edson dantas

Edson Dantas, tetracampeão da São Silvestre, confirma presença na prova

Corridas de Rua · 22 dez, 2010

Edson Dantas, paratleta tetracampeão da Corrida Internacional de São Silvestre em 2003, 2005, 2008 e 2009, volta a brigar pelo pódio no próximo dia 31, após um ano de muitas conquistas. Dantas ganhou o Prêmio Sentidos, considerado o Oscar da luta pelos direitos das pessoas com deficiência no Brasil, e para fechar o ano com chave de ouro participará da tradicional corrida brasileira em busca do pódio.

“Acho que o sonho de todo corredor é disputar a São Silvestre e eu guardo um carinho especial por essa competição porque quando comecei a correr em 2000, ela foi uma das minhas primeiras provas”, conta o paratleta, que neste ano também conseguiu ser tetracampeão da Meia Maratona Corpore, da Corrida da Cidade de Aracajú e bicampeão do Circuito Paraolímpico Caixa.

Além disso, o atleta, corredor profissional há mais de dez anos, já venceu a Maratona de Nova York (2008 e 2009) e recentemente se tornou representante do Projeto Próximo Passo, que promove ações para a melhoria da vida de pessoas portadoras de deficiências paralisantes.

Em 1992, durante um “arrastão”, ele foi empurrado do trem em que viajava e o acidente teve como consequência a amputação da perna direita. Depois disso Dantas encontrou no esporte o caminho para superação. “Enquanto Deus me der vida e saúde, estarei sempre correndo”, revela o atleta, considerado um dos melhores brasileiros com amputação de membro inferior nas distâncias de cinco e dez quilômetros.


Edson Dantas, tetracampeão da São Silvestre, confirma presença na prova

Corridas de Rua · 22 dez, 2010

Edson Dantas, paratleta tetracampeão da Corrida Internacional de São Silvestre em 2003, 2005, 2008 e 2009, volta a brigar pelo pódio no próximo dia 31, após um ano de muitas conquistas. Dantas ganhou o Prêmio Sentidos, considerado o Oscar da luta pelos direitos das pessoas com deficiência no Brasil, e para fechar o ano com chave de ouro participará da tradicional corrida brasileira em busca do pódio.

“Acho que o sonho de todo corredor é disputar a São Silvestre e eu guardo um carinho especial por essa competição porque quando comecei a correr em 2000, ela foi uma das minhas primeiras provas”, conta o paratleta, que neste ano também conseguiu ser tetracampeão da Meia Maratona Corpore, da Corrida da Cidade de Aracajú e bicampeão do Circuito Paraolímpico Caixa.

Além disso, o atleta, corredor profissional há mais de dez anos, já venceu a Maratona de Nova York (2008 e 2009) e recentemente se tornou representante do Projeto Próximo Passo, que promove ações para a melhoria da vida de pessoas portadoras de deficiências paralisantes.

Em 1992, durante um “arrastão”, ele foi empurrado do trem em que viajava e o acidente teve como consequência a amputação da perna direita. Depois disso Dantas encontrou no esporte o caminho para superação. “Enquanto Deus me der vida e saúde, estarei sempre correndo”, revela o atleta, considerado um dos melhores brasileiros com amputação de membro inferior nas distâncias de cinco e dez quilômetros.

Edson Dantas quer tricampeonato da Maratona de Nova York

Esporte Adaptado · 28 out, 2010

O centro financeiro dos Estados Unidos terá 100 mil pessoas reunidas no dia sete de novembro para 41ª edição da Maratona de Nova York e um dos participantes da prova é o brasileiro Edson Dantas, amputado de membro inferior. Ele buscará o tricampeonato na categoria e terá a companhia de mais oito paraatletas para representar o Brasil no percurso de 42 quilômetros.

Aos 44 anos, o maratonista brasileiro corre com uma prótese, que tem lâmina especial de corrida. O material veio da Alemanha, é feito de fibra de carbono e é integrado a um sistema leve de impulsão, superior aos equipamentos convencionais. Isso tem proporcionado um desempenho e condicionamento físico ainda melhores ao paraatleta.

Edson já conquistou a corrida de São Silvestre por quatro anos consecutivos e a Maratona de Nova York em 2008 e 2009. Este ano o paraatleta também recebeu o troféu do Prêmio Sentidos, o Oscar da luta pelos direitos das pessoas com deficiência no Brasil. “Enquanto Deus me der vida e saúde, estarei sempre correndo. Correndo pela vida”, diz Edson, considerado um dos melhores atletas brasileiros com amputação de membro inferior, nas distâncias de 5.000 e 10.000 metros.

Em 1992, durante um “arrastão”, Dantas foi empurrado do trem que viajava e este acidente lhe custou a amputação da perna direita. Depois disso, ele encontrou no esporte o caminho para superação e conquistou outros três recordes, na maratona de Porto Alegre e na Meia Maratona da Corpore de São Paulo, ambas em 2007.


Edson Dantas quer tricampeonato da Maratona de Nova York

Esporte Adaptado · 28 out, 2010

O centro financeiro dos Estados Unidos terá 100 mil pessoas reunidas no dia sete de novembro para 41ª edição da Maratona de Nova York e um dos participantes da prova é o brasileiro Edson Dantas, amputado de membro inferior. Ele buscará o tricampeonato na categoria e terá a companhia de mais oito paraatletas para representar o Brasil no percurso de 42 quilômetros.

Aos 44 anos, o maratonista brasileiro corre com uma prótese, que tem lâmina especial de corrida. O material veio da Alemanha, é feito de fibra de carbono e é integrado a um sistema leve de impulsão, superior aos equipamentos convencionais. Isso tem proporcionado um desempenho e condicionamento físico ainda melhores ao paraatleta.

Edson já conquistou a corrida de São Silvestre por quatro anos consecutivos e a Maratona de Nova York em 2008 e 2009. Este ano o paraatleta também recebeu o troféu do Prêmio Sentidos, o Oscar da luta pelos direitos das pessoas com deficiência no Brasil. “Enquanto Deus me der vida e saúde, estarei sempre correndo. Correndo pela vida”, diz Edson, considerado um dos melhores atletas brasileiros com amputação de membro inferior, nas distâncias de 5.000 e 10.000 metros.

Em 1992, durante um “arrastão”, Dantas foi empurrado do trem que viajava e este acidente lhe custou a amputação da perna direita. Depois disso, ele encontrou no esporte o caminho para superação e conquistou outros três recordes, na maratona de Porto Alegre e na Meia Maratona da Corpore de São Paulo, ambas em 2007.

Running Show: Edson Dantas fala em palestra sua história de superação

Corridas de Rua · 30 jul, 2010

Direto da Running Show - O fundista Edson Dantas mostra nesta sexta-feira que tudo é possível quando se é determinado. Na palestra que dará na Running Show 2010, ele conta como superou as dificuldades de ter uma perna amputada – após trágico acidente – e atualmente corre grandes provas e consegue sonhar em ir além.

Em 1992, Dantas foi mais uma vítima da violência urbana e teve sua perna amputada logo abaixo do joelho. Demorou oito meses para se recuperar e se adaptar à sua nova realidade, incluindo reaprender a andar.

Há dez anos surgiu a “curiosidade”, como ele mesmo define, sobre como seria correr sendo um amputado. Ele descobriu que existiam próteses especiais, conseguiu ajuda e começou. Hoje, corre provas de diversas distâncias e coleciona títulos em sua categoria.

Em mais um exemplo de superação, Dantas correu 13 quilômetros descalço – e com o tênis na prótese – durante a Meia Maratona do Rio de Janeiro. Um problema no solado que mantém a aderência da prótese fez com que ele tivesse que tirar o tênis para conseguir completar a prova, mantendo o exemplo de garra e determinação.

A Running Show acontece até o dia primeiro de agosto no Pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera. As palestras são realizadas diariamente e têm duração de uma hora. A inscrição é gratuita aos participantes da feira.


Running Show: Edson Dantas fala em palestra sua história de superação

Corridas de Rua · 30 jul, 2010

Direto da Running Show - O fundista Edson Dantas mostra nesta sexta-feira que tudo é possível quando se é determinado. Na palestra que dará na Running Show 2010, ele conta como superou as dificuldades de ter uma perna amputada – após trágico acidente – e atualmente corre grandes provas e consegue sonhar em ir além.

Em 1992, Dantas foi mais uma vítima da violência urbana e teve sua perna amputada logo abaixo do joelho. Demorou oito meses para se recuperar e se adaptar à sua nova realidade, incluindo reaprender a andar.

Há dez anos surgiu a “curiosidade”, como ele mesmo define, sobre como seria correr sendo um amputado. Ele descobriu que existiam próteses especiais, conseguiu ajuda e começou. Hoje, corre provas de diversas distâncias e coleciona títulos em sua categoria.

Em mais um exemplo de superação, Dantas correu 13 quilômetros descalço – e com o tênis na prótese – durante a Meia Maratona do Rio de Janeiro. Um problema no solado que mantém a aderência da prótese fez com que ele tivesse que tirar o tênis para conseguir completar a prova, mantendo o exemplo de garra e determinação.

A Running Show acontece até o dia primeiro de agosto no Pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera. As palestras são realizadas diariamente e têm duração de uma hora. A inscrição é gratuita aos participantes da feira.