Veteranos

Será que a fascite plantar tem saída?

Corrida de Montanha · 25 ago, 2016

Uma sensação de ardência na planta do pé chega aparentemente sem motivos, isso pode ser um sintoma da tão falada fascite plantar. A inflamação é um grande problema na evolução dos treinos de qualquer corredor, até mesmo dos mais experientes.

A fascite plantar se tornou uma lesão muito comum na população brasileira com mais de dois milhões de casos por ano, atingindo com maior incidência pessoas entre 40 e 60 anos, porém jovens e idosos relatam com certa frequência o problema. O fisiologista do exercício Diego Leite explica que na maioria dos casos a lesão está associada a um encurtamento das estruturas que conectam o osso calcâneo aos dedos do pé.

O fisioterapeuta Claudio Cotter alerta que ao contrário do que as pessoas pensam, na maior parte das vezes não existe processo inflamatório, isto ocorre em casos mais agudos, onde há acúmulo de líquido, dor local e às vezes até mesmo a pele fica quente. “O que observamos nos corredores é um processo de espessamento do tecido da fascia plantar, causado pelo acúmulo de colágeno. Isto ocorre pelo excesso de estiramento do tecido, devido a estímulos repetitivos”, explica.

Devemos estar atentos à sobrecarga que colocamos em nossos pés. A grande quantidade de estímulos, pelo treinamento ou mesmo pelo tempo que ficamos em pé Foto: Stasique/Fotolia Devemos estar atentos à sobrecarga que colocamos em nossos pés. A grande quantidade de estímulos, pelo treinamento ou mesmo pelo tempo que ficamos em pé Foto: Stasique/Fotolia


Causas

Este processo pode ocorrer em várias situações como a mudança de calçado diminuindo o drop, mudança para tênis com sola mais dura, treinamento em pisos mais duros do que se está acostumado ou ainda numa situação de adaptação postural imperceptível, gerando estresse nos tecidos. “Todas estas mudanças podem resultar na fascite plantar, mas para este tipo de diagnóstico é necessária uma avaliação postural”, explica o fisioterapeuta.

O fisiologista Diego conta que a lesão também está associada a um encurtamento das estruturas, que conectam o osso calcâneo aos dedos do pé. “Existem diversas maneiras de se tratar cada caso, podemos destacar os alongamentos com liberação da musculatura plantar, confecção de palmilhas com apoios corretos dos pontos de sobrecarga e adequação do calçado”, conta.

É possível identificá-la com antecedência?

Na maior parte dos casos vale a pena manter o hábito de massagear a sola dos pés com bolinha de tênis, ou outros tipos mais duros. Esta é uma forma de prevenir e sentir se existem pontos de maior tensão, não permitindo assim que se acumulem retrações/aderências.

“Devemos estar atentos à sobrecarga que colocamos em nossos pés. A grande quantidade de estímulos, pelo treinamento ou mesmo pelo tempo que ficamos em pé, pode ser um fator determinante para a redução e prevenção desta lesão”, explica Diego. Vale sempre lembrar que o trabalho de fortalecimento e alongamento destas estruturas também são comprovadamente maneiras de prevenção.

Existe dor no tornozelo sem entorse?

Na maior parte dos casos vale a pena manter o hábito de massagear a sola dos pés com bolinha de tênis, ou outros tipos mais duros Foto: Lev/Fotolia Na maior parte dos casos vale a pena manter o hábito de massagear a sola dos pés com bolinha de tênis, ou outros tipos mais duros Foto: Lev/Fotolia

Como tratar?

Para o fisioterapeuta massagear a fascia plantar ajuda bastante. “Em casos agudos, nos quais a sola do pé está quente, pode-se congelar uma garrafa de água e massagear com gelo por cinco minutos. Mas na maior parte das situações, a avaliação postural é importante para determinar a causa primária”, diz.

Mesmo com essas estratégias, quando o quadro inflamatório se encontra avançado, é importante a avaliação de um ortopedista e de um fisioterapeuta para realizar o tratamento indicado.


Será que a fascite plantar tem saída?

Corrida de Montanha · 25 ago, 2016

Uma sensação de ardência na planta do pé chega aparentemente sem motivos, isso pode ser um sintoma da tão falada fascite plantar. A inflamação é um grande problema na evolução dos treinos de qualquer corredor, até mesmo dos mais experientes.

A fascite plantar se tornou uma lesão muito comum na população brasileira com mais de dois milhões de casos por ano, atingindo com maior incidência pessoas entre 40 e 60 anos, porém jovens e idosos relatam com certa frequência o problema. O fisiologista do exercício Diego Leite explica que na maioria dos casos a lesão está associada a um encurtamento das estruturas que conectam o osso calcâneo aos dedos do pé.

O fisioterapeuta Claudio Cotter alerta que ao contrário do que as pessoas pensam, na maior parte das vezes não existe processo inflamatório, isto ocorre em casos mais agudos, onde há acúmulo de líquido, dor local e às vezes até mesmo a pele fica quente. “O que observamos nos corredores é um processo de espessamento do tecido da fascia plantar, causado pelo acúmulo de colágeno. Isto ocorre pelo excesso de estiramento do tecido, devido a estímulos repetitivos”, explica.

Devemos estar atentos à sobrecarga que colocamos em nossos pés. A grande quantidade de estímulos, pelo treinamento ou mesmo pelo tempo que ficamos em pé Foto: Stasique/Fotolia Devemos estar atentos à sobrecarga que colocamos em nossos pés. A grande quantidade de estímulos, pelo treinamento ou mesmo pelo tempo que ficamos em pé Foto: Stasique/Fotolia


Causas

Este processo pode ocorrer em várias situações como a mudança de calçado diminuindo o drop, mudança para tênis com sola mais dura, treinamento em pisos mais duros do que se está acostumado ou ainda numa situação de adaptação postural imperceptível, gerando estresse nos tecidos. “Todas estas mudanças podem resultar na fascite plantar, mas para este tipo de diagnóstico é necessária uma avaliação postural”, explica o fisioterapeuta.

O fisiologista Diego conta que a lesão também está associada a um encurtamento das estruturas, que conectam o osso calcâneo aos dedos do pé. “Existem diversas maneiras de se tratar cada caso, podemos destacar os alongamentos com liberação da musculatura plantar, confecção de palmilhas com apoios corretos dos pontos de sobrecarga e adequação do calçado”, conta.

É possível identificá-la com antecedência?

Na maior parte dos casos vale a pena manter o hábito de massagear a sola dos pés com bolinha de tênis, ou outros tipos mais duros. Esta é uma forma de prevenir e sentir se existem pontos de maior tensão, não permitindo assim que se acumulem retrações/aderências.

“Devemos estar atentos à sobrecarga que colocamos em nossos pés. A grande quantidade de estímulos, pelo treinamento ou mesmo pelo tempo que ficamos em pé, pode ser um fator determinante para a redução e prevenção desta lesão”, explica Diego. Vale sempre lembrar que o trabalho de fortalecimento e alongamento destas estruturas também são comprovadamente maneiras de prevenção.

Existe dor no tornozelo sem entorse?

Na maior parte dos casos vale a pena manter o hábito de massagear a sola dos pés com bolinha de tênis, ou outros tipos mais duros Foto: Lev/Fotolia Na maior parte dos casos vale a pena manter o hábito de massagear a sola dos pés com bolinha de tênis, ou outros tipos mais duros Foto: Lev/Fotolia

Como tratar?

Para o fisioterapeuta massagear a fascia plantar ajuda bastante. “Em casos agudos, nos quais a sola do pé está quente, pode-se congelar uma garrafa de água e massagear com gelo por cinco minutos. Mas na maior parte das situações, a avaliação postural é importante para determinar a causa primária”, diz.

Mesmo com essas estratégias, quando o quadro inflamatório se encontra avançado, é importante a avaliação de um ortopedista e de um fisioterapeuta para realizar o tratamento indicado.

Confira cinco exercícios para chapar a barriga

Atletismo · 10 ago, 2016

Atire a primeira pedra quem nunca sonhou em ter uma barriga no estilo “tanquinho” ou, pelo menos, desejou perder aquela parte mais saliente que acaba com o look. Segundo Ana Grechi, professora da academia Bio Ritmo, alcançar esse objetivo não é impossível, basta investir nas atividades certas, alimentação equilibrada e seguir corretamente a rotina definida.

“Quando a finalidade é secar a barriga, é necessário fazer uma força-tarefa. Por isso, além dos exercícios abdominais, também é importante ativar o corpo de uma forma global com treinos funcionais e musculação aliados a trabalhos de cardio, para elevar o gasto calórico”, explica Ana Grechi.

De acordo com a especialista, na hora do treino, é preciso optar por exercícios que intensifiquem o trabalho nesta região corporal. Neste caso, a sugestão é focar em cinco movimentos potentes que podem, e muito, ajudar na hora de conquistar o abdômen desejado.

Confira os exercícios indicados pela professora, que podem ser feitos de duas a quatro séries seguidas, de 10 a 15 repetições, de acordo com o nível de aptidão física do praticante.

Procurando novos desafios? Confira aqui no site do Ticket Agora!

De acordo com a especialista, na hora do treino, é preciso optar por exercícios que intensifiquem o trabalho nesta região corporal Foto: oneinchpunch/Fotolia De acordo com a especialista, na hora do treino, é preciso optar por exercícios que intensifiquem o trabalho nesta região corporal Foto: oneinchpunch/Fotolia

Abdominal canivete

Sentada(o) e, com o tronco inclinado para trás, as pernas semiflexionadas e elevadas, os braços flexionados sem encostar o cotovelo no chão e as mãos apoiadas, flexione os joelhos ao mesmo tempo em que eleva o tronco, sem tirar as mãos do lugar.

Foto: Divulgação Foto: Divulgação

Abdominal infra solo/prancha declinada

Deitada(o) de costas na prancha de abdominal e com as mãos apoiadas nas manoplas, estenda as pernas unidas e eleve-as para cima, na altura da cintura. Contraia o abdômen e desça as pernas bem devagar (sem retirar a região lombar na prancha) até formar um ângulo de 45° graus. A prancha pode estar declinada para os avançados ou reta para iniciantes.

Foto: studioloco/fotolia Foto: studioloco/fotolia

Abdominal oblíquo lateral

O exercício é realizado no chão, deitando-se de barriga para cima, com os joelhos flexionados e posicionados ambos para um dos lados. Então realize a flexão de coluna e retorne à posição inicial. “Ao terminar a série de um lado repita a mesma para o outro”, explica Ana.

Foto: studioloco/fotolia Foto: studioloco/fotolia

Abdominal suspenso

Para trabalhar a musculatura total do abdômen, segure firme na barra, flexione o quadril e faça a extensão para voltar a posição inicial. A dica neste exercício é evitar que o corpo balance para ter melhor resultado.

Foto: Jacob Lund/Fotolia Foto: Jacob Lund/Fotolia

Abdominal rolinho

Posicione os joelhos no solo, segurando no aparador lateral do aparelho. Em seguida, deslize o aparelho para frente e em linha reta, fazendo a extensão dos joelhos e do quadril. No retorno para a posição inicial, os joelhos e o quadril fazem a flexão, e os ombros ficam em extensão.

Foto: petunyia/Fotolia Foto: petunyia/Fotolia


Confira cinco exercícios para chapar a barriga

Atletismo · 10 ago, 2016

Atire a primeira pedra quem nunca sonhou em ter uma barriga no estilo “tanquinho” ou, pelo menos, desejou perder aquela parte mais saliente que acaba com o look. Segundo Ana Grechi, professora da academia Bio Ritmo, alcançar esse objetivo não é impossível, basta investir nas atividades certas, alimentação equilibrada e seguir corretamente a rotina definida.

“Quando a finalidade é secar a barriga, é necessário fazer uma força-tarefa. Por isso, além dos exercícios abdominais, também é importante ativar o corpo de uma forma global com treinos funcionais e musculação aliados a trabalhos de cardio, para elevar o gasto calórico”, explica Ana Grechi.

De acordo com a especialista, na hora do treino, é preciso optar por exercícios que intensifiquem o trabalho nesta região corporal. Neste caso, a sugestão é focar em cinco movimentos potentes que podem, e muito, ajudar na hora de conquistar o abdômen desejado.

Confira os exercícios indicados pela professora, que podem ser feitos de duas a quatro séries seguidas, de 10 a 15 repetições, de acordo com o nível de aptidão física do praticante.

Procurando novos desafios? Confira aqui no site do Ticket Agora!

De acordo com a especialista, na hora do treino, é preciso optar por exercícios que intensifiquem o trabalho nesta região corporal Foto: oneinchpunch/Fotolia De acordo com a especialista, na hora do treino, é preciso optar por exercícios que intensifiquem o trabalho nesta região corporal Foto: oneinchpunch/Fotolia

Abdominal canivete

Sentada(o) e, com o tronco inclinado para trás, as pernas semiflexionadas e elevadas, os braços flexionados sem encostar o cotovelo no chão e as mãos apoiadas, flexione os joelhos ao mesmo tempo em que eleva o tronco, sem tirar as mãos do lugar.

Foto: Divulgação Foto: Divulgação

Abdominal infra solo/prancha declinada

Deitada(o) de costas na prancha de abdominal e com as mãos apoiadas nas manoplas, estenda as pernas unidas e eleve-as para cima, na altura da cintura. Contraia o abdômen e desça as pernas bem devagar (sem retirar a região lombar na prancha) até formar um ângulo de 45° graus. A prancha pode estar declinada para os avançados ou reta para iniciantes.

Foto: studioloco/fotolia Foto: studioloco/fotolia

Abdominal oblíquo lateral

O exercício é realizado no chão, deitando-se de barriga para cima, com os joelhos flexionados e posicionados ambos para um dos lados. Então realize a flexão de coluna e retorne à posição inicial. “Ao terminar a série de um lado repita a mesma para o outro”, explica Ana.

Foto: studioloco/fotolia Foto: studioloco/fotolia

Abdominal suspenso

Para trabalhar a musculatura total do abdômen, segure firme na barra, flexione o quadril e faça a extensão para voltar a posição inicial. A dica neste exercício é evitar que o corpo balance para ter melhor resultado.

Foto: Jacob Lund/Fotolia Foto: Jacob Lund/Fotolia

Abdominal rolinho

Posicione os joelhos no solo, segurando no aparador lateral do aparelho. Em seguida, deslize o aparelho para frente e em linha reta, fazendo a extensão dos joelhos e do quadril. No retorno para a posição inicial, os joelhos e o quadril fazem a flexão, e os ombros ficam em extensão.

Foto: petunyia/Fotolia Foto: petunyia/Fotolia

O alongamento antes do exercício é importante?

Atletismo · 09 ago, 2016

A questão de alongamento antes dos treinos é uma polêmica, enquanto muitos treinadores de corrida afirmam que isto é muito necessário, outros dizem que a movimentação pode até atrapalhar no desempenho do atleta.

No time dos que indicam o alongamento está Franklin Bisneto, educador físico da academia Bio Ritmo. Segundo ele o alongamento pode trazer uma série de benefícios, entre eles, relaxamento e prevenção de lesões. “Deste modo, alongar-se é extremamente importante antes e depois de qualquer atividade física, trazendo inúmeros benefícios à saúde e até mesmo ao desempenho nos exercícios, evitando entorse de tornozelo, distensão muscular e lesões ligamentares”, comenta.

Já o fisioterapeuta e colunista do Webrun Claudio Cotter pensa de outra forma. “Devemos avaliar o alongamento muito mais como um compensador pelo tempo que você ficou sentado em posições rígidas, do que como esporte em si. Devemos praticá-lo em horários fora do treino, uma boa hora é antes de dormir para relaxar”, explica. “Hoje sabemos que é muito mais importante aquecer, para preparar o corpo para o exercício e desaquecer, para favorecer a limpeza do lactato e outros catabólitos circulantes, que são os restos de reações que acontecem dentro da célula durante trabalho muscular”.

Conhece o Circuito Unimed? Ele terá 15 etapas no Sul do Brasil, saiba mais!

O alongamento que tem como principal função desprogramar, ou seja, diminuir seus inputs neurais, fazendo com que os músculos fiquem mais ativos Foto: glisic_albina/Fotolia O alongamento que tem como principal função desprogramar, ou seja, diminuir seus inputs neurais, fazendo com que os músculos fiquem mais ativos Foto: glisic_albina/Fotolia

O também colunista do Webrun e presidente da ATC (Associação dos Treinadores de Corrida), Nelson Evencio lembra que os benefícios do alongamento antes do exercício não são comprovados. “Dizem até que atrapalha alongar o músculo e depois fazer forças, pois são informações contrárias, mas acredito no alongamento pós-treino. É o momento para descontrair as fibras musculares, mas devemos tomar cuidado para não romper nenhum ligamento”, explica.

Segundo o fisioterapeuta preparar o corpo para o exercício e desaquecê-lo favorece a limpeza do lactato. “Não deixei de recomendar alongamentos para meus pacientes, já que isso é uma ótima ferramenta para desprogramar vícios posturais e auxiliar na liberação miofascial, quando usados na hora certa. Mas, ainda não existe resposta exata para quem não faz alongamento, pois muitas pessoas nunca o fazem e não tem lesões enquanto outras se não alongarem nem conseguem sair da cama. De qualquer forma um bom alongamento para relaxar os músculos deve focar nos músculos posturais e estabilizadores como glúteos e piriformes”, comenta.

O alongamento que tem como principal função desprogramar, ou seja, diminuir seus inputs neurais, fazendo com que os músculos fiquem mais ativos. O que não é recomendado antes de atividades físicas. “Se feito com muita intensidade pode até aumentar o risco de lesão do músculo durante uma atividade intensa”, finaliza Cláudio.

E para você corredor, prefere alongar ou não?


O alongamento antes do exercício é importante?

Atletismo · 09 ago, 2016

A questão de alongamento antes dos treinos é uma polêmica, enquanto muitos treinadores de corrida afirmam que isto é muito necessário, outros dizem que a movimentação pode até atrapalhar no desempenho do atleta.

No time dos que indicam o alongamento está Franklin Bisneto, educador físico da academia Bio Ritmo. Segundo ele o alongamento pode trazer uma série de benefícios, entre eles, relaxamento e prevenção de lesões. “Deste modo, alongar-se é extremamente importante antes e depois de qualquer atividade física, trazendo inúmeros benefícios à saúde e até mesmo ao desempenho nos exercícios, evitando entorse de tornozelo, distensão muscular e lesões ligamentares”, comenta.

Já o fisioterapeuta e colunista do Webrun Claudio Cotter pensa de outra forma. “Devemos avaliar o alongamento muito mais como um compensador pelo tempo que você ficou sentado em posições rígidas, do que como esporte em si. Devemos praticá-lo em horários fora do treino, uma boa hora é antes de dormir para relaxar”, explica. “Hoje sabemos que é muito mais importante aquecer, para preparar o corpo para o exercício e desaquecer, para favorecer a limpeza do lactato e outros catabólitos circulantes, que são os restos de reações que acontecem dentro da célula durante trabalho muscular”.

Conhece o Circuito Unimed? Ele terá 15 etapas no Sul do Brasil, saiba mais!

O alongamento que tem como principal função desprogramar, ou seja, diminuir seus inputs neurais, fazendo com que os músculos fiquem mais ativos Foto: glisic_albina/Fotolia O alongamento que tem como principal função desprogramar, ou seja, diminuir seus inputs neurais, fazendo com que os músculos fiquem mais ativos Foto: glisic_albina/Fotolia

O também colunista do Webrun e presidente da ATC (Associação dos Treinadores de Corrida), Nelson Evencio lembra que os benefícios do alongamento antes do exercício não são comprovados. “Dizem até que atrapalha alongar o músculo e depois fazer forças, pois são informações contrárias, mas acredito no alongamento pós-treino. É o momento para descontrair as fibras musculares, mas devemos tomar cuidado para não romper nenhum ligamento”, explica.

Segundo o fisioterapeuta preparar o corpo para o exercício e desaquecê-lo favorece a limpeza do lactato. “Não deixei de recomendar alongamentos para meus pacientes, já que isso é uma ótima ferramenta para desprogramar vícios posturais e auxiliar na liberação miofascial, quando usados na hora certa. Mas, ainda não existe resposta exata para quem não faz alongamento, pois muitas pessoas nunca o fazem e não tem lesões enquanto outras se não alongarem nem conseguem sair da cama. De qualquer forma um bom alongamento para relaxar os músculos deve focar nos músculos posturais e estabilizadores como glúteos e piriformes”, comenta.

O alongamento que tem como principal função desprogramar, ou seja, diminuir seus inputs neurais, fazendo com que os músculos fiquem mais ativos. O que não é recomendado antes de atividades físicas. “Se feito com muita intensidade pode até aumentar o risco de lesão do músculo durante uma atividade intensa”, finaliza Cláudio.

E para você corredor, prefere alongar ou não?

Cuidado com o açúcar, ele pode ser o grande vilão da sua dieta!

Atletismo · 09 ago, 2016

O consumo de açúcar pode ser tanto um vício, quanto um hábito já que a introdução do alimento na dieta é feito muitas vezes sem pensar. O efeito viciante do açúcar pode bagunçar o cérebro levando a compulsão alimentar.

O açúcar está presente em diversos alimentos principalmente em refrigerantes Foto: Focus Pocus LTD/Fotolia O açúcar está presente em diversos alimentos principalmente em refrigerantes Foto: Focus Pocus LTD/Fotolia

Segundo o nutricionista Rafael Brasília, existem duas soluções para terminar com o vício: reduzir gradualmente ou cortar radicalmente. “Trocar o açúcar por outros carboidratos vai atenuar o sintoma de abstinência, então a forma mais correta seria trocar por uma fruta, como a banana quando sentisse vontade. O Garcinia Cambogia é um suplemento indicado para reduzir essa vontade de açúcar, mas não é milagroso”, explica.

Uma pesquisa divulgada pela Escola de Medicina Icahn, Monte Sinai estudou cerca de 504 participantes e descobriu que os comportamentos e atitudes em relação a determinados alimentos de alto índice glicêmico, refletiam padrões de dependência química. Quando comemos um doce, ocorre a liberação de dopamina, hormônio responsável pela sensação de prazer, no mesmo local onde o hormônio é acionado nos viciados em cocaína

Rafael indica a seus pacientes que precisam diminuir o consumo do açúcar a troca por adoçantes, como stevia, sucralose e aspartame. “O próprio indivíduo deve perceber como se sente em relação ao consumo. Algumas pessoas tornam-se gulosas com pouco, levando as consumir mais do que o necessário, enquanto outras conseguem controlar melhor a situação. Cada caso é um caso”, diz.

“A excitação que chega ao cérebro com o consumo de açúcar é similar a cocaína. No lado hormonal, o alimento traz liberação de insulina que faz o transporte do mesmo para dentro do músculo e fígado, fazendo que a corrente sanguínea fique proporcionalmente em déficit e daí vem uma nova demanda por açúcar. Um verdadeiro ciclo viciante”, explica Rafael.

Lembrando que o açúcar não está somente presente em alimentos doces, mas também em industrializados como sucos, refrigerantes, pães, cereais e muitos outros. Para diminuir e controlar o consumo uma das dicas é beber mais água. O cérebro confunde desidratação com fome e isso pode reduzir sua propensão a atacar guloseimas. Tente ingerir também mais proteínas, que garantem uma saciedade mais longa e resista ao impulso de beliscar entre as refeições.


Cuidado com o açúcar, ele pode ser o grande vilão da sua dieta!

Atletismo · 09 ago, 2016

O consumo de açúcar pode ser tanto um vício, quanto um hábito já que a introdução do alimento na dieta é feito muitas vezes sem pensar. O efeito viciante do açúcar pode bagunçar o cérebro levando a compulsão alimentar.

O açúcar está presente em diversos alimentos principalmente em refrigerantes Foto: Focus Pocus LTD/Fotolia O açúcar está presente em diversos alimentos principalmente em refrigerantes Foto: Focus Pocus LTD/Fotolia

Segundo o nutricionista Rafael Brasília, existem duas soluções para terminar com o vício: reduzir gradualmente ou cortar radicalmente. “Trocar o açúcar por outros carboidratos vai atenuar o sintoma de abstinência, então a forma mais correta seria trocar por uma fruta, como a banana quando sentisse vontade. O Garcinia Cambogia é um suplemento indicado para reduzir essa vontade de açúcar, mas não é milagroso”, explica.

Uma pesquisa divulgada pela Escola de Medicina Icahn, Monte Sinai estudou cerca de 504 participantes e descobriu que os comportamentos e atitudes em relação a determinados alimentos de alto índice glicêmico, refletiam padrões de dependência química. Quando comemos um doce, ocorre a liberação de dopamina, hormônio responsável pela sensação de prazer, no mesmo local onde o hormônio é acionado nos viciados em cocaína

Rafael indica a seus pacientes que precisam diminuir o consumo do açúcar a troca por adoçantes, como stevia, sucralose e aspartame. “O próprio indivíduo deve perceber como se sente em relação ao consumo. Algumas pessoas tornam-se gulosas com pouco, levando as consumir mais do que o necessário, enquanto outras conseguem controlar melhor a situação. Cada caso é um caso”, diz.

“A excitação que chega ao cérebro com o consumo de açúcar é similar a cocaína. No lado hormonal, o alimento traz liberação de insulina que faz o transporte do mesmo para dentro do músculo e fígado, fazendo que a corrente sanguínea fique proporcionalmente em déficit e daí vem uma nova demanda por açúcar. Um verdadeiro ciclo viciante”, explica Rafael.

Lembrando que o açúcar não está somente presente em alimentos doces, mas também em industrializados como sucos, refrigerantes, pães, cereais e muitos outros. Para diminuir e controlar o consumo uma das dicas é beber mais água. O cérebro confunde desidratação com fome e isso pode reduzir sua propensão a atacar guloseimas. Tente ingerir também mais proteínas, que garantem uma saciedade mais longa e resista ao impulso de beliscar entre as refeições.

Relaxe pós-treino com nossas dicas de creme para corredoras

Corrida de Montanha · 03 ago, 2016

Nem todos os treinos e corridas saem perfeitos, principalmente quando se fala em dores e fadiga pós-exercício. A rotina faz com que tanto mulheres quanto homens percam a atenção nos cuidados corporais, lembrando que os praticantes de atividades físicas devem ficar ainda mais atento. Para isso, fomos buscar produtos para melhorar a sensação pós-treino.

Apesar da marca ter uma pegada mais feminina, as corredoras que utilizam a Pink Cheeks, sem dúvida, já viram muitos namorados e maridos corredores pegarem emprestados seus produtos.

O “Like a Princess” dá uma sensação de alívio para pernas e pés. O creme e possui ultra hidratante, microesferas douradas de Vitamina E, extrato de camomila, manteiga de karité e D-pantenol. Proporciona alívio e refresca com a ajuda do mentol, podendo ser usado também fora do esporte, para pessoas que trabalham o dia todo com sapato de salto ou ficam muito tempo em pé, ajudando a recuperar a musculatura das pernas.

O valor é de R$ 34,90.

O Keep Feet é outro produto da marca que nutri e afina a pele espessa dos pés. Para quem precisa de uma hidratação mais profunda e duradoura ele é uma ótima opção, reduzindo visivelmente a aparência dos pés ressecados. Contém ureia, ácido salicílico e 10% de manteiga de karité.

O valor é de R$ 29,90
Saia, shorts, bermuda ou calça? Qual sua opção favorita para correr?

O Dorlflex Icyhot ainda não é muito conhecido, mas ótimo para recuperação pós-treino. O produto está disponível tanto na versão bandagem como roll-on e não tem cheiro forte.

A versão com 73ml custa R$ 17,35.

Para quem gosta de marcas tradicionais a Granado possui o Gel Pés e Pernas Cansadas, no valor de R$ 27,50.

A Bula Verdde também possui um produto especialmente desenvolvido para o descanso dos pés e calcanhares. Ele é composto de uréia, ácido salicílico e tintura de Benjoim que hidratam profundamente, prevenindo e recuperando a pele dos pés contra rachaduras. O produto custa R$ 35,90.

Finalizamos com o Dotourzinho Arnica, ele ajuda na fadiga corporal, sendo uma ótima opção pós-longão. Pode ser usado junto com seu hidratante de preferência e tem o valor de R$ 15.


Relaxe pós-treino com nossas dicas de creme para corredoras

Corrida de Montanha · 03 ago, 2016

Nem todos os treinos e corridas saem perfeitos, principalmente quando se fala em dores e fadiga pós-exercício. A rotina faz com que tanto mulheres quanto homens percam a atenção nos cuidados corporais, lembrando que os praticantes de atividades físicas devem ficar ainda mais atento. Para isso, fomos buscar produtos para melhorar a sensação pós-treino.

Apesar da marca ter uma pegada mais feminina, as corredoras que utilizam a Pink Cheeks, sem dúvida, já viram muitos namorados e maridos corredores pegarem emprestados seus produtos.

O “Like a Princess” dá uma sensação de alívio para pernas e pés. O creme e possui ultra hidratante, microesferas douradas de Vitamina E, extrato de camomila, manteiga de karité e D-pantenol. Proporciona alívio e refresca com a ajuda do mentol, podendo ser usado também fora do esporte, para pessoas que trabalham o dia todo com sapato de salto ou ficam muito tempo em pé, ajudando a recuperar a musculatura das pernas.

O valor é de R$ 34,90.

O Keep Feet é outro produto da marca que nutri e afina a pele espessa dos pés. Para quem precisa de uma hidratação mais profunda e duradoura ele é uma ótima opção, reduzindo visivelmente a aparência dos pés ressecados. Contém ureia, ácido salicílico e 10% de manteiga de karité.

O valor é de R$ 29,90
Saia, shorts, bermuda ou calça? Qual sua opção favorita para correr?

O Dorlflex Icyhot ainda não é muito conhecido, mas ótimo para recuperação pós-treino. O produto está disponível tanto na versão bandagem como roll-on e não tem cheiro forte.

A versão com 73ml custa R$ 17,35.

Para quem gosta de marcas tradicionais a Granado possui o Gel Pés e Pernas Cansadas, no valor de R$ 27,50.

A Bula Verdde também possui um produto especialmente desenvolvido para o descanso dos pés e calcanhares. Ele é composto de uréia, ácido salicílico e tintura de Benjoim que hidratam profundamente, prevenindo e recuperando a pele dos pés contra rachaduras. O produto custa R$ 35,90.

Finalizamos com o Dotourzinho Arnica, ele ajuda na fadiga corporal, sendo uma ótima opção pós-longão. Pode ser usado junto com seu hidratante de preferência e tem o valor de R$ 15.

Ingerir leite antes da corrida pode prejudicar desempenho?

Corrida de Montanha · 13 jul, 2016

O leite deixou de ser o queridinho das dietas e cada vez mais produtos sem lactose estão no mercado, mas será que toda essa mudança faz realmente alguma diferença? Será que para quem corre há alguma substância prejudicial ao desempenho durante treinos e provas?

Segundo a nutricionista Patrícia Cruz existem explicações para o surgimento de cada vez mais indivíduos intolerantes. “Algumas pessoas vem diminuindo o consumo de leite fazendo com que a enzima lactase, que é responsável pela digestão da lactose, diminua sua capacidade de produção e ação, impossibilitando uma digestão eficiente”, diz. Outro fator importante é o estilo de vida da população em geral. “A dieta irregular, pobre em fibra, rica em gordura entre outros fatores ocasiona alterações microbiotas intestinais e assim, as intolerâncias alimentares surgem”, diz.

Os carboidratos de rápida digestão e em menor volume são a principal sugestão de Patrícia para o consumo pré-treino. “Não costumo prescrever leite por ser líquido e causar certo desconforto no início de uma corrida. Porém, ele só deve ser cortado completamente para pessoas que apresentarem diagnóstico positivo de intolerância ou alergia”, explica.

A substituição por leites vegetais como soja, amêndoa, arroz ou aveia, de preferência enriquecidos em cálcio, é importante além de muitas vezes existir a necessidade de suplementação oral. “Pode ser também que a pessoa não se sinta bem ao ingerir suplementos, porque muitos são a base de proteína do soro do leite, o que pode causar desconforto”, diz.

A substituição por leites vegetais como soja, amêndoa, arroz ou aveia, de preferência enriquecidos em cálcio é importante Foto: Luigi Giordano/Fotolia A substituição por leites vegetais como soja, amêndoa, arroz ou aveia, de preferência enriquecidos em cálcio é importante Foto: Luigi Giordano/Fotolia

Corrida X Leite
A nutricionista indica que os atletas optem por versões isentas ou com baixo teor de gordura. “O mais correto é que o alimento faça parte do desjejum ou café da manhã. Ele também pode ser consumido em uma refeição pós-treino para quem não se sente mal”.

Iogurtes naturais, desnatados, integrais, light e zero são boas opções para substituir o leite em si, enquanto queijos, principalmente os amarelos, oferecem um teor maior de gordura e sal que pode fazer mal a que consumir.


Ingerir leite antes da corrida pode prejudicar desempenho?

Corrida de Montanha · 13 jul, 2016

O leite deixou de ser o queridinho das dietas e cada vez mais produtos sem lactose estão no mercado, mas será que toda essa mudança faz realmente alguma diferença? Será que para quem corre há alguma substância prejudicial ao desempenho durante treinos e provas?

Segundo a nutricionista Patrícia Cruz existem explicações para o surgimento de cada vez mais indivíduos intolerantes. “Algumas pessoas vem diminuindo o consumo de leite fazendo com que a enzima lactase, que é responsável pela digestão da lactose, diminua sua capacidade de produção e ação, impossibilitando uma digestão eficiente”, diz. Outro fator importante é o estilo de vida da população em geral. “A dieta irregular, pobre em fibra, rica em gordura entre outros fatores ocasiona alterações microbiotas intestinais e assim, as intolerâncias alimentares surgem”, diz.

Os carboidratos de rápida digestão e em menor volume são a principal sugestão de Patrícia para o consumo pré-treino. “Não costumo prescrever leite por ser líquido e causar certo desconforto no início de uma corrida. Porém, ele só deve ser cortado completamente para pessoas que apresentarem diagnóstico positivo de intolerância ou alergia”, explica.

A substituição por leites vegetais como soja, amêndoa, arroz ou aveia, de preferência enriquecidos em cálcio, é importante além de muitas vezes existir a necessidade de suplementação oral. “Pode ser também que a pessoa não se sinta bem ao ingerir suplementos, porque muitos são a base de proteína do soro do leite, o que pode causar desconforto”, diz.

A substituição por leites vegetais como soja, amêndoa, arroz ou aveia, de preferência enriquecidos em cálcio é importante Foto: Luigi Giordano/Fotolia A substituição por leites vegetais como soja, amêndoa, arroz ou aveia, de preferência enriquecidos em cálcio é importante Foto: Luigi Giordano/Fotolia

Corrida X Leite
A nutricionista indica que os atletas optem por versões isentas ou com baixo teor de gordura. “O mais correto é que o alimento faça parte do desjejum ou café da manhã. Ele também pode ser consumido em uma refeição pós-treino para quem não se sente mal”.

Iogurtes naturais, desnatados, integrais, light e zero são boas opções para substituir o leite em si, enquanto queijos, principalmente os amarelos, oferecem um teor maior de gordura e sal que pode fazer mal a que consumir.

Inove na ceia com um Panetone saudável

Corrida de Montanha · 15 dez, 2015

Panetone é sinônimo de Natal e tem muita gente que não o dispensa por nada nessa época do ano. Para quem não quer escorregar totalmente na dieta é possível comer versões menos calóricas e mais nutritivas.

Panetone é tradição no Natal, que tal experimentar uma versão fit? Foto: chandlervid85/Fotolia Panetone é tradição no Natal, que tal experimentar uma versão fit? Foto: chandlervid85/Fotolia

Confira algumas receitas!

Panetone Integral

Ingredientes
- 1 colher de sopa de essência de baunilha
- 4 colheres de sopa maionese de soja (sem sal)
-1 colher de sopa de raspas de limão 3 colheres de sopa de leite de soja
- 1 ½ xícaras de farinha de trigo
- 1 ½ xícaras de farinha de trigo integral
- 2 colheres de sopa de fermento seco para pães
- 1 xícara de uvas passas
- 1 colher de chá de sal
- 1 xícara de água morna
- 2 xícaras de açúcar mascavo
- ¼ xícara de castanha do pará em pequenos pedaços
- ¼ xícara de amêndoas em pequenos pedaços

Modo de fazer
Junte a farinha de trigo, a farinha de trigo integral, fermento seco para pães, açúcar mascavo e raspas de limão

Adicione a água morna, o leite de soja, sal, a essência de baunilha, misture bem, a massa ficará parecida com a de pão. Acrescente as castanhas, amêndoas, uvas passas e a maionese de soja, e sove bem.

Coloque a mistura em duas formas de panetone e deixe descansar por uma hora e meia em um local sem corrente de ar. Leve ao forno pré-aquecido, deixe por dez minutos em fogo alto, depois abaixe para forno médio e deixe por mais ou menos 30 minutos. Ao final, antes de tirar faça o teste do palito para verificar se a massa por dentro não está mais úmida.

Panetone funcional

Ingredientes
- 1 copo de água quente
- 2 xícaras de farinha de arroz
- 20 g de fermento instantâneo
- 100 g de polvilho doce
- 70 g de fécula de batata
- 120 g de açúcar mascavo
- 20 g de semente de chia
- 10 g de goma xantana
- 3 ovos
- ½ xícara de óleo de girassol
- 1 colher de chá de essência de baunilha
- 100 g de castanha-do-pará picada
- 80 g de chocolate 70 % cacau

Modo de fazer
Misture a água quente, a farinha de arroz e o fermento com as mãos e deixe descansar dentro do micro-ondas desligado por uma hora até dobrar de volume.

Em uma tigela, misture o polvilho, a fécula de batata, o açúcar, a chia e goma xantana e peneire. Depois, coloque os ovos, o óleo e a essência. Acrescente a mistura de farinha de arroz e mexa com as mãos. Adicione o chocolate e as castanhas. Coloque em formas de panetone - rende quatro grandes. Deixe descansar novamente por uma hora no micro-ondas para crescer e leve ao forno pré-aquecido por 40 minutos aproximadamente.

Panetone fit

Ingredientes
- 6 bananas nanicas maduras
- ½ xícara de margarina sem sal
- 1 xícara de uva passa
- 2 xícaras de farinha de trigo integral
- 2 xícaras de farinha de aveia
- 1 xícara da açúcar mascavo
- 2 colheres de sopa de canela (opcional)
- 1 colher de sopa de fermento em pó

Modo de fazer
Amasse bem as bananas, misture a margarina e as frutas secas. Em outro recipiente misture os ingredientes secos, depois misture tudo em um recipiente grande.

Com o auxílio de uma colher, adicione a mistura nas forminhas de papelão. Leve ao forno pré aquecido por aproximadamente 50 minutos.


Inove na ceia com um Panetone saudável

Corrida de Montanha · 15 dez, 2015

Panetone é sinônimo de Natal e tem muita gente que não o dispensa por nada nessa época do ano. Para quem não quer escorregar totalmente na dieta é possível comer versões menos calóricas e mais nutritivas.

Panetone é tradição no Natal, que tal experimentar uma versão fit? Foto: chandlervid85/Fotolia Panetone é tradição no Natal, que tal experimentar uma versão fit? Foto: chandlervid85/Fotolia

Confira algumas receitas!

Panetone Integral

Ingredientes
- 1 colher de sopa de essência de baunilha
- 4 colheres de sopa maionese de soja (sem sal)
-1 colher de sopa de raspas de limão 3 colheres de sopa de leite de soja
- 1 ½ xícaras de farinha de trigo
- 1 ½ xícaras de farinha de trigo integral
- 2 colheres de sopa de fermento seco para pães
- 1 xícara de uvas passas
- 1 colher de chá de sal
- 1 xícara de água morna
- 2 xícaras de açúcar mascavo
- ¼ xícara de castanha do pará em pequenos pedaços
- ¼ xícara de amêndoas em pequenos pedaços

Modo de fazer
Junte a farinha de trigo, a farinha de trigo integral, fermento seco para pães, açúcar mascavo e raspas de limão

Adicione a água morna, o leite de soja, sal, a essência de baunilha, misture bem, a massa ficará parecida com a de pão. Acrescente as castanhas, amêndoas, uvas passas e a maionese de soja, e sove bem.

Coloque a mistura em duas formas de panetone e deixe descansar por uma hora e meia em um local sem corrente de ar. Leve ao forno pré-aquecido, deixe por dez minutos em fogo alto, depois abaixe para forno médio e deixe por mais ou menos 30 minutos. Ao final, antes de tirar faça o teste do palito para verificar se a massa por dentro não está mais úmida.

Panetone funcional

Ingredientes
- 1 copo de água quente
- 2 xícaras de farinha de arroz
- 20 g de fermento instantâneo
- 100 g de polvilho doce
- 70 g de fécula de batata
- 120 g de açúcar mascavo
- 20 g de semente de chia
- 10 g de goma xantana
- 3 ovos
- ½ xícara de óleo de girassol
- 1 colher de chá de essência de baunilha
- 100 g de castanha-do-pará picada
- 80 g de chocolate 70 % cacau

Modo de fazer
Misture a água quente, a farinha de arroz e o fermento com as mãos e deixe descansar dentro do micro-ondas desligado por uma hora até dobrar de volume.

Em uma tigela, misture o polvilho, a fécula de batata, o açúcar, a chia e goma xantana e peneire. Depois, coloque os ovos, o óleo e a essência. Acrescente a mistura de farinha de arroz e mexa com as mãos. Adicione o chocolate e as castanhas. Coloque em formas de panetone - rende quatro grandes. Deixe descansar novamente por uma hora no micro-ondas para crescer e leve ao forno pré-aquecido por 40 minutos aproximadamente.

Panetone fit

Ingredientes
- 6 bananas nanicas maduras
- ½ xícara de margarina sem sal
- 1 xícara de uva passa
- 2 xícaras de farinha de trigo integral
- 2 xícaras de farinha de aveia
- 1 xícara da açúcar mascavo
- 2 colheres de sopa de canela (opcional)
- 1 colher de sopa de fermento em pó

Modo de fazer
Amasse bem as bananas, misture a margarina e as frutas secas. Em outro recipiente misture os ingredientes secos, depois misture tudo em um recipiente grande.

Com o auxílio de uma colher, adicione a mistura nas forminhas de papelão. Leve ao forno pré aquecido por aproximadamente 50 minutos.

Quer melhorar sua corrida? Vá além do físico

Caminhada · 09 dez, 2015

Quando corremos existem detalhes importantes que não percebemos e afetam no desempenho geral. Podem parecer coisinhas mínimas, mas para quem busca a melhora e se sente estagnado aguçar um pouco mais a percepção poderá levar sua corrida a outro patamar. Destaco quatro fatores para que fique atento a partir de agora, seja nos treinos, em provas ou até no seu dia a dia. O foco da visão, o que está em sua mente, a concentração e o início da prova.

Foco da visão
Direcionar o foco da visão durante a prova pode determinar o seu desempenho. Cada corredor reage a estímulos externos de maneiras diferentes, que podem ser compreendidos de maneira positiva ou negativa. Por exemplo, ter competidores à sua frente. Para alguns, essa visão serve de motivação para superar um a um. Para outros, é encarado como um gasto enorme de energia para ultrapassá-los e ainda manter-se bem até a chegada.

Faça um exercício: Avalie provas anteriores e como foi sua reação para cada um dos estímulos visuais que lhe foi exibido. Guarde para si o foco da visão que motivou sua corrida e trabalhe para descartar aqueles que o desviam e provocam reações negativas.
Corrida com ou sem música?

A qualquer sinal de desequilíbrio, estar concentrado lhe permitirá corrigir ou improvisar para voltar ao estado equilibrado Foto: Dirima/Fotolia A qualquer sinal de desequilíbrio, estar concentrado lhe permitirá corrigir ou improvisar para voltar ao estado equilibrado Foto: Dirima/Fotolia


A mente
É muito frustrante quando o corpo bem treinado e preparado fisicamente entra em choque com emoções fortes, colocando tudo a perder. Por isso, é importante saber: quem comanda o corpo é a mente. Todas as emoções são, em essência, impulsos para agir. É importante cuidar da mente, assim como cuidamos do corpo. A necessidade em aprender técnicas, táticas e preparo físico, devem ser consideradas tão importantes quanto o aprendizado em levar inteligências às emoções e chegar a um equilíbrio físico-mental, a excelência do esporte. Isso pode determinar uma largada focada em seus objetivos ou uma cheia de ansiedades, falta de sono, agitação, insegurança e falta de confiança gerada por fatores alheios.

Concentração
É um tema bastante comentado e conversado, porém não é comum encontrar corredores que treinam e executam a concentração com maestria. Como abordado no item acima, o que você carrega na mente antes e durante a prova afeta na concentração do atleta. Concentrado, você dificilmente sofrerá influências externas e sua mente, durante todo o tempo, irá colocar em prática o que treinou. Em nenhum momento pensará em parar ou, caso isso aconteça, em fração de segundos esse pensamento irá se apagar. Você estará 100% ligado em cada movimento que seu corpo deve executar em cada momento da corrida. A qualquer sinal de desequilíbrio, estar concentrado lhe permitirá corrigir ou improvisar para voltar ao estado equilibrado.

Início de prova
Seja iniciante ou veterano, esse é um dos campeões de audiência entre o que se deve evitar numa prova. O início de uma corrida é fator determinante. O corredor pode colocar meses de treinamento por água abaixo se, ao ouvir o tiro de largada, sair feito um louco, num ritmo muito acima do que está acostumado. Forçando dessa maneira você pagará com o decréscimo do rendimento no final da prova, é inevitável. Dificilmente o corredor percebe que forçou, pois no começo da prova, a sensação de queimação nos músculos das coxas, um sintoma de estar acima do ritmo, não aparece com tanta intensidade.

Estamos tão focados em nosso físico que, às vezes, não desenvolvemos outras competências da corrida. Parecem detalhes, mas se você somar seu bom preparo físico com a mente concentrada e foco de visão motivador, tenho certeza que sua corrida passará para outro nível. É a chave que irá abrir novas portas dentro do mundo da corrida.


Quer melhorar sua corrida? Vá além do físico

Caminhada · 09 dez, 2015

Quando corremos existem detalhes importantes que não percebemos e afetam no desempenho geral. Podem parecer coisinhas mínimas, mas para quem busca a melhora e se sente estagnado aguçar um pouco mais a percepção poderá levar sua corrida a outro patamar. Destaco quatro fatores para que fique atento a partir de agora, seja nos treinos, em provas ou até no seu dia a dia. O foco da visão, o que está em sua mente, a concentração e o início da prova.

Foco da visão
Direcionar o foco da visão durante a prova pode determinar o seu desempenho. Cada corredor reage a estímulos externos de maneiras diferentes, que podem ser compreendidos de maneira positiva ou negativa. Por exemplo, ter competidores à sua frente. Para alguns, essa visão serve de motivação para superar um a um. Para outros, é encarado como um gasto enorme de energia para ultrapassá-los e ainda manter-se bem até a chegada.

Faça um exercício: Avalie provas anteriores e como foi sua reação para cada um dos estímulos visuais que lhe foi exibido. Guarde para si o foco da visão que motivou sua corrida e trabalhe para descartar aqueles que o desviam e provocam reações negativas.
Corrida com ou sem música?

A qualquer sinal de desequilíbrio, estar concentrado lhe permitirá corrigir ou improvisar para voltar ao estado equilibrado Foto: Dirima/Fotolia A qualquer sinal de desequilíbrio, estar concentrado lhe permitirá corrigir ou improvisar para voltar ao estado equilibrado Foto: Dirima/Fotolia


A mente
É muito frustrante quando o corpo bem treinado e preparado fisicamente entra em choque com emoções fortes, colocando tudo a perder. Por isso, é importante saber: quem comanda o corpo é a mente. Todas as emoções são, em essência, impulsos para agir. É importante cuidar da mente, assim como cuidamos do corpo. A necessidade em aprender técnicas, táticas e preparo físico, devem ser consideradas tão importantes quanto o aprendizado em levar inteligências às emoções e chegar a um equilíbrio físico-mental, a excelência do esporte. Isso pode determinar uma largada focada em seus objetivos ou uma cheia de ansiedades, falta de sono, agitação, insegurança e falta de confiança gerada por fatores alheios.

Concentração
É um tema bastante comentado e conversado, porém não é comum encontrar corredores que treinam e executam a concentração com maestria. Como abordado no item acima, o que você carrega na mente antes e durante a prova afeta na concentração do atleta. Concentrado, você dificilmente sofrerá influências externas e sua mente, durante todo o tempo, irá colocar em prática o que treinou. Em nenhum momento pensará em parar ou, caso isso aconteça, em fração de segundos esse pensamento irá se apagar. Você estará 100% ligado em cada movimento que seu corpo deve executar em cada momento da corrida. A qualquer sinal de desequilíbrio, estar concentrado lhe permitirá corrigir ou improvisar para voltar ao estado equilibrado.

Início de prova
Seja iniciante ou veterano, esse é um dos campeões de audiência entre o que se deve evitar numa prova. O início de uma corrida é fator determinante. O corredor pode colocar meses de treinamento por água abaixo se, ao ouvir o tiro de largada, sair feito um louco, num ritmo muito acima do que está acostumado. Forçando dessa maneira você pagará com o decréscimo do rendimento no final da prova, é inevitável. Dificilmente o corredor percebe que forçou, pois no começo da prova, a sensação de queimação nos músculos das coxas, um sintoma de estar acima do ritmo, não aparece com tanta intensidade.

Estamos tão focados em nosso físico que, às vezes, não desenvolvemos outras competências da corrida. Parecem detalhes, mas se você somar seu bom preparo físico com a mente concentrada e foco de visão motivador, tenho certeza que sua corrida passará para outro nível. É a chave que irá abrir novas portas dentro do mundo da corrida.

Puket lança linha de meias para corrida

Atletismo · 24 nov, 2015

A Puket inova e traz a linha Puket Action, com meias especialmente desenvolvidas para dar muito além do conforto da marca. As peças são produzidas com maquinário importado, o que garante produtos exclusivos e diferenciados, com muita qualidade.

Com tecnologia avançada, a linha Action mantém os pés protegidos contra lesões durante a prática esportiva, graças a características como o calcanhar anatômico e a cinta elástica no peito do pé (que oferece mais firmeza e segurança).

Com tecnologia avançada, a linha Action mantém os pés protegidos contra lesões Foto: Divulgação Com tecnologia avançada, a linha Action mantém os pés protegidos contra lesões Foto: Divulgação

Trabalhadas em microfibra, tecido mais macio que o algodão, as meias possuem um reforço atoalhado na parte de baixo, proporcionando maior conforto e absorção do alto impacto dos esportes, além de trazer uma almofada protetora que protege o calcanhar contra impactos e formação de bolhas e machucados.

Versátil, a linha Action traz opções em cano alto, médio e curto, além das versões micro e aeróbica.


Puket lança linha de meias para corrida

Atletismo · 24 nov, 2015

A Puket inova e traz a linha Puket Action, com meias especialmente desenvolvidas para dar muito além do conforto da marca. As peças são produzidas com maquinário importado, o que garante produtos exclusivos e diferenciados, com muita qualidade.

Com tecnologia avançada, a linha Action mantém os pés protegidos contra lesões durante a prática esportiva, graças a características como o calcanhar anatômico e a cinta elástica no peito do pé (que oferece mais firmeza e segurança).

Com tecnologia avançada, a linha Action mantém os pés protegidos contra lesões Foto: Divulgação Com tecnologia avançada, a linha Action mantém os pés protegidos contra lesões Foto: Divulgação

Trabalhadas em microfibra, tecido mais macio que o algodão, as meias possuem um reforço atoalhado na parte de baixo, proporcionando maior conforto e absorção do alto impacto dos esportes, além de trazer uma almofada protetora que protege o calcanhar contra impactos e formação de bolhas e machucados.

Versátil, a linha Action traz opções em cano alto, médio e curto, além das versões micro e aeróbica.

Substituir o açúcar por tâmara pode ajudar a emagrecer

Corrida de Montanha · 19 nov, 2015

O equilíbrio é essencial no dia-a-dia de quem busca manter uma dieta saudável, já que ingerir poucas calorias te deixa fraco para treinar, enquanto a ingestão de muitas delas pode trazer ganho de peso. Uma opção saudável para quem está em busca de uma alimentação balanceada e mais natural é a substituição de açúcar por tâmaras.

A tâmara é um fruto árabe ótimo para ser consumido nos intervalos das refeições, ou como sobremesa para os viciados em doce. Segundo a nutricionista da academia Bio Ritmo Fúlvia Gomes, elas podem ser utilizadas em receitas também. “Ela é fonte de fibras de triptofano, que entre outras funções geram a sensação de bem estar, além de possuírem cálcio, potássio, magnésio, ferro e vitamina B5”, diz.

Fruto é ótima opção para substituir o açúcar Foto: Voyagerix/Fotolia Fruto é ótima opção para substituir o açúcar Foto: Voyagerix/Fotolia

Também é recomendada para o pré-treino na rua ou pela manhã, pois seu índice glicêmico mais elevado faz com que tenha uma liberação rápida de energia. O nutricionista Rafael Brasília alerta para o equilíbrio no consumo da versão seca da tâmara. “As frutas secas podem nos confundir, pois seu pequeno tamanho não significa que elas possuem menos calorias, e sim que perderam sua água”.

Rafael explica que não adianta abusar de um alimento só por ser uma opção mais saudável. “Não há um número genérico de quantas devem ser consumidas por dia, cada pessoa é uma. Mas quando comparada ao açúcar, a tâmara é sim um substituto mais saudável”.


Substituir o açúcar por tâmara pode ajudar a emagrecer

Corrida de Montanha · 19 nov, 2015

O equilíbrio é essencial no dia-a-dia de quem busca manter uma dieta saudável, já que ingerir poucas calorias te deixa fraco para treinar, enquanto a ingestão de muitas delas pode trazer ganho de peso. Uma opção saudável para quem está em busca de uma alimentação balanceada e mais natural é a substituição de açúcar por tâmaras.

A tâmara é um fruto árabe ótimo para ser consumido nos intervalos das refeições, ou como sobremesa para os viciados em doce. Segundo a nutricionista da academia Bio Ritmo Fúlvia Gomes, elas podem ser utilizadas em receitas também. “Ela é fonte de fibras de triptofano, que entre outras funções geram a sensação de bem estar, além de possuírem cálcio, potássio, magnésio, ferro e vitamina B5”, diz.

Fruto é ótima opção para substituir o açúcar Foto: Voyagerix/Fotolia Fruto é ótima opção para substituir o açúcar Foto: Voyagerix/Fotolia

Também é recomendada para o pré-treino na rua ou pela manhã, pois seu índice glicêmico mais elevado faz com que tenha uma liberação rápida de energia. O nutricionista Rafael Brasília alerta para o equilíbrio no consumo da versão seca da tâmara. “As frutas secas podem nos confundir, pois seu pequeno tamanho não significa que elas possuem menos calorias, e sim que perderam sua água”.

Rafael explica que não adianta abusar de um alimento só por ser uma opção mais saudável. “Não há um número genérico de quantas devem ser consumidas por dia, cada pessoa é uma. Mas quando comparada ao açúcar, a tâmara é sim um substituto mais saudável”.