Kids

Com apelo germânico, Meia de Pomerode chega à quinta edição

Corridas de Rua · 05 set, 2012

A Meia Maratona de Pomerode (SC, 28/10) já foi considerada uma das 20 provas que um corredor precisa participar ao menos uma vez. Com percurso plano e forte caráter germânico – a cidade é conhecida como a mais alemã do Brasil – a Meia atrai corredores de todo o Brasil.

Entre os pontos que ajudam a caracterizar a prova, estão as construções da cidade no estilo enxaimel, as orientações bilíngues, bandas temáticas ao longo do percurso, trajes típicos e a chopeira na chegada. Os vencedores, inclusive, ganham uma tulipa de chopp em metro.

Camiseta comemorativa- Para celebrar os cinco anos da corrida, a organização premiará quem correu as quatro edições anteriores e se inscrever neste ano com uma camiseta especial, a Pomerode Gold. Basta acessar correbrasil.com.br, seguir as instruções e responder corretamente quem foram os padrinhos das quatro edições anteriores (Vanderlei Cordeiro, Maurren Maggi, Claudinei Quirino e Bernardo Fonseca).

Inscrições- As inscrições estão abertas pelo Webrun até 25 de outubro. Além da Meia Maratona (21 quilômetros), será realizada uma corrida de seis quilômetros e prova para crianças e adolescentes de seis a 14 anos.

A entrega de kits será na véspera da prova, no Pavilhão de Eventos Municipal, das 9h às 20h30. A partir das 19h, será oferecido jantar de massas aos inscritos.


Com apelo germânico, Meia de Pomerode chega à quinta edição

Corridas de Rua · 05 set, 2012

A Meia Maratona de Pomerode (SC, 28/10) já foi considerada uma das 20 provas que um corredor precisa participar ao menos uma vez. Com percurso plano e forte caráter germânico – a cidade é conhecida como a mais alemã do Brasil – a Meia atrai corredores de todo o Brasil.

Entre os pontos que ajudam a caracterizar a prova, estão as construções da cidade no estilo enxaimel, as orientações bilíngues, bandas temáticas ao longo do percurso, trajes típicos e a chopeira na chegada. Os vencedores, inclusive, ganham uma tulipa de chopp em metro.

Camiseta comemorativa- Para celebrar os cinco anos da corrida, a organização premiará quem correu as quatro edições anteriores e se inscrever neste ano com uma camiseta especial, a Pomerode Gold. Basta acessar correbrasil.com.br, seguir as instruções e responder corretamente quem foram os padrinhos das quatro edições anteriores (Vanderlei Cordeiro, Maurren Maggi, Claudinei Quirino e Bernardo Fonseca).

Inscrições- As inscrições estão abertas pelo Webrun até 25 de outubro. Além da Meia Maratona (21 quilômetros), será realizada uma corrida de seis quilômetros e prova para crianças e adolescentes de seis a 14 anos.

A entrega de kits será na véspera da prova, no Pavilhão de Eventos Municipal, das 9h às 20h30. A partir das 19h, será oferecido jantar de massas aos inscritos.

Inscrições para a Maratona de Blumenau vão até o dia sete de agosto

Corridas de Rua · 01 ago, 2012

Depois de um longo hiato, uma das maratonas com percurso mais rápido do Brasil está de volta. Com reputação de favorecer as melhores marcas, a Maratona de Blumenau retorna em 12 de agosto, agora sob a organização da Corre Brasil, responsável pelas meias maratonas de Pomerode e Balneário Camboriú, ambas também no Estado de Santa Catarina.

O clima ameno da região de Blumenau é outro atrativo para tempos rápidos, já que em agosto, a média de temperatura na cidade de imigrantes alemães é de 17°C. Como a largada é às 6h45, é provável que a temperatura esteja ainda mais baixa.

O percurso larga em Itajaí, no início da Rodovia Jorge Lacerda e com chegada no Castelinho Havan (Moellman), um dos cartões postais da cidade. Além da Maratona no domingo, serão realizadas na véspera (11/08) uma corrida de sete quilômetros e uma corrida infanto-juvenil (Maratoninha, de seis a 14 anos). A Maratona, portanto, será “pura”.

Às 19h de sábado será oferecido um jantar de massas para os maratonistas. As inscrições estão abertas até sete de agosto pelo Webrun.


Inscrições para a Maratona de Blumenau vão até o dia sete de agosto

Corridas de Rua · 01 ago, 2012

Depois de um longo hiato, uma das maratonas com percurso mais rápido do Brasil está de volta. Com reputação de favorecer as melhores marcas, a Maratona de Blumenau retorna em 12 de agosto, agora sob a organização da Corre Brasil, responsável pelas meias maratonas de Pomerode e Balneário Camboriú, ambas também no Estado de Santa Catarina.

O clima ameno da região de Blumenau é outro atrativo para tempos rápidos, já que em agosto, a média de temperatura na cidade de imigrantes alemães é de 17°C. Como a largada é às 6h45, é provável que a temperatura esteja ainda mais baixa.

O percurso larga em Itajaí, no início da Rodovia Jorge Lacerda e com chegada no Castelinho Havan (Moellman), um dos cartões postais da cidade. Além da Maratona no domingo, serão realizadas na véspera (11/08) uma corrida de sete quilômetros e uma corrida infanto-juvenil (Maratoninha, de seis a 14 anos). A Maratona, portanto, será “pura”.

Às 19h de sábado será oferecido um jantar de massas para os maratonistas. As inscrições estão abertas até sete de agosto pelo Webrun.

Festival de esportes em Mangaratiba (RJ) é opção para comemorar o dia dos pais

Corrida de Montanha · 24 jul, 2012

O dia dos pais este ano cai no dia 11 de agosto, mesmo dia do evento multiesportivo XTerra em Mangaratiba (RJ), que serve como opção para os pais se divertirem com os filhos num fim de semana que alia esporte e tursimo. Trata-se de um verdadeiro festival de esportes ao ar livre, realizado num resort à beira mar, que inclui triathlon, corrida noturna, ultramaratona, natação e corrida infantil.

“O XTerra é pensado como um evento esportivo que aproxima a natureza das pessoas”, conta Bernardo Fonseca, responsável pela organização. “A família toda pode participar, pois temos diversas opções, tanto para iniciantes, quanto para pessoas mais experientes”, completa. A arena é montada no Hotel Portobello Resort & Safari, localizado próximo a Angra dos Reis e de frente para a baía de Ilha Grande, na região da Costa Verde.

A partir das 9h de sábado (10/08) acontece o triathlon com distâncias de 1,5 quilômetro de natação, 22,5 de mountain bike e nove de corrida em meio às trilhas da região. Um pouco mais tarde, a partir das 14h, será a vez dos experientes atletas se desafiarem numa ultramaratona de 50 quilômetros em meio à mata virgem da região. Já sob o véu noturno, às 18h e às 19h respectivamente, será dada a largada para as corridas de nove e 18 quilômetros em trilhas mais suaves.

No domingo, às 9h, será a vez do desafio de natação com distâncias de 1,5 ou três quilômetros, com largada na praia particular do hotel. Os pequenos de um a 12 anos poderão dar os primeiros passos na corrida com a prova infantil, a partir das 10h, com baterias de 50 metros a um quilômetro conforme a idade.

O circuito XTerra esse ano já passou por diversas cidades do Brasil, como Natal (RN), Ilhabela (SP), Teresópolis (RJ), Manaus (AM) e Santa Bárbara (MG). As inscrições ainda estão abertas e podem ser feitas no site oficial, o www.xterrabrasil.com.br.


Festival de esportes em Mangaratiba (RJ) é opção para comemorar o dia dos pais

Corrida de Montanha · 24 jul, 2012

O dia dos pais este ano cai no dia 11 de agosto, mesmo dia do evento multiesportivo XTerra em Mangaratiba (RJ), que serve como opção para os pais se divertirem com os filhos num fim de semana que alia esporte e tursimo. Trata-se de um verdadeiro festival de esportes ao ar livre, realizado num resort à beira mar, que inclui triathlon, corrida noturna, ultramaratona, natação e corrida infantil.

“O XTerra é pensado como um evento esportivo que aproxima a natureza das pessoas”, conta Bernardo Fonseca, responsável pela organização. “A família toda pode participar, pois temos diversas opções, tanto para iniciantes, quanto para pessoas mais experientes”, completa. A arena é montada no Hotel Portobello Resort & Safari, localizado próximo a Angra dos Reis e de frente para a baía de Ilha Grande, na região da Costa Verde.

A partir das 9h de sábado (10/08) acontece o triathlon com distâncias de 1,5 quilômetro de natação, 22,5 de mountain bike e nove de corrida em meio às trilhas da região. Um pouco mais tarde, a partir das 14h, será a vez dos experientes atletas se desafiarem numa ultramaratona de 50 quilômetros em meio à mata virgem da região. Já sob o véu noturno, às 18h e às 19h respectivamente, será dada a largada para as corridas de nove e 18 quilômetros em trilhas mais suaves.

No domingo, às 9h, será a vez do desafio de natação com distâncias de 1,5 ou três quilômetros, com largada na praia particular do hotel. Os pequenos de um a 12 anos poderão dar os primeiros passos na corrida com a prova infantil, a partir das 10h, com baterias de 50 metros a um quilômetro conforme a idade.

O circuito XTerra esse ano já passou por diversas cidades do Brasil, como Natal (RN), Ilhabela (SP), Teresópolis (RJ), Manaus (AM) e Santa Bárbara (MG). As inscrições ainda estão abertas e podem ser feitas no site oficial, o www.xterrabrasil.com.br.

Maratoninha de SP abre inscrições para crianças de seis a 15 anos

Corridas de Rua · 05 jun, 2012

Os pequenos já podem se inteirar na Maratona Internacional de São Paulo, que acontece no dia 17 de junho na capital paulista. A corrida infantil, no dia dez de junho, abre a programação oficial da Maratona e convida crianças de seis a 15 anos para praticar o esporte no Ginásio do Ibirapuera (Conjunto Constâncio Vaz Guimarães).

As inscrições para a Maratoninha estão abertas até o dia oito de junho e podem ser feitas pelo site do evento (www.maratoninhadesaopaulo.com.br). O valor arrecado será totalmente revertido ao Ideeia (Instituto de Desenvolvimento do Esporte, Entretenimento, Educação, Inclusão, Arte, Cultura e Sustentabilidade), entidade sem fins lucrativos de incentivo à educação e à integração.

As crianças percorrerão de 50 a 600 metros, de acordo com a faixa etária, a partir das 9h do domingo (10/06). Os kits da Maratoninha serão entregues no dia da competição, no local do evento. A expectativa é reunir 1.500 jovens atletas este ano.

A Maratoninha faz parte do calendário da Maratona Internacional de São Paulo, que será disputada no dia 17 de junho em provas de 42, 25 e 10 quilômetros de corrida e ainda um percurso de três quilômetros de caminhada.


Maratoninha de SP abre inscrições para crianças de seis a 15 anos

Corridas de Rua · 05 jun, 2012

Os pequenos já podem se inteirar na Maratona Internacional de São Paulo, que acontece no dia 17 de junho na capital paulista. A corrida infantil, no dia dez de junho, abre a programação oficial da Maratona e convida crianças de seis a 15 anos para praticar o esporte no Ginásio do Ibirapuera (Conjunto Constâncio Vaz Guimarães).

As inscrições para a Maratoninha estão abertas até o dia oito de junho e podem ser feitas pelo site do evento (www.maratoninhadesaopaulo.com.br). O valor arrecado será totalmente revertido ao Ideeia (Instituto de Desenvolvimento do Esporte, Entretenimento, Educação, Inclusão, Arte, Cultura e Sustentabilidade), entidade sem fins lucrativos de incentivo à educação e à integração.

As crianças percorrerão de 50 a 600 metros, de acordo com a faixa etária, a partir das 9h do domingo (10/06). Os kits da Maratoninha serão entregues no dia da competição, no local do evento. A expectativa é reunir 1.500 jovens atletas este ano.

A Maratoninha faz parte do calendário da Maratona Internacional de São Paulo, que será disputada no dia 17 de junho em provas de 42, 25 e 10 quilômetros de corrida e ainda um percurso de três quilômetros de caminhada.

Consumir sal faz mal?

Atletismo · 19 mar, 2012

Na nutrição poucas coisas são realmente tão mal comprovadas como a quantidade adequada de nutrientes a se consumir. Na falta do que seja adequado, passaram a estabelecer quantidades ditas “seguras” deles. O mais incrível é que mesmo essas quantidades seguras carecem de comprovação. O sal é um dos maiores exemplos.

O preconizado hoje está na casa dos seis gramas por dia (2400mg de sódio), mas a população ocidental consome algo perto de dez gramas por dia. Isto faz algum mal?

Por incrível que pareça, não sabemos. Pior! Muito provavelmente consumir 0,6g, 16g ou 26g parece não ter efeitos importantes na nossa saúde. Mas por que a comunidade médica e de nutricionistas pede tanto cuidado com o consumo de sal?

Eles não sabem. Mas fingem saber. Nos anos 40, o médico Wallace Kempner criou uma dieta para cuidar de hipertensos. Aí começou o mito, porque esta dieta continha baixa quantidade de sódio.

Isso perpetuou um equívoco (como inúmeros outros duradouros na Medicina) ignorando que esta dieta também tinha outras particularidades, como ter baixa quantidade de gordura e muito potássio. E assim, gerações de médicos e nutricionistas caíram no incrível erro de replicar algo sem entender suas reais razões.

Culpado ou inocente- Se você perguntar a algum médico a razão de um hipertenso consumir pouco sal no hospital, talvez ele lhe diga que é porque o sal cria uma pequena elevação da pressão arterial. É verdade, mas isso nos sujeitos comuns acontece de forma muito tênue e por muito pouco tempo.

Sendo assim, a lógica de restringir o consumo de sal na população “normal”, aquela que não é sódio-sensível, é a mesma que basear o consumo de açúcar em indivíduos saudáveis baseado em populações de diabéticos. O grande problema é que não sabemos ainda identificar os sódio-sensíveis, sujeitos que devem consumir sal moderadamente, então optamos pela segurança de tentar tirar o sal da dieta de todo mundo.

Muito provavelmente esse grande equívoco médico de atacar o sal dure ainda algumas décadas. Inúmeros estudos e análises epidemiológicas mostram que não há relação válida entre hipertensão e alto consumo de sal, mas o mito já está impregnado.

A maior recomendação de médicos e nutricionistas deveria ser a de a pessoa regularmente acompanhar seus valores de pressão arterial, não o consumo de sal ou sódio. Por enquanto, ele foi injustamente condenado até que se prove o contrário. O sal, nada mais é que uma das provas que na medicina e na nutrição o veredito sai muitas vezes antes das evidências científicas.


Consumir sal faz mal?

Atletismo · 19 mar, 2012

Na nutrição poucas coisas são realmente tão mal comprovadas como a quantidade adequada de nutrientes a se consumir. Na falta do que seja adequado, passaram a estabelecer quantidades ditas “seguras” deles. O mais incrível é que mesmo essas quantidades seguras carecem de comprovação. O sal é um dos maiores exemplos.

O preconizado hoje está na casa dos seis gramas por dia (2400mg de sódio), mas a população ocidental consome algo perto de dez gramas por dia. Isto faz algum mal?

Por incrível que pareça, não sabemos. Pior! Muito provavelmente consumir 0,6g, 16g ou 26g parece não ter efeitos importantes na nossa saúde. Mas por que a comunidade médica e de nutricionistas pede tanto cuidado com o consumo de sal?

Eles não sabem. Mas fingem saber. Nos anos 40, o médico Wallace Kempner criou uma dieta para cuidar de hipertensos. Aí começou o mito, porque esta dieta continha baixa quantidade de sódio.

Isso perpetuou um equívoco (como inúmeros outros duradouros na Medicina) ignorando que esta dieta também tinha outras particularidades, como ter baixa quantidade de gordura e muito potássio. E assim, gerações de médicos e nutricionistas caíram no incrível erro de replicar algo sem entender suas reais razões.

Culpado ou inocente- Se você perguntar a algum médico a razão de um hipertenso consumir pouco sal no hospital, talvez ele lhe diga que é porque o sal cria uma pequena elevação da pressão arterial. É verdade, mas isso nos sujeitos comuns acontece de forma muito tênue e por muito pouco tempo.

Sendo assim, a lógica de restringir o consumo de sal na população “normal”, aquela que não é sódio-sensível, é a mesma que basear o consumo de açúcar em indivíduos saudáveis baseado em populações de diabéticos. O grande problema é que não sabemos ainda identificar os sódio-sensíveis, sujeitos que devem consumir sal moderadamente, então optamos pela segurança de tentar tirar o sal da dieta de todo mundo.

Muito provavelmente esse grande equívoco médico de atacar o sal dure ainda algumas décadas. Inúmeros estudos e análises epidemiológicas mostram que não há relação válida entre hipertensão e alto consumo de sal, mas o mito já está impregnado.

A maior recomendação de médicos e nutricionistas deveria ser a de a pessoa regularmente acompanhar seus valores de pressão arterial, não o consumo de sal ou sódio. Por enquanto, ele foi injustamente condenado até que se prove o contrário. O sal, nada mais é que uma das provas que na medicina e na nutrição o veredito sai muitas vezes antes das evidências científicas.

Excesso de hidratação pode causar complicações ao organismo

Atletismo · 21 fev, 2012

Recomenda-se com veemência que os corredores mantenham um alto nível de hidratação de seu corpo para superarem suas provas com relativa tranquilidade. No entanto, casos recentes de morte por excesso de ingestão de água chamaram atenção para o tema.

Em 2007, a norte-americana Jennifer Strange faleceu após participar de um concurso que consistia em beber o máximo de água sem urinar. No ano seguinte, a britânica Jacqueline Henson ingeriu grandes quantidades do líquido como parte de sua dieta de emagrecimento e também pereceu.

São casos extremos, mas de pessoas que teoricamente não tinham uma perda considerável de líquidos. No entanto, a morte de Cynthia Lucero na Maratona de Boston em 2002 serve de alerta para todos os corredores.

O médico do esporte e colunista do Webrun, Dr. José Marques Neto, explica o que acontece em nosso organismo quando o excesso se torna perigoso. “Com a ingestão exagerada de água, o líquido extracelular fica muito diluído e o líquido interno mais concentrado”, conta.

“Com isso, a água migra de fora para dentro da célula, que incha e leva a um edema cerebral. O cérebro incha e pressiona os centros do bulbo, que controlam o funcionamento cardiorrespiratório e vascular do nosso corpo”, esclarece o médico.

Segundo o Dr. Neto, não há um parâmetro bem definido para evitar complicações dessa natureza. “Não tem essa de ‘ah, se eu tomar três copos estou bem hidratado, se tomar quatro eu morro’, é algo subjetivo e razão de controvérsia na literatura médica”.

Urina é indicativo- Dr. Neto afirma que o consenso entre os fisiologistas é de que a sede já caracteriza um quadro de desidratação, por isso é encorajada a ingestão de água nas corridas mesmo que não haja sede. “A cor da urina é o melhor parâmetro para o leigo, porque serve como indicativo”, pondera.

Neste caso, vale o bom senso. A urina escura, assim como a sede, já é um claro sinal de desidratação e, portanto, não deve ocorrer. “Sinais de hiperidratação são uma urina extremamente clara, transparente. Se ela estiver apenas razoavelmente clara, você está bem hidratado”, define.

“Existe uma variabilidade individual, são vários parâmetros que mudam de pessoa para pessoa. O importante é se manter hidratado ao longo do dia, andar sempre com uma garrafinha”, recomenda o médico.

Isotônicos- Há também a crença de que tomar muito isotônico pode criar pedra nos rins. “Isso também é referência individual. Teoricamente causa cálculo renal pelo excesso de sódio, mas é mais na esfera da teoria do que na prática. O importante é usar apenas como propósito de reposição, quando houver desgaste”, diz Dr. Neto.

Em termos gerais, tanto para água quanto para isotônicos o médico afirma que “o problema está no abuso, não no uso. É muito mais importante estar hidratado antes da prova, ao longo da semana, do que chegar no dia e querer recuperar tudo durante a corrida”, conclui.


Excesso de hidratação pode causar complicações ao organismo

Atletismo · 21 fev, 2012

Recomenda-se com veemência que os corredores mantenham um alto nível de hidratação de seu corpo para superarem suas provas com relativa tranquilidade. No entanto, casos recentes de morte por excesso de ingestão de água chamaram atenção para o tema.

Em 2007, a norte-americana Jennifer Strange faleceu após participar de um concurso que consistia em beber o máximo de água sem urinar. No ano seguinte, a britânica Jacqueline Henson ingeriu grandes quantidades do líquido como parte de sua dieta de emagrecimento e também pereceu.

São casos extremos, mas de pessoas que teoricamente não tinham uma perda considerável de líquidos. No entanto, a morte de Cynthia Lucero na Maratona de Boston em 2002 serve de alerta para todos os corredores.

O médico do esporte e colunista do Webrun, Dr. José Marques Neto, explica o que acontece em nosso organismo quando o excesso se torna perigoso. “Com a ingestão exagerada de água, o líquido extracelular fica muito diluído e o líquido interno mais concentrado”, conta.

“Com isso, a água migra de fora para dentro da célula, que incha e leva a um edema cerebral. O cérebro incha e pressiona os centros do bulbo, que controlam o funcionamento cardiorrespiratório e vascular do nosso corpo”, esclarece o médico.

Segundo o Dr. Neto, não há um parâmetro bem definido para evitar complicações dessa natureza. “Não tem essa de ‘ah, se eu tomar três copos estou bem hidratado, se tomar quatro eu morro’, é algo subjetivo e razão de controvérsia na literatura médica”.

Urina é indicativo- Dr. Neto afirma que o consenso entre os fisiologistas é de que a sede já caracteriza um quadro de desidratação, por isso é encorajada a ingestão de água nas corridas mesmo que não haja sede. “A cor da urina é o melhor parâmetro para o leigo, porque serve como indicativo”, pondera.

Neste caso, vale o bom senso. A urina escura, assim como a sede, já é um claro sinal de desidratação e, portanto, não deve ocorrer. “Sinais de hiperidratação são uma urina extremamente clara, transparente. Se ela estiver apenas razoavelmente clara, você está bem hidratado”, define.

“Existe uma variabilidade individual, são vários parâmetros que mudam de pessoa para pessoa. O importante é se manter hidratado ao longo do dia, andar sempre com uma garrafinha”, recomenda o médico.

Isotônicos- Há também a crença de que tomar muito isotônico pode criar pedra nos rins. “Isso também é referência individual. Teoricamente causa cálculo renal pelo excesso de sódio, mas é mais na esfera da teoria do que na prática. O importante é usar apenas como propósito de reposição, quando houver desgaste”, diz Dr. Neto.

Em termos gerais, tanto para água quanto para isotônicos o médico afirma que “o problema está no abuso, não no uso. É muito mais importante estar hidratado antes da prova, ao longo da semana, do que chegar no dia e querer recuperar tudo durante a corrida”, conclui.

A nova moda: levar comida para o trabalho

Atletismo · 02 fev, 2012

Quem diria que a famosa “marmita” seria a nova moda do momento? O que antigamente era uma opção de pessoas de renda mais baixa e que não tinham como pagar por uma refeição no local de trabalho, se tornou uma opção de muitas pessoas que desejam uma alimentação mais saudável, incluindo atores e famosos em geral.

E por que levar comida para o trabalho é uma opção mais saudável? A resposta é simples. Ao fazer nossa própria comida, sabemos quanto de óleo, sal e condimentos foi colocado para fazer o arroz ou a carne. Também, escolhemos um tipo de carne mais magra, tiramos a gordura da carne antes de cozinhar e é possível evitar usar temperos muito gordurosos, como os caldos de carne e de galinha.

Além disso, outra vantagem é montar a marmita no dia anterior, o que permite que as quantidades sejam colocadas conforme a necessidade e não conforme a fome. Muitas vezes chegando ao restaurante a fome é muito grande e o olho acaba sendo maior que a boca. No final, a quantidade ingerida de comida acaba sendo maior que a necessária.

Então, como montar uma marmita saudável que ajude na dieta e a manter um peso saudável? Seguindo algumas dicas simples:

  • Leve sempre uma marmita de salada - Separada da parte quente, leve um pote com salada verde e alguns legumes (como cenoura, pepino, tomate). Esta salada oferecerá uma boa quantidade de minerais e vitaminas. Use apenas uma colher de chá de azeite, vinagre e pouco sal para temperar. Evite temperos prontos, que são altamente calóricos, gordurosos e ricos em sal.

  • Sempre coma uma fonte de carboidrato - Lembres-se sempre que o carboidrato é nossa maior fonte de energia, então, ele deve estar presente em todas as nossas refeições. Algumas opções: arroz integral, massa integral, batata cozida ou assada.

  • Uma leguminosa para acompanhar o carboidrato. As leguminosas (feijão, lentilha, ervilha) complementam a refeição e oferecem alguns nutrientes importantes, entre eles o ferro.

  • Não se esqueça da fonte de proteína - A proteína também é de extrema importância para o funcionamento do nosso organismo. Então, a marmita sempre deve ter uma carne, peixe, frango, ovo ou proteína de soja, que são as nossas boas fontes de proteínas.

  • De sobremesa uma fruta - Outra vantagem de levar comida é não sofrer com as tentações que sempre estão expostas nos restaurantes. E a maior das tentações normalmente são os doces. Então, ao levar comida de casa, opte por uma fruta de sobremesa. Escolha preferencialmente frutas ricas em vitamina C (abacaxi, laranja, mexerica) que ajudam na absorção do ferro consumido durante a refeição.

    Se onde você trabalha existe a opção de levar comida (ou seja, existe uma copa com geladeira e microondas), pense com carinho nesta possibilidade. Afinal, comida de casa é sempre mais saborosa e mais saudável. Além disso, fica muito mais fácil seguir a dieta, fracionar a comida de forma correta e não sofrer tantas tentações com as comidas dos restaurantes. E de quebra é possível economizar um bom dinheiro, uma vez que a comida feita em casa é muito mais barata do que a comida de restaurante.

    Bom apetite!!!


  • A nova moda: levar comida para o trabalho

    Atletismo · 02 fev, 2012

    Quem diria que a famosa “marmita” seria a nova moda do momento? O que antigamente era uma opção de pessoas de renda mais baixa e que não tinham como pagar por uma refeição no local de trabalho, se tornou uma opção de muitas pessoas que desejam uma alimentação mais saudável, incluindo atores e famosos em geral.

    E por que levar comida para o trabalho é uma opção mais saudável? A resposta é simples. Ao fazer nossa própria comida, sabemos quanto de óleo, sal e condimentos foi colocado para fazer o arroz ou a carne. Também, escolhemos um tipo de carne mais magra, tiramos a gordura da carne antes de cozinhar e é possível evitar usar temperos muito gordurosos, como os caldos de carne e de galinha.

    Além disso, outra vantagem é montar a marmita no dia anterior, o que permite que as quantidades sejam colocadas conforme a necessidade e não conforme a fome. Muitas vezes chegando ao restaurante a fome é muito grande e o olho acaba sendo maior que a boca. No final, a quantidade ingerida de comida acaba sendo maior que a necessária.

    Então, como montar uma marmita saudável que ajude na dieta e a manter um peso saudável? Seguindo algumas dicas simples:

  • Leve sempre uma marmita de salada - Separada da parte quente, leve um pote com salada verde e alguns legumes (como cenoura, pepino, tomate). Esta salada oferecerá uma boa quantidade de minerais e vitaminas. Use apenas uma colher de chá de azeite, vinagre e pouco sal para temperar. Evite temperos prontos, que são altamente calóricos, gordurosos e ricos em sal.

  • Sempre coma uma fonte de carboidrato - Lembres-se sempre que o carboidrato é nossa maior fonte de energia, então, ele deve estar presente em todas as nossas refeições. Algumas opções: arroz integral, massa integral, batata cozida ou assada.

  • Uma leguminosa para acompanhar o carboidrato. As leguminosas (feijão, lentilha, ervilha) complementam a refeição e oferecem alguns nutrientes importantes, entre eles o ferro.

  • Não se esqueça da fonte de proteína - A proteína também é de extrema importância para o funcionamento do nosso organismo. Então, a marmita sempre deve ter uma carne, peixe, frango, ovo ou proteína de soja, que são as nossas boas fontes de proteínas.

  • De sobremesa uma fruta - Outra vantagem de levar comida é não sofrer com as tentações que sempre estão expostas nos restaurantes. E a maior das tentações normalmente são os doces. Então, ao levar comida de casa, opte por uma fruta de sobremesa. Escolha preferencialmente frutas ricas em vitamina C (abacaxi, laranja, mexerica) que ajudam na absorção do ferro consumido durante a refeição.

    Se onde você trabalha existe a opção de levar comida (ou seja, existe uma copa com geladeira e microondas), pense com carinho nesta possibilidade. Afinal, comida de casa é sempre mais saborosa e mais saudável. Além disso, fica muito mais fácil seguir a dieta, fracionar a comida de forma correta e não sofrer tantas tentações com as comidas dos restaurantes. E de quebra é possível economizar um bom dinheiro, uma vez que a comida feita em casa é muito mais barata do que a comida de restaurante.

    Bom apetite!!!

  • Diet, light e zero: aprenda as diferenças entre eles

    Atletismo · 25 jan, 2012

    O consumo de alimentos Diet e Light tem aumentado muito nos últimos anos. Entre 1998 e 2008 o crescimento foi de 800%. Com este consumo, surgem algumas dúvidas muito comuns, como: qual a diferença entre o Diet e o Light? O refrigerante Zero é a mesma coisa que Diet? O Light pode ser consumido por diabéticos? Entre tantas outras. Mais fácil do que responder a estas perguntas é explicar a diferença entre estas denominações.

    Diet: este termo é utilizado em alimentos que estão isentos de algum item em sua fórmula. Desta forma o termo só pode ser aplicado a alimentos destinados a dietas com restrição de nutrientes, como carboidrato, gordura, proteína ou sódio. Um chocolate Diet, por exemplo, não contém açúcar. Os alimentos Diet são regulamentados pela Portaria SVS/MS nº. 29/1998, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). E é exigência da Anvisa que todo produto Diet contenha no rótulo a frase "Consumir preferencialmente sob orientação de nutricionista ou médico".

    Light: a definição de alimento Light deve ser empregada nos produtos que apresentem redução mínima de 25% em determinado nutriente ou calorias comparado com o alimento convencional. Na embalagem deve constar uma tabela comparativa com o alimento convencional.

    Zero: termo muito comum utilizado para refrigerantes. Na maioria das vezes indica que o produto é “zero açúcar”, o que seria sinônimo de uma bebida Diet. Essas apostas de troca de denominação fazem parte de uma estratégia de marketing, que busca atingir públicos diferentes com produtos bastante semelhantes (por ex: refrigerante zero e refrigerante light).


    Bom, mas o que estas definições indicam na prática? Indicam uma necessidade de atenção no rótulo e na tabela nutricional destes alimentos. Usando o chocolate de exemplo, uma pessoa pode acreditar que o chocolate Diet é menos calórico por sua denominação, porém, na prática o chocolate Diet é mais calórico que o normal. O açúcar é trocado pelo adoçante, e para se manter textura e palatabilidade a gordura é acrescentada, muitas vezes tornando-o mais calórico que o normal. Já o chocolate light traz a redução de algum nutriente específico ou do valor energético. É preciso consultar a tabela nutricional, na embalagem, para saber se essa redução é conveniente para a dieta do consumidor. Ou seja, o Diet normalmente é mais calórico que o Light quando se fala em chocolate.

    Por isso, o ideal para quem deseja perder peso é fazer uso de alimentos Light, que são menos calóricos, normalmente com menor teor de gordura (o que é positivo quando se pensa na saúde como um todo) e baixa quantidade de açúcar.

    Outra coisa importante é sempre ler o rótulo da embalagem, Muitas vezes o produto é calórico mesmo sendo Light, afinal, o produto convencional é muito calórico e o Light precisa ser apenas 25% menos calórico que ele. Ou ainda, para alguém que esteja realizando restrição de açúcar, o produto Light pode conter açúcar em quantidade reduzida, mas ainda assim este faz parte de sua composição.

    Espero que estas dicas ajudem nas suas próximas compras!


    Diet, light e zero: aprenda as diferenças entre eles

    Atletismo · 25 jan, 2012

    O consumo de alimentos Diet e Light tem aumentado muito nos últimos anos. Entre 1998 e 2008 o crescimento foi de 800%. Com este consumo, surgem algumas dúvidas muito comuns, como: qual a diferença entre o Diet e o Light? O refrigerante Zero é a mesma coisa que Diet? O Light pode ser consumido por diabéticos? Entre tantas outras. Mais fácil do que responder a estas perguntas é explicar a diferença entre estas denominações.

    Diet: este termo é utilizado em alimentos que estão isentos de algum item em sua fórmula. Desta forma o termo só pode ser aplicado a alimentos destinados a dietas com restrição de nutrientes, como carboidrato, gordura, proteína ou sódio. Um chocolate Diet, por exemplo, não contém açúcar. Os alimentos Diet são regulamentados pela Portaria SVS/MS nº. 29/1998, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). E é exigência da Anvisa que todo produto Diet contenha no rótulo a frase "Consumir preferencialmente sob orientação de nutricionista ou médico".

    Light: a definição de alimento Light deve ser empregada nos produtos que apresentem redução mínima de 25% em determinado nutriente ou calorias comparado com o alimento convencional. Na embalagem deve constar uma tabela comparativa com o alimento convencional.

    Zero: termo muito comum utilizado para refrigerantes. Na maioria das vezes indica que o produto é “zero açúcar”, o que seria sinônimo de uma bebida Diet. Essas apostas de troca de denominação fazem parte de uma estratégia de marketing, que busca atingir públicos diferentes com produtos bastante semelhantes (por ex: refrigerante zero e refrigerante light).


    Bom, mas o que estas definições indicam na prática? Indicam uma necessidade de atenção no rótulo e na tabela nutricional destes alimentos. Usando o chocolate de exemplo, uma pessoa pode acreditar que o chocolate Diet é menos calórico por sua denominação, porém, na prática o chocolate Diet é mais calórico que o normal. O açúcar é trocado pelo adoçante, e para se manter textura e palatabilidade a gordura é acrescentada, muitas vezes tornando-o mais calórico que o normal. Já o chocolate light traz a redução de algum nutriente específico ou do valor energético. É preciso consultar a tabela nutricional, na embalagem, para saber se essa redução é conveniente para a dieta do consumidor. Ou seja, o Diet normalmente é mais calórico que o Light quando se fala em chocolate.

    Por isso, o ideal para quem deseja perder peso é fazer uso de alimentos Light, que são menos calóricos, normalmente com menor teor de gordura (o que é positivo quando se pensa na saúde como um todo) e baixa quantidade de açúcar.

    Outra coisa importante é sempre ler o rótulo da embalagem, Muitas vezes o produto é calórico mesmo sendo Light, afinal, o produto convencional é muito calórico e o Light precisa ser apenas 25% menos calórico que ele. Ou ainda, para alguém que esteja realizando restrição de açúcar, o produto Light pode conter açúcar em quantidade reduzida, mas ainda assim este faz parte de sua composição.

    Espero que estas dicas ajudem nas suas próximas compras!

    Tênis velhos poderão ser descartados para reciclagem nas lojas Adidas

    Atletismo · 24 jan, 2012

    A marca esportiva Adidas anunciou na última terça-feira (24/01) o início da campanha Pegada Sustentável, cujo objetivo é promover diversas ações com o objetivo de minimizar os impactos ambientais causados pelo descarte inadequado dos calçados esportivos. Qualquer pessoa poderá descartar um tênis sem condições de uso em uma das lojas da marca espalhadas pelo Brasil.

    De acordo com números apresentados pela Adidas, anualmente são consumidos 800 milhões de pares de tênis no Brasil, sendo 120 milhões calçados esportivos. A ideia é promover uma logística reversa, ou seja, retornar o produto de consumo para seu local de origem e estimular as pessoas a descartarem o que não tem mais utilidade.

    Todo o processo será feito em parceria com a RCR Ambiental, empresa especializada em gestão de produtos não comercializáveis, que cuidará do processo de transporte e reutilização do material. Todos os calçados serão triturados e servirão como combustível para fornos de cimento, sempre seguindo as normas ambientais nacionais.

    “Estamos desenvolvendo um programa mais abrangente visando a Copa 2014. Mais do que um compromisso de desenvolvimento sustentável, temos aqui uma iniciativa de cidadania corporativa”, afirma Fernando Basualdo, Diretor Geral da Adidas Brasil. Cada pessoa poderá levar seu tênis esportivo de qualquer marca e modelo a um dos pontos de coleta, onde vai assinar um termo de doação e receberá um brinde especial (ingresso para visitar o Museu do Futebol, no Estádio do Pacembu, em São Paulo).

    A segunda fase do projeto prevê o desmembramento dos componentes dos calçados com o intuito de gerar subprodutos, como enchimentos de quadra, por exemplo. A cidade de São Paulo será a primeira a participar do projeto e, a partir de março, as demais praças também farão parte.

    A Loja Conceito da Adidas em São Paulo funciona na Rua Oscar Freire, 1057, Cerqueira Cesar. Para conhecer os outros endereços, basta acessar o site oficial da marca, o www.adidas.com.br.


    Tênis velhos poderão ser descartados para reciclagem nas lojas Adidas

    Atletismo · 24 jan, 2012

    A marca esportiva Adidas anunciou na última terça-feira (24/01) o início da campanha Pegada Sustentável, cujo objetivo é promover diversas ações com o objetivo de minimizar os impactos ambientais causados pelo descarte inadequado dos calçados esportivos. Qualquer pessoa poderá descartar um tênis sem condições de uso em uma das lojas da marca espalhadas pelo Brasil.

    De acordo com números apresentados pela Adidas, anualmente são consumidos 800 milhões de pares de tênis no Brasil, sendo 120 milhões calçados esportivos. A ideia é promover uma logística reversa, ou seja, retornar o produto de consumo para seu local de origem e estimular as pessoas a descartarem o que não tem mais utilidade.

    Todo o processo será feito em parceria com a RCR Ambiental, empresa especializada em gestão de produtos não comercializáveis, que cuidará do processo de transporte e reutilização do material. Todos os calçados serão triturados e servirão como combustível para fornos de cimento, sempre seguindo as normas ambientais nacionais.

    “Estamos desenvolvendo um programa mais abrangente visando a Copa 2014. Mais do que um compromisso de desenvolvimento sustentável, temos aqui uma iniciativa de cidadania corporativa”, afirma Fernando Basualdo, Diretor Geral da Adidas Brasil. Cada pessoa poderá levar seu tênis esportivo de qualquer marca e modelo a um dos pontos de coleta, onde vai assinar um termo de doação e receberá um brinde especial (ingresso para visitar o Museu do Futebol, no Estádio do Pacembu, em São Paulo).

    A segunda fase do projeto prevê o desmembramento dos componentes dos calçados com o intuito de gerar subprodutos, como enchimentos de quadra, por exemplo. A cidade de São Paulo será a primeira a participar do projeto e, a partir de março, as demais praças também farão parte.

    A Loja Conceito da Adidas em São Paulo funciona na Rua Oscar Freire, 1057, Cerqueira Cesar. Para conhecer os outros endereços, basta acessar o site oficial da marca, o www.adidas.com.br.

    Comunidade da Rocinha recebe corredores de Braços Abertos

    Caminhada · 24 jan, 2012

    Direto do Rio de Janeiro - No último domingo (22/01) duas mil pessoas participaram da corrida Rocinha de Braços Abertos, evento que propiciou uma enorme integração entre moradores e forças militares. Em um cenário antes dominado pelo tráfico de drogas, correram juntos moradores da Rocinha e de outras regiões do Rio de Janeiro, turistas, policiais do Bope, policiais de UPPs, Marinha, Aeronáutica, Exército e demais forças militares.

    “Esta corrida é boa porque assim as pessoas vêem a favela de outro modo. Assim é possível ter integração da favela com o asfalto. É muito bom para todo mundo, serve para quebrar os preconceitos”, explica Roberto da Silva, 43 anos, morador da comunidade e integrante da equipe de corrida da Rocinha.

    Outro que comemora muito a nova era da comunidade pacificada é Edmilson Batista Ramos, mais conhecido como Hippie, um dos fundadores da equipe de corrida local. “Eu era do movimento Hippie e sempre preguei paz e amor aqui na comunidade, quando tinha briga eu ia lá separar”, lembra o morador. “Eu comecei com a equipe da Rocinha porque gostava de correr e via muito jovem magrinho com o biotipo de corredor. E quando você é pobre, o Estado não cuida de você e a única chance que estes jovens tinham era no esporte”, conta.

    Bruno Mendes, de 19 anos, representa a nova geração de corredores da Rocinha. “Minha mãe era da equipe, aí eu comecei a treinar e gostei muito. O percurso aqui é bem pesado, mas a gente tem vantagem porque já conhece”, comemora.

    Já Cícero Damião, de 60 anos e morador da comunidade há 43, ainda viu muitos problemas no evento. “A corrida foi boa, mas o povo ficou na rua atrapalhando, teve quem incentivou, mas teve quem ficou no meio do caminho. E não limparam nem o percurso da prova. Tinham trechos cheios de lodo e lixo”, reclama. E complementa: “por enquanto eu ainda não vi diferença com a comunidade pacificada, este evento que estão comemorando já tinha aqui, a corrida de São Sebastião saía daqui e passava pela estrada da Gávea”, lembra.

    Militares participam em peso - Os militares marcaram presença na primeira corrida pela paz e só o Bope levou um grupo de 120 pessoas. “A gente tinha obrigação de participar. É muito importante isso no processo de pacificação destas comunidades”, conta Maurílio Nunes, que além de correr levou seu filho Arthur Nunes de apenas um ano para participar da corrida das crianças. “Acho importante incentivá-lo a participar do esporte. E isto aqui hoje está seguro, tanto que eu o trouxe. Participei do processo de pacificação e é completamente diferente. Antes eu subia de fuzil, agora de short e tênis”, diz.

    Os militares da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) do Morro do Borel também marcaram presença com uma equipe de 15 pessoas, que despertaram atenção da ala feminina por sua excelente forma física. “Nós treinamos toda sexta-feira feira no Borel. O percurso diferente é algo que já estamos acostumados, mas de qualquer forma o importante é participar e completar a prova”, conta Edgar Mello.

    A brigada paraquedista se destacou com um grupo de 25 pessoas, entre eles veteranos bem animados com a corrida. “Nós ajudamos o Bope na pacificação e agora fomos convidados diretamente por eles, então tínhamos de vir”, conta Sebastião Martins. “Hoje aqui é só amor e paz, estas ações são boas para quebrar o clima de guerra”, diz.

    O policial militar Leone Pinheiro tem uma opinião parecida “É bom esta corrida que permite a integração, mostra um lado mais humano da polícia. É outro ambiente agora, não é mais aquele clima tenso, de medo”, conta.


    Comunidade da Rocinha recebe corredores de Braços Abertos

    Caminhada · 24 jan, 2012

    Direto do Rio de Janeiro - No último domingo (22/01) duas mil pessoas participaram da corrida Rocinha de Braços Abertos, evento que propiciou uma enorme integração entre moradores e forças militares. Em um cenário antes dominado pelo tráfico de drogas, correram juntos moradores da Rocinha e de outras regiões do Rio de Janeiro, turistas, policiais do Bope, policiais de UPPs, Marinha, Aeronáutica, Exército e demais forças militares.

    “Esta corrida é boa porque assim as pessoas vêem a favela de outro modo. Assim é possível ter integração da favela com o asfalto. É muito bom para todo mundo, serve para quebrar os preconceitos”, explica Roberto da Silva, 43 anos, morador da comunidade e integrante da equipe de corrida da Rocinha.

    Outro que comemora muito a nova era da comunidade pacificada é Edmilson Batista Ramos, mais conhecido como Hippie, um dos fundadores da equipe de corrida local. “Eu era do movimento Hippie e sempre preguei paz e amor aqui na comunidade, quando tinha briga eu ia lá separar”, lembra o morador. “Eu comecei com a equipe da Rocinha porque gostava de correr e via muito jovem magrinho com o biotipo de corredor. E quando você é pobre, o Estado não cuida de você e a única chance que estes jovens tinham era no esporte”, conta.

    Bruno Mendes, de 19 anos, representa a nova geração de corredores da Rocinha. “Minha mãe era da equipe, aí eu comecei a treinar e gostei muito. O percurso aqui é bem pesado, mas a gente tem vantagem porque já conhece”, comemora.

    Já Cícero Damião, de 60 anos e morador da comunidade há 43, ainda viu muitos problemas no evento. “A corrida foi boa, mas o povo ficou na rua atrapalhando, teve quem incentivou, mas teve quem ficou no meio do caminho. E não limparam nem o percurso da prova. Tinham trechos cheios de lodo e lixo”, reclama. E complementa: “por enquanto eu ainda não vi diferença com a comunidade pacificada, este evento que estão comemorando já tinha aqui, a corrida de São Sebastião saía daqui e passava pela estrada da Gávea”, lembra.

    Militares participam em peso - Os militares marcaram presença na primeira corrida pela paz e só o Bope levou um grupo de 120 pessoas. “A gente tinha obrigação de participar. É muito importante isso no processo de pacificação destas comunidades”, conta Maurílio Nunes, que além de correr levou seu filho Arthur Nunes de apenas um ano para participar da corrida das crianças. “Acho importante incentivá-lo a participar do esporte. E isto aqui hoje está seguro, tanto que eu o trouxe. Participei do processo de pacificação e é completamente diferente. Antes eu subia de fuzil, agora de short e tênis”, diz.

    Os militares da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) do Morro do Borel também marcaram presença com uma equipe de 15 pessoas, que despertaram atenção da ala feminina por sua excelente forma física. “Nós treinamos toda sexta-feira feira no Borel. O percurso diferente é algo que já estamos acostumados, mas de qualquer forma o importante é participar e completar a prova”, conta Edgar Mello.

    A brigada paraquedista se destacou com um grupo de 25 pessoas, entre eles veteranos bem animados com a corrida. “Nós ajudamos o Bope na pacificação e agora fomos convidados diretamente por eles, então tínhamos de vir”, conta Sebastião Martins. “Hoje aqui é só amor e paz, estas ações são boas para quebrar o clima de guerra”, diz.

    O policial militar Leone Pinheiro tem uma opinião parecida “É bom esta corrida que permite a integração, mostra um lado mais humano da polícia. É outro ambiente agora, não é mais aquele clima tenso, de medo”, conta.