de eventos variados, enquanto o Fotop busca aumentar seu portfólio de clientes finais e empresariais.

Por último, mas não menos importante, estaremos de olho nos atletas canarinhos que buscam uma vaga na Olimpíada do Rio de Janeiro em 2016. Traremos notícias sobre a luta por uma vaga olímpica no atletismo, triathlon, mountain bike, canoagem e vela, além de informações sobre as arenas de competição e bastidores.

Temos muito trabalho pela frente, mas nossos leitores diariamente nos fornecem a energia necessária para nos mantermos como referência de mercado. Todos aqui amam o que fazem e tenho certeza que 2015 nos reserva ótimas surpresas! Desafie seu Limite, Viva ao ar Livre.

Um grande abraço,

Alexandre Koda
Diretor de Redação Webventure/ Webrun


Editorial 2015: os desafios do Mercado segmentado

Atletismo · 23 fev, 2015

O carnaval passou e a partir de agora para muitos brasileiros o ano começa oficialmente. Mas não para nós dos portais Webrun e Webventure, que entramos em 2015 mesmo antes das primeiras badaladas do dia primeiro de janeiro. Ainda em 2014 tivemos muitas reuniões e discussões de planejamento.

Ano passado enfrentamos o desafio da Copa do Mundo, que tirou muitos investimentos do mercado de running e aventura para o já mundo milionário do futebol e nos fez literalmente correr em ritmo ainda mais frenético para alcançar as metas. Muitos eventos surgiram principalmente nas corridas de montanha, ao mesmo tempo em que alguns de asfalto não conseguiram manter seus patrocínios e não foram realizados.

No mundo da aventura vimos o ecoturismo ganhar ainda mais força com muita gente viajando para destinos dentro e fora do Brasil para praticar os esportes que há poucos anos eram restritos a atletas profissionais. Os grandes eventos são cada vez mais raros, com exceção da tribo off road que mantém acesa sua paixão no Rally dos Sertões e em eventos menores ao longo do ano.

Para 2015 o cenário brasileiro e mundial não se mostra muito favorável a grandes investimentos com todas as denúncias de corrupção, alta do dólar e incertezas sobre o futuro econômico. E temos uma vez mais o desafio de não nos entregarmos e continuarmos nossa luta para trazer a melhor informação aos nossos leitores e, por que não dizer, fãs que conquistamos ao longo dos 18 anos de Webventure e quase 13 de Webrun.

No Webrun nos manteremos antenados ao que acontece nas principais provas do Brasil e do mundo, trazendo um calendário completo, resultados e com nossa equipe de jornalistas, blogueiros e colunistas empenhada em encontrar sempre algo diferente. A qualidade de vida não pode ficar de fora e manteremos nossa tradição de passar dicas de como ter uma vida mais saudável.

O ano finalmente começou! Foto: psdesign1/ Fotolia O ano finalmente começou! Foto: psdesign1/ Fotolia

Já no Webventure seguiremos com a linha editorial adotada nos últimos anos de nos focarmos em Viagem, principalmente os destinos ecoturísticos conhecidos e os ainda pouco divulgados na mídia. Isso sem deixar nossa veia esportiva de lado, já que esse ano teremos o Mundial de Corridas de Aventura no Pantanal, uma etapa da Volvo Ocean Race no Brasil e a 23ª edição do Rally dos Sertões.

Desmembramos nossa área de foto e inscrições, que agora se tornaram empresas independentes para melhorar a qualidade do serviço prestado e buscar novos mercados. Com o Ticket Agora aturemos em inscrições de eventos variados, enquanto o Fotop busca aumentar seu portfólio de clientes finais e empresariais.

Por último, mas não menos importante, estaremos de olho nos atletas canarinhos que buscam uma vaga na Olimpíada do Rio de Janeiro em 2016. Traremos notícias sobre a luta por uma vaga olímpica no atletismo, triathlon, mountain bike, canoagem e vela, além de informações sobre as arenas de competição e bastidores.

Temos muito trabalho pela frente, mas nossos leitores diariamente nos fornecem a energia necessária para nos mantermos como referência de mercado. Todos aqui amam o que fazem e tenho certeza que 2015 nos reserva ótimas surpresas! Desafie seu Limite, Viva ao ar Livre.

Um grande abraço,

Alexandre Koda
Diretor de Redação Webventure/ Webrun

Empresa lança snacks rápidos e saudáveis

Corridas de Rua · 28 out, 2014

Com um dia a dia cada vez mais corrido, temos pouco tempo para pensar na alimentação e acabamos comendo a primeira coisa que aparece na nossa frente, uma péssima atitude que acaba virando hábito.

Marca disponibiliza três planos mensais com frete grátis  Foto: divulgação Marca disponibiliza três planos mensais com frete grátis Foto: divulgação

Com a necessidade de melhorar e facilitar os lanches rápidos do dia a dia surgiu a marca Best Barry, que oferece pequenas porções de snacks. Alberto Sasaki é casado com a maratonista Inessa Nakao que sempre preferiu ter a alimentação mais saudável possível, mas nunca encontrava o que queria nos supermercados. Ligando os pontos o casal e o sócio Marcelo Nishio tiveram a ideia de criar a marca que leva o nome inspirado na fruta azedinha, cranberry, a qual os criadores são fanáticos.



Os lanches são criados com a orientação de uma nutricionista e a opinião dos clientes que ajudam na criação de novos mixes. Para receber os snacks é só entrar no site da marca (http://bestberry.com.br/) e se tornar um assinante. Lá é possível escolher o plano de quantas unidades e quais lanches quer receber e, no final de cada mês a empresa pede ao assinante um feedback sobre os produtos.

Entre as receitas estão o mix “brasileirinho” com castanha do Pará, caju e abóbora salgada. Para quem não aguenta ficar sem chocolate pode experimentar o snack “estou sem tempo”, que vem com avelã, chocolate 55% cacau e coco, entre outros mixes.

Quem sabe essa não é uma boa opção para você que está na correria do dia a dia?

Os snacks são 100% naturais, sem corante, conservante, gorduras trans entre outras substâncias Foto: divulgação Os snacks são 100% naturais, sem corante, conservante, gorduras trans entre outras substâncias Foto: divulgação


Empresa lança snacks rápidos e saudáveis

Corridas de Rua · 28 out, 2014

Com um dia a dia cada vez mais corrido, temos pouco tempo para pensar na alimentação e acabamos comendo a primeira coisa que aparece na nossa frente, uma péssima atitude que acaba virando hábito.

Marca disponibiliza três planos mensais com frete grátis  Foto: divulgação Marca disponibiliza três planos mensais com frete grátis Foto: divulgação

Com a necessidade de melhorar e facilitar os lanches rápidos do dia a dia surgiu a marca Best Barry, que oferece pequenas porções de snacks. Alberto Sasaki é casado com a maratonista Inessa Nakao que sempre preferiu ter a alimentação mais saudável possível, mas nunca encontrava o que queria nos supermercados. Ligando os pontos o casal e o sócio Marcelo Nishio tiveram a ideia de criar a marca que leva o nome inspirado na fruta azedinha, cranberry, a qual os criadores são fanáticos.



Os lanches são criados com a orientação de uma nutricionista e a opinião dos clientes que ajudam na criação de novos mixes. Para receber os snacks é só entrar no site da marca (http://bestberry.com.br/) e se tornar um assinante. Lá é possível escolher o plano de quantas unidades e quais lanches quer receber e, no final de cada mês a empresa pede ao assinante um feedback sobre os produtos.

Entre as receitas estão o mix “brasileirinho” com castanha do Pará, caju e abóbora salgada. Para quem não aguenta ficar sem chocolate pode experimentar o snack “estou sem tempo”, que vem com avelã, chocolate 55% cacau e coco, entre outros mixes.

Quem sabe essa não é uma boa opção para você que está na correria do dia a dia?

Os snacks são 100% naturais, sem corante, conservante, gorduras trans entre outras substâncias Foto: divulgação Os snacks são 100% naturais, sem corante, conservante, gorduras trans entre outras substâncias Foto: divulgação

Webrun indica: livros Treinamento de Corrida de Rua

Corridas de Rua · 25 abr, 2014

Título: Treinamento de corrida de rua

Autor: Alexandre Lopes Evangelista

Categorias: Corrida de rua; Treinamento

Editora: Phorte Editora

Número de páginas: 128

Sinopse: A prática da corrida de rua se tornou um dos esportes mais praticados no Brasil, chegando a reunir, em uma única prova, mais de 25 mil pessoas. Com o crescimento do número de praticantes e dos possíveis ganhos financeiros, muitos profissionais da Educação Física migraram para essa área. Uma prova disso é a infinidade de assessores esportivas e treinadores personalizados que lotam parques e academias no Brasil.

Foto: divulgação Foto: divulgação

Diante dessa nova situação, um livro que aborde as principais variáveis do treinamento da corrida de rua se faz necessário e fundamental, para suprir a demanda científica dos profissionais que atuam nessa emergente e, ainda, promissora área de atuação.

Aqui, serão abordados assuntos de interesse, como adaptações fisiológicas do organismo com a prática da corrida, métodos e sistemas de treinamento, periodização e organização de treinos em longo prazo, prescrição para populações especiais e dicas nutricionais.

Neste livro, tanto o autor quanto os colaboradores tiveram extremo cuidado ao transportar toda a teoria da literatura para a necessidade prática dos treinadores de corrida espalhados por todo o país. Dessa forma, esperamos que esta obra consiga ser mais uma importante peça no grande quebracabeça dentro do mundo da informação.

Data de lançamento: 2010

Preço sugerido: R$ 27


Webrun indica: livros Treinamento de Corrida de Rua

Corridas de Rua · 25 abr, 2014

Título: Treinamento de corrida de rua

Autor: Alexandre Lopes Evangelista

Categorias: Corrida de rua; Treinamento

Editora: Phorte Editora

Número de páginas: 128

Sinopse: A prática da corrida de rua se tornou um dos esportes mais praticados no Brasil, chegando a reunir, em uma única prova, mais de 25 mil pessoas. Com o crescimento do número de praticantes e dos possíveis ganhos financeiros, muitos profissionais da Educação Física migraram para essa área. Uma prova disso é a infinidade de assessores esportivas e treinadores personalizados que lotam parques e academias no Brasil.

Foto: divulgação Foto: divulgação

Diante dessa nova situação, um livro que aborde as principais variáveis do treinamento da corrida de rua se faz necessário e fundamental, para suprir a demanda científica dos profissionais que atuam nessa emergente e, ainda, promissora área de atuação.

Aqui, serão abordados assuntos de interesse, como adaptações fisiológicas do organismo com a prática da corrida, métodos e sistemas de treinamento, periodização e organização de treinos em longo prazo, prescrição para populações especiais e dicas nutricionais.

Neste livro, tanto o autor quanto os colaboradores tiveram extremo cuidado ao transportar toda a teoria da literatura para a necessidade prática dos treinadores de corrida espalhados por todo o país. Dessa forma, esperamos que esta obra consiga ser mais uma importante peça no grande quebracabeça dentro do mundo da informação.

Data de lançamento: 2010

Preço sugerido: R$ 27

Exercícios ao ar livre são os mais pedidos no verão

Onde Treinar · 07 dez, 2013

O verão está chegando e com ele aumenta de forma significativa a vontade de se praticar exercício físicos ao ar livre. Qual a razão deste fato? Certamente a modificação do clima influi.

O corpo quando exposto ao sol, perde não só água como sais minerais também. Foto: Igor Mojzes/ Fotolia O corpo quando exposto ao sol, perde não só água como sais minerais também. Foto: Igor Mojzes/ Fotolia

Até no próprio temperamento das pessoas, nota-se diferença com o clima mais quente. Por outro lado, a perspectiva de expor mais o corpo resgata as preocupações estéticas que as roupas do inverno encobriam. Em alguns casos, encarar as festas de fim de ano e as férias de verão com um “corpinho” mais bonito, passa a ser a motivação maior.

Todos estes aspectos são capazes de convencer o indivíduo a fazer exercícios e devem ser vistos de forma positiva. No entanto, devemos também considerar algumas questões de suma importância a esse respeito.

Com a exposição as altas temperaturas temos dois principais problemas:

Desidratação - A desidratação compromete as funções vitais do nosso organismo o que prejudica não só o desempenho físico através da fadiga precoce mas também os processos metabólicos. Com a redução de liquido no corpo o sangue fica mais espesso, a pressão arterial cai, os rins, fígado e coração passam a ter seu funcionamento prejudicado. Em estágios mais severos ocorre perda de coordenação, confusão mental e até a morte!

O corpo quando exposto ao sol, perde não só água como sais minerais também. A quantidade varia muito, principalmente pela intensidade da atividade que está sendo feita como pela característica de cada indivíduo de suar mais ou menos. O recomendado, de forma geral, é repor a cada 30 minutos de atividade 500 ml de água e para treinos acima de 45 minutos utilizar-se de bebidas isotônicas.

Insolação - Os sintomas da insolação são muitos, porém podemos destacar a falta de ar, dor de cabeça, elevação da temperatura corporal, pele quente, incapacidade motora náuseas e tonturas.

Para se evitar insolação devemos nos proteger ao máximo da exposição do sol entre 10 e 16 horas, passar sempre protetor solar, usar bonés, manter-se hidratado e priorizar roupas com tecidos que facilitem a transpiração.

Apesar das dificuldades que esta estação do ano possui ela aínda é a mais preferida na hora de se praticar atividades físicas. Aproveitar os aspectos positivos e tomar cuidado com os negativos é a postura mais responsável para sua saúde.

Bons treinos.


Exercícios ao ar livre são os mais pedidos no verão

Onde Treinar · 07 dez, 2013

O verão está chegando e com ele aumenta de forma significativa a vontade de se praticar exercício físicos ao ar livre. Qual a razão deste fato? Certamente a modificação do clima influi.

O corpo quando exposto ao sol, perde não só água como sais minerais também. Foto: Igor Mojzes/ Fotolia O corpo quando exposto ao sol, perde não só água como sais minerais também. Foto: Igor Mojzes/ Fotolia

Até no próprio temperamento das pessoas, nota-se diferença com o clima mais quente. Por outro lado, a perspectiva de expor mais o corpo resgata as preocupações estéticas que as roupas do inverno encobriam. Em alguns casos, encarar as festas de fim de ano e as férias de verão com um “corpinho” mais bonito, passa a ser a motivação maior.

Todos estes aspectos são capazes de convencer o indivíduo a fazer exercícios e devem ser vistos de forma positiva. No entanto, devemos também considerar algumas questões de suma importância a esse respeito.

Com a exposição as altas temperaturas temos dois principais problemas:

Desidratação - A desidratação compromete as funções vitais do nosso organismo o que prejudica não só o desempenho físico através da fadiga precoce mas também os processos metabólicos. Com a redução de liquido no corpo o sangue fica mais espesso, a pressão arterial cai, os rins, fígado e coração passam a ter seu funcionamento prejudicado. Em estágios mais severos ocorre perda de coordenação, confusão mental e até a morte!

O corpo quando exposto ao sol, perde não só água como sais minerais também. A quantidade varia muito, principalmente pela intensidade da atividade que está sendo feita como pela característica de cada indivíduo de suar mais ou menos. O recomendado, de forma geral, é repor a cada 30 minutos de atividade 500 ml de água e para treinos acima de 45 minutos utilizar-se de bebidas isotônicas.

Insolação - Os sintomas da insolação são muitos, porém podemos destacar a falta de ar, dor de cabeça, elevação da temperatura corporal, pele quente, incapacidade motora náuseas e tonturas.

Para se evitar insolação devemos nos proteger ao máximo da exposição do sol entre 10 e 16 horas, passar sempre protetor solar, usar bonés, manter-se hidratado e priorizar roupas com tecidos que facilitem a transpiração.

Apesar das dificuldades que esta estação do ano possui ela aínda é a mais preferida na hora de se praticar atividades físicas. Aproveitar os aspectos positivos e tomar cuidado com os negativos é a postura mais responsável para sua saúde.

Bons treinos.