Cobertura_K42Bombinhas_2011

Confira uma seleção de fotos da Vila do Farol K42 Bombinhas

Maratona · 11 ago, 2011

No último sábado (06/08) aconteceu a edição 2011 da Vila do Farol K42 Bombinhas, maratona fora de estrada que a cada ano recebe mais corredores. Confira uma seleção de fotos com o que aconteceu de melhor na prova.

Coletiva de imprensa com os favoritos ao título. Alexandre Koda/ Webrun
Coletiva de imprensa com os favoritos ao título. Alexandre Koda/ Webrun
Aquecimento e concentração antes da largada. Alexandre Koda/ Webrun
Aquecimento e concentração antes da largada. Alexandre Koda/ Webrun
Débora Simas posa com fã antes da prova. Alexandre Koda/ Webrun
Débora Simas posa com fã antes da prova. Alexandre Koda/ Webrun
Os corredores usam a criatividade para espantar o frio. Alexandre Koda/ Webrun
Os corredores usam a criatividade para espantar o frio. Alexandre Koda/ Webrun
Momento de expectativa antes da largada. Alexandre Koda/ Webrun
Momento de expectativa antes da largada. Alexandre Koda/ Webrun
Mais de 600 corredores participaram esse ano. Alexandre Koda/ Webrun
Mais de 600 corredores participaram esse ano. Alexandre Koda/ Webrun
A prova começou à beira mar. Raquel Hoefel/ Divulgação
A prova começou à beira mar. Raquel Hoefel/ Divulgação
Disputa do segundo pelotão. Alexandre Koda/ Webrun
Disputa do segundo pelotão. Alexandre Koda/ Webrun
O asfalto quase não existiu no percurso. Alexandre Koda/ Webrun
O asfalto quase não existiu no percurso. Alexandre Koda/ Webrun
Esforço nos primeiros quilômetros. Alexandre Koda/ Webrun
Esforço nos primeiros quilômetros. Alexandre Koda/ Webrun


Subida forte logo no começo da prova. Alexandre Koda/ Webrun
Subida forte logo no começo da prova. Alexandre Koda/ Webrun
Rosália rumo ao título. Alexandre Koda/ Webrun
Rosália rumo ao título. Alexandre Koda/ Webrun
Para Giliar Pinheiro as erosões não foram um obstáculo. Alexandre Koda/ Webrun
Para Giliar Pinheiro as erosões não foram um obstáculo. Alexandre Koda/ Webrun
José Virginio tenta alcançar o ponteiro. Alexandre Koda/ Webrun
José Virginio tenta alcançar o ponteiro. Alexandre Koda/ Webrun
Em muitas subidas era necessário caminhar. Raquel Hoefel/ Divulgação
Em muitas subidas era necessário caminhar. Raquel Hoefel/ Divulgação
No trecho de praia foi possível tirar o atraso. Raquel Hoefel/ Divulgação
No trecho de praia foi possível tirar o atraso. Raquel Hoefel/ Divulgação
José Virginio faz uma pausa para trocar o tênis. Alexandre Koda/ Webrun
José Virginio faz uma pausa para trocar o tênis. Alexandre Koda/ Webrun
Após a parada, 'sebo nas canelas'. Raquel Hoefel/ Divulgação
Após a parada, 'sebo nas canelas'. Raquel Hoefel/ Divulgação
As belas paisagens de Bombinhas compensaram o esforço. Raquel Hoefel/ Divulgação
As belas paisagens de Bombinhas compensaram o esforço. Raquel Hoefel/ Divulgação
Virginio ainda tenta alcançar Giliard. Raquel Hoefel/ Divulgação
Virginio ainda tenta alcançar Giliard. Raquel Hoefel/ Divulgação
No trecho da Meia Maratona havia um posto de hidratação. Alexandre Koda/ Webrun
No trecho da Meia Maratona havia um posto de hidratação. Alexandre Koda/ Webrun
Atletas do revezamentose aquecem para a prova. Alexandre Koda/ Webrun
Atletas do revezamentose aquecem para a prova. Alexandre Koda/ Webrun
A segunda metade da corrida foi mais dura. Alexandre Koda/ Webrun
A segunda metade da corrida foi mais dura. Alexandre Koda/ Webrun
Mesmo com vantagem, Gili não desacelera. Alexandre Koda/ Webrun
Mesmo com vantagem, Gili não desacelera. Alexandre Koda/ Webrun
Virginio neste momento estava 8 minutos atrás do líder. Alexandre Koda/ Webrun
Virginio neste momento estava 8 minutos atrás do líder. Alexandre Koda/ Webrun
Praia do Mariscal.Alexandre Koda/ Webrun
Praia do Mariscal.Alexandre Koda/ Webrun
Os pais de Giliard torcem por mais uma vitória. Alexandre Koda/ Webrun
Os pais de Giliard torcem por mais uma vitória. Alexandre Koda/ Webrun
Na praia Gili desacelerou para recuperar o fôlego. Alexandre Koda/ Webrun
Na praia Gili desacelerou para recuperar o fôlego. Alexandre Koda/ Webrun
Ao final da prova aparece um deque de madeira. Raquel Hoefel/ Divulgação
Ao final da prova aparece um deque de madeira. Raquel Hoefel/ Divulgação
Gili comemora muito a chegada com sua filha caçula. Alexandre Koda/ Webrun
Gili comemora muito a chegada com sua filha caçula. Alexandre Koda/ Webrun

Após a vitória, nada melhor do que um banho de Champagne. Alexandre Koda/ Webrun
Após a vitória, nada melhor do que um banho de Champagne. Alexandre Koda/ Webrun
Virginio estava satisfeito com o segundo lugar. Alexandre Koda/ Webrun
Virginio estava satisfeito com o segundo lugar. Alexandre Koda/ Webrun
O abraço dos campeões. Alexandre Koda/ Webrun
O abraço dos campeões. Alexandre Koda/ Webrun
O terceiro colocado vibrou ao cruzar a linha. Alexandre Koda/ Webrun
O terceiro colocado vibrou ao cruzar a linha. Alexandre Koda/ Webrun
Daniel Meyer sofreu, mas chegou. Alexandre Koda/ Webrun
Daniel Meyer sofreu, mas chegou. Alexandre Koda/ Webrun
A dupla de corredores comemora mais uma prova concluída. Alexandre Koda/ Webrun
A dupla de corredores comemora mais uma prova concluída. Alexandre Koda/ Webrun
Primeira dupla mista a chegar. Alexandre Koda/ Webrun
Primeira dupla mista a chegar. Alexandre Koda/ Webrun
A carioca Rosália (campeã) costuma correr Ironman. Alexandre Koda/ Webrun
A carioca Rosália (campeã) costuma correr Ironman. Alexandre Koda/ Webrun
A argentina Roxana del Cid se emocionou na chegada. Alexandre Koda/ Webrun
A argentina Roxana del Cid se emocionou na chegada. Alexandre Koda/ Webrun
Débora, Rosália e Roxana subiram ao pódio. Alexandre Koda/ Webrun
Débora, Rosália e Roxana subiram ao pódio. Alexandre Koda/ Webrun
Nelson Evêncio e Ina Araújo. Alexandre Koda/ Webrun
Nelson Evêncio e Ina Araújo. Alexandre Koda/ Webrun
A Pousada Vila do Farol é o hotel oficial. Alexandre Koda/ Webrun
A Pousada Vila do Farol é o hotel oficial. Alexandre Koda/ Webrun
A largada acontece na praia em frente à pousada. Alexandre Koda/ Webrun
A largada acontece na praia em frente à pousada. Alexandre Koda/ Webrun
Fachada do hotel oficial, o Vila do Farol. Alexandre Koda/ Webrun
Fachada do hotel oficial, o Vila do Farol. Alexandre Koda/ Webrun


Confira uma seleção de fotos da Vila do Farol K42 Bombinhas

Maratona · 11 ago, 2011

No último sábado (06/08) aconteceu a edição 2011 da Vila do Farol K42 Bombinhas, maratona fora de estrada que a cada ano recebe mais corredores. Confira uma seleção de fotos com o que aconteceu de melhor na prova.

Coletiva de imprensa com os favoritos ao título. Alexandre Koda/ Webrun
Coletiva de imprensa com os favoritos ao título. Alexandre Koda/ Webrun
Aquecimento e concentração antes da largada. Alexandre Koda/ Webrun
Aquecimento e concentração antes da largada. Alexandre Koda/ Webrun
Débora Simas posa com fã antes da prova. Alexandre Koda/ Webrun
Débora Simas posa com fã antes da prova. Alexandre Koda/ Webrun
Os corredores usam a criatividade para espantar o frio. Alexandre Koda/ Webrun
Os corredores usam a criatividade para espantar o frio. Alexandre Koda/ Webrun
Momento de expectativa antes da largada. Alexandre Koda/ Webrun
Momento de expectativa antes da largada. Alexandre Koda/ Webrun
Mais de 600 corredores participaram esse ano. Alexandre Koda/ Webrun
Mais de 600 corredores participaram esse ano. Alexandre Koda/ Webrun
A prova começou à beira mar. Raquel Hoefel/ Divulgação
A prova começou à beira mar. Raquel Hoefel/ Divulgação
Disputa do segundo pelotão. Alexandre Koda/ Webrun
Disputa do segundo pelotão. Alexandre Koda/ Webrun
O asfalto quase não existiu no percurso. Alexandre Koda/ Webrun
O asfalto quase não existiu no percurso. Alexandre Koda/ Webrun
Esforço nos primeiros quilômetros. Alexandre Koda/ Webrun
Esforço nos primeiros quilômetros. Alexandre Koda/ Webrun


Subida forte logo no começo da prova. Alexandre Koda/ Webrun
Subida forte logo no começo da prova. Alexandre Koda/ Webrun
Rosália rumo ao título. Alexandre Koda/ Webrun
Rosália rumo ao título. Alexandre Koda/ Webrun
Para Giliar Pinheiro as erosões não foram um obstáculo. Alexandre Koda/ Webrun
Para Giliar Pinheiro as erosões não foram um obstáculo. Alexandre Koda/ Webrun
José Virginio tenta alcançar o ponteiro. Alexandre Koda/ Webrun
José Virginio tenta alcançar o ponteiro. Alexandre Koda/ Webrun
Em muitas subidas era necessário caminhar. Raquel Hoefel/ Divulgação
Em muitas subidas era necessário caminhar. Raquel Hoefel/ Divulgação
No trecho de praia foi possível tirar o atraso. Raquel Hoefel/ Divulgação
No trecho de praia foi possível tirar o atraso. Raquel Hoefel/ Divulgação
José Virginio faz uma pausa para trocar o tênis. Alexandre Koda/ Webrun
José Virginio faz uma pausa para trocar o tênis. Alexandre Koda/ Webrun
Após a parada, 'sebo nas canelas'. Raquel Hoefel/ Divulgação
Após a parada, 'sebo nas canelas'. Raquel Hoefel/ Divulgação
As belas paisagens de Bombinhas compensaram o esforço. Raquel Hoefel/ Divulgação
As belas paisagens de Bombinhas compensaram o esforço. Raquel Hoefel/ Divulgação
Virginio ainda tenta alcançar Giliard. Raquel Hoefel/ Divulgação
Virginio ainda tenta alcançar Giliard. Raquel Hoefel/ Divulgação
No trecho da Meia Maratona havia um posto de hidratação. Alexandre Koda/ Webrun
No trecho da Meia Maratona havia um posto de hidratação. Alexandre Koda/ Webrun
Atletas do revezamentose aquecem para a prova. Alexandre Koda/ Webrun
Atletas do revezamentose aquecem para a prova. Alexandre Koda/ Webrun
A segunda metade da corrida foi mais dura. Alexandre Koda/ Webrun
A segunda metade da corrida foi mais dura. Alexandre Koda/ Webrun
Mesmo com vantagem, Gili não desacelera. Alexandre Koda/ Webrun
Mesmo com vantagem, Gili não desacelera. Alexandre Koda/ Webrun
Virginio neste momento estava 8 minutos atrás do líder. Alexandre Koda/ Webrun
Virginio neste momento estava 8 minutos atrás do líder. Alexandre Koda/ Webrun
Praia do Mariscal.Alexandre Koda/ Webrun
Praia do Mariscal.Alexandre Koda/ Webrun
Os pais de Giliard torcem por mais uma vitória. Alexandre Koda/ Webrun
Os pais de Giliard torcem por mais uma vitória. Alexandre Koda/ Webrun
Na praia Gili desacelerou para recuperar o fôlego. Alexandre Koda/ Webrun
Na praia Gili desacelerou para recuperar o fôlego. Alexandre Koda/ Webrun
Ao final da prova aparece um deque de madeira. Raquel Hoefel/ Divulgação
Ao final da prova aparece um deque de madeira. Raquel Hoefel/ Divulgação
Gili comemora muito a chegada com sua filha caçula. Alexandre Koda/ Webrun
Gili comemora muito a chegada com sua filha caçula. Alexandre Koda/ Webrun

Após a vitória, nada melhor do que um banho de Champagne. Alexandre Koda/ Webrun
Após a vitória, nada melhor do que um banho de Champagne. Alexandre Koda/ Webrun
Virginio estava satisfeito com o segundo lugar. Alexandre Koda/ Webrun
Virginio estava satisfeito com o segundo lugar. Alexandre Koda/ Webrun
O abraço dos campeões. Alexandre Koda/ Webrun
O abraço dos campeões. Alexandre Koda/ Webrun
O terceiro colocado vibrou ao cruzar a linha. Alexandre Koda/ Webrun
O terceiro colocado vibrou ao cruzar a linha. Alexandre Koda/ Webrun
Daniel Meyer sofreu, mas chegou. Alexandre Koda/ Webrun
Daniel Meyer sofreu, mas chegou. Alexandre Koda/ Webrun
A dupla de corredores comemora mais uma prova concluída. Alexandre Koda/ Webrun
A dupla de corredores comemora mais uma prova concluída. Alexandre Koda/ Webrun
Primeira dupla mista a chegar. Alexandre Koda/ Webrun
Primeira dupla mista a chegar. Alexandre Koda/ Webrun
A carioca Rosália (campeã) costuma correr Ironman. Alexandre Koda/ Webrun
A carioca Rosália (campeã) costuma correr Ironman. Alexandre Koda/ Webrun
A argentina Roxana del Cid se emocionou na chegada. Alexandre Koda/ Webrun
A argentina Roxana del Cid se emocionou na chegada. Alexandre Koda/ Webrun
Débora, Rosália e Roxana subiram ao pódio. Alexandre Koda/ Webrun
Débora, Rosália e Roxana subiram ao pódio. Alexandre Koda/ Webrun
Nelson Evêncio e Ina Araújo. Alexandre Koda/ Webrun
Nelson Evêncio e Ina Araújo. Alexandre Koda/ Webrun
A Pousada Vila do Farol é o hotel oficial. Alexandre Koda/ Webrun
A Pousada Vila do Farol é o hotel oficial. Alexandre Koda/ Webrun
A largada acontece na praia em frente à pousada. Alexandre Koda/ Webrun
A largada acontece na praia em frente à pousada. Alexandre Koda/ Webrun
Fachada do hotel oficial, o Vila do Farol. Alexandre Koda/ Webrun
Fachada do hotel oficial, o Vila do Farol. Alexandre Koda/ Webrun

Professor Nelson Evêncio corre e aprova a Vila do Farol K42 Bombinhas

Maratona · 09 ago, 2011

Nelson Evêncio , colunista do Webrun e presidente da Associação dos Treinadores de Corrida (ATC) de São Paulo, disputou no último sábado (06/08) a terceira edição da Vila do Farol K42 Bombinhas, prova que passou por trilhas e praias da cidade catarinense. Inscrito no revezamento, ele correu o segundo trecho do percurso e aprovou o formato da competição.

“É uma prova difícil, com trilhas escorregadias, muita subida e quase nada de asfalto. Só teve um trecho de praia onde consegui desenvolver e correr bem”, lembra o treinador. “A quarta colocada dos 42 quilômetros encostou-se a mim e nos ajudamos até o final. Se eu estivesse sozinho talvez quisesse correr mais rápido e poderia quebrar”, completa.

Ainda segundo Nelson, apesar da dificuldade a corrida é muito boa e vale a pena entrar no calendário dos corredores que gostam de provas fora de estrada. “É sensacional. Ano que vem estarei aqui de novo e, apesar de não ser corredor de maratona, me animei a treinar para correr o solo”.

Ina Araujo Oestroem, quarta colocada geral, diz que a ajuda de Nelson foi essencial durante a prova. “Sofri com câimbras e ele me adotou da metade em diante e me levou até o final”, brinca. “Foi uma prova dura, pois passei seis meses fazendo fisioterapia por conta de uma lesão e essa foi a primeira competição”, completa a representante de Florianópolis. Ela comenta ainda que no primeiro morro levou um tombo e rolou por alguns metros, o que a desestabilizou psicologicamente.

Avaliação - Além de competir, Evêncio avaliou o formato e a estrutura do evento para informar aos associados da ATC se vale a pena indicar a K42 para seus alunos. “Acredito que a prova tem potencial para crescer da mesma forma que a Volta à Ilha. A organização é ótima, a cidade é acolhedora e os corredores podem trazer as famílias, pois o hotel oficial possui ótima infraestrutura”.

A cidade de Bombinhas fica no litoral de Santa Catarina, a 70 quilômetros da capital Florianópolis e tem sua renda baseada na pesca e no turismo. Durante a alta temporada as praias lotam e o comércio se aquece com a presença dos turistas, fato que não ocorre durante o inverno. “Resolvemos fazer a prova na baixa temporada até para ajudar a economia local”, relata Juan Carlos Asef, organizador da corrida.

A edição 2012 ainda não está com inscrições abertas, mas assim que forem disponibilizadas poderão ser feitas no site oficial, o www.bombinhasrunners.com.br. A Vila do Farol K42 Bombinhas Adventure Marathon faz parte de um circuito mundial, que começou na Patagônia argentina. Para conhecer as outras etapas basta acessar www.patagoniaeventos.com.


Professor Nelson Evêncio corre e aprova a Vila do Farol K42 Bombinhas

Maratona · 09 ago, 2011

Nelson Evêncio , colunista do Webrun e presidente da Associação dos Treinadores de Corrida (ATC) de São Paulo, disputou no último sábado (06/08) a terceira edição da Vila do Farol K42 Bombinhas, prova que passou por trilhas e praias da cidade catarinense. Inscrito no revezamento, ele correu o segundo trecho do percurso e aprovou o formato da competição.

“É uma prova difícil, com trilhas escorregadias, muita subida e quase nada de asfalto. Só teve um trecho de praia onde consegui desenvolver e correr bem”, lembra o treinador. “A quarta colocada dos 42 quilômetros encostou-se a mim e nos ajudamos até o final. Se eu estivesse sozinho talvez quisesse correr mais rápido e poderia quebrar”, completa.

Ainda segundo Nelson, apesar da dificuldade a corrida é muito boa e vale a pena entrar no calendário dos corredores que gostam de provas fora de estrada. “É sensacional. Ano que vem estarei aqui de novo e, apesar de não ser corredor de maratona, me animei a treinar para correr o solo”.

Ina Araujo Oestroem, quarta colocada geral, diz que a ajuda de Nelson foi essencial durante a prova. “Sofri com câimbras e ele me adotou da metade em diante e me levou até o final”, brinca. “Foi uma prova dura, pois passei seis meses fazendo fisioterapia por conta de uma lesão e essa foi a primeira competição”, completa a representante de Florianópolis. Ela comenta ainda que no primeiro morro levou um tombo e rolou por alguns metros, o que a desestabilizou psicologicamente.

Avaliação - Além de competir, Evêncio avaliou o formato e a estrutura do evento para informar aos associados da ATC se vale a pena indicar a K42 para seus alunos. “Acredito que a prova tem potencial para crescer da mesma forma que a Volta à Ilha. A organização é ótima, a cidade é acolhedora e os corredores podem trazer as famílias, pois o hotel oficial possui ótima infraestrutura”.

A cidade de Bombinhas fica no litoral de Santa Catarina, a 70 quilômetros da capital Florianópolis e tem sua renda baseada na pesca e no turismo. Durante a alta temporada as praias lotam e o comércio se aquece com a presença dos turistas, fato que não ocorre durante o inverno. “Resolvemos fazer a prova na baixa temporada até para ajudar a economia local”, relata Juan Carlos Asef, organizador da corrida.

A edição 2012 ainda não está com inscrições abertas, mas assim que forem disponibilizadas poderão ser feitas no site oficial, o www.bombinhasrunners.com.br. A Vila do Farol K42 Bombinhas Adventure Marathon faz parte de um circuito mundial, que começou na Patagônia argentina. Para conhecer as outras etapas basta acessar www.patagoniaeventos.com.

Corredores solo e do revezamento sofrem para completar a K42 Bombinhas

Maratona · 08 ago, 2011

Atualizada em 09/08 às 14h35.

Bombinhas (SC) - A maioria dos corredores que finalizaram a edição 2011 da Vila do Farol K42 Bombinhas no último sábado (06/08) tinha no semblante um sorriso e a sensação de dever cumprido depois de enfrentar o desafiante percurso. Tanto os corredores do revezamento, quanto os que correram sozinhos, sofreram para encarar trilhas fechadas, erosões, rochas, areia fofa, entre outros obstáculos naturais.

Dentre os quase 700 participantes, apenas dois não cruzaram a linha de chegada, estatística considerada muito boa pelo professor Nelson Evêncio, Presidente da ATC São Paulo. “Na maioria das provas, o índice de desistência fica em 10 a 20%”, relata o treinador.

“Foi uma prova muito satisfatória. O começo do segundo trajeto foi bem difícil, principalmente na hora na parte da trilha”, relata Eduardo Machado, que fechou em primeiro lugar no revezamento. “Eu me preparei bastante com corrida e natação e isso ajudou bastante. Ano que vem vou correr os 42”, completa o curitibano.

Já Antônio Sacommori, também da categoria revezamento, resume a K42 como uma prova muito exigente. “Foi alucinante. Tinha muita alternância de terrenos, subidas e descidas”. O representante de Florianópolis correu ao lado de Gabriela Davila, mas ano que vem pretende competira categoria solo. “Vamos treinar para isso”, conta o atleta do Clube de Corrida Formacco|urapazi.

Entre os corredores mais velhos estava Antônio Martins dos Reis, que aos 70 anos não teve medo de encarar as trilhas pelo segundo ano consecutivo. “Foi melhor do que ano passado, quando choveu. Dessa vez o sol ajudou”. Ele fez dupla com Celio Paulo Parahyba e considera o seu trecho mais complicado do que o do companheiro. “A minha parte foi a mais difícil, com várias montanhas e pedras pelo caminho, mas me sinto vitorioso assim como todos os outros que correram”.

Se os corredores do revezamento sofreram, aqueles que disputaram os 42 quilômetros sozinhos estavam ainda mais ofegantes ao final. “Foi uma prova muito bonita, mas dura. Cheguei ao meu limite, mas vale muito a pena todo o esforço”, conta Rodrigo Lorena. “A solidariedade das pessoas na trilha é muito legal e acho que a maioria estava lá com o pensamento de terminar, sem pensar em tempo”, completa. Essa foi a primeira prova que ele disputou no formato fora de estrada e já pensa nas próximas. “Certamente foi a primeira de muitas”.

A prova teve ainda a categoria 12 quilômetros, vencida pela argentina Maria Eugênia Gillete, com o tempo de 1h19min30. “Foi uma prova espetacular e eu fiquei deslumbrada com as paisagens”, conta a campeã que mora em Buenos Aires. “Essa foi minha segunda prova na vida e agora penso em voltar para correr os 21”, relata. Segundo ela, as partes mais bonitas foram o primeiro morro e na praia.

Entre os homens, o campeão foi Edicarlos da Silva Rodrigues com 57min40. "Ganhei a prova e quebrei o recorde que era de 1h03min20. Foram quase seis minutos de diferença para o ano passado", conta o campeão.

Essa foi a terceira edição da Vila do Farol K42 Bombinhas Adventure Marathon e a cada ano o número de corredores aumenta. Em 2009 eram pouco mais de 200 participantes, número que praticamente triplicou em 2011 e, se depender dos organizadores, aumentará ainda mais. “Esperamos para 2012 pelo menos mil corredores. Provavelmente abriremos 400 vagas para os 42 quilômetros, 400 para o revezamento e 200 para os 12 quilômetros”, relata Juan Carlos Asef, idealizador do evento no Brasil.


Corredores solo e do revezamento sofrem para completar a K42 Bombinhas

Maratona · 08 ago, 2011

Atualizada em 09/08 às 14h35.

Bombinhas (SC) - A maioria dos corredores que finalizaram a edição 2011 da Vila do Farol K42 Bombinhas no último sábado (06/08) tinha no semblante um sorriso e a sensação de dever cumprido depois de enfrentar o desafiante percurso. Tanto os corredores do revezamento, quanto os que correram sozinhos, sofreram para encarar trilhas fechadas, erosões, rochas, areia fofa, entre outros obstáculos naturais.

Dentre os quase 700 participantes, apenas dois não cruzaram a linha de chegada, estatística considerada muito boa pelo professor Nelson Evêncio, Presidente da ATC São Paulo. “Na maioria das provas, o índice de desistência fica em 10 a 20%”, relata o treinador.

“Foi uma prova muito satisfatória. O começo do segundo trajeto foi bem difícil, principalmente na hora na parte da trilha”, relata Eduardo Machado, que fechou em primeiro lugar no revezamento. “Eu me preparei bastante com corrida e natação e isso ajudou bastante. Ano que vem vou correr os 42”, completa o curitibano.

Já Antônio Sacommori, também da categoria revezamento, resume a K42 como uma prova muito exigente. “Foi alucinante. Tinha muita alternância de terrenos, subidas e descidas”. O representante de Florianópolis correu ao lado de Gabriela Davila, mas ano que vem pretende competira categoria solo. “Vamos treinar para isso”, conta o atleta do Clube de Corrida Formacco|urapazi.

Entre os corredores mais velhos estava Antônio Martins dos Reis, que aos 70 anos não teve medo de encarar as trilhas pelo segundo ano consecutivo. “Foi melhor do que ano passado, quando choveu. Dessa vez o sol ajudou”. Ele fez dupla com Celio Paulo Parahyba e considera o seu trecho mais complicado do que o do companheiro. “A minha parte foi a mais difícil, com várias montanhas e pedras pelo caminho, mas me sinto vitorioso assim como todos os outros que correram”.

Se os corredores do revezamento sofreram, aqueles que disputaram os 42 quilômetros sozinhos estavam ainda mais ofegantes ao final. “Foi uma prova muito bonita, mas dura. Cheguei ao meu limite, mas vale muito a pena todo o esforço”, conta Rodrigo Lorena. “A solidariedade das pessoas na trilha é muito legal e acho que a maioria estava lá com o pensamento de terminar, sem pensar em tempo”, completa. Essa foi a primeira prova que ele disputou no formato fora de estrada e já pensa nas próximas. “Certamente foi a primeira de muitas”.

A prova teve ainda a categoria 12 quilômetros, vencida pela argentina Maria Eugênia Gillete, com o tempo de 1h19min30. “Foi uma prova espetacular e eu fiquei deslumbrada com as paisagens”, conta a campeã que mora em Buenos Aires. “Essa foi minha segunda prova na vida e agora penso em voltar para correr os 21”, relata. Segundo ela, as partes mais bonitas foram o primeiro morro e na praia.

Entre os homens, o campeão foi Edicarlos da Silva Rodrigues com 57min40. "Ganhei a prova e quebrei o recorde que era de 1h03min20. Foram quase seis minutos de diferença para o ano passado", conta o campeão.

Essa foi a terceira edição da Vila do Farol K42 Bombinhas Adventure Marathon e a cada ano o número de corredores aumenta. Em 2009 eram pouco mais de 200 participantes, número que praticamente triplicou em 2011 e, se depender dos organizadores, aumentará ainda mais. “Esperamos para 2012 pelo menos mil corredores. Provavelmente abriremos 400 vagas para os 42 quilômetros, 400 para o revezamento e 200 para os 12 quilômetros”, relata Juan Carlos Asef, idealizador do evento no Brasil.

Giliard Pinheiro não alivia o ritmo e fatura o tri da K42 Bombinhas

Maratona · 06 ago, 2011

Giliard Altair Pinheiro venceu neste sábado (06/08) a edição 2011 da maratona fora de estrada Vila do Farol K42 Bombinhas e de quebra ficou com o tricampeonato da prova. Entre as mulheres houve surpresa com a vitória de Rosália de Camargo.

Direto de Bombinhas - Apesar das baixas temperaturas que têm atingido a região sul do Brasil nas últimas semanas, o sábado amanheceu com céu aberto em Bombinhas, litoral de Santa Catarina, e ao longo do dia o sol forte ajudou a esquentar a corrida. O tiro de partida aconteceu às 8h na praia em frente à Pousada Vila do Farol para os percursos de 42 quilômetros, revezamento 2x21 e 12 quilômetros.

Antes da prova Giliard Pinheiro já era considerado favorito, mas o experiente em corridas de montanha, José Virginio de Morais prometia não dar descanso ao catarinense. Nos primeiros quilômetros Virginio saiu na frente, mas aos poucos Gili chegou, ultrapassou e abriu uma larga vantagem.

Em alguns trechos Giliard chegou a ter quase oito minutos de vantagem para Virginio, que fez um pit stop previamente programado na metade da prova. Ao chegar à praia de Campo Grande, onde acontecia o revezamento dos atletas dos 21 quilômetros, ele trocou de tênis e perdeu quase três minutos.

Com a vantagem Gili preferiu segurar o ritmo em vez de tentar quebrar o atual recorde (3h07) e cruzou a linha de chegada em 3h15min54. “Procurei fazer uma prova bem técnica, economizar na primeira parte e não correr na loucura”, relata. “Acho que o tempo do recorde está bem respeitoso. Fiz uma boa preparação correndo as Maratonas de São Paulo e Rio de janeiro e agora vamos para a Patagônia”, relata o campeão sobre a disputa final do circuito, na Argentina.

Apesar das corridas de montanha crescerem a cada ano no Brasil, ainda há poucos atletas de elite disputando os primeiros lugares, fato que Giliard espera que mude em breve. “Não me importo em eventualmente perder a prova, só quero mais gente para disputar”. Ele inclusive reforça o convite para aqueles que quiserem treinar com ele em Bombinhas. “Basta me enviar email ou mensagem no Facebook, que a gente combina de correr nos morros daqui”.

Virginio foi o segundo com 3h22min57 e se disse satisfeito por ter melhorado o tempo em relação ao ano passado. “Baixei dez minutos e esse era meu objetivo principal, pois meu adversário é o relógio”, conta o vice-campeão que vibrou muito com o resultado. Sobre o pit stop, ele comenta que foi uma estratégia pensada desde o ano passado. “A primeira parte é muito pesada e judia muito do tênis. Por isso troquei por um mais leve e sem areia”.

O terceiro posto foi para Cláudio Clasen Schlindwein, com 3h26min15. “Tentei correr perto dos campeões, mas não consegui. Então a estratégia foi me alimentar e hidratar super bem, sem ultrapassar o meu limite”, relata. Em diversos momentos o público disse que ele estava perto do segundo colocado, mas ele não conseguiu acelerar. “Tentei apertar o ritmo, mas eu poderia quebrar”.

Mulheres - Na disputa feminina os olhos estavam voltados para Débora Aparecida Simas, bicampeã da disputa, mas ao final Rosalia de Camargo, até então desconhecida do público, começou a ganhar posições no percurso. Nos primeiros quilômetros ela assumiu a ponta e não foi mais ultrapassada até cruzar com 4h10min19, novo recorde da competição.

“Eu fiz muita força nessa prova e no final foi sobrevivência total”, conta a carioca. “Achei os primeiros 21 quilômetros bem técnicos, mas dava para correr. Mas nos cinco últimos quilômetros não tinha como correr, porque havia muitas pedras”. Estreante na prova bombinense, ela elogia a organização. “Os trechos estavam bem sinalizados, foi tudo bem organizado e com ótimo suporte. Dou nota dez”.

Acostumada a correr maratonas em asfalto e principalmente provas de Ironman, a K42 Bombinhas foi a segunda prova fora de estrada que ela correu. “Disputei outra prova em Búzios, onde também venci, e agora essa”. Apesar da vitória, ela não se considera uma corredora de elite. “Como parte do treino eu vou e volto do trabalho correndo, o que dá uns 20 quilômetros em média. A gente sofre, mas no fim o resultado vale ka pena”.

A argentina Roxana del Cid foi a segunda colocada com 4h12min56 e se emocionou muito ao cruzar a linha de chegada. “Eu amo o Brasil! Não esperava esse resultado e foi muito emocionante correr ao lado de uma campeã (Débora Simas) e ainda chegar à frente dela”, relata a corredora que mora em La Plata.

Débora foi a terceira com 4h24min51. “Eu tentei ganhar a prova novamente, mas na entrada do Costão senti muitas câimbras, mas estou feliz com o resultado. As minhas concorrentes são muito fortes”, relata a corredora de Florianópolis. “As minhas panturrilhas e coxas doíam muito e esse terceiro lugar foi muito bom, pois estou voltando de lesão”.

Os dois campeões ganharam, além do troféu de primeiro lugar, passagem, hospedagem e inscrição para a prova final do circuito, em novembro na cidade de Villa La Angostura, região da Patagônia argentina. A próxima prova com selo da K42 será no Chile, no dia 10/09 e as inscrições podem ser feitas no site /www.patagoniaeventos.com.


Giliard Pinheiro não alivia o ritmo e fatura o tri da K42 Bombinhas

Maratona · 06 ago, 2011

Giliard Altair Pinheiro venceu neste sábado (06/08) a edição 2011 da maratona fora de estrada Vila do Farol K42 Bombinhas e de quebra ficou com o tricampeonato da prova. Entre as mulheres houve surpresa com a vitória de Rosália de Camargo.

Direto de Bombinhas - Apesar das baixas temperaturas que têm atingido a região sul do Brasil nas últimas semanas, o sábado amanheceu com céu aberto em Bombinhas, litoral de Santa Catarina, e ao longo do dia o sol forte ajudou a esquentar a corrida. O tiro de partida aconteceu às 8h na praia em frente à Pousada Vila do Farol para os percursos de 42 quilômetros, revezamento 2x21 e 12 quilômetros.

Antes da prova Giliard Pinheiro já era considerado favorito, mas o experiente em corridas de montanha, José Virginio de Morais prometia não dar descanso ao catarinense. Nos primeiros quilômetros Virginio saiu na frente, mas aos poucos Gili chegou, ultrapassou e abriu uma larga vantagem.

Em alguns trechos Giliard chegou a ter quase oito minutos de vantagem para Virginio, que fez um pit stop previamente programado na metade da prova. Ao chegar à praia de Campo Grande, onde acontecia o revezamento dos atletas dos 21 quilômetros, ele trocou de tênis e perdeu quase três minutos.

Com a vantagem Gili preferiu segurar o ritmo em vez de tentar quebrar o atual recorde (3h07) e cruzou a linha de chegada em 3h15min54. “Procurei fazer uma prova bem técnica, economizar na primeira parte e não correr na loucura”, relata. “Acho que o tempo do recorde está bem respeitoso. Fiz uma boa preparação correndo as Maratonas de São Paulo e Rio de janeiro e agora vamos para a Patagônia”, relata o campeão sobre a disputa final do circuito, na Argentina.

Apesar das corridas de montanha crescerem a cada ano no Brasil, ainda há poucos atletas de elite disputando os primeiros lugares, fato que Giliard espera que mude em breve. “Não me importo em eventualmente perder a prova, só quero mais gente para disputar”. Ele inclusive reforça o convite para aqueles que quiserem treinar com ele em Bombinhas. “Basta me enviar email ou mensagem no Facebook, que a gente combina de correr nos morros daqui”.

Virginio foi o segundo com 3h22min57 e se disse satisfeito por ter melhorado o tempo em relação ao ano passado. “Baixei dez minutos e esse era meu objetivo principal, pois meu adversário é o relógio”, conta o vice-campeão que vibrou muito com o resultado. Sobre o pit stop, ele comenta que foi uma estratégia pensada desde o ano passado. “A primeira parte é muito pesada e judia muito do tênis. Por isso troquei por um mais leve e sem areia”.

O terceiro posto foi para Cláudio Clasen Schlindwein, com 3h26min15. “Tentei correr perto dos campeões, mas não consegui. Então a estratégia foi me alimentar e hidratar super bem, sem ultrapassar o meu limite”, relata. Em diversos momentos o público disse que ele estava perto do segundo colocado, mas ele não conseguiu acelerar. “Tentei apertar o ritmo, mas eu poderia quebrar”.

Mulheres - Na disputa feminina os olhos estavam voltados para Débora Aparecida Simas, bicampeã da disputa, mas ao final Rosalia de Camargo, até então desconhecida do público, começou a ganhar posições no percurso. Nos primeiros quilômetros ela assumiu a ponta e não foi mais ultrapassada até cruzar com 4h10min19, novo recorde da competição.

“Eu fiz muita força nessa prova e no final foi sobrevivência total”, conta a carioca. “Achei os primeiros 21 quilômetros bem técnicos, mas dava para correr. Mas nos cinco últimos quilômetros não tinha como correr, porque havia muitas pedras”. Estreante na prova bombinense, ela elogia a organização. “Os trechos estavam bem sinalizados, foi tudo bem organizado e com ótimo suporte. Dou nota dez”.

Acostumada a correr maratonas em asfalto e principalmente provas de Ironman, a K42 Bombinhas foi a segunda prova fora de estrada que ela correu. “Disputei outra prova em Búzios, onde também venci, e agora essa”. Apesar da vitória, ela não se considera uma corredora de elite. “Como parte do treino eu vou e volto do trabalho correndo, o que dá uns 20 quilômetros em média. A gente sofre, mas no fim o resultado vale ka pena”.

A argentina Roxana del Cid foi a segunda colocada com 4h12min56 e se emocionou muito ao cruzar a linha de chegada. “Eu amo o Brasil! Não esperava esse resultado e foi muito emocionante correr ao lado de uma campeã (Débora Simas) e ainda chegar à frente dela”, relata a corredora que mora em La Plata.

Débora foi a terceira com 4h24min51. “Eu tentei ganhar a prova novamente, mas na entrada do Costão senti muitas câimbras, mas estou feliz com o resultado. As minhas concorrentes são muito fortes”, relata a corredora de Florianópolis. “As minhas panturrilhas e coxas doíam muito e esse terceiro lugar foi muito bom, pois estou voltando de lesão”.

Os dois campeões ganharam, além do troféu de primeiro lugar, passagem, hospedagem e inscrição para a prova final do circuito, em novembro na cidade de Villa La Angostura, região da Patagônia argentina. A próxima prova com selo da K42 será no Chile, no dia 10/09 e as inscrições podem ser feitas no site /www.patagoniaeventos.com.

Atletas estão prontos para a maratona em trilha K42 Bombinhas

Maratona · 06 ago, 2011

Na manhã desse sábado (06/08) mais de 600 atletas estarão na linha de largada da maratona fora de estrada Vila do Farol K42 Bombinhas, prova que faz parte de um circuito Mundial de provas desse estilo. O atleta local Giliard Pinheiro tentará o tricampeonato, mas ele não terá vida fácil, pois estão no Field José Virginio de Morais e Daniel Meyer.

Giliard conhece o percurso como ninguém, pois mora e treina no local da prova. “Pela manhã fiz um treino e a areia está um tapete, bem diferente do ano passado”, conta o catarinense sobre a edição de 2010 em que a chuva e a ressaca do mar atrapalharam os competidores.

Ao longo dos 42 quilômetros muitos desafios aguardam os atletas, como os morros, praias, pedras e trilhas estreitas, que deixam o desafio ainda mais disputado segundo Giliard. “Depois do quilômetro 25, na Praia da Tainha, é a parte de decisão para mim, pois posso imprimir um ritmo mais forte”. Na opinião dele, a primeira metade da prova é a mais difícil. “Vou mudar a estratégia e não vou gastar tanta energia no começo”, relata.

Para José Virginio, especialista em corridas de montanha, Gili é o homem a ser batido. “Essa é minha terceira participação. O Gili tem saído muito forte no começo, mas como disse que vai mudar a estratégia, também terei que repensar a minha”, brinca. “Não dá para começar forte. Você até pode forçar na subida, mas depois fica sem perna para descer”, relata o corredor que espera melhorar seu tempo em relação aos outros anos. “Esse é meu primeiro objetivo. Depois eu penso em vencer”.

Devido aos problemas com a chuva ano passado, muitos corredores tiveram tempos altos ao fim da prova, algo que não aconteceu com Daniel Meyer. “Para mim, quanto mais lenta estiver a prova melhor, assim tenho chance de pegar os dois. Eles sempre saem feito foguetes”. Ao contrário dos concorrentes, ele acha que a segunda parte da prova é mais lenta do que o começo.

Entre as mulheres, o grande destaque é Débora Aparecida Simas, que também tentará o terceiro título da competição. “Eu reforço o que o Giliard falou. Não dá para sair forte desde o começo, se não você vai pagar muito caro no final”. Ao ser perguntada sobre o trecho mais complicado, ela não pensa duas vezes. “O Morro da Tainha é o pior trecho e as pessoas brincam que ele é o primo do ‘Morro Maldito’ da Volta à Ilha”, relata a catarinense que se refere ao Morro do Sertão, um dos mais difíceis da prova de Revezamento de Florianópolis.

Para Juan Carlos Asef, organizador da prova, o aumento no número de inscritos mostra que esse tipo de evento está crescendo e o Brasiltem muito potencial para ampliar provas fora de estrada. “Para o ano que vem vamos abrir mil vagas e esperamos preenchê-las antes do prazo final. Também temos a ideia de fazer uma prova em outra região do país”.

Quem também marca presença na prova é o idealizador do circuito mundial, Diego Zarba, que fala com carinho da prova brasileira. “O nível que temos aqui de organização e recepção aos atletas podemos levar como exemplo para K42 de outros países”, relata. “Todas as etapas são especiais, mas a de Bombinhas tem um charme especial”, finaliza o responsável pela final do circuito, em Villa La Angostura, Argentina.

A largada está programada para as 8h na praia em frente ao Hotel Vila do Farol. Além da prova principal, também haverá um percurso de 21 quilômetros, a ser disputado em forma de revezamento por duas pessoas.


Atletas estão prontos para a maratona em trilha K42 Bombinhas

Maratona · 06 ago, 2011

Na manhã desse sábado (06/08) mais de 600 atletas estarão na linha de largada da maratona fora de estrada Vila do Farol K42 Bombinhas, prova que faz parte de um circuito Mundial de provas desse estilo. O atleta local Giliard Pinheiro tentará o tricampeonato, mas ele não terá vida fácil, pois estão no Field José Virginio de Morais e Daniel Meyer.

Giliard conhece o percurso como ninguém, pois mora e treina no local da prova. “Pela manhã fiz um treino e a areia está um tapete, bem diferente do ano passado”, conta o catarinense sobre a edição de 2010 em que a chuva e a ressaca do mar atrapalharam os competidores.

Ao longo dos 42 quilômetros muitos desafios aguardam os atletas, como os morros, praias, pedras e trilhas estreitas, que deixam o desafio ainda mais disputado segundo Giliard. “Depois do quilômetro 25, na Praia da Tainha, é a parte de decisão para mim, pois posso imprimir um ritmo mais forte”. Na opinião dele, a primeira metade da prova é a mais difícil. “Vou mudar a estratégia e não vou gastar tanta energia no começo”, relata.

Para José Virginio, especialista em corridas de montanha, Gili é o homem a ser batido. “Essa é minha terceira participação. O Gili tem saído muito forte no começo, mas como disse que vai mudar a estratégia, também terei que repensar a minha”, brinca. “Não dá para começar forte. Você até pode forçar na subida, mas depois fica sem perna para descer”, relata o corredor que espera melhorar seu tempo em relação aos outros anos. “Esse é meu primeiro objetivo. Depois eu penso em vencer”.

Devido aos problemas com a chuva ano passado, muitos corredores tiveram tempos altos ao fim da prova, algo que não aconteceu com Daniel Meyer. “Para mim, quanto mais lenta estiver a prova melhor, assim tenho chance de pegar os dois. Eles sempre saem feito foguetes”. Ao contrário dos concorrentes, ele acha que a segunda parte da prova é mais lenta do que o começo.

Entre as mulheres, o grande destaque é Débora Aparecida Simas, que também tentará o terceiro título da competição. “Eu reforço o que o Giliard falou. Não dá para sair forte desde o começo, se não você vai pagar muito caro no final”. Ao ser perguntada sobre o trecho mais complicado, ela não pensa duas vezes. “O Morro da Tainha é o pior trecho e as pessoas brincam que ele é o primo do ‘Morro Maldito’ da Volta à Ilha”, relata a catarinense que se refere ao Morro do Sertão, um dos mais difíceis da prova de Revezamento de Florianópolis.

Para Juan Carlos Asef, organizador da prova, o aumento no número de inscritos mostra que esse tipo de evento está crescendo e o Brasiltem muito potencial para ampliar provas fora de estrada. “Para o ano que vem vamos abrir mil vagas e esperamos preenchê-las antes do prazo final. Também temos a ideia de fazer uma prova em outra região do país”.

Quem também marca presença na prova é o idealizador do circuito mundial, Diego Zarba, que fala com carinho da prova brasileira. “O nível que temos aqui de organização e recepção aos atletas podemos levar como exemplo para K42 de outros países”, relata. “Todas as etapas são especiais, mas a de Bombinhas tem um charme especial”, finaliza o responsável pela final do circuito, em Villa La Angostura, Argentina.

A largada está programada para as 8h na praia em frente ao Hotel Vila do Farol. Além da prova principal, também haverá um percurso de 21 quilômetros, a ser disputado em forma de revezamento por duas pessoas.

Restam poucas vagas para a K42 Bombinhas, no dia seis de agosto

Maratona · 14 jul, 2011

No dia seis de agosto os amantes das corridas de montanha vão se reunir na cidade catarinense de Bombinhas para a disputa da terceira edição da K42 Bombinhas Adventure Marathon, prova com distâncias de 42 (individual ou revezamento) e 12 quilômetros. Ainda restam pouco mais de 30 vagas e os interessados devem se apressar, pois o prazo máximo de inscrição está quase no fim.

Este ano a briga pelo primeiro lugar promete ser mais acirrada do que nas outras edições, visto que já estão confirmados o bicampeão da prova, Giliard Pinheiro e os especialistas em provas rústicas, José Virginio de Morais e Naval Freitas. “Além deles, estamos negociando a vinda de um queniano, que tem como melhor marca na maratona 2h12”, relata Juan Carlos Asef, organizador da prova.

Giliard, além de bicampeão, mora em Bombinhas e conhece cada detalhe do percurso, o que lhe permitiu estabelecer o recorde da prova com 3h07min22. “Acho que a região do Costão é onde me dou melhor”, relata Gili sobre um dos trechos do percurso. “Conheço todas as pedras e posso correr sem medo de errar a pisada”, completa o catarinense, que antes de se dedicar às competições pintava as casas dos moradores da região.

O melhor atleta entre os homens e a melhor entre as mulheres ganharão, além de troféus e medalhas, passagem, hospedagem e inscrição para a final do Circuito K42, em Villa La Angostura (Argentina), prova a ser realizada no dia 12 de novembro. Todos os que completarem o trajeto receberão medalhas de participação. Além disso, os vencedores na geral e categorias serão contemplados com pares de tênis da Salomon.

Para garantir uma vaga no evento, basta acessar o site oficial, o www.bombinhasrunners.com.br.


Restam poucas vagas para a K42 Bombinhas, no dia seis de agosto

Maratona · 14 jul, 2011

No dia seis de agosto os amantes das corridas de montanha vão se reunir na cidade catarinense de Bombinhas para a disputa da terceira edição da K42 Bombinhas Adventure Marathon, prova com distâncias de 42 (individual ou revezamento) e 12 quilômetros. Ainda restam pouco mais de 30 vagas e os interessados devem se apressar, pois o prazo máximo de inscrição está quase no fim.

Este ano a briga pelo primeiro lugar promete ser mais acirrada do que nas outras edições, visto que já estão confirmados o bicampeão da prova, Giliard Pinheiro e os especialistas em provas rústicas, José Virginio de Morais e Naval Freitas. “Além deles, estamos negociando a vinda de um queniano, que tem como melhor marca na maratona 2h12”, relata Juan Carlos Asef, organizador da prova.

Giliard, além de bicampeão, mora em Bombinhas e conhece cada detalhe do percurso, o que lhe permitiu estabelecer o recorde da prova com 3h07min22. “Acho que a região do Costão é onde me dou melhor”, relata Gili sobre um dos trechos do percurso. “Conheço todas as pedras e posso correr sem medo de errar a pisada”, completa o catarinense, que antes de se dedicar às competições pintava as casas dos moradores da região.

O melhor atleta entre os homens e a melhor entre as mulheres ganharão, além de troféus e medalhas, passagem, hospedagem e inscrição para a final do Circuito K42, em Villa La Angostura (Argentina), prova a ser realizada no dia 12 de novembro. Todos os que completarem o trajeto receberão medalhas de participação. Além disso, os vencedores na geral e categorias serão contemplados com pares de tênis da Salomon.

Para garantir uma vaga no evento, basta acessar o site oficial, o www.bombinhasrunners.com.br.

Giliard Piheiro corre maratonas como treino para a K42 Bombinhas

Corrida de Montanha · 01 jul, 2011

O fundista Giliard Pinheiro tentará o tricampeonato da K42 Bombinhas, maratona fora de estrada que acontecerá no dia seis de agosto na cidade catarinense. Para tanto, além de treinar regularmente nas trilhas e montanhas da região, ele tem participado de algumas competições tanto em formato cross country, quanto em asfalto.

Em abril ele correu o Mountain Do Costão do Santinho em Florianópolis (SC) e ajudou a equipe na conquista do título. No dia 19 de junho disputou a Maratona de São Paulo e agora se concentra na Maratona do Rio de Janeiro, no próximo dia 17. “Estou preparado para correr mais uma maratona. Farei um bom treino para Bombinhas, já que a subida da Avenida Niemeyer é forte”, relata o catarinense que saiu forte no começo da prova paulista, mas ficou entre os dez melhores brasileiros no resultado final.

Após a disputa carioca ele se focará totalmente na K42, onde buscará, além do tricampeonato, o recorde do percurso. “Quero correr abaixo de 3h07. Ano passado, por conta da ressaca do mar, foi complicado de correr, mas esse ano esperamos que esteja melhor”. A atual marca pertence a ele mesmo e foi obtida em agosto de 2009, ocasião da primeira edição da prova.

Atualmente Gili, como é chamado pelos amigos, recebe apoio da marca esportiva Asics e consegue se dedicar apenas aos treinos, sem se preocupar com outras atividades. “Não faço mais os trabalhos de pintura de casas e consigo alternar os treinos com descanso”, comenta o atleta que prefere as provas rústicas às de asfalto. “Acho mais fácil correr a K42 do que uma prova de rua”.

Durante a alta temporada, no verão, ele costuma alugar cadeiras e guarda-sóis na praia para os turistas, mas no resto do ano ele é facilmente encontrado subindo e descendo os morros da região. “Deixo aqui um convite para o pessoal que quiser treinar comigo. É só me procurar por lá que eu receberei de braços abertos”.

A terceira edição da K42 Bombinhas esse ano já bateu recorde de inscrições, mas aqueles que quiserem garantir uma vaga na disputa devem literalmente correr para conseguir as últimas vagas. Para tanto, basta acessar o site oficial, o www.bombinhasrunners.com.br.


Giliard Piheiro corre maratonas como treino para a K42 Bombinhas

Corrida de Montanha · 01 jul, 2011

O fundista Giliard Pinheiro tentará o tricampeonato da K42 Bombinhas, maratona fora de estrada que acontecerá no dia seis de agosto na cidade catarinense. Para tanto, além de treinar regularmente nas trilhas e montanhas da região, ele tem participado de algumas competições tanto em formato cross country, quanto em asfalto.

Em abril ele correu o Mountain Do Costão do Santinho em Florianópolis (SC) e ajudou a equipe na conquista do título. No dia 19 de junho disputou a Maratona de São Paulo e agora se concentra na Maratona do Rio de Janeiro, no próximo dia 17. “Estou preparado para correr mais uma maratona. Farei um bom treino para Bombinhas, já que a subida da Avenida Niemeyer é forte”, relata o catarinense que saiu forte no começo da prova paulista, mas ficou entre os dez melhores brasileiros no resultado final.

Após a disputa carioca ele se focará totalmente na K42, onde buscará, além do tricampeonato, o recorde do percurso. “Quero correr abaixo de 3h07. Ano passado, por conta da ressaca do mar, foi complicado de correr, mas esse ano esperamos que esteja melhor”. A atual marca pertence a ele mesmo e foi obtida em agosto de 2009, ocasião da primeira edição da prova.

Atualmente Gili, como é chamado pelos amigos, recebe apoio da marca esportiva Asics e consegue se dedicar apenas aos treinos, sem se preocupar com outras atividades. “Não faço mais os trabalhos de pintura de casas e consigo alternar os treinos com descanso”, comenta o atleta que prefere as provas rústicas às de asfalto. “Acho mais fácil correr a K42 do que uma prova de rua”.

Durante a alta temporada, no verão, ele costuma alugar cadeiras e guarda-sóis na praia para os turistas, mas no resto do ano ele é facilmente encontrado subindo e descendo os morros da região. “Deixo aqui um convite para o pessoal que quiser treinar comigo. É só me procurar por lá que eu receberei de braços abertos”.

A terceira edição da K42 Bombinhas esse ano já bateu recorde de inscrições, mas aqueles que quiserem garantir uma vaga na disputa devem literalmente correr para conseguir as últimas vagas. Para tanto, basta acessar o site oficial, o www.bombinhasrunners.com.br.

K42 Bombinhas está com desconto na inscrição até dia primeiro de abril

Maratona · 30 mar, 2011

A inscrição para a terceira edição da K42 Adventure Marathon Bombinhas, que acontece dia seis de agosto, está com desconto para aqueles que fizerem a inscrição até o dia primeiro de abril.

A maratona de montanha continua com apenas 15% de asfalto com os demais quilômetros distribuídos entre praias e trilhas com subidas e descidas íngremes, além de um trecho de costão. A competição mantém a categoria de revezamento em dupla (2x21), a individual, e oferece a Trail Run, com trajeto de 12 quilômetros e a K42 Kid's.

Na disputa do K42 Bombinhas de 2010, Giliard Pinheiro foi o primeiro colocado seguido por José Virginio de Morais e Daniel Meyer respectivamente. No feminino Débora Simas conquistou a primeira colocação e foi seguida por Virginia Galvez e Andréia Henssler Koetz.

Para fazer a inscrição acesse o site oficial www.bombinhasrunners.com.br


K42 Bombinhas está com desconto na inscrição até dia primeiro de abril

Maratona · 30 mar, 2011

A inscrição para a terceira edição da K42 Adventure Marathon Bombinhas, que acontece dia seis de agosto, está com desconto para aqueles que fizerem a inscrição até o dia primeiro de abril.

A maratona de montanha continua com apenas 15% de asfalto com os demais quilômetros distribuídos entre praias e trilhas com subidas e descidas íngremes, além de um trecho de costão. A competição mantém a categoria de revezamento em dupla (2x21), a individual, e oferece a Trail Run, com trajeto de 12 quilômetros e a K42 Kid's.

Na disputa do K42 Bombinhas de 2010, Giliard Pinheiro foi o primeiro colocado seguido por José Virginio de Morais e Daniel Meyer respectivamente. No feminino Débora Simas conquistou a primeira colocação e foi seguida por Virginia Galvez e Andréia Henssler Koetz.

Para fazer a inscrição acesse o site oficial www.bombinhasrunners.com.br

Giliard Pinheiro, bicampeão da K42 Bombinhas, já pensa na edição 2011

Corrida de Montanha · 24 fev, 2011

Ainda faltam seis meses para a disputa K42 Bombinhas chegar e o campeão das duas últimas edições da maratona de montanha, Giliard Pinheiro, já se prepara para competir mais uma vez. “Minha vantagem é treinar em um local que tem o mesmo percurso da prova, com bastante subida e descida”, explica Giliard, também vice-campeão da Meia de Floripa 2010.

Ano passado, o corredor do sul do país venceu o atleta José Virgílio (segundo colocado) e relembra os momentos mais emocionantes de suas participações. “Na minha vida de corredor, a prova mais difícil foi a K42 de 2010, em Bombinhas. Enfrentei boa parte do percurso com a água do mar acima da canela”, diz emocionado o atleta que divide o tempo entre os treinos e a prestação de serviço como pintor.

Giliard afirma que a família inteira dele o esperava no pórtico de chegada, motivo pelo qual decidiu seguir adiante. “Eu já não estava mais aguentando, mas não podia desistir porque não queria decepcioná-los. Então fui em frente, mesmo com todo o desgaste”, afirma o corredor que tem apoio de material esportivo e inscrições da Asics. Ele também revela ter se escondido do vice-campeão durante o trajeto.

“Em determinado trecho da prova, em um retorno, avistei o José fazendo a volta, e não poderia deixar que ele me visse com a expressão de sofrimento, então me agachei e acho que a tática funcionou. Ele não me viu e pensou que estava muito à frente, caso contrário, tentaria me alcançar”, relata o corredor, em tom de bom humor.

A previsão para este ano, segundo o atleta catarinense, é que as condições climáticas sejam mais favoráveis durante a prova, marcada para o mês de agosto, uma época mais seca, o oposto da prova de 2010, que aconteceu em maio. “Eu acredito que será mais fácil. Mas de qualquer maneira vale participar, pois mesmo para mim, morador de Bombinhas, é surpreendente percorrer um trajeto com cachoeiras, praias, montanhas e muitos desafios”, acrescenta.


Giliard Pinheiro, bicampeão da K42 Bombinhas, já pensa na edição 2011

Corrida de Montanha · 24 fev, 2011

Ainda faltam seis meses para a disputa K42 Bombinhas chegar e o campeão das duas últimas edições da maratona de montanha, Giliard Pinheiro, já se prepara para competir mais uma vez. “Minha vantagem é treinar em um local que tem o mesmo percurso da prova, com bastante subida e descida”, explica Giliard, também vice-campeão da Meia de Floripa 2010.

Ano passado, o corredor do sul do país venceu o atleta José Virgílio (segundo colocado) e relembra os momentos mais emocionantes de suas participações. “Na minha vida de corredor, a prova mais difícil foi a K42 de 2010, em Bombinhas. Enfrentei boa parte do percurso com a água do mar acima da canela”, diz emocionado o atleta que divide o tempo entre os treinos e a prestação de serviço como pintor.

Giliard afirma que a família inteira dele o esperava no pórtico de chegada, motivo pelo qual decidiu seguir adiante. “Eu já não estava mais aguentando, mas não podia desistir porque não queria decepcioná-los. Então fui em frente, mesmo com todo o desgaste”, afirma o corredor que tem apoio de material esportivo e inscrições da Asics. Ele também revela ter se escondido do vice-campeão durante o trajeto.

“Em determinado trecho da prova, em um retorno, avistei o José fazendo a volta, e não poderia deixar que ele me visse com a expressão de sofrimento, então me agachei e acho que a tática funcionou. Ele não me viu e pensou que estava muito à frente, caso contrário, tentaria me alcançar”, relata o corredor, em tom de bom humor.

A previsão para este ano, segundo o atleta catarinense, é que as condições climáticas sejam mais favoráveis durante a prova, marcada para o mês de agosto, uma época mais seca, o oposto da prova de 2010, que aconteceu em maio. “Eu acredito que será mais fácil. Mas de qualquer maneira vale participar, pois mesmo para mim, morador de Bombinhas, é surpreendente percorrer um trajeto com cachoeiras, praias, montanhas e muitos desafios”, acrescenta.