Cobertura_XTerra_2010

Trail Run encerra atividades do XTerra em Manaus com cinco e 10 km

Corrida de Montanha · 07 jun, 2010

Após as atividades do triathlon ocorridas na Base de Instrução do Exército, no meio da Floresta Amazônica, uma corrida de cinco e 10 quilômetros, a trail run, finalizou as atividades do XTerra Amazon 2010 no último sábado (05/06). Cerca de mil atletas participaram da corrida, que foi realizada em Ponta Negra, uma praia de água doce e point noturno da capital amazonense.

Manaus - Antes da largada a empolgação tomava conta dos competidores, que se alongavam e aqueciam ao som das músicas tocadas pelo DJ Natan. O clima quente e abafado, característico da região, marcou a prova, que teve 2,5 quilômetros do percurso disputada em trilha e o restante no asfalto da avenida.

Nos 10 quilômetros, o amazonense Jean Pereira abriu uma larga vantagem para os adversários logo de cara e não aliviou o ritmo até cruzar a linha de chegada em primeiro com 33min06. Ele foi seguido por Odilon Leandro, de Santana do Parnaíba (35min37) e pelo também amazonense Lucio Silva (36min06).

“Graças a Deus tenho conseguido encaixar bons treinos e também boas corridas”, relata o campeão. “A prova foi ótima e a organização está de parabéns”, completa. Já Odilon, segundo colocado, teve alguns problemas durante a prova e não conseguiu ficar na cola do primeiro. “Estava muito abafado e quente, mas consegui fazer uma boa prova”. Já Lúcio, terceiro a cruzar a faixa, também gostou da competição na cidade. “Todos estão de parabéns, foi um grande evento”.

Entre as mulheres, quem se deu melhor foi Márcia Magalhães, que fechou em 41min21, seguida por Sueli Oliveira, com 40min41 e Fabiane Pinheiro, com 49min48. “O único problema mesmo foi um erro da cronometragem na hora de premiar as campeãs”, lamenta a vencedora. “Mas de qualquer forma foi uma prova muito legal”, completa.

Já a vice-campeã, Sueli, achou o formato do evento muito bom. “Em Manaus estamos acostumados a correr apenas na rua, mas na trail Run tivemos uma variação de terreno, o que foi muito bacana. Espero que ano que vem tenha de novo”.

Cinco quilômetros - Na disputa menor o primeiro lugar do pódio masculino ficou com Marciley Souza, ao marcar 17min53, seguido por Daniel Oliveira com 18min12 e Francisco Vieira com 18min12. “Foi uma surpresa ter ganhado. Tive um pouco de dificuldade na parte de trilha, porque perdi a lanterna de cabeça, mas no final deu tudo certo”, conta o campeão.

No feminino, quem se deu melhor foi Heliane Souza, que marcou 31min55, seguida por Simone Souza, com 32min06 e Afonsina Vivian, com 32min57. “Foi uma prova muito boa, adorei”, conta a vencedora que costuma correr provas de 10 quilômetros. “Como estou me preparando para uma maratona, resolvi correr menos”, completa.

Amadores - A grande festa do evento ficou com os amadores, que prestigiaram em massa a competição inédita na região. Homens e mulheres de todas as idades reservaram a noite de sábado, dia mundial do meio ambiente, para praticar a trail run.

Luana Viviam, que participou junto com algumas amigas da corrida de cinco quilômetros, não continha a emoção ao cruzar a linha de chegada. “Corri pela primeira vez hoje e gostei muito”, relata. “Cansei um pouco, principalmente na parte de trilha, mas espero continuar a correr a partir de agora”, completa.

Quem também aproveitou o clima da competição foi Frederico Cesarino, que correu os 10 quilômetros e trouxe o filho para competir na prova infantil e a esposa para os cinco. “Eu participo de Corridas de Aventura e essa prova valeu para o meu treinamento”, relata. “Em Manaus eu não tinha visto uma prova tão bem organizada como essa”, enfatiza.

Raquel Cesarino, esposa de Frederico, quase fica de fora da grande festa. “Como eu ainda não sabia se conseguiria correr a prova, acabei fazendo a inscrição na hora”, conta. Assim como seu marido, ela treina regularmente para competições na região. “A parte da trilha foi um pouco mais difícil, mas no geral foi tranqüilo”, finaliza.

As próximas etapas do Circuito XTerra Brasil 2010 já se encontram com inscrições abertas, inclusive para a disputa de Angra dos Reis (RJ), que vale pontos para o Ranking Mundial. Para garantir uma vaga, basta acessar o site www.xterrabrasil.com.br.


Trail Run encerra atividades do XTerra em Manaus com cinco e 10 km

Corrida de Montanha · 07 jun, 2010

Após as atividades do triathlon ocorridas na Base de Instrução do Exército, no meio da Floresta Amazônica, uma corrida de cinco e 10 quilômetros, a trail run, finalizou as atividades do XTerra Amazon 2010 no último sábado (05/06). Cerca de mil atletas participaram da corrida, que foi realizada em Ponta Negra, uma praia de água doce e point noturno da capital amazonense.

Manaus - Antes da largada a empolgação tomava conta dos competidores, que se alongavam e aqueciam ao som das músicas tocadas pelo DJ Natan. O clima quente e abafado, característico da região, marcou a prova, que teve 2,5 quilômetros do percurso disputada em trilha e o restante no asfalto da avenida.

Nos 10 quilômetros, o amazonense Jean Pereira abriu uma larga vantagem para os adversários logo de cara e não aliviou o ritmo até cruzar a linha de chegada em primeiro com 33min06. Ele foi seguido por Odilon Leandro, de Santana do Parnaíba (35min37) e pelo também amazonense Lucio Silva (36min06).

“Graças a Deus tenho conseguido encaixar bons treinos e também boas corridas”, relata o campeão. “A prova foi ótima e a organização está de parabéns”, completa. Já Odilon, segundo colocado, teve alguns problemas durante a prova e não conseguiu ficar na cola do primeiro. “Estava muito abafado e quente, mas consegui fazer uma boa prova”. Já Lúcio, terceiro a cruzar a faixa, também gostou da competição na cidade. “Todos estão de parabéns, foi um grande evento”.

Entre as mulheres, quem se deu melhor foi Márcia Magalhães, que fechou em 41min21, seguida por Sueli Oliveira, com 40min41 e Fabiane Pinheiro, com 49min48. “O único problema mesmo foi um erro da cronometragem na hora de premiar as campeãs”, lamenta a vencedora. “Mas de qualquer forma foi uma prova muito legal”, completa.

Já a vice-campeã, Sueli, achou o formato do evento muito bom. “Em Manaus estamos acostumados a correr apenas na rua, mas na trail Run tivemos uma variação de terreno, o que foi muito bacana. Espero que ano que vem tenha de novo”.

Cinco quilômetros - Na disputa menor o primeiro lugar do pódio masculino ficou com Marciley Souza, ao marcar 17min53, seguido por Daniel Oliveira com 18min12 e Francisco Vieira com 18min12. “Foi uma surpresa ter ganhado. Tive um pouco de dificuldade na parte de trilha, porque perdi a lanterna de cabeça, mas no final deu tudo certo”, conta o campeão.

No feminino, quem se deu melhor foi Heliane Souza, que marcou 31min55, seguida por Simone Souza, com 32min06 e Afonsina Vivian, com 32min57. “Foi uma prova muito boa, adorei”, conta a vencedora que costuma correr provas de 10 quilômetros. “Como estou me preparando para uma maratona, resolvi correr menos”, completa.

Amadores - A grande festa do evento ficou com os amadores, que prestigiaram em massa a competição inédita na região. Homens e mulheres de todas as idades reservaram a noite de sábado, dia mundial do meio ambiente, para praticar a trail run.

Luana Viviam, que participou junto com algumas amigas da corrida de cinco quilômetros, não continha a emoção ao cruzar a linha de chegada. “Corri pela primeira vez hoje e gostei muito”, relata. “Cansei um pouco, principalmente na parte de trilha, mas espero continuar a correr a partir de agora”, completa.

Quem também aproveitou o clima da competição foi Frederico Cesarino, que correu os 10 quilômetros e trouxe o filho para competir na prova infantil e a esposa para os cinco. “Eu participo de Corridas de Aventura e essa prova valeu para o meu treinamento”, relata. “Em Manaus eu não tinha visto uma prova tão bem organizada como essa”, enfatiza.

Raquel Cesarino, esposa de Frederico, quase fica de fora da grande festa. “Como eu ainda não sabia se conseguiria correr a prova, acabei fazendo a inscrição na hora”, conta. Assim como seu marido, ela treina regularmente para competições na região. “A parte da trilha foi um pouco mais difícil, mas no geral foi tranqüilo”, finaliza.

As próximas etapas do Circuito XTerra Brasil 2010 já se encontram com inscrições abertas, inclusive para a disputa de Angra dos Reis (RJ), que vale pontos para o Ranking Mundial. Para garantir uma vaga, basta acessar o site www.xterrabrasil.com.br.

Neozelandesa vence triathlon na Amazônia no Dia do Meio Ambiente

Triathlon · 05 jun, 2010

A atleta da Nova Zelândia, Jenny Smith, precisou de 3h22min15 para vencer a primeira etapa do XTerra Amazon, disputado no meio da Floresta Amazônica neste sábado (05/06). Ela encarou 1,5 quilômetro de natação, 30 de Mountain Bike e nove de corrida na Base de Instrução número quatro do Exército, local onde o grupamento de selva realiza treinamentos.

Manaus - O sol nem tinha raiado quando os 200 participantes da prova deixaram a região de Ponta Negra, na capital amazonense, para se dirigirem ao local onde a arena estava montada. Todos chegaram ao chamado “quadrado maldito” por via fluvial e foram recebidos pelos militares com um café da manhã reforçado.

Após o juramento do guerreiro, onde um oficial do Exército pediu que todos repetissem algumas frases de incentivo, a largada aconteceu no Igarapé Mainá com um tiro de canhão. O trecho de 1,5 quilômetro da natação teve apenas uma volta e a melhor competidora foi Maria Soledad Omar.

Já nos 30 quilômetros de ciclismo, todos puderam conhecer de perto a biodiversidade da maior floresta tropical do mundo, com sua característica de ser quente e úmida. A condição climática, aliada aos obstáculos naturais, como raízes, galhos, troncos caídos, atoleiros, etc, deram um brilho a mais ao evento.

Foi na Bike que a campeã assumiu a liderança, posição que manteve na corrida, disputada metade do percurso em mata fechada e metade numa estrada de apoio dos militares. Após cruzar a linha de chegada, ela se disse muito contente pela oportunidade de competir num local como a Amazônia.

“Confesso que antes de vir fiquei com um pouco de medo da natação, principalmente pelas histórias de cobras no rio que sempre ouvimos. Mas depois foi tranqüilo e pude aproveitar a natureza”, conta. “Procurei competir com calma e evitar cometer erros, porque sabia que tinha uma boa vantagem na bike. Já na corrida eu fiquei realmente deslumbrada por estar dentro da selva”. No posto de isotônico ela conta que bebeu uma garrafa inteira do líquido, o que a deixou com mais forças para seguir em frente. “No final eu estava tão bem, que cruzei a linha de chegada e disse para mim mesmo: `Oh meu Deus, eu venci! `”.

A segunda colocada foi Carla Prada, atleta que além de provas de triathlon, disputa também algumas corridas de aventura. “Correr num lugar desses é uma oportunidade única”, conta a vice-campeã. “Hoje tivemos a nata do esporte aqui e todos estavam no mesmo nível, já que ninguém conhecia o percurso”, avalia. “Eu dou nota 10 para a organização, espero poder voltar ano que vem”, finaliza.

A terceira colocada foi para a argentina radicada no Brasil, Maria Soledad Omar, que obteve a mesma colocação que seu marido, Ezequiel. “Foi uma experiência muito rica. Tivemos sol, chuva, umidade, enfim, foi maravilhoso”, conta Soledad, que semana passada conquistou o terceiro lugar no Ironman Brasil. “Sofri bastante na bike, mas na corrida consegui recuperar uma colocação. No final senti a fadiga e não conseguia forças para buscar a Carla”, finaliza a triatleta que agora pretende descansar por um tempo.

Realizada no dia mundial do Meio Ambiente, a competição serviu para muitos atletas que não conheciam essa parte do país, interagissem com a natureza. Isso talvez sirva como incentivo para eles ajudem cada vez mais a preservar o planeta e fiscalizem as outras pessoas para que façam o mesmo.

O Circuito XTerra terá ainda outras provas esse ano, incluindo uma válida para o Circuito Mundial, em Angra dos Reis. Para fazer a inscrição e conhecer todas as datas, basta acessar o site oficial, o www.xterrabrasil.com.br.


Neozelandesa vence triathlon na Amazônia no Dia do Meio Ambiente

Triathlon · 05 jun, 2010

A atleta da Nova Zelândia, Jenny Smith, precisou de 3h22min15 para vencer a primeira etapa do XTerra Amazon, disputado no meio da Floresta Amazônica neste sábado (05/06). Ela encarou 1,5 quilômetro de natação, 30 de Mountain Bike e nove de corrida na Base de Instrução número quatro do Exército, local onde o grupamento de selva realiza treinamentos.

Manaus - O sol nem tinha raiado quando os 200 participantes da prova deixaram a região de Ponta Negra, na capital amazonense, para se dirigirem ao local onde a arena estava montada. Todos chegaram ao chamado “quadrado maldito” por via fluvial e foram recebidos pelos militares com um café da manhã reforçado.

Após o juramento do guerreiro, onde um oficial do Exército pediu que todos repetissem algumas frases de incentivo, a largada aconteceu no Igarapé Mainá com um tiro de canhão. O trecho de 1,5 quilômetro da natação teve apenas uma volta e a melhor competidora foi Maria Soledad Omar.

Já nos 30 quilômetros de ciclismo, todos puderam conhecer de perto a biodiversidade da maior floresta tropical do mundo, com sua característica de ser quente e úmida. A condição climática, aliada aos obstáculos naturais, como raízes, galhos, troncos caídos, atoleiros, etc, deram um brilho a mais ao evento.

Foi na Bike que a campeã assumiu a liderança, posição que manteve na corrida, disputada metade do percurso em mata fechada e metade numa estrada de apoio dos militares. Após cruzar a linha de chegada, ela se disse muito contente pela oportunidade de competir num local como a Amazônia.

“Confesso que antes de vir fiquei com um pouco de medo da natação, principalmente pelas histórias de cobras no rio que sempre ouvimos. Mas depois foi tranqüilo e pude aproveitar a natureza”, conta. “Procurei competir com calma e evitar cometer erros, porque sabia que tinha uma boa vantagem na bike. Já na corrida eu fiquei realmente deslumbrada por estar dentro da selva”. No posto de isotônico ela conta que bebeu uma garrafa inteira do líquido, o que a deixou com mais forças para seguir em frente. “No final eu estava tão bem, que cruzei a linha de chegada e disse para mim mesmo: `Oh meu Deus, eu venci! `”.

A segunda colocada foi Carla Prada, atleta que além de provas de triathlon, disputa também algumas corridas de aventura. “Correr num lugar desses é uma oportunidade única”, conta a vice-campeã. “Hoje tivemos a nata do esporte aqui e todos estavam no mesmo nível, já que ninguém conhecia o percurso”, avalia. “Eu dou nota 10 para a organização, espero poder voltar ano que vem”, finaliza.

A terceira colocada foi para a argentina radicada no Brasil, Maria Soledad Omar, que obteve a mesma colocação que seu marido, Ezequiel. “Foi uma experiência muito rica. Tivemos sol, chuva, umidade, enfim, foi maravilhoso”, conta Soledad, que semana passada conquistou o terceiro lugar no Ironman Brasil. “Sofri bastante na bike, mas na corrida consegui recuperar uma colocação. No final senti a fadiga e não conseguia forças para buscar a Carla”, finaliza a triatleta que agora pretende descansar por um tempo.

Realizada no dia mundial do Meio Ambiente, a competição serviu para muitos atletas que não conheciam essa parte do país, interagissem com a natureza. Isso talvez sirva como incentivo para eles ajudem cada vez mais a preservar o planeta e fiscalizem as outras pessoas para que façam o mesmo.

O Circuito XTerra terá ainda outras provas esse ano, incluindo uma válida para o Circuito Mundial, em Angra dos Reis. Para fazer a inscrição e conhecer todas as datas, basta acessar o site oficial, o www.xterrabrasil.com.br.

Alexandre Manzan comemora aniversário com vitória na Amazônia

Triathlon · 05 jun, 2010

Na manhã deste sábado (05/06) 200 triatletas participaram da edição inédita do XTerra Amazon, prova com 1,5 quilômetro de natação, 30 de bike em trilhas e nove de corrida, disputada no coração da Floresta Amazônica. O brasiliense Alexandre Manzan ficou com o título masculino e teve ainda mais um motivo para comemorar, já que completou 36 anos no dia da prova.

Manaus - O dia começou cedo para os 200 participantes do evento, que saíram às 4h de Ponta Negra, em Manaus, para se dirigirem à Base de instrução número quatro, do Grupamento de Selva do Exército Brasileiro, onde estava montada a arena. Após cerca de 50 minutos de ônibus e 40 de barco, todos foram recebidos pelos militares com o grito de guerra peculiar à corporação: “SELVA!”

Antes da largada foi servido um café da manhã reforçado, para que todos tivessem energia suficiente para encarar os trechos de muita dificuldade. O sol e o calor foram marcantes logo pela manhã, mas faltando uma hora para o tiro de partida a Floresta deu as boas vindas com uma chuva intensa.

Nada que assustasse os bravos guerreiros, já que Tupã foi generoso e cessou as águas para a largada. Antes de cair no rio, todos fizeram a oração do guerreiro, repetindo frases entoadas por um oficial da corporação e, pontualmente às 9h um tiro de canhão inaugurou oficialmente a disputa.

A natação aconteceu no Igarapé Mainá, com apenas uma volta e três bóias a serem contornadas. Logo em seguida, no trecho de bike, os competidores tiveram que enfrentar mata fechada, troncos, lamaçais e outros desafios, antes de chegar à corrida, também realizada em mata fechada e numa estrada de apoio dos militares.

Foi justamente no início da bike que Manzan assumiu a liderança até cruzar a linha de chegada com 2h38min36. Recém operado de uma fratura na mão esquerda, ele cogitou nem vir para a disputa, mas conseguiu encaixar bons treinos durante a semana e achou que estava apto para competir. “A natação foi mais complicada, pois precisa usar mais a mão, mas nos outros trechos eu comecei a recuperar posições. A única coisa ruim foi não saber onde estava o segundo colocado, para ter uma noção de como estava o meu ritmo”, ressalta.

O segundo colocado foi Frederico Zacarias, que fechou com 2h50min21, enquanto o terceiro foi Ezequiel Morales, argentino radicado em Niterói (RJ), que marcou 2h51min22. O americano Branden Rakita, considerado um dos nomes fortes, foi o quinto colocado com 3h02min18. “O pessoal que treina no país mostrou que está bem adaptado ao calor e à umidade”, enfatiza Manzan. Segundo ele, as dificuldades impostas pelo trajeto seletivo é que fazem o evento ser mais divertido. “Se não for assim não tem graça”, brinca.

Para Ezequiel, que há menos de uma semana conquistou o vice no Ironman Brasil, o resultado foi mais do que positivo. “Vim aqui para curtir a natureza e ter a oportunidade de participar de uma prova única. Senti um pouco o cansaço, já que no final estava sem forças para lutar por melhores posições”, conta o argentino que sofreu um pouco com o percurso técnico do ciclismo. “Eu não tenho a capacidade do Manzan, por exemplo, de trilhar certinho os percursos. Então tive que descer da bike em alguns momentos”.

A prova reuniu 200 atletas, entre amadores, elite e militares, para uma prova totalmente inédita no Brasil. A data do evento coincidiu com o Dia Mundial do Meio Ambiente, então essa proximidade com a floresta pode servir de motivação para que brasileiros e estrangeiros lutem pela preservação do planeta.

O Circuito XTerra terá ainda outras provas esse ano, incluindo uma válida para o Circuito Mundial, em Angra dos Reis. Para fazer a inscrição e conhecer todas as datas, basta acessar o site oficial, o www.xterrabrasil.com.br.


Alexandre Manzan comemora aniversário com vitória na Amazônia

Triathlon · 05 jun, 2010

Na manhã deste sábado (05/06) 200 triatletas participaram da edição inédita do XTerra Amazon, prova com 1,5 quilômetro de natação, 30 de bike em trilhas e nove de corrida, disputada no coração da Floresta Amazônica. O brasiliense Alexandre Manzan ficou com o título masculino e teve ainda mais um motivo para comemorar, já que completou 36 anos no dia da prova.

Manaus - O dia começou cedo para os 200 participantes do evento, que saíram às 4h de Ponta Negra, em Manaus, para se dirigirem à Base de instrução número quatro, do Grupamento de Selva do Exército Brasileiro, onde estava montada a arena. Após cerca de 50 minutos de ônibus e 40 de barco, todos foram recebidos pelos militares com o grito de guerra peculiar à corporação: “SELVA!”

Antes da largada foi servido um café da manhã reforçado, para que todos tivessem energia suficiente para encarar os trechos de muita dificuldade. O sol e o calor foram marcantes logo pela manhã, mas faltando uma hora para o tiro de partida a Floresta deu as boas vindas com uma chuva intensa.

Nada que assustasse os bravos guerreiros, já que Tupã foi generoso e cessou as águas para a largada. Antes de cair no rio, todos fizeram a oração do guerreiro, repetindo frases entoadas por um oficial da corporação e, pontualmente às 9h um tiro de canhão inaugurou oficialmente a disputa.

A natação aconteceu no Igarapé Mainá, com apenas uma volta e três bóias a serem contornadas. Logo em seguida, no trecho de bike, os competidores tiveram que enfrentar mata fechada, troncos, lamaçais e outros desafios, antes de chegar à corrida, também realizada em mata fechada e numa estrada de apoio dos militares.

Foi justamente no início da bike que Manzan assumiu a liderança até cruzar a linha de chegada com 2h38min36. Recém operado de uma fratura na mão esquerda, ele cogitou nem vir para a disputa, mas conseguiu encaixar bons treinos durante a semana e achou que estava apto para competir. “A natação foi mais complicada, pois precisa usar mais a mão, mas nos outros trechos eu comecei a recuperar posições. A única coisa ruim foi não saber onde estava o segundo colocado, para ter uma noção de como estava o meu ritmo”, ressalta.

O segundo colocado foi Frederico Zacarias, que fechou com 2h50min21, enquanto o terceiro foi Ezequiel Morales, argentino radicado em Niterói (RJ), que marcou 2h51min22. O americano Branden Rakita, considerado um dos nomes fortes, foi o quinto colocado com 3h02min18. “O pessoal que treina no país mostrou que está bem adaptado ao calor e à umidade”, enfatiza Manzan. Segundo ele, as dificuldades impostas pelo trajeto seletivo é que fazem o evento ser mais divertido. “Se não for assim não tem graça”, brinca.

Para Ezequiel, que há menos de uma semana conquistou o vice no Ironman Brasil, o resultado foi mais do que positivo. “Vim aqui para curtir a natureza e ter a oportunidade de participar de uma prova única. Senti um pouco o cansaço, já que no final estava sem forças para lutar por melhores posições”, conta o argentino que sofreu um pouco com o percurso técnico do ciclismo. “Eu não tenho a capacidade do Manzan, por exemplo, de trilhar certinho os percursos. Então tive que descer da bike em alguns momentos”.

A prova reuniu 200 atletas, entre amadores, elite e militares, para uma prova totalmente inédita no Brasil. A data do evento coincidiu com o Dia Mundial do Meio Ambiente, então essa proximidade com a floresta pode servir de motivação para que brasileiros e estrangeiros lutem pela preservação do planeta.

O Circuito XTerra terá ainda outras provas esse ano, incluindo uma válida para o Circuito Mundial, em Angra dos Reis. Para fazer a inscrição e conhecer todas as datas, basta acessar o site oficial, o www.xterrabrasil.com.br.

Atletas já estão prontos para nadar, pedalar e correr na Amazônia

Triathlon · 04 jun, 2010

Manaus - Na noite desta sexta-feira (04/06) os competidores da etapa regional do XTerra receberam as últimas informações sobre a competição deste sábado. Serão 1.500 metros de natação, 30 de Mountain Bike e 10 de corrida no chamado “quadrado maldito”, local onde os militares do Exército fazem os treinamentos de selva.

O criador do XTerra no mundo, Dave `Khuna` Nichloas esteve presente no Simpósio Técnico, realizado na base do Grupamento de Selva do Exército, em Manaus, e expressou muito contentamento com o local da prova. “Quando criei O XTerra, há alguns anos, nunca poderia imaginar que teríamos uma etapa na Floresta Amazônica”.

O trecho de água será disputado no Igarapé Mainá, com apenas uma volta e duas bóias a serem contornadas. Depois, no trecho de ciclismo, os competidores enfrentarão mata fechada, clima quente e úmido, com muitas subidas e descidas, antes de encarar a corrida, com metade do percurso pela mata e a outra metade em estrada.

Segundo Bernardo Fonseca, responsável pela organização, essa será uma experiência única. “A data desse XTerra calhou com o dia mundial do meio ambiente. Além disso, 2010 é o ano Internacional da Biodiversidade”, conta. Ainda de acordo com Bernardo, a preocupação com a preservação ambiental é uma das diretrizes do evento.

“Nós não cortamos nenhuma árvore, usaremos as trilhas já abertas pelo pessoal do Exército, a trilha do Búfalo”, conta o dirigente sobre o local. Ele aproveitou para lembrar aos competidores que a roupa de borracha não será permitida, já que a temperatura da água está alta. Também é importante não urinar na água, pois o peixe Candiru é atraído pela uréia e pode entrar pelo canal da uretra humana e criar muitos problemas.

Expectativa - Os atletas não têm ideia do que vão encontrar, já que nunca houve uma competição como essa no local. “É melhor nem pensarmos muito”, brinca o argentino radicado no Brasil, Ezequiel Morales. “Vou tentar fazer o melhor na prova e também curtir a floresta”, completa. Quem também não esconde a ansiedade é a esposa de Ezequiel, Maria Soledad Omar. “Será um mistério total. O melhor mesmo é desfrutar da Amazônia e lutar pela selva, como dizem os militares”.

Já o experiente Alexandre Manzan, detentor de diversos títulos de XTerra, cumpriu uma verdadeira maratona fora das competições para chegar apto ao evento. Na etapa passada, em Pedra Azul (ES), ele fraturou a mão esquerda e teve que se submeter a uma cirurgia há duas semanas.

“A previsão não era de cirurgia, mas o médico sugeriu a intervenção para que eu pudesse voltar a treinar o mais rápido possível”. Por conta da cicatrização, ele teve que focar os treinos apenas no pedal e na corrida, então a natação ficou um pouco prejudicada. “Nadei apenas nessa semana, então espero fazer uma boa prova, não dá para falar em resultado”.

Manzan tem uma motivação extra para estar na disputa, já que 2010 é um ano de muitas comemorações em sua carreira. “Eu faço cinco anos de XTerra, 20 de triathlon e no dia da prova e do meio ambiente, completo 36 anos de idade”.

A partir das 4h deste sábado os competidores sairão de Manaus em comboio rumo ao local da prova, onde serão recebidos com um café da manhã reforçado. O tiro de partida será dado pontualmente às 9h para uma edição que promete ficar na história.


Atletas já estão prontos para nadar, pedalar e correr na Amazônia

Triathlon · 04 jun, 2010

Manaus - Na noite desta sexta-feira (04/06) os competidores da etapa regional do XTerra receberam as últimas informações sobre a competição deste sábado. Serão 1.500 metros de natação, 30 de Mountain Bike e 10 de corrida no chamado “quadrado maldito”, local onde os militares do Exército fazem os treinamentos de selva.

O criador do XTerra no mundo, Dave `Khuna` Nichloas esteve presente no Simpósio Técnico, realizado na base do Grupamento de Selva do Exército, em Manaus, e expressou muito contentamento com o local da prova. “Quando criei O XTerra, há alguns anos, nunca poderia imaginar que teríamos uma etapa na Floresta Amazônica”.

O trecho de água será disputado no Igarapé Mainá, com apenas uma volta e duas bóias a serem contornadas. Depois, no trecho de ciclismo, os competidores enfrentarão mata fechada, clima quente e úmido, com muitas subidas e descidas, antes de encarar a corrida, com metade do percurso pela mata e a outra metade em estrada.

Segundo Bernardo Fonseca, responsável pela organização, essa será uma experiência única. “A data desse XTerra calhou com o dia mundial do meio ambiente. Além disso, 2010 é o ano Internacional da Biodiversidade”, conta. Ainda de acordo com Bernardo, a preocupação com a preservação ambiental é uma das diretrizes do evento.

“Nós não cortamos nenhuma árvore, usaremos as trilhas já abertas pelo pessoal do Exército, a trilha do Búfalo”, conta o dirigente sobre o local. Ele aproveitou para lembrar aos competidores que a roupa de borracha não será permitida, já que a temperatura da água está alta. Também é importante não urinar na água, pois o peixe Candiru é atraído pela uréia e pode entrar pelo canal da uretra humana e criar muitos problemas.

Expectativa - Os atletas não têm ideia do que vão encontrar, já que nunca houve uma competição como essa no local. “É melhor nem pensarmos muito”, brinca o argentino radicado no Brasil, Ezequiel Morales. “Vou tentar fazer o melhor na prova e também curtir a floresta”, completa. Quem também não esconde a ansiedade é a esposa de Ezequiel, Maria Soledad Omar. “Será um mistério total. O melhor mesmo é desfrutar da Amazônia e lutar pela selva, como dizem os militares”.

Já o experiente Alexandre Manzan, detentor de diversos títulos de XTerra, cumpriu uma verdadeira maratona fora das competições para chegar apto ao evento. Na etapa passada, em Pedra Azul (ES), ele fraturou a mão esquerda e teve que se submeter a uma cirurgia há duas semanas.

“A previsão não era de cirurgia, mas o médico sugeriu a intervenção para que eu pudesse voltar a treinar o mais rápido possível”. Por conta da cicatrização, ele teve que focar os treinos apenas no pedal e na corrida, então a natação ficou um pouco prejudicada. “Nadei apenas nessa semana, então espero fazer uma boa prova, não dá para falar em resultado”.

Manzan tem uma motivação extra para estar na disputa, já que 2010 é um ano de muitas comemorações em sua carreira. “Eu faço cinco anos de XTerra, 20 de triathlon e no dia da prova e do meio ambiente, completo 36 anos de idade”.

A partir das 4h deste sábado os competidores sairão de Manaus em comboio rumo ao local da prova, onde serão recebidos com um café da manhã reforçado. O tiro de partida será dado pontualmente às 9h para uma edição que promete ficar na história.

Atleta dos Estados Unidos compete triathlon na Floresta Amazônica

Triathlon · 04 jun, 2010

O triathleta dos Estados Unidos, Branden Rakita, será um dos destaques do Xterra Amazon, competição de 1,5 quilômetros de natação, 30 de Mountain Bike e nove de corrida a serem disputados no coração da Floresta Amazônica neste sábado (05/06). Em sua primeira viagem ao Brasil, Brandem se diz empolgado em participar de uma prova nessa região.

“Competir na Floresta Amazônica será uma experiência incrível e me considero sortudo por ter essa oportunidade”, relata o triatleta. “Será uma prova como nenhuma outra que eu já tenha feito e estou empolgado por não saber o que pode acontecer”, completa.

O XTerra Amazon terá como palco a base de treinamentos do Exército Brasileiro, entidade que fornecerá todo o apoio logístico para os atletas. O trecho de natação será disputado no Rio Negro, enquanto o ciclismo e a corrida acontecerão em trechos de floresta nativa.

“Fiz uma preparação intensa para essa etapa do XTerra, principalmente por conta da alta umidade e do calor “, lembra Branden. “Treino no Colorado (EUA) onde a umidade nunca chega a níveis tão elevados”, lembra. Na prova deste sábado, a umidade relativa do ar deve chegar a 93%.

Desde 2005 ele compete como atleta profissional e até 2008 dedicou seus esforços na distância olímpica (1,5 quilômetros de natação, 40 de ciclismo e 10 de corrida) disputada em asfalto. De 2008 para frente ele começou a se focar em provas de XTerra, sempre disputadas em terrenos rústicos e em meio à natureza.

“Espero ter a oportunidade de fazer um treino de reconhecimento no percurso, para já me adaptar ao clima da floresta”, ressalta o americano. “Caso não seja possível, terei que fazer isso durante a prova”, finaliza.

Essa etapa regional do XTerra contará com atletas brasileiros, estrangeiros, além de militares, num evento inédito no país até então. Outro fator que chama a atenção é a prova ser disputada no Dia Mundial do Meio Ambiente, data criada para chamar a atenção para a necessidade de contribuir com a preservação do planeta.


Atleta dos Estados Unidos compete triathlon na Floresta Amazônica

Triathlon · 04 jun, 2010

O triathleta dos Estados Unidos, Branden Rakita, será um dos destaques do Xterra Amazon, competição de 1,5 quilômetros de natação, 30 de Mountain Bike e nove de corrida a serem disputados no coração da Floresta Amazônica neste sábado (05/06). Em sua primeira viagem ao Brasil, Brandem se diz empolgado em participar de uma prova nessa região.

“Competir na Floresta Amazônica será uma experiência incrível e me considero sortudo por ter essa oportunidade”, relata o triatleta. “Será uma prova como nenhuma outra que eu já tenha feito e estou empolgado por não saber o que pode acontecer”, completa.

O XTerra Amazon terá como palco a base de treinamentos do Exército Brasileiro, entidade que fornecerá todo o apoio logístico para os atletas. O trecho de natação será disputado no Rio Negro, enquanto o ciclismo e a corrida acontecerão em trechos de floresta nativa.

“Fiz uma preparação intensa para essa etapa do XTerra, principalmente por conta da alta umidade e do calor “, lembra Branden. “Treino no Colorado (EUA) onde a umidade nunca chega a níveis tão elevados”, lembra. Na prova deste sábado, a umidade relativa do ar deve chegar a 93%.

Desde 2005 ele compete como atleta profissional e até 2008 dedicou seus esforços na distância olímpica (1,5 quilômetros de natação, 40 de ciclismo e 10 de corrida) disputada em asfalto. De 2008 para frente ele começou a se focar em provas de XTerra, sempre disputadas em terrenos rústicos e em meio à natureza.

“Espero ter a oportunidade de fazer um treino de reconhecimento no percurso, para já me adaptar ao clima da floresta”, ressalta o americano. “Caso não seja possível, terei que fazer isso durante a prova”, finaliza.

Essa etapa regional do XTerra contará com atletas brasileiros, estrangeiros, além de militares, num evento inédito no país até então. Outro fator que chama a atenção é a prova ser disputada no Dia Mundial do Meio Ambiente, data criada para chamar a atenção para a necessidade de contribuir com a preservação do planeta.

Casal argentino radicado no RJ disputa Ironman BR e XTerra Amazônia

Triathlon · 27 maio, 2010

O casal de argentinos radicado em Niterói (RJ), Ezequiel Morales e Maria Soledad Omar, já está pronto para encarar mais um desafio na carreira: disputar o Ironman Brasil neste domingo (30/05) em Florianópolis e uma semana depois encarar o XTerra Amazônia, em Manaus. Durante todo o primeiro semestre eles fizeram um trabalho de base pensando na prova catarinense, mas ao tomarem conhecimento da disputa amazônica, resolveram aumentar os treinos para suportar as duas competições.

“Nosso foco principal é o Iron, mas ficamos empolgados em competir no meio da floresta amazônica e resolvemos prestigiar o XTerra”, conta Soledad. Ela conta que preferiu fazer o treino de preparação na Argentina, pois em Niterói teria que correr e pedalar em vias onde o tráfego de veículos é muito intenso.

“Valeu muito a pena, pois participamos de um meio Ironman por lá e fomos campeões. Depois voltamos para o Brasil e vencemos também uma prova em Criciúma, com distância pouco maior do que um triathlon olímpico”, completa a triatleta se referindo à tradicional distância de 1,5 quilômetro de natação, 40 de ciclismo e 10 de corrida.

Soledad disputará sua terceira prova de Ironman na carreira e a expectativa é chegar entre as cinco primeiras colocadas. “Essa é uma prova que ainda preciso de mais experiência. Eu já fui sétima e sexta colocada, então a top Five é a meta”, comenta a argentina que não esconde almejar voos mais altos. “Claro que se for possível, obter uma vaga para o Mundial do Havaí seria ótimo”.

Já seu marido, Ezequiel, chega à quinta disputa da modalidade e tem na bagagem uma participação no Havaí, o que certamente o coloca entre os favoritos ao título. “Ano passado fui quarto colocado, então busco pelo menos um terceiro lugar e uma das vagas para o mundial”, afirma.

XTerra - Depois de encarar os 3,8 quilômetros de natação, 180 de ciclismo e 42 de corrida em Floripa, o casal terá alguns dias de descanso antes de alinhar para os 1,5 quilômetro de natação no Rio Negro, 30 de mountain bike e nove de corrida do XTerra Amazônia. Descanso para um atleta de elite, porém, não significa colocar as pernas para o ar e relaxar completamente.

“Nesta semana vamos fazer alguns treinos leves para recuperar o corpo e já prepará-lo para a próxima competição”, explica Soledad. “Serão rodagens leves de velocidade, para o corpo ficar em alerta”. Segundo ela, o treino de bike e corrida não deve ultrapassar 40 minutos a uma hora por dia.

Apesar do desgaste, o casal afirma que participar de uma prova na maior floresta tropical do mundo vale qualquer esforço. “Será um desafio, adoramos aventura”, conta Soledad animada. “O que mais nos motivou foi poder competir nessa região do Brasil, com belas paisagens e no meio da natureza. É uma prova nota 10 para quem pratica esporte”, salienta Ezequiel, que pretende lutar pelo pódio.


Casal argentino radicado no RJ disputa Ironman BR e XTerra Amazônia

Triathlon · 27 maio, 2010

O casal de argentinos radicado em Niterói (RJ), Ezequiel Morales e Maria Soledad Omar, já está pronto para encarar mais um desafio na carreira: disputar o Ironman Brasil neste domingo (30/05) em Florianópolis e uma semana depois encarar o XTerra Amazônia, em Manaus. Durante todo o primeiro semestre eles fizeram um trabalho de base pensando na prova catarinense, mas ao tomarem conhecimento da disputa amazônica, resolveram aumentar os treinos para suportar as duas competições.

“Nosso foco principal é o Iron, mas ficamos empolgados em competir no meio da floresta amazônica e resolvemos prestigiar o XTerra”, conta Soledad. Ela conta que preferiu fazer o treino de preparação na Argentina, pois em Niterói teria que correr e pedalar em vias onde o tráfego de veículos é muito intenso.

“Valeu muito a pena, pois participamos de um meio Ironman por lá e fomos campeões. Depois voltamos para o Brasil e vencemos também uma prova em Criciúma, com distância pouco maior do que um triathlon olímpico”, completa a triatleta se referindo à tradicional distância de 1,5 quilômetro de natação, 40 de ciclismo e 10 de corrida.

Soledad disputará sua terceira prova de Ironman na carreira e a expectativa é chegar entre as cinco primeiras colocadas. “Essa é uma prova que ainda preciso de mais experiência. Eu já fui sétima e sexta colocada, então a top Five é a meta”, comenta a argentina que não esconde almejar voos mais altos. “Claro que se for possível, obter uma vaga para o Mundial do Havaí seria ótimo”.

Já seu marido, Ezequiel, chega à quinta disputa da modalidade e tem na bagagem uma participação no Havaí, o que certamente o coloca entre os favoritos ao título. “Ano passado fui quarto colocado, então busco pelo menos um terceiro lugar e uma das vagas para o mundial”, afirma.

XTerra - Depois de encarar os 3,8 quilômetros de natação, 180 de ciclismo e 42 de corrida em Floripa, o casal terá alguns dias de descanso antes de alinhar para os 1,5 quilômetro de natação no Rio Negro, 30 de mountain bike e nove de corrida do XTerra Amazônia. Descanso para um atleta de elite, porém, não significa colocar as pernas para o ar e relaxar completamente.

“Nesta semana vamos fazer alguns treinos leves para recuperar o corpo e já prepará-lo para a próxima competição”, explica Soledad. “Serão rodagens leves de velocidade, para o corpo ficar em alerta”. Segundo ela, o treino de bike e corrida não deve ultrapassar 40 minutos a uma hora por dia.

Apesar do desgaste, o casal afirma que participar de uma prova na maior floresta tropical do mundo vale qualquer esforço. “Será um desafio, adoramos aventura”, conta Soledad animada. “O que mais nos motivou foi poder competir nessa região do Brasil, com belas paisagens e no meio da natureza. É uma prova nota 10 para quem pratica esporte”, salienta Ezequiel, que pretende lutar pelo pódio.

Atletas com menor tempo no Ironman BR e XTerra Amazônia tem benefícios

Triathlon · 26 maio, 2010

Neste domingo (30/05) acontece a edição 2010 do Ironman Brasil, prova em que os triatletas terão que enfrentar 3,8 quilômetros de natação, 180 de ciclismo e 42 de corrida. Já no dia cinco de junho haverá a primeira edição do XTerra Amazônia, com 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida em trilhas na maior floresta tropical do mundo. Qual o ponto em comum dos dois eventos?

Em princípio, a única similaridade é ambos fazerem parte da categoria triathlon, mas os organizadores do Circuito XTerra resolveram aproximar as competições. Isso porque os atletas amadores com o menor tempo na soma dos resultados da prova catarinense e da amazônica serão contemplados com descontos e inscrições.

Batizado de XTerra Double Survivor, o homem e a mulher com o menor tempo nas duas provas receberão um ano de inscrições gratuitas no Circuito XTerra do ano que vem. Já os segundos melhores ganham vaga no Xterra Global Tour (Angra dos Reis - RJ) e no Xterra Regional Ilhabela. Os terceiros melhores ficam com a inscrição para a etapa de Ilhabela.

“Eu já estava inscrito nas duas provas antes mesmo de saber da premiação. Quando soube, fiquei mais motivado”, comenta o triatleta Lucas Leite. “Sei que é uma prova dura e estarei cansado do Ironman, mas estou treinando bastante para que isto não me atrapalhe”, completa.

Experiência - Quem também fará a dobradinha será a experiente Cris Carvalho, que esse ano venceu as provas de Mountain Bike e Triathlon do XTerra São Lourenço. Apesar de não brigar pela premiação Double Survivor, ela promete fazer bonito. “Não consegui ficar de fora dessa etapa do XTerra, pois é uma competição que fará bem para a alma. É uma prova nova que dá mais vontade de participar, ainda mais por ser no meio da selva. Eu sei que vou estar bem desgastada por conta do Ironman, mas espero fazer uma boa prova”.

O XTerra Regional Amazônia contará, além da batalha entre os 200 triatletas, uma disputa de cinco e 10 quilômetros noturna na Praia de Ponta Negra. Em 2010, o Circuito XTerra é composto por 10 etapas este ano, sendo uma (o Global Tour em Angra dos Reis), válida pelo Circuito Mundial e classificando os vencedores para a grande final no Havaí. Ao fim da temporada, os mais bem colocados do ranking nacional receberão premiação em dinheiro.


Atletas com menor tempo no Ironman BR e XTerra Amazônia tem benefícios

Triathlon · 26 maio, 2010

Neste domingo (30/05) acontece a edição 2010 do Ironman Brasil, prova em que os triatletas terão que enfrentar 3,8 quilômetros de natação, 180 de ciclismo e 42 de corrida. Já no dia cinco de junho haverá a primeira edição do XTerra Amazônia, com 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida em trilhas na maior floresta tropical do mundo. Qual o ponto em comum dos dois eventos?

Em princípio, a única similaridade é ambos fazerem parte da categoria triathlon, mas os organizadores do Circuito XTerra resolveram aproximar as competições. Isso porque os atletas amadores com o menor tempo na soma dos resultados da prova catarinense e da amazônica serão contemplados com descontos e inscrições.

Batizado de XTerra Double Survivor, o homem e a mulher com o menor tempo nas duas provas receberão um ano de inscrições gratuitas no Circuito XTerra do ano que vem. Já os segundos melhores ganham vaga no Xterra Global Tour (Angra dos Reis - RJ) e no Xterra Regional Ilhabela. Os terceiros melhores ficam com a inscrição para a etapa de Ilhabela.

“Eu já estava inscrito nas duas provas antes mesmo de saber da premiação. Quando soube, fiquei mais motivado”, comenta o triatleta Lucas Leite. “Sei que é uma prova dura e estarei cansado do Ironman, mas estou treinando bastante para que isto não me atrapalhe”, completa.

Experiência - Quem também fará a dobradinha será a experiente Cris Carvalho, que esse ano venceu as provas de Mountain Bike e Triathlon do XTerra São Lourenço. Apesar de não brigar pela premiação Double Survivor, ela promete fazer bonito. “Não consegui ficar de fora dessa etapa do XTerra, pois é uma competição que fará bem para a alma. É uma prova nova que dá mais vontade de participar, ainda mais por ser no meio da selva. Eu sei que vou estar bem desgastada por conta do Ironman, mas espero fazer uma boa prova”.

O XTerra Regional Amazônia contará, além da batalha entre os 200 triatletas, uma disputa de cinco e 10 quilômetros noturna na Praia de Ponta Negra. Em 2010, o Circuito XTerra é composto por 10 etapas este ano, sendo uma (o Global Tour em Angra dos Reis), válida pelo Circuito Mundial e classificando os vencedores para a grande final no Havaí. Ao fim da temporada, os mais bem colocados do ranking nacional receberão premiação em dinheiro.

Irmãos fazem dobradinha na Night Trail Run do XTerra

Corridas de Rua · 15 maio, 2010

Aconteceu na noite deste sábado (15) a Night Trail Run, prova de corrida noturna que faz parte das provas do XTerra Reginal. Com sede na cidade de Pedra Azul (ES), quem fez história na primeira prova na região foram os estreantes Marcos e Marivaldo Oliveira. Os irmãos dominaram a prova de ponta a ponta, levando duas medalhas para a família entre os mais de 330 competidores.

Em primeiro lugar ficou Marcos, que completou os seis quilômetros de percurso em 27min37, quase um minuto a frente de Marivaldo, que terminou a prova em 28min41. “Eu achei a prova excelente, uma das melhores que eu já participei. Tenho doze anos de atletismo, e essa prova, sem duvida nenhuma, entrou para minha história”, diz.

Segundo o campeão, o grande trunfo para a vitória foi largar com um ritmo acelerado. “Eu saí, logo no começo, bem forte. Nas corridas curtas, você não tem aquele negócio de economizar. As subidas forçaram bastante. Eu senti um pouco no final do morro, mas depois já forcei bastante na descida”, conta.

Para Marivaldo, vencedor dos 10 quilômetros do Circuito Fila, o apoio de todos fez com que o 2º lugar fosse alcançado. “Eu achei a prova muito bem organizada. A população nos aplaudiu bastante e nos ajudou. Os organizadores também, durante a trilha, nos deram muita força, o que me motivou para conseguir esse resultado”, afirma.

Mulheres - Entre as mulheres, a vitória ficou com Creusa Nascimento. Com o tempo de 36min10, a atleta chegou bem a frente de Marinete Barros, segunda colocada (41min29). Para a vencedora, a prova foi muito interessante.

“A prova foi muito boa. Logo no começo, houve uma subida muito dura, que me obrigou a usar também as mãos para chegar ao topo. No entanto, quando chegou na parte de descida, eu consegui abrir vantagem das outras mulheres, conquistando esse ótimo resultado”, explica.

Para a segunda colocada, a disputa abusou bastante na dificuldade, o que, no entanto, não a abalou. “Houve muitos obstáculos. Muitas trilhas estreitas e o escuro que não nos deixa enxergar nada a nossa frente. Apesar disso, foi tudo muito divertido e eu consegui alcançar uma boa colocação”, diz.


Irmãos fazem dobradinha na Night Trail Run do XTerra

Corridas de Rua · 15 maio, 2010

Aconteceu na noite deste sábado (15) a Night Trail Run, prova de corrida noturna que faz parte das provas do XTerra Reginal. Com sede na cidade de Pedra Azul (ES), quem fez história na primeira prova na região foram os estreantes Marcos e Marivaldo Oliveira. Os irmãos dominaram a prova de ponta a ponta, levando duas medalhas para a família entre os mais de 330 competidores.

Em primeiro lugar ficou Marcos, que completou os seis quilômetros de percurso em 27min37, quase um minuto a frente de Marivaldo, que terminou a prova em 28min41. “Eu achei a prova excelente, uma das melhores que eu já participei. Tenho doze anos de atletismo, e essa prova, sem duvida nenhuma, entrou para minha história”, diz.

Segundo o campeão, o grande trunfo para a vitória foi largar com um ritmo acelerado. “Eu saí, logo no começo, bem forte. Nas corridas curtas, você não tem aquele negócio de economizar. As subidas forçaram bastante. Eu senti um pouco no final do morro, mas depois já forcei bastante na descida”, conta.

Para Marivaldo, vencedor dos 10 quilômetros do Circuito Fila, o apoio de todos fez com que o 2º lugar fosse alcançado. “Eu achei a prova muito bem organizada. A população nos aplaudiu bastante e nos ajudou. Os organizadores também, durante a trilha, nos deram muita força, o que me motivou para conseguir esse resultado”, afirma.

Mulheres - Entre as mulheres, a vitória ficou com Creusa Nascimento. Com o tempo de 36min10, a atleta chegou bem a frente de Marinete Barros, segunda colocada (41min29). Para a vencedora, a prova foi muito interessante.

“A prova foi muito boa. Logo no começo, houve uma subida muito dura, que me obrigou a usar também as mãos para chegar ao topo. No entanto, quando chegou na parte de descida, eu consegui abrir vantagem das outras mulheres, conquistando esse ótimo resultado”, explica.

Para a segunda colocada, a disputa abusou bastante na dificuldade, o que, no entanto, não a abalou. “Houve muitos obstáculos. Muitas trilhas estreitas e o escuro que não nos deixa enxergar nada a nossa frente. Apesar disso, foi tudo muito divertido e eu consegui alcançar uma boa colocação”, diz.

Organização aprova primeira disputa do XTerra em Pedra Azul (ES)

Triathlon · 15 maio, 2010

Direto de Pedra Azul (ES) - Teve início neste sábado (15) a segunda etapa do Xterra Regional. Estreante como sede, a cidade de Pedra Azul, no Espírito Santo, surpreendeu a organização com a ótima receptividade e com a qualidade de disputa proporcionada pelo local.

“Pedra Azul está sendo um sucesso. No duathlon, nós tivemos atletas de grande peso, como o Manzan e o Altafini. O sol e o tempo estão ajudando e a prova lotou. Estamos muito animados para repetir a prova no próximo ano. A cidade está nos ajudando a superar as expectativas”, diz o organizador da prova, Bernardo Fonseca.

Começando o dia com uma longa prova de duathlon, que foi dividida em três quilômetros de corrida, 28 quilômetros de mountain bike e mais oito quilômetros de corrida, a competição exigiu muito dos competidores, principalmente na parte física.

Segundo Fonseca, o Xterra manteve sua característica, com um prova bastante complicada. “Nós tentamos fazer o 'pior' possível para eles”, brinca. “Os atletas têm que se acostumar que o XTerra não é brincadeira de criança. Nesta competição, você não precisa apenas de treinamento, você precisa de coragem e técnica. Não é qualquer um que vence o Xterra”, completa.

O evento continua neste sábado à noite, com a Night Trail Run, prova noturna de oito quilômetros de distância. No domingo (16), mais 51 quilômetros de MTB aguardam os atletas.


Organização aprova primeira disputa do XTerra em Pedra Azul (ES)

Triathlon · 15 maio, 2010

Direto de Pedra Azul (ES) - Teve início neste sábado (15) a segunda etapa do Xterra Regional. Estreante como sede, a cidade de Pedra Azul, no Espírito Santo, surpreendeu a organização com a ótima receptividade e com a qualidade de disputa proporcionada pelo local.

“Pedra Azul está sendo um sucesso. No duathlon, nós tivemos atletas de grande peso, como o Manzan e o Altafini. O sol e o tempo estão ajudando e a prova lotou. Estamos muito animados para repetir a prova no próximo ano. A cidade está nos ajudando a superar as expectativas”, diz o organizador da prova, Bernardo Fonseca.

Começando o dia com uma longa prova de duathlon, que foi dividida em três quilômetros de corrida, 28 quilômetros de mountain bike e mais oito quilômetros de corrida, a competição exigiu muito dos competidores, principalmente na parte física.

Segundo Fonseca, o Xterra manteve sua característica, com um prova bastante complicada. “Nós tentamos fazer o 'pior' possível para eles”, brinca. “Os atletas têm que se acostumar que o XTerra não é brincadeira de criança. Nesta competição, você não precisa apenas de treinamento, você precisa de coragem e técnica. Não é qualquer um que vence o Xterra”, completa.

O evento continua neste sábado à noite, com a Night Trail Run, prova noturna de oito quilômetros de distância. No domingo (16), mais 51 quilômetros de MTB aguardam os atletas.

Atleta da categoria Amador surpreende no XTerra

Triathlon · 15 maio, 2010

Direto de Pedra Azul (ES) - Todos os olhos estavam voltados para a categoria Elite durante o duathlon do XTerra Regional Domingos Martins, que aconteceu neste sábado (15), em Pedra Azul (ES). Mesmo com a vitória de Alexandre Manzan, quem surpreendeu foi Newton Leitão, competidor da categoria Amador. Com uma 5ª colocação na geral, o atleta ficou a frente de campeões como Alexandre Ribeiro.

“Fiquei muito feliz com meu resultado, porque chegou em um ponto da prova que estava muito difícil e que eu até pensei em desistir. No entanto, eu vi meu adversário e recuperei meu gás, o que me ajudou a fazer a quinta colocação na geral e primeiro na categoria. Foi gratificante demais”, diz.

Segundo o atleta, sua vantagem sobre alguns competidores foi a facilidade que tem com o mountain bike, já que é especialista na modalidade e conta com participações na Copa Internacional, Brasileiro e Iron Biker. “Eu venho treinando muito o MTB, e hoje o mountain bike foi agressivo, muito pesado. Além disso, eu tenho a experiência de estar participando há um ano da competição", conta.


Atleta da categoria Amador surpreende no XTerra

Triathlon · 15 maio, 2010

Direto de Pedra Azul (ES) - Todos os olhos estavam voltados para a categoria Elite durante o duathlon do XTerra Regional Domingos Martins, que aconteceu neste sábado (15), em Pedra Azul (ES). Mesmo com a vitória de Alexandre Manzan, quem surpreendeu foi Newton Leitão, competidor da categoria Amador. Com uma 5ª colocação na geral, o atleta ficou a frente de campeões como Alexandre Ribeiro.

“Fiquei muito feliz com meu resultado, porque chegou em um ponto da prova que estava muito difícil e que eu até pensei em desistir. No entanto, eu vi meu adversário e recuperei meu gás, o que me ajudou a fazer a quinta colocação na geral e primeiro na categoria. Foi gratificante demais”, diz.

Segundo o atleta, sua vantagem sobre alguns competidores foi a facilidade que tem com o mountain bike, já que é especialista na modalidade e conta com participações na Copa Internacional, Brasileiro e Iron Biker. “Eu venho treinando muito o MTB, e hoje o mountain bike foi agressivo, muito pesado. Além disso, eu tenho a experiência de estar participando há um ano da competição", conta.