ultraman

Triatleta carioca disputa o Mundial Ultraman, prova de 515 km, em três dias

Ultramaratona · 28 nov, 2019

Nadar em mar aberto, pedalar e correr em uma das provas mais difíceis do mundo, superando 515 quilômetros de muitos desafios. O Ultraman World Championships será realizado a partir desta sexta-feira (29) e até domingo (1/12), no Havaí (EUA). O […]


Triatleta carioca disputa o Mundial Ultraman, prova de 515 km, em três dias

Ultramaratona · 28 nov, 2019

Nadar em mar aberto, pedalar e correr em uma das provas mais difíceis do mundo, superando 515 quilômetros de muitos desafios. O Ultraman World Championships será realizado a partir desta sexta-feira (29) e até domingo (1/12), no Havaí (EUA). O […]

Alexandre Ribeiro é vice no Mundial de Ultraman

Triathlon · 27 nov, 2007

O brasileiro Alexandre Ribeiro faturou o vice-campeonato do Mundial de Ultraman, competição de 10km de natação, 421 de ciclismo e 84 km de corrida, disputado nos últimos dias 23 a 25 em Big Island, Havaí. Ele fechou com o tempo total de 23h05min04, atrás do atleta da Suécia Jonas Colting, que completou em 21h59min44.

Alexandre foi campeão da prova nas últimas duas vezes que participou, em 2003 e 2005 e tem como melhor tempo 22h20min. Atrás do brasileiro chegaram Tim Sheeper, dos Estados Unidos (23h19min03); Peter Mueller, da Suíça (24h29min51) e Miro Kregar, da Eslovênia (24h45min26).

Desde o primeiro dia Ribeiro fez uma prova de recuperação, ao enfrentar um mar mexido e com fortes correntezas, condições que impossibilitaram os baixos tempos dos anos anteriores. Ele cumpriu a primeira etapa em 3h07min, na sétima posição, 39 minutos atrás do líder Jonas Colting, da Suécia.

Recuperação - Depois de terminar os 145 quilômetros de bike na segunda colocação, atrás apenas de Colting, ele fechou o dia de estréia na terceira colocação geral. No sábado ele pedalou os 276 quilômetros em terreno montanhoso durante um bom tempo junto aos líderes, mas errou o caminho em um trecho do percurso onde não era permitida a presença das equipes de apoio, o que o fez perder cerca de 50 minutos e cair para o terceiro posto geral.

No último dia de prova ele sabia da responsabilidade de realizar uma boa corrida, sua maior especialidade, para garantir uma boa posição entre os líderes. Na dupla maratona (84 quilômetros) assumiu a ponta logo no começo, mas foi ultrapassado pelo esloveno Miro Kregar, que fez a melhor parcial da modalidade (6h27min).

“Foi uma prova muito difícil e desgastante desde a primeira etapa, quando saí da água em sétimo e com fortes dores nas costas. Consegui me recuperar no ciclismo, que foi disputado sob muito calor e fortes ventos, mas infelizmente acabei errando em uma estrada em direção a Waimea e me distanciei dos primeiros colocados”, ressalta Alexandre.

De olho no Tri - Ele diz ainda que procurou não desanimar e focar esforços em fazer uma corrida de recuperação, de olho na segunda colocação. “Estou muito feliz com o resultado e disposto a voltar à ilha para continuar brigando pelo tri”, completa.

Entre as mulheres, a vitória ficou com a americana Shanna Armstrong, com o tempo de 26h43min e a única brasileira na disputa, Vanuza Maciel, de Florianópolis, fechou na quarta posição, em 29h44min. Dos 32 competidores que largaram, 27 completaram o percurso.


Alexandre Ribeiro é vice no Mundial de Ultraman

Triathlon · 27 nov, 2007

O brasileiro Alexandre Ribeiro faturou o vice-campeonato do Mundial de Ultraman, competição de 10km de natação, 421 de ciclismo e 84 km de corrida, disputado nos últimos dias 23 a 25 em Big Island, Havaí. Ele fechou com o tempo total de 23h05min04, atrás do atleta da Suécia Jonas Colting, que completou em 21h59min44.

Alexandre foi campeão da prova nas últimas duas vezes que participou, em 2003 e 2005 e tem como melhor tempo 22h20min. Atrás do brasileiro chegaram Tim Sheeper, dos Estados Unidos (23h19min03); Peter Mueller, da Suíça (24h29min51) e Miro Kregar, da Eslovênia (24h45min26).

Desde o primeiro dia Ribeiro fez uma prova de recuperação, ao enfrentar um mar mexido e com fortes correntezas, condições que impossibilitaram os baixos tempos dos anos anteriores. Ele cumpriu a primeira etapa em 3h07min, na sétima posição, 39 minutos atrás do líder Jonas Colting, da Suécia.

Recuperação - Depois de terminar os 145 quilômetros de bike na segunda colocação, atrás apenas de Colting, ele fechou o dia de estréia na terceira colocação geral. No sábado ele pedalou os 276 quilômetros em terreno montanhoso durante um bom tempo junto aos líderes, mas errou o caminho em um trecho do percurso onde não era permitida a presença das equipes de apoio, o que o fez perder cerca de 50 minutos e cair para o terceiro posto geral.

No último dia de prova ele sabia da responsabilidade de realizar uma boa corrida, sua maior especialidade, para garantir uma boa posição entre os líderes. Na dupla maratona (84 quilômetros) assumiu a ponta logo no começo, mas foi ultrapassado pelo esloveno Miro Kregar, que fez a melhor parcial da modalidade (6h27min).

“Foi uma prova muito difícil e desgastante desde a primeira etapa, quando saí da água em sétimo e com fortes dores nas costas. Consegui me recuperar no ciclismo, que foi disputado sob muito calor e fortes ventos, mas infelizmente acabei errando em uma estrada em direção a Waimea e me distanciei dos primeiros colocados”, ressalta Alexandre.

De olho no Tri - Ele diz ainda que procurou não desanimar e focar esforços em fazer uma corrida de recuperação, de olho na segunda colocação. “Estou muito feliz com o resultado e disposto a voltar à ilha para continuar brigando pelo tri”, completa.

Entre as mulheres, a vitória ficou com a americana Shanna Armstrong, com o tempo de 26h43min e a única brasileira na disputa, Vanuza Maciel, de Florianópolis, fechou na quarta posição, em 29h44min. Dos 32 competidores que largaram, 27 completaram o percurso.

Ultraman Sérgio Cordeiro é 13º em Triple Triathlon na Alemanha

Ultra Maratona · 02 ago, 2007

O brasileiro Sérgio Cordeiro, campeão mundial de Ultra Triathlon, participou no último fim de semana na cidade de Lensahn, Alemanha, do Triple Ultra Triathlon. Em busca do bicampeonato do mundial, Cordeiro ficou com a 13ª posição em 46h31min54. O campeão foi seu maior rival, o francês Emanuel Conrrou.

Essa foi a primeira vez que Cordeiro disputou uma competição com as distâncias de 11,4km de natação, 540km de ciclismo e 126km de corrida. Mas o curioso é que a natação foi feita numa piscina de 50 metros, o ciclismo em pista fechada e a corrida entorno de um colégio com distância de um pouco mais e 1,3km.

Acostumado com percursos semelhantes, o maior desafio do atleta foi o clima. Todos os 42 participantes enfrentaram fortes ventos com velocidade de aproximadamente 60 km/hora, além de tempestades e muito frio.


Ultraman Sérgio Cordeiro é 13º em Triple Triathlon na Alemanha

Ultra Maratona · 02 ago, 2007

O brasileiro Sérgio Cordeiro, campeão mundial de Ultra Triathlon, participou no último fim de semana na cidade de Lensahn, Alemanha, do Triple Ultra Triathlon. Em busca do bicampeonato do mundial, Cordeiro ficou com a 13ª posição em 46h31min54. O campeão foi seu maior rival, o francês Emanuel Conrrou.

Essa foi a primeira vez que Cordeiro disputou uma competição com as distâncias de 11,4km de natação, 540km de ciclismo e 126km de corrida. Mas o curioso é que a natação foi feita numa piscina de 50 metros, o ciclismo em pista fechada e a corrida entorno de um colégio com distância de um pouco mais e 1,3km.

Acostumado com percursos semelhantes, o maior desafio do atleta foi o clima. Todos os 42 participantes enfrentaram fortes ventos com velocidade de aproximadamente 60 km/hora, além de tempestades e muito frio.

Brasileiro participa de ultramaratona abaixo do nível do mar

Ultra Maratona · 18 jul, 2006

No dia 24 de julho acontece no deserto do Mojave, na Califórnia, Estados Unidos, a ultramaratona Badwater e o Brasil será representado por um atleta. Mozart dos Santos Júnior irá enfrentar uma das provas mais difíceis do mundo. A Badwater tem 217 quilômetros e é realizada abaixo do nível do mar com temperaturas altíssimas (média de 45ºC).

O mais curioso é que esta competição faz parte de um projeto pessoal do brasileiro, o “Poeira Quente”. Ele planejou correr e concluir as três provas consideradas mais difíceis do planeta. Duas delas já foram conquistadas, a Maratona Des Sables e a Desert Cup, ambas no deserto do Saara. Agora só falta a prova americana.

Aos 48 anos, Mozart concilia seus treinos com o trabalho. Ele mora em Manaus e gerencia uma multinacional. “Normalmente, eu levanto às 4h20 e vou correndo da minha casa até a fábrica. Ao todo são 18/19 quilômetros. Na hora do almoço eu faço o treino de sol de Manaus, todos os dias de 10 a 11km. Já na parte da noite, após o término do expediente, eu volto da fábrica para casa, ou para academia correndo mais 18/19km”, conta.

Para dar suporte ao treinamento, Mozart não fica sem uma boa mochila. Ele tem um modelo próprio para corridas, mas que sofreu algumas adaptações. É com a mochila que ele treina e participa das provas. “Levo a minha mochila com roupas, tudo bem ensacadinho, pois quando chego na fábrica, eu tomo banho e coloco a roupa de trabalho. Algumas vezes, é claro, eu pego chuva no caminho e por isso tudo dentro da mochila tem que estar dentro de saco plástico”, revela.

“Já usei a minha mochila para correr no deserto do Saara, no ano passado. Corri e terminei a Marathon des Sables, 247km no Saara, em Marrocos. Nela, além de roupa, levo água e isotônico, e é claro música para distrair”, acrescenta.

Indagado sobre o treino para suportar o calor, Mozart conta que a adaptação foi feita com alguns improvisos. “A parte de calor, eu procurei me adaptar correndo no horário do almoço diariamente, e nos últimos dias de preparação para a Badwater, eu usei dois aquecedores na academia enquanto corria na esteira. Durante os finais de semana corri no sol de Manaus com roupa de lã”, revela.

“Ontem (17) a minha fisioterapeuta me disse que um cliente dela falou que viu um maluco correndo no sol todo agasalhado, tava uns 38ºC. Ela riu e disse que o maluco era eu”, se diverte. Além disso, nas últimas duas semanas, ele fez sauna todos os dias.

“Espero, e tenho como expectativa, terminar a prova e isso, se Deus permitir, será uma tremenda glória. No meu íntimo, é claro, tenho objetivos maiores, mas isto vem depois”, anuncia o brasileiro, que conta todas suas aventuras no site pessoal: www.corrotododia.com.br.


Brasileiro participa de ultramaratona abaixo do nível do mar

Ultra Maratona · 18 jul, 2006

No dia 24 de julho acontece no deserto do Mojave, na Califórnia, Estados Unidos, a ultramaratona Badwater e o Brasil será representado por um atleta. Mozart dos Santos Júnior irá enfrentar uma das provas mais difíceis do mundo. A Badwater tem 217 quilômetros e é realizada abaixo do nível do mar com temperaturas altíssimas (média de 45ºC).

O mais curioso é que esta competição faz parte de um projeto pessoal do brasileiro, o “Poeira Quente”. Ele planejou correr e concluir as três provas consideradas mais difíceis do planeta. Duas delas já foram conquistadas, a Maratona Des Sables e a Desert Cup, ambas no deserto do Saara. Agora só falta a prova americana.

Aos 48 anos, Mozart concilia seus treinos com o trabalho. Ele mora em Manaus e gerencia uma multinacional. “Normalmente, eu levanto às 4h20 e vou correndo da minha casa até a fábrica. Ao todo são 18/19 quilômetros. Na hora do almoço eu faço o treino de sol de Manaus, todos os dias de 10 a 11km. Já na parte da noite, após o término do expediente, eu volto da fábrica para casa, ou para academia correndo mais 18/19km”, conta.

Para dar suporte ao treinamento, Mozart não fica sem uma boa mochila. Ele tem um modelo próprio para corridas, mas que sofreu algumas adaptações. É com a mochila que ele treina e participa das provas. “Levo a minha mochila com roupas, tudo bem ensacadinho, pois quando chego na fábrica, eu tomo banho e coloco a roupa de trabalho. Algumas vezes, é claro, eu pego chuva no caminho e por isso tudo dentro da mochila tem que estar dentro de saco plástico”, revela.

“Já usei a minha mochila para correr no deserto do Saara, no ano passado. Corri e terminei a Marathon des Sables, 247km no Saara, em Marrocos. Nela, além de roupa, levo água e isotônico, e é claro música para distrair”, acrescenta.

Indagado sobre o treino para suportar o calor, Mozart conta que a adaptação foi feita com alguns improvisos. “A parte de calor, eu procurei me adaptar correndo no horário do almoço diariamente, e nos últimos dias de preparação para a Badwater, eu usei dois aquecedores na academia enquanto corria na esteira. Durante os finais de semana corri no sol de Manaus com roupa de lã”, revela.

“Ontem (17) a minha fisioterapeuta me disse que um cliente dela falou que viu um maluco correndo no sol todo agasalhado, tava uns 38ºC. Ela riu e disse que o maluco era eu”, se diverte. Além disso, nas últimas duas semanas, ele fez sauna todos os dias.

“Espero, e tenho como expectativa, terminar a prova e isso, se Deus permitir, será uma tremenda glória. No meu íntimo, é claro, tenho objetivos maiores, mas isto vem depois”, anuncia o brasileiro, que conta todas suas aventuras no site pessoal: www.corrotododia.com.br.

Brasileiro é bicampeão de Ultraman no Havaí

Triathlon · 30 nov, 2005

O brasileiro Alexandre Ribeiro venceu nesse último fim de semana o Campeonato Mundial de Ultraman do Havaí. Essa é a segunda vitória do triathleta na competição, que completou os 10km de natação, 412km de ciclismo e mais 84km de corrida no tempo de 24h32min28s.

A prova aconteceu na ilha de Kailua-Kona, em Big Island, Havaí. Ribeiro tem 40 anos e cruzou a linha de chegada com uma boa vantagem do segundo colocado, o britânico Michael Hanreck, com 26h47min01s. A terceira posição foi para o norte-americano Gary Wang no tempo de 27h50min21s.

Ao todo atletas de diversos países competiram durante três dias seguidos. O campeão completou a etapa de natação com 3h03min13s. Depois no ciclismo ele marcou 14h12min42s. Já na corrida ele garantiu o tempo de 7h16min33s.

“Passei muito mal por duas vezes na sexta, durante a primeira parte do ciclismo. Perdi posições, mas consegui me recuperar e não fazer um tempo tão ruim. No segundo dia, tive um pneu furado, mas minha vantagem era boa e consegui pegar a liderança. No domingo tive apenas de me concentrar para fazer uma boa corrida, que é meu forte. No final da competição perdi cinco quilos, mas valeu a pena. A emoção do bi foi ainda maior, principalmente porque este ano foi bastante difícil para mim”, revela Ribeiro.


Brasileiro é bicampeão de Ultraman no Havaí

Triathlon · 30 nov, 2005

O brasileiro Alexandre Ribeiro venceu nesse último fim de semana o Campeonato Mundial de Ultraman do Havaí. Essa é a segunda vitória do triathleta na competição, que completou os 10km de natação, 412km de ciclismo e mais 84km de corrida no tempo de 24h32min28s.

A prova aconteceu na ilha de Kailua-Kona, em Big Island, Havaí. Ribeiro tem 40 anos e cruzou a linha de chegada com uma boa vantagem do segundo colocado, o britânico Michael Hanreck, com 26h47min01s. A terceira posição foi para o norte-americano Gary Wang no tempo de 27h50min21s.

Ao todo atletas de diversos países competiram durante três dias seguidos. O campeão completou a etapa de natação com 3h03min13s. Depois no ciclismo ele marcou 14h12min42s. Já na corrida ele garantiu o tempo de 7h16min33s.

“Passei muito mal por duas vezes na sexta, durante a primeira parte do ciclismo. Perdi posições, mas consegui me recuperar e não fazer um tempo tão ruim. No segundo dia, tive um pneu furado, mas minha vantagem era boa e consegui pegar a liderança. No domingo tive apenas de me concentrar para fazer uma boa corrida, que é meu forte. No final da competição perdi cinco quilos, mas valeu a pena. A emoção do bi foi ainda maior, principalmente porque este ano foi bastante difícil para mim”, revela Ribeiro.

Alexandre Ribeiro é Campeão Mundial

Triathlon · 30 nov, 2003

O triathleta Alexandre Ribeiro (Brasil Telecom) em sua estréia na modalidade Ultraman, prova que consiste em 10 Km de natação, 421 km de ciclismo e 84 km de corrida – e é uma clássica prova mundial disputada no Havaí e válida como Mundial da modalidade; sagrou-se o primeiro brasileiro a vencer a difícil competição.

"É um sacrifício muito grande. Na chegada, passou um filme pela mente com tudo o que vivi na minha carreira. Foi muito bacana", contou Alexandre.

"Passei por momentos bem difíceis durante a prova. Na natação, a pessoa que iria ao meu lado de caiaque me acompanhando teve que ser substituída por outra que não era tão experiente e que me levou mais para o alto-mar. Peguei uma corrente muito forte e acabei nadando 20 minutos acima do tempo que eu havia planejado. Saí da água em terceiro, mas me recuperei no ciclismo, que teve uma prova de montanha, saindo do nível do mar para uma altura de cerca de 1.500 metros", disse Ribeiro.

São três dias de provas. Ribeiro terminou o primeiro dia já na ponta, depois de ser o terceiro na natação, com o tempo de 2:40:00, e o melhor nos 145 Km iniciais do ciclismo, em 5:h04:00. Alexandre Ribeiro ampliou sua vantagem no segundo dia, pedalando 276 Km em 7:55:00.

No terceiro dia, o brasileiro correu 84 Km - equivalente a duas maratonas - sem ser ameaçado pelos competidores mais próximos.


Alexandre Ribeiro é Campeão Mundial

Triathlon · 30 nov, 2003

O triathleta Alexandre Ribeiro (Brasil Telecom) em sua estréia na modalidade Ultraman, prova que consiste em 10 Km de natação, 421 km de ciclismo e 84 km de corrida – e é uma clássica prova mundial disputada no Havaí e válida como Mundial da modalidade; sagrou-se o primeiro brasileiro a vencer a difícil competição.

"É um sacrifício muito grande. Na chegada, passou um filme pela mente com tudo o que vivi na minha carreira. Foi muito bacana", contou Alexandre.

"Passei por momentos bem difíceis durante a prova. Na natação, a pessoa que iria ao meu lado de caiaque me acompanhando teve que ser substituída por outra que não era tão experiente e que me levou mais para o alto-mar. Peguei uma corrente muito forte e acabei nadando 20 minutos acima do tempo que eu havia planejado. Saí da água em terceiro, mas me recuperei no ciclismo, que teve uma prova de montanha, saindo do nível do mar para uma altura de cerca de 1.500 metros", disse Ribeiro.

São três dias de provas. Ribeiro terminou o primeiro dia já na ponta, depois de ser o terceiro na natação, com o tempo de 2:40:00, e o melhor nos 145 Km iniciais do ciclismo, em 5:h04:00. Alexandre Ribeiro ampliou sua vantagem no segundo dia, pedalando 276 Km em 7:55:00.

No terceiro dia, o brasileiro correu 84 Km - equivalente a duas maratonas - sem ser ameaçado pelos competidores mais próximos.

Alexandre Ribeiro disputará o Ultraman

Triathlon · 27 nov, 2003

O triathleta Alexandre Ribeiro (Brasil Telecom), disputa nesta sexta-feira, dia 28, uma das mais difíceis competições mundiais, o Ultraman do Havaí, competição cujo percurso total é de 515 Km divididos em três dias. O desafio vai até domingo na ilha de Big Island, e consiste em 10 Km de natação, 421 Km de ciclismo e 84 Km de corrida. Apenas 35 atletas disputam o Ultraman.

“Conversei com outros brasileiros que já participaram do Ultraman para colher mais informações. O terceiro dia deve ser o mais difícil, já que o atleta precisa correr o equivalente a duas maratonas sob um calor muito forte depois de já estar desgastado pela natação e pelo ciclismo”, analisou Ribeiro.

Alexandre Ribeiro estará disputando seu primeiro Ultraman, mas o paranaense, radicado no Rio de Janeiro, tem experiência internacional de sobra em provas de longa distância. São 20 Ironmans no currículo, dez deles disputados no Havaí.

“Conheço a ilha e sei das dificuldades em relação ao clima e ao percurso, mas treinei muito e estou confiante em realizar uma boa prova. A expectativa inicial é completar o Ultraman, mas acho que é possível brigar pelo pódio”, disse Alexandre.


Alexandre Ribeiro disputará o Ultraman

Triathlon · 27 nov, 2003

O triathleta Alexandre Ribeiro (Brasil Telecom), disputa nesta sexta-feira, dia 28, uma das mais difíceis competições mundiais, o Ultraman do Havaí, competição cujo percurso total é de 515 Km divididos em três dias. O desafio vai até domingo na ilha de Big Island, e consiste em 10 Km de natação, 421 Km de ciclismo e 84 Km de corrida. Apenas 35 atletas disputam o Ultraman.

“Conversei com outros brasileiros que já participaram do Ultraman para colher mais informações. O terceiro dia deve ser o mais difícil, já que o atleta precisa correr o equivalente a duas maratonas sob um calor muito forte depois de já estar desgastado pela natação e pelo ciclismo”, analisou Ribeiro.

Alexandre Ribeiro estará disputando seu primeiro Ultraman, mas o paranaense, radicado no Rio de Janeiro, tem experiência internacional de sobra em provas de longa distância. São 20 Ironmans no currículo, dez deles disputados no Havaí.

“Conheço a ilha e sei das dificuldades em relação ao clima e ao percurso, mas treinei muito e estou confiante em realizar uma boa prova. A expectativa inicial é completar o Ultraman, mas acho que é possível brigar pelo pódio”, disse Alexandre.