Causa

Causas e tratamentos: tudo que você precisa saber sobre unha encravada

Saúde · 21 set, 2021

Correr é uma prática que requer diversos cuidados. Ainda mais quando estamos falando dos nossos pés! Unha encravada, por exemplo, é um problema que atinge muitas pessoas. Corredores e atletas que não dão atenção para essa parte do corpo, podem […]


Causas e tratamentos: tudo que você precisa saber sobre unha encravada

Saúde · 21 set, 2021

Correr é uma prática que requer diversos cuidados. Ainda mais quando estamos falando dos nossos pés! Unha encravada, por exemplo, é um problema que atinge muitas pessoas. Corredores e atletas que não dão atenção para essa parte do corpo, podem […]

Você conhece as causas e os tratamentos para escoliose?

Saúde · 14 ago, 2020

Você já ouviu falar em escoliose? A doença é bem mais comum do que parece! Ela é caracterizada pela curvatura lateral da coluna de forma acentuada, com a rotação das vértebras, formando um “S” ou “C” nas costas da pessoa. […]


Você conhece as causas e os tratamentos para escoliose?

Saúde · 14 ago, 2020

Você já ouviu falar em escoliose? A doença é bem mais comum do que parece! Ela é caracterizada pela curvatura lateral da coluna de forma acentuada, com a rotação das vértebras, formando um “S” ou “C” nas costas da pessoa. […]

Dor no quadril e costas do corredor pode ser sacroileíte

Saúde · 03 set, 2019

A dor que muitos corredores costumam sentir no quadril pode ser causada pela disfunção da articulação sacroilíaca (SI), que é a articulação entre seu sacro e ílio; conhecida como sacroileíte. Ela ocorre quando a articulação se torna rígida ou solta. […]


Dor no quadril e costas do corredor pode ser sacroileíte

Saúde · 03 set, 2019

A dor que muitos corredores costumam sentir no quadril pode ser causada pela disfunção da articulação sacroilíaca (SI), que é a articulação entre seu sacro e ílio; conhecida como sacroileíte. Ela ocorre quando a articulação se torna rígida ou solta. […]

Ultramaratonista Carlos Dias chega na região norte com o desafio 24h das capitais

Corridas de Rua · 17 ago, 2017

        O ultramaratonista brasileiro Carlos Dias, famoso por correr 42 maratonas em 42 dias consecutivos, completar os 9.000 km do Oiapoque ao Chuí em 100 dias, correr nos dez ambientes mais extremos do planeta entre outras marcas […]


Ultramaratonista Carlos Dias chega na região norte com o desafio 24h das capitais

Corridas de Rua · 17 ago, 2017

        O ultramaratonista brasileiro Carlos Dias, famoso por correr 42 maratonas em 42 dias consecutivos, completar os 9.000 km do Oiapoque ao Chuí em 100 dias, correr nos dez ambientes mais extremos do planeta entre outras marcas […]

Você sabe o qué Hálux valgo ou joanete?

Atletismo · 03 ago, 2011

Sinônimas:
Hálux valgo é o nome científico do joanete, menos comumente encontramos como hálux abduto ou bunion.

Introdução- É a alteração óssea mais comum do pé do adulto. O joanete não é um osso que cresceu ou que surgiu e sim um desvio do primeiro metatarsiano (osso do dedão) e consequentemente das falanges que se expressa como uma saliência na região de dentro do pé.

Quais são as causas do joanete?

  • Genética: História familiar, ou seja, ter alguém na família com a deformidade;
  • Mecânica: Uso de calçados inadequados, principalmente salto alto e bico fino. Além disso, sobrecarga (sim a corrida com sapato apertado pode causar uma força mecânica que favorece a deformidade).

    Não quero operar, existe algo a fazer?

    A primeira coisa que se deve saber é que o sapato deve ser feito para caber o pé não e não o pé para caber no sapato. Portanto primeiramente devem ser consideradas as modificações do calçado:

  • Escolha o modelo que mais lhe agrada considerando que ele deve ter a ponta larga; “quadrados” ou “redondos”, que dão maior estabilidade à marcha, evitando quedas;
  • Se for de salto, não ultrapassar três centímetros. Dê preferência aos tipos “Anabela”, pois distribuem melhor a pressão;
  • Nos tênis: dê espaço entre a ponta dos dedos e a frente, isso é preciso para que eles se desprendam do solo durante a marcha ou corrida;
  • Troque os calçados diariamente, evitando atrito num ponto único na pele (bunion);
  • Não acredite que o sapato irá lacear com o uso, ele deve estar confortável na hora da compra;
  • Os pacientes costumam perguntar sobre o uso de próteses ou splints joanete. Não há evidências de que estes possam melhorar um hálux valgo estabelecidos, as provas que talas podem impedir um joanete progredir é inconclusivo.

    Como é a cirurgia para correção atualmente?

    A cirurgia para correção do joanete sofreu várias inovações nos últimos anos. As técnicas mais modernas, além de serem muito mais eficazes, dispensam o uso de gesso o que facilita a reabilitação pós-operatória. A queixa de dor é mínima já que a anestesia utilizada além de minimizar as complicações, promove uma analgesia muito mais prolongada no período pós-operatório.

    O procedimento exige alguns cuidados e o uso de calçado fechado só é permitido após 40 dias de cirurgia. Neste intervalo o paciente deve utilizar um calçado apropriado que proporciona o apoio somente no calcanhar. Pode ser usada a sandália de Baruk (pós-operatória) ou o robofoot.

    Pode acontecer de a deformidade voltar?

    As chances de insucesso no tratamento do joanete são muito pequenas, desde que a cirurgia seja corretamente indicada, não haja complicações e as recomendações sejam estritamente seguidas pelo paciente. Principalmente referente ao uso de calçados.

    Que cuidados eu devo ter após a cirurgia?

    As maiorias dos pacientes submetidos à correção do joanete pelas técnicas atuais desfrutam dos avanços da cirurgia moderna dispensando o uso de gesso e estando liberados para apoiar o calcâneo no dia seguinte à operação.

    Cuidados são fundamentais:

  • Não deixe de seguir estritamente as recomendações do seu médico;
  • A liberação para caminhar após a cirurgia envolve o indispensável (comer, ir no banheiro,etc..). Evite caminhadas desnecessárias. Elas aumentam o inchaço, provocam dor e retardam a recuperação;
  • Esforços exagerados no período pós-operatório, incluindo caminhadas desnecessárias, podem colocar em risco o resultado da cirurgia pela perda da correção obtida;
  • Não deixe de realizar todas as consultas pós-operatórias para assegurar umareabilitação adequada;
  • Há possibilidade de haver dor e edema residual por um período de até um ano após a cirurgia, a depender da natureza de cada um.


  • Você sabe o qué Hálux valgo ou joanete?

    Atletismo · 03 ago, 2011

    Sinônimas:
    Hálux valgo é o nome científico do joanete, menos comumente encontramos como hálux abduto ou bunion.

    Introdução- É a alteração óssea mais comum do pé do adulto. O joanete não é um osso que cresceu ou que surgiu e sim um desvio do primeiro metatarsiano (osso do dedão) e consequentemente das falanges que se expressa como uma saliência na região de dentro do pé.

    Quais são as causas do joanete?

  • Genética: História familiar, ou seja, ter alguém na família com a deformidade;
  • Mecânica: Uso de calçados inadequados, principalmente salto alto e bico fino. Além disso, sobrecarga (sim a corrida com sapato apertado pode causar uma força mecânica que favorece a deformidade).

    Não quero operar, existe algo a fazer?

    A primeira coisa que se deve saber é que o sapato deve ser feito para caber o pé não e não o pé para caber no sapato. Portanto primeiramente devem ser consideradas as modificações do calçado:

  • Escolha o modelo que mais lhe agrada considerando que ele deve ter a ponta larga; “quadrados” ou “redondos”, que dão maior estabilidade à marcha, evitando quedas;
  • Se for de salto, não ultrapassar três centímetros. Dê preferência aos tipos “Anabela”, pois distribuem melhor a pressão;
  • Nos tênis: dê espaço entre a ponta dos dedos e a frente, isso é preciso para que eles se desprendam do solo durante a marcha ou corrida;
  • Troque os calçados diariamente, evitando atrito num ponto único na pele (bunion);
  • Não acredite que o sapato irá lacear com o uso, ele deve estar confortável na hora da compra;
  • Os pacientes costumam perguntar sobre o uso de próteses ou splints joanete. Não há evidências de que estes possam melhorar um hálux valgo estabelecidos, as provas que talas podem impedir um joanete progredir é inconclusivo.

    Como é a cirurgia para correção atualmente?

    A cirurgia para correção do joanete sofreu várias inovações nos últimos anos. As técnicas mais modernas, além de serem muito mais eficazes, dispensam o uso de gesso o que facilita a reabilitação pós-operatória. A queixa de dor é mínima já que a anestesia utilizada além de minimizar as complicações, promove uma analgesia muito mais prolongada no período pós-operatório.

    O procedimento exige alguns cuidados e o uso de calçado fechado só é permitido após 40 dias de cirurgia. Neste intervalo o paciente deve utilizar um calçado apropriado que proporciona o apoio somente no calcanhar. Pode ser usada a sandália de Baruk (pós-operatória) ou o robofoot.

    Pode acontecer de a deformidade voltar?

    As chances de insucesso no tratamento do joanete são muito pequenas, desde que a cirurgia seja corretamente indicada, não haja complicações e as recomendações sejam estritamente seguidas pelo paciente. Principalmente referente ao uso de calçados.

    Que cuidados eu devo ter após a cirurgia?

    As maiorias dos pacientes submetidos à correção do joanete pelas técnicas atuais desfrutam dos avanços da cirurgia moderna dispensando o uso de gesso e estando liberados para apoiar o calcâneo no dia seguinte à operação.

    Cuidados são fundamentais:

  • Não deixe de seguir estritamente as recomendações do seu médico;
  • A liberação para caminhar após a cirurgia envolve o indispensável (comer, ir no banheiro,etc..). Evite caminhadas desnecessárias. Elas aumentam o inchaço, provocam dor e retardam a recuperação;
  • Esforços exagerados no período pós-operatório, incluindo caminhadas desnecessárias, podem colocar em risco o resultado da cirurgia pela perda da correção obtida;
  • Não deixe de realizar todas as consultas pós-operatórias para assegurar umareabilitação adequada;
  • Há possibilidade de haver dor e edema residual por um período de até um ano após a cirurgia, a depender da natureza de cada um.