corpore infanto juvenil

Saiba como foi a corrida infantil da Corpore

Corridas de Rua · 03 out, 2006

Pais, avós, tios e crianças, muitas crianças. Isso era o que víamos chegando no complexo esportivo Constâncio Vaz Guimarães a partir das 12h30 do último sábado em São Paulo. Foi aí que se iniciou mais uma edição da Corrida Infanto-Juvenil Nike Corpore. Duas mil crianças compareceram para participar dessa corrida, que na verdade é uma grande festa.

O clima estava agradável, a chuva não dava sinal de que cairia e os participantes iam chegando aos poucos para retirar pulseiras, número de peito – que dessa vez tinha até o nome da criança – e a camiseta Nike Dri-fit, que foi entregue antes das corridas, possibilitando que os atletas-mirins a usassem em sua bateria.

Entre os participantes, existiam grupos de atletas, como o formado pelo Colégio Oliveira Perez, sob os cuidados do professor Cláudio Roberto de Almeida. “Temos 41 crianças e mais algumas que virão com os pais, somando umas 50 crianças de todas as faixas etárias. É a primeira vez que viemos e confio na Corpore, participo das provas e tenho plena confiança no trabalho da entidade, por isso trouxe esse grande grupo”.

A prova era formada também por atletas-mirins já experientes na prova, como as três filhas de Ricardo Brambila, que participavam pela terceira vez da prova. “Elas vêem que eu corro e sempre quiseram participar das provas. Elas sempre pedem para correr aqui”. E a vontade de participar de algumas crianças é tão grande que elas chegam até a treinar, como o filho de André Carvalho. “É a primeira vez que ele vem participar, mas estava muito empolgado e até treinava em casa”.

Quando acabavam de retirar os kits nas barracas, os atletas e seus responsáveis já se dirigiam às arquibancadas da pista de atletismo, onde eram recepcionados pela banda de crianças do Conservatório Souza Lima.

A partir das 14h15, as baterias começaram a ser chamadas para se prepararem, mas as largadas só começaram após o hasteamento das bandeiras do Brasil, do Estado de São Paulo e da Corpore, além da execução do hino Nacional. O Vereador Aurélio Miguel esteve presente e falou sobre o evento. “A Corpore está de parabéns por incentivar e divulgar o esporte. É muito importante para as crianças um evento como esse, um evento bem estruturado, organizado e com outros atrativos além das provas”.

Esses “outros atrativos” citados por Aurélio realmente estavam caprichados nessa prova. A arena central, para onde os atletas iam quando completavam suas baterias, contava com diversas opções de diversão, brincadeiras e inclusive um local onde os atletas tiravam fotos e recebiam pôsteres.

Pedro Madeira, presidente da Nike no Brasil, esteve presente não só como patrocinador, mas também levando seus três filhos. “É muito importante estimular o esporte desde pequeno. Isso aqui é uma festa, vêm os pais, avós, todo mundo participa. É muito legal. Meus três filhos participaram e a prova melhorou muito, estão todos de parabéns. Além da corrida tivemos banda, pula-pula, foto, é muito legal tudo isso”.

As baterias iam acontecendo de forma dinâmica, com música ao fundo e estímulo aos atletas-mirins vindo das arquibancadas que aplaudiam cada uma das baterias. Ao final do evento, uma chuva fina começou a cair sobre São Paulo, mas nada que atrapalhasse a festa.

No final, a sensação era de que o evento está melhorando a cada edição. “Estamos aprendendo a cada evento, vendo aquilo que falta, qual a melhor logística. O evento foi maravilhoso, arquibancadas cheias, todos empolgados... até os pais já estão se acostumando e ficando mais confiantes com a prova, com a organização e acabam deixando seus filhos mais livres para participar”, afirmou David Cytrynowicz, presidente da Corpore, ao final do evento.


Saiba como foi a corrida infantil da Corpore

Corridas de Rua · 03 out, 2006

Pais, avós, tios e crianças, muitas crianças. Isso era o que víamos chegando no complexo esportivo Constâncio Vaz Guimarães a partir das 12h30 do último sábado em São Paulo. Foi aí que se iniciou mais uma edição da Corrida Infanto-Juvenil Nike Corpore. Duas mil crianças compareceram para participar dessa corrida, que na verdade é uma grande festa.

O clima estava agradável, a chuva não dava sinal de que cairia e os participantes iam chegando aos poucos para retirar pulseiras, número de peito – que dessa vez tinha até o nome da criança – e a camiseta Nike Dri-fit, que foi entregue antes das corridas, possibilitando que os atletas-mirins a usassem em sua bateria.

Entre os participantes, existiam grupos de atletas, como o formado pelo Colégio Oliveira Perez, sob os cuidados do professor Cláudio Roberto de Almeida. “Temos 41 crianças e mais algumas que virão com os pais, somando umas 50 crianças de todas as faixas etárias. É a primeira vez que viemos e confio na Corpore, participo das provas e tenho plena confiança no trabalho da entidade, por isso trouxe esse grande grupo”.

A prova era formada também por atletas-mirins já experientes na prova, como as três filhas de Ricardo Brambila, que participavam pela terceira vez da prova. “Elas vêem que eu corro e sempre quiseram participar das provas. Elas sempre pedem para correr aqui”. E a vontade de participar de algumas crianças é tão grande que elas chegam até a treinar, como o filho de André Carvalho. “É a primeira vez que ele vem participar, mas estava muito empolgado e até treinava em casa”.

Quando acabavam de retirar os kits nas barracas, os atletas e seus responsáveis já se dirigiam às arquibancadas da pista de atletismo, onde eram recepcionados pela banda de crianças do Conservatório Souza Lima.

A partir das 14h15, as baterias começaram a ser chamadas para se prepararem, mas as largadas só começaram após o hasteamento das bandeiras do Brasil, do Estado de São Paulo e da Corpore, além da execução do hino Nacional. O Vereador Aurélio Miguel esteve presente e falou sobre o evento. “A Corpore está de parabéns por incentivar e divulgar o esporte. É muito importante para as crianças um evento como esse, um evento bem estruturado, organizado e com outros atrativos além das provas”.

Esses “outros atrativos” citados por Aurélio realmente estavam caprichados nessa prova. A arena central, para onde os atletas iam quando completavam suas baterias, contava com diversas opções de diversão, brincadeiras e inclusive um local onde os atletas tiravam fotos e recebiam pôsteres.

Pedro Madeira, presidente da Nike no Brasil, esteve presente não só como patrocinador, mas também levando seus três filhos. “É muito importante estimular o esporte desde pequeno. Isso aqui é uma festa, vêm os pais, avós, todo mundo participa. É muito legal. Meus três filhos participaram e a prova melhorou muito, estão todos de parabéns. Além da corrida tivemos banda, pula-pula, foto, é muito legal tudo isso”.

As baterias iam acontecendo de forma dinâmica, com música ao fundo e estímulo aos atletas-mirins vindo das arquibancadas que aplaudiam cada uma das baterias. Ao final do evento, uma chuva fina começou a cair sobre São Paulo, mas nada que atrapalhasse a festa.

No final, a sensação era de que o evento está melhorando a cada edição. “Estamos aprendendo a cada evento, vendo aquilo que falta, qual a melhor logística. O evento foi maravilhoso, arquibancadas cheias, todos empolgados... até os pais já estão se acostumando e ficando mais confiantes com a prova, com a organização e acabam deixando seus filhos mais livres para participar”, afirmou David Cytrynowicz, presidente da Corpore, ao final do evento.

Corpore organiza 2ª etapa da Corrida Infanto Juvenil

Corridas de Rua · 05 set, 2006

As inscrições para a Corrida Infanto Juvenil Nike Corpore já estão abertas. A competição acontece no dia 30 de setembro na pista de atletismo Ícaro de Castro Melo, no Ginásio do Ibirapuera.

Esta é a segunda edição da prova no ano e deve reunir cerca de 2,5 mil crianças e adolescentes entre quatro e 15 anos. Os participantes participarão de provas com distâncias que variam de 50 a 800 metros.

Segundo os organizadores, todos os participantes, independente da colocação, receberão camisetas Nike “dry-fit” e medalhas. As inscrições podem ser feitas no site da Corpore (www.corpore.com.br). Estas custam R$15 para associados da Corpore (com apresentação da carteirinha dos pais ou avós) e R$20 para não sócios.


Corpore organiza 2ª etapa da Corrida Infanto Juvenil

Corridas de Rua · 05 set, 2006

As inscrições para a Corrida Infanto Juvenil Nike Corpore já estão abertas. A competição acontece no dia 30 de setembro na pista de atletismo Ícaro de Castro Melo, no Ginásio do Ibirapuera.

Esta é a segunda edição da prova no ano e deve reunir cerca de 2,5 mil crianças e adolescentes entre quatro e 15 anos. Os participantes participarão de provas com distâncias que variam de 50 a 800 metros.

Segundo os organizadores, todos os participantes, independente da colocação, receberão camisetas Nike “dry-fit” e medalhas. As inscrições podem ser feitas no site da Corpore (www.corpore.com.br). Estas custam R$15 para associados da Corpore (com apresentação da carteirinha dos pais ou avós) e R$20 para não sócios.

Saiba como foi a Corrida Corpore Infanto-Juvenil

Corridas de Rua · 20 mar, 2006

Famílias reunidas indo em direção ao Ibirapuera. Não, eles não estavam indo ao parque, como acontece em vários finais de semana do ano, mas sim ao complexo esportivo Constâncio Vaz Guimarães para participar da Corrida Infanto-Juvenil Even Corpore, que aconteceu na pista Ícaro de Castro Mello, a mais avançada tecnologicamente do país.

Às 12h30 os primeiros participantes começaram a chegar, e como já havia sido divulgado os horários das concentrações para as baterias, os participantes puderam se programar melhor e chegar num horário mais confortável. Por esse mesmo motivo, os primeiros a chegar eram os atletas mais novos que largariam primeiro.

Após retirar pulseira e número de peito, os participantes e seus familiares se acomodavam nas arquibancadas do local e eram recepcionados com muita empolgação pela banda infanto-juvenil do Conservatório Souza Lima, pois em uma prova infantil nada mais justo que colocar as crianças no palco para mostrarem o que sabem.

Mas perto das 14h o céu começou a fechar e todos percebiam que a chuva estava próxima. O que poderia ser um momento de desespero não passou de mera possibilidade. Sim, a chuva veio, mas não veio forte e tampouco estragou a festa. “A preocupação foi grande, pois quando começamos a chamar as crianças o céu escureceu e ficamos preocupados. Começou a chover, as crianças desceram e ninguém arredava pé. Ao longo do desenvolvimento da corrida víamos as pessoas entrando na arena. Pais e filhos entravam muito mais puxados pelas crianças. A chuva acabou sendo um estimulo e desafio extra. Essas crianças terão mais o que contar do que se estivesse sol”, afirmou David Cytrynowicz, presidente da Corpore.

E como David disse, as pessoas não arredavam o pé mesmo com a chuva que começou durante o hasteamento do pavilhão nacional acompanhado pela execução do hino tocado na guitarra por uma das crianças do Souza Lima. Ao fim da execução, as primeiras baterias largaram e após as corridas, disputas e alguns tombos, os participantes iam para a arena e se divertiam nos postos montados pelos apoiadores onde havia jogos, palhaços e outras opções de entretenimento que faziam a alegria da garotada.

Crianças de todas as idades se misturavam e algumas mesmo após sua bateria não paravam de correr. Era o caso de Ulisses, de apenas três anos e na sua segunda corrida, que dava muito trabalho ao seu pai Edgard Menezes que ainda esperava a filha de 10 anos participar de sua bateria. E três anos é a idade de Vinicius que estava lá pela primeira vez. “Gostei de correr e é a primeira vez que corro. Meu irmão vai correr também. Ele chama Gustavo Gil e tem 5 anos”, contou. Wilson Gil, pai de Vinicius, fala mais sobre a prova e seus filhos: “Essa é a quarta corrida do Gustavo e o Vinicius só pôde correr agora por causa da idade. Eles sempre ficam ansiosos para vir, pegar medalha... e o melhor de trazê-los é que a cada ano o evento melhora.”

Quem também não vê hora do evento chegar é Nicoli, de quatro anos, e sua mãe, Thais Yamanishi que lembra que “ela começou a participar no ano passado. A gente sempre traz, é um programa super – família e ela adora vir, ela espera o ano todo. E ela vem pela brincadeira, não para chegar em primeiro. As crianças curtem muito essa arena”.

Para Plínio Siqueira vir para essas provas realmente vale a pena: “As provas são muito bem organizadas. Venho de Campinas para cá participar das provas e trago meu filho e enteados quando tem prova infantil. Eles adoram e essa chuva não atrapalhou em nada”, lembrou Plínio.

Mas a chuva não caiu a tarde inteira e quando parou um belo sol saiu para celebrar o fim dessa grande festa que terá mais uma edição no segundo semestre e, provavelmente, com mais inovações. “No próximo evento levaremos mais música para o gramado e talvez coloquemos uma banda lá no centro em um palco coberto”, afirmou David.

Para saber mais: www.corpore.org.br


Saiba como foi a Corrida Corpore Infanto-Juvenil

Corridas de Rua · 20 mar, 2006

Famílias reunidas indo em direção ao Ibirapuera. Não, eles não estavam indo ao parque, como acontece em vários finais de semana do ano, mas sim ao complexo esportivo Constâncio Vaz Guimarães para participar da Corrida Infanto-Juvenil Even Corpore, que aconteceu na pista Ícaro de Castro Mello, a mais avançada tecnologicamente do país.

Às 12h30 os primeiros participantes começaram a chegar, e como já havia sido divulgado os horários das concentrações para as baterias, os participantes puderam se programar melhor e chegar num horário mais confortável. Por esse mesmo motivo, os primeiros a chegar eram os atletas mais novos que largariam primeiro.

Após retirar pulseira e número de peito, os participantes e seus familiares se acomodavam nas arquibancadas do local e eram recepcionados com muita empolgação pela banda infanto-juvenil do Conservatório Souza Lima, pois em uma prova infantil nada mais justo que colocar as crianças no palco para mostrarem o que sabem.

Mas perto das 14h o céu começou a fechar e todos percebiam que a chuva estava próxima. O que poderia ser um momento de desespero não passou de mera possibilidade. Sim, a chuva veio, mas não veio forte e tampouco estragou a festa. “A preocupação foi grande, pois quando começamos a chamar as crianças o céu escureceu e ficamos preocupados. Começou a chover, as crianças desceram e ninguém arredava pé. Ao longo do desenvolvimento da corrida víamos as pessoas entrando na arena. Pais e filhos entravam muito mais puxados pelas crianças. A chuva acabou sendo um estimulo e desafio extra. Essas crianças terão mais o que contar do que se estivesse sol”, afirmou David Cytrynowicz, presidente da Corpore.

E como David disse, as pessoas não arredavam o pé mesmo com a chuva que começou durante o hasteamento do pavilhão nacional acompanhado pela execução do hino tocado na guitarra por uma das crianças do Souza Lima. Ao fim da execução, as primeiras baterias largaram e após as corridas, disputas e alguns tombos, os participantes iam para a arena e se divertiam nos postos montados pelos apoiadores onde havia jogos, palhaços e outras opções de entretenimento que faziam a alegria da garotada.

Crianças de todas as idades se misturavam e algumas mesmo após sua bateria não paravam de correr. Era o caso de Ulisses, de apenas três anos e na sua segunda corrida, que dava muito trabalho ao seu pai Edgard Menezes que ainda esperava a filha de 10 anos participar de sua bateria. E três anos é a idade de Vinicius que estava lá pela primeira vez. “Gostei de correr e é a primeira vez que corro. Meu irmão vai correr também. Ele chama Gustavo Gil e tem 5 anos”, contou. Wilson Gil, pai de Vinicius, fala mais sobre a prova e seus filhos: “Essa é a quarta corrida do Gustavo e o Vinicius só pôde correr agora por causa da idade. Eles sempre ficam ansiosos para vir, pegar medalha... e o melhor de trazê-los é que a cada ano o evento melhora.”

Quem também não vê hora do evento chegar é Nicoli, de quatro anos, e sua mãe, Thais Yamanishi que lembra que “ela começou a participar no ano passado. A gente sempre traz, é um programa super – família e ela adora vir, ela espera o ano todo. E ela vem pela brincadeira, não para chegar em primeiro. As crianças curtem muito essa arena”.

Para Plínio Siqueira vir para essas provas realmente vale a pena: “As provas são muito bem organizadas. Venho de Campinas para cá participar das provas e trago meu filho e enteados quando tem prova infantil. Eles adoram e essa chuva não atrapalhou em nada”, lembrou Plínio.

Mas a chuva não caiu a tarde inteira e quando parou um belo sol saiu para celebrar o fim dessa grande festa que terá mais uma edição no segundo semestre e, provavelmente, com mais inovações. “No próximo evento levaremos mais música para o gramado e talvez coloquemos uma banda lá no centro em um palco coberto”, afirmou David.

Para saber mais: www.corpore.org.br