sulamericoatlet

Seleção Brasileira de Juvenis: futuro promissor

Atletismo · 05 ago, 2002

O primeiro lugar do atletismo nacional nos Jogos Sul-Americanos, competição realizada de 1º a 3 deste mês em Belém (PA) e válida pelo Campeonato Sul-Americano Juvenil, mostrou que o país vive uma ascensão de novos valores para a modalidade.

O bom momento é evidenciado pelos destaques individuais, recordes e resultados técnicos, mas é preciso que haja paciência, seriedade e pé-no-chão para que o futuro promissor se torne realidade com naturalidade. É o que diz Luís Alberto de Oliveira, diretor técnico do Centro de Treinamento de Alto Nível (Cetan) de Manaus (AM) e um dos treinadores da seleção nacional de atletismo.

É preciso, de acordo com Luís Alberto, “ter paciência, pois algumas das provas em que o Brasil se destacou foram de velocidade, na qual os resultados aparecem rápido, ou seja, em cinco anos, diferente das de meio-fundo, onde se precisa de 10 anos para alcançar boas marcas”. Também é importante, segundo o técnico, “que essa nova geração tenha humildade para continuar trabalhando e atingindo grandes resultados e que esse trabalho tenha continuidade mesmo com todas as dificuldades financeiras”.

Para Luís Alberto, “a participação do Brasil no Sul-Americano Juvenil foi a melhor do país em matérias de resultados já alcançada em todos os tempos, já que antes o que se via eram destaques em uma ou duas marcas”.

O técnico destacou a performance dos atletas Mônica de Cássia Nascimento Freitas e de Danionison Pereira Sarkis, que fazem parte do Cetan da Vila Olímpica de Manau. A atleta conquistou a medalha de ouro no revezamento 4 x 100m e o quarto lugar nos 100m com barreiras, enquanto que Danionison, que é da categoria Menores, ficou em quinto no lançamento do martelo. “A Mônica foi excelente pois atuou em conjunto mostrando sentido de equipe. Ela possui muito potencial e é preciso que haja continuidade. O Danionison ainda é da categoria Menores, ainda vai para o Juvenil e precisa melhorar, já que a nível de Brasil está bem”, analisou Luís Alberto.

O resultado de Thatiana Regina Ignácio (BM & F Atletismo-CAIXA), que venceu os 100m com 11.57 e superou o recorde anterior de Esmeralda de Jesus (11.58) que perdurava desde 1976, foi bastante festejado pelo técnico Katsuhiko Nakaia, que treina a atleta e que é coordenador da modalidade na cidade de Guarulhos (SP).

Ele disse que o recorde já era esperado bem antes do Campeonato Sul-Americano. “Na verdade, já esperávamos essas boas marcas para o Mundial Juvenil disputado em Kinsgton, onde calculamos que ela poderia alcançar 11,50 ou 11.45 nos 100m. No entanto, ela teve problemas de contusão que a atrapalharam. Mas ela fez tratamento, teve melhora e conseguiu vencer no Sul-Americano”, explicou o treinador.

Katsuhiko Nakaia frisou que o primeiro lugar do Brasil também já era esperado, “haja visto que o domínio do país no continente sul-americano é muito acentuado, daí ter essa hegemonia”. Ainda para este segundo semestre, de acordo com Nakaia, seria importante que “o Brasil disputasse em competições como o Campeonato Centro-Americano nas provas de salto e velocidade”. O treinador ressaltou a “boa safra de atletas juvenis que o país possui atualmente e que não era vista há 20 anos com o surgimento de competidores campeões como Robson Caetano, Joaquim Cruz e Sérgio Mathias, por exemplo”.

“O bom é que temos gente nova e boa conquistando esses resultados”, disse Esmeralda de Jesus, que hoje é treinadora em São Paulo e que no Sul-Americano em Belém atuou na parte de organização.

Para o presidente da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), Roberto Gesta de Melo, o Campeonato Sul-Americano realizado em Belém foi uma demonstração de que a modalidade está no caminho certo quanto ao desenvolvimento dos atletas. Gesta comentou que “os resultados demonstraram que o país possui um grande futuro no atletismo”. Esperançoso em novas conquistas nacionais para o atletismo, o presidente da CBAt comentou que “a atual geração de jovens atletas é muito forte”.

No Campeonato Sul-Americano disputado no Estádio Olímpico a equipe de atletismo conquistou 64 medalhas – 33 de ouro, 14 de prata e 17 de bronze – e contabilizando 587 pontos. A delegação da Argentina ficou em segundo lugar com 5 medalhas de ouro, 5 de prata e 5 de bronze. A terceira colocada no Sul-Americano Juvenil de Atletismo foi a Venezuela, que teve 4 medalhas de ouro, 11 de prata e 7 de bronze. Mas na pontuação, os venezuelanos acabaram na frente com 180,5 pontos contra 163 dos argentinos.

O Brasil teve vários destaques nos Jogos. No sábado, último dia da competição, o grande nome foi Bruno Nascimento Pacheco (Vasco da Gama-Caixa), que venceu os 200m com 20.54 e estabeleceu o novo recorde sul-americano da categoria. O atleta foi considerado o de melhor nível técnico no masculino..

Outros grandes resultados foram estabelecidos nos revezamentos 4 x 400, onde os atletas brasileiros conseguiram novos recordes sul-americanos. No masculino, o revezamento marcou 3.06.68 com Diego Venâncio (ASA Sertãozinho), Thiago Chyaromont (Mangueira-CAIXA), Luís Eduardo da Silva (Vasco da Gama-RJ) e Luís Eduardo Ambrósio (ASSEM São José dos Campos-CAIXA). No feminino, a equipe fez 3.40.56 com Juliana de Azevedo (BM & F Atletismo-CAIXA), Raquel Martins Camillo da Costa (Flamengo) e Ana Cláudia Soares (Flamengo).


Seleção Brasileira de Juvenis: futuro promissor

Atletismo · 05 ago, 2002

O primeiro lugar do atletismo nacional nos Jogos Sul-Americanos, competição realizada de 1º a 3 deste mês em Belém (PA) e válida pelo Campeonato Sul-Americano Juvenil, mostrou que o país vive uma ascensão de novos valores para a modalidade.

O bom momento é evidenciado pelos destaques individuais, recordes e resultados técnicos, mas é preciso que haja paciência, seriedade e pé-no-chão para que o futuro promissor se torne realidade com naturalidade. É o que diz Luís Alberto de Oliveira, diretor técnico do Centro de Treinamento de Alto Nível (Cetan) de Manaus (AM) e um dos treinadores da seleção nacional de atletismo.

É preciso, de acordo com Luís Alberto, “ter paciência, pois algumas das provas em que o Brasil se destacou foram de velocidade, na qual os resultados aparecem rápido, ou seja, em cinco anos, diferente das de meio-fundo, onde se precisa de 10 anos para alcançar boas marcas”. Também é importante, segundo o técnico, “que essa nova geração tenha humildade para continuar trabalhando e atingindo grandes resultados e que esse trabalho tenha continuidade mesmo com todas as dificuldades financeiras”.

Para Luís Alberto, “a participação do Brasil no Sul-Americano Juvenil foi a melhor do país em matérias de resultados já alcançada em todos os tempos, já que antes o que se via eram destaques em uma ou duas marcas”.

O técnico destacou a performance dos atletas Mônica de Cássia Nascimento Freitas e de Danionison Pereira Sarkis, que fazem parte do Cetan da Vila Olímpica de Manau. A atleta conquistou a medalha de ouro no revezamento 4 x 100m e o quarto lugar nos 100m com barreiras, enquanto que Danionison, que é da categoria Menores, ficou em quinto no lançamento do martelo. “A Mônica foi excelente pois atuou em conjunto mostrando sentido de equipe. Ela possui muito potencial e é preciso que haja continuidade. O Danionison ainda é da categoria Menores, ainda vai para o Juvenil e precisa melhorar, já que a nível de Brasil está bem”, analisou Luís Alberto.

O resultado de Thatiana Regina Ignácio (BM & F Atletismo-CAIXA), que venceu os 100m com 11.57 e superou o recorde anterior de Esmeralda de Jesus (11.58) que perdurava desde 1976, foi bastante festejado pelo técnico Katsuhiko Nakaia, que treina a atleta e que é coordenador da modalidade na cidade de Guarulhos (SP).

Ele disse que o recorde já era esperado bem antes do Campeonato Sul-Americano. “Na verdade, já esperávamos essas boas marcas para o Mundial Juvenil disputado em Kinsgton, onde calculamos que ela poderia alcançar 11,50 ou 11.45 nos 100m. No entanto, ela teve problemas de contusão que a atrapalharam. Mas ela fez tratamento, teve melhora e conseguiu vencer no Sul-Americano”, explicou o treinador.

Katsuhiko Nakaia frisou que o primeiro lugar do Brasil também já era esperado, “haja visto que o domínio do país no continente sul-americano é muito acentuado, daí ter essa hegemonia”. Ainda para este segundo semestre, de acordo com Nakaia, seria importante que “o Brasil disputasse em competições como o Campeonato Centro-Americano nas provas de salto e velocidade”. O treinador ressaltou a “boa safra de atletas juvenis que o país possui atualmente e que não era vista há 20 anos com o surgimento de competidores campeões como Robson Caetano, Joaquim Cruz e Sérgio Mathias, por exemplo”.

“O bom é que temos gente nova e boa conquistando esses resultados”, disse Esmeralda de Jesus, que hoje é treinadora em São Paulo e que no Sul-Americano em Belém atuou na parte de organização.

Para o presidente da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), Roberto Gesta de Melo, o Campeonato Sul-Americano realizado em Belém foi uma demonstração de que a modalidade está no caminho certo quanto ao desenvolvimento dos atletas. Gesta comentou que “os resultados demonstraram que o país possui um grande futuro no atletismo”. Esperançoso em novas conquistas nacionais para o atletismo, o presidente da CBAt comentou que “a atual geração de jovens atletas é muito forte”.

No Campeonato Sul-Americano disputado no Estádio Olímpico a equipe de atletismo conquistou 64 medalhas – 33 de ouro, 14 de prata e 17 de bronze – e contabilizando 587 pontos. A delegação da Argentina ficou em segundo lugar com 5 medalhas de ouro, 5 de prata e 5 de bronze. A terceira colocada no Sul-Americano Juvenil de Atletismo foi a Venezuela, que teve 4 medalhas de ouro, 11 de prata e 7 de bronze. Mas na pontuação, os venezuelanos acabaram na frente com 180,5 pontos contra 163 dos argentinos.

O Brasil teve vários destaques nos Jogos. No sábado, último dia da competição, o grande nome foi Bruno Nascimento Pacheco (Vasco da Gama-Caixa), que venceu os 200m com 20.54 e estabeleceu o novo recorde sul-americano da categoria. O atleta foi considerado o de melhor nível técnico no masculino..

Outros grandes resultados foram estabelecidos nos revezamentos 4 x 400, onde os atletas brasileiros conseguiram novos recordes sul-americanos. No masculino, o revezamento marcou 3.06.68 com Diego Venâncio (ASA Sertãozinho), Thiago Chyaromont (Mangueira-CAIXA), Luís Eduardo da Silva (Vasco da Gama-RJ) e Luís Eduardo Ambrósio (ASSEM São José dos Campos-CAIXA). No feminino, a equipe fez 3.40.56 com Juliana de Azevedo (BM & F Atletismo-CAIXA), Raquel Martins Camillo da Costa (Flamengo) e Ana Cláudia Soares (Flamengo).

7° Jogos Sul-Americano de Atletismo – 4° dia

Atletismo · 05 ago, 2002

Thatiana Regina Ignácio tem 19 anos e é uma das esperanças do atletismo feminino do Brasil. Quando ela nasceu, em 2 de setembro de 1983, em São Vicente, no litoral paulista, o recorde dos 100m no Campeonato Sul-Americano Juvenil era 11.58, pertencia à mineira Esmeralda de Jesus e já vigorava desde 17 de outubro de 1976.

O recorde de Esmeralda finalmente caiu. Foi logo na abertura do torneio de atletismo dos 7o Jogos Sul-Americanos. A competição, que corresponde ao Sul-Americano Juvenil de 2002, começou nesta quinta-feira, dia 1, e termina sábado, dia 3, no Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, em Belém. Na final da prova, Thatiana, que compete pela BM&F Atletismo-CAIXA, venceu com 11.57.

Curiosamente, Esmeralda – que também foi recordista brasileira absoluta nos 100m, salto em distância e salto triplo – está em Belém, trabalhando na organização dos Jogos. Ela não pôde ver seu recorde cair, pois o trabalho exige sua presença no Hilton Belém, onde fica a sede da organização. “Ainda bem que temos gente nova e boa”, disse, depois, Esmeralda, que também é treinadora em São Paulo.

Thatiana, que esteve no Mundial da Jamaica em julho, onde conseguiu o quinto lugar na prova, parecia surpresa com a longevidade da marca de Esmeralda. “Fazia tanto tempo assim?”, dizia. A partir de 2003, ela já competirá na categoria principal. Para Carlos Cavalheiro, coordenador da Comissão Nacional de Treinadores, “isto não significará nenhum problema, pois Thatiana já tem nível de atleta adulta”.

No triplo feminino, Keila da Silva Costa – medalha do bronze no Mundial da Jamaica – venceu com 13,79 (recorde do Campeonato). Keila (Olympikus/Santos Dumont-CAIXA) é uma das grandes atrações do torneio e competirá também no salto em distância. “O importante é a regularidade das marcas da Keila”, disse seu treinador, Roberto Ribeiro de Andrade. Keila é recordista sul-americana juvenil com 14,00 (marca de 2001) e no Mundial saltou 13,70.

Ainda no primeiro dia, um dos destaques foi a disputa dos 5.000m masculino, com o esperado duelo entre Franck Caldeira de Almeida (Mangueira-CAIXA) e Fernando Alex Fernandes (Maringá-CAIXA). Eles lideraram toda a prova e se revezaram na primeira colocação. A definição só aconteceu nos últimos 200m: Fernando ganhou com 14:13.29 (recorde do Campeonato) e Franck foi o segundo com 14:14.18.

Outro grande resultado obteve o campeão dos 100m masculino, o representante das Antilhas Holandesas Martina Churandy. Ele ganhou com 10.40 (na semifinal marcou 10.30), enquanto os brasileiros Bruno Pacheco (Vasco da Gama-CAIXA) e Eliezer de Almeida (ASSEM São José dos Campos) ficaram com os segundo e terceiro lugares, com 10.50 e 10.60.

Depois das dez provas finais disputadas no primeiro dia do Campeonato, o Brasil disparou na liderança, com 6 medalhas de ouro, 6 de prata e 2 de bronze. Na pontuação, os atletas brasileiros marcaram 120 pontos e a Venezuela estava em segundo lugar, com 43.

A segunda rodada começou na manhã desta sexta-feira, dia 2. E o Brasil conquistou mais uma medalha de ouro, na marcha feminina de 10.000m, com Alessandra Picagevicz (Timbó-CAIXA). Alessandra marcou 50:34.59, novo recorde do Campeonato. A principal rival da brasileira era a boliviana Ariana Quino Salazar, que foi desqualificada.


7° Jogos Sul-Americano de Atletismo – 4° dia

Atletismo · 05 ago, 2002

Thatiana Regina Ignácio tem 19 anos e é uma das esperanças do atletismo feminino do Brasil. Quando ela nasceu, em 2 de setembro de 1983, em São Vicente, no litoral paulista, o recorde dos 100m no Campeonato Sul-Americano Juvenil era 11.58, pertencia à mineira Esmeralda de Jesus e já vigorava desde 17 de outubro de 1976.

O recorde de Esmeralda finalmente caiu. Foi logo na abertura do torneio de atletismo dos 7o Jogos Sul-Americanos. A competição, que corresponde ao Sul-Americano Juvenil de 2002, começou nesta quinta-feira, dia 1, e termina sábado, dia 3, no Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, em Belém. Na final da prova, Thatiana, que compete pela BM&F Atletismo-CAIXA, venceu com 11.57.

Curiosamente, Esmeralda – que também foi recordista brasileira absoluta nos 100m, salto em distância e salto triplo – está em Belém, trabalhando na organização dos Jogos. Ela não pôde ver seu recorde cair, pois o trabalho exige sua presença no Hilton Belém, onde fica a sede da organização. “Ainda bem que temos gente nova e boa”, disse, depois, Esmeralda, que também é treinadora em São Paulo.

Thatiana, que esteve no Mundial da Jamaica em julho, onde conseguiu o quinto lugar na prova, parecia surpresa com a longevidade da marca de Esmeralda. “Fazia tanto tempo assim?”, dizia. A partir de 2003, ela já competirá na categoria principal. Para Carlos Cavalheiro, coordenador da Comissão Nacional de Treinadores, “isto não significará nenhum problema, pois Thatiana já tem nível de atleta adulta”.

No triplo feminino, Keila da Silva Costa – medalha do bronze no Mundial da Jamaica – venceu com 13,79 (recorde do Campeonato). Keila (Olympikus/Santos Dumont-CAIXA) é uma das grandes atrações do torneio e competirá também no salto em distância. “O importante é a regularidade das marcas da Keila”, disse seu treinador, Roberto Ribeiro de Andrade. Keila é recordista sul-americana juvenil com 14,00 (marca de 2001) e no Mundial saltou 13,70.

Ainda no primeiro dia, um dos destaques foi a disputa dos 5.000m masculino, com o esperado duelo entre Franck Caldeira de Almeida (Mangueira-CAIXA) e Fernando Alex Fernandes (Maringá-CAIXA). Eles lideraram toda a prova e se revezaram na primeira colocação. A definição só aconteceu nos últimos 200m: Fernando ganhou com 14:13.29 (recorde do Campeonato) e Franck foi o segundo com 14:14.18.

Outro grande resultado obteve o campeão dos 100m masculino, o representante das Antilhas Holandesas Martina Churandy. Ele ganhou com 10.40 (na semifinal marcou 10.30), enquanto os brasileiros Bruno Pacheco (Vasco da Gama-CAIXA) e Eliezer de Almeida (ASSEM São José dos Campos) ficaram com os segundo e terceiro lugares, com 10.50 e 10.60.

Depois das dez provas finais disputadas no primeiro dia do Campeonato, o Brasil disparou na liderança, com 6 medalhas de ouro, 6 de prata e 2 de bronze. Na pontuação, os atletas brasileiros marcaram 120 pontos e a Venezuela estava em segundo lugar, com 43.

A segunda rodada começou na manhã desta sexta-feira, dia 2. E o Brasil conquistou mais uma medalha de ouro, na marcha feminina de 10.000m, com Alessandra Picagevicz (Timbó-CAIXA). Alessandra marcou 50:34.59, novo recorde do Campeonato. A principal rival da brasileira era a boliviana Ariana Quino Salazar, que foi desqualificada.

7° Jogos Sul-Americano de Atletismo – 3° dia

Atletismo · 04 ago, 2002

O Brasil ganhou o torneio de atletismo dos Jogos Sul-Americanos. O Campeonato correspondeu ao Sul-Americano Juvenil e foi disputado no Estádio Olímpico do Pará, em Belém, entre os dias 1 e 3 deste mês. A equipe ganhou 64 medalhas: 33 medalhas de ouro, 14 de prata e 17 de bronze, e somou 587 pontos.

Argentina e Venezuela disputaram o segundo lugar durante toda a competição. A primeira ganhou 5 medalhas de ouro, 5 de prata e 5 de bronze, contra 4 de ouro, 11 de prata e 7 de bronze da segunda. Na pontuação, os venezuelanos ficaram na frente, com 180,5 pontos contra 163 dos argentinos.

No último dia de disputa, no sábado à noite, dia 3, o grande destaque foi Bruno Nascimento Pacheco (Vasco da Gama-CAIXA). Bruno venceu os 200m com 20.54, novo recorde sul-americano. O recorde anterior era dele mesmo, com 20.72, marca conseguida no Brasileiro Juvenil, disputado em junho, em Maringá, no Paraná.

Foi dele o melhor resultado técnico da competição, no masculino. No feminino, o melhor desempenho foi o de Thatiana Regina Ignácio, que na véspera ganhara os 100m com 11.57, superando o recorde anterior, que era 11.58 e pertencia a Esmeralda de Jesus desde 1976.

Grandes resultados também nos revezamentos 4 x 400m, em que as equipes brasileiras estabeleceram novos recordes sul-americanos. Entre os homens, o time marcou 3:06.68 e formou com Diego Venâncio (ASA Sertãozinho), Thiago Chyaromont (Mangueira-CAIXA), Luís Eduardo da Silva (Vasco da Gama) e Luís Eduardo Ambrósio (ASSEM São José dos Campos-CAIXA).

No feminino, a equipe fez 3:40.56 e contou com Juliana de Azevedo (BM&F Atletismo-CAIXA), Amanda Fontes Dias (Flamengo-CAIXA), Raquel Martins Camillo da Costa (Flamengo) e Ana Cláudia Soares (Flamengo).

O presidente da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), Roberto Gesta de Melo, disse que os resultados mostram que "o país tem um grande futuro. A atual geração de jovens atletas é muito forte", disse Gesta.


7° Jogos Sul-Americano de Atletismo – 3° dia

Atletismo · 04 ago, 2002

O Brasil ganhou o torneio de atletismo dos Jogos Sul-Americanos. O Campeonato correspondeu ao Sul-Americano Juvenil e foi disputado no Estádio Olímpico do Pará, em Belém, entre os dias 1 e 3 deste mês. A equipe ganhou 64 medalhas: 33 medalhas de ouro, 14 de prata e 17 de bronze, e somou 587 pontos.

Argentina e Venezuela disputaram o segundo lugar durante toda a competição. A primeira ganhou 5 medalhas de ouro, 5 de prata e 5 de bronze, contra 4 de ouro, 11 de prata e 7 de bronze da segunda. Na pontuação, os venezuelanos ficaram na frente, com 180,5 pontos contra 163 dos argentinos.

No último dia de disputa, no sábado à noite, dia 3, o grande destaque foi Bruno Nascimento Pacheco (Vasco da Gama-CAIXA). Bruno venceu os 200m com 20.54, novo recorde sul-americano. O recorde anterior era dele mesmo, com 20.72, marca conseguida no Brasileiro Juvenil, disputado em junho, em Maringá, no Paraná.

Foi dele o melhor resultado técnico da competição, no masculino. No feminino, o melhor desempenho foi o de Thatiana Regina Ignácio, que na véspera ganhara os 100m com 11.57, superando o recorde anterior, que era 11.58 e pertencia a Esmeralda de Jesus desde 1976.

Grandes resultados também nos revezamentos 4 x 400m, em que as equipes brasileiras estabeleceram novos recordes sul-americanos. Entre os homens, o time marcou 3:06.68 e formou com Diego Venâncio (ASA Sertãozinho), Thiago Chyaromont (Mangueira-CAIXA), Luís Eduardo da Silva (Vasco da Gama) e Luís Eduardo Ambrósio (ASSEM São José dos Campos-CAIXA).

No feminino, a equipe fez 3:40.56 e contou com Juliana de Azevedo (BM&F Atletismo-CAIXA), Amanda Fontes Dias (Flamengo-CAIXA), Raquel Martins Camillo da Costa (Flamengo) e Ana Cláudia Soares (Flamengo).

O presidente da Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt), Roberto Gesta de Melo, disse que os resultados mostram que "o país tem um grande futuro. A atual geração de jovens atletas é muito forte", disse Gesta.

7° Jogos Sul-Americano de Atletismo – 2° dia

Atletismo · 03 ago, 2002

Depois do segundo dia, o Brasil lidera amplamente o Campeonato Sul-Americano Juvenil. A competição corresponde este ano ao torneio de atletismo dos Jogos Sul-Americanos. As provas estão sendo disputadas no Estádio Olímpico do Pará, em Belém.

Faltando apenas a etapa deste sábado à noite (dia 3), os brasileiros já garantiram 21 medalhas de ouro, 12 de prata e 10 de bronze. A Venezuela ocupa a segunda colocação, com 3 medalhas de ouro, 7 de prata e 6 de bronze. O Brasil tem 386 pontos (209 no masculino e 177 no feminino) e a Venezuela 115 (48 no masculino e 67 no feminino).

Na sexta-feira à noite, o melhor resultado técnico foi o obtido pelo brasileiro Thiago Carahyba no salto em distância. O atleta paulista, da BM&F Atletismo-CAIXA, saltou 7,92, novo recorde sul-americano juvenil (até 19 anos). O recorde anterior era 7,87 e pertencia, desde 1987, ao peruano Ricardo Valiente.

Thiago comemorou muito o recorde, deu a volta na pista com as bandeiras do Brasil e do Pará. “Até pouco tempo atrás eu estava no céu, porque era campeão mundial (na categoria menor, até 17 anos, título ganho na Hungria em 2001). Daí, fui mal no Mundial Juvenil (em julho último na Jamaica) fiquei muito decepcionado. Agora estou novamente num bom lugar”, dizia o atleta, para explicar a euforia.

Outro recorde sul-americano juvenil foi conseguido pela equipe brasileira no 4 x 100m masculino. Eliezer de Almeida (ASSEM São José dos Campos), Bruno Góes (ABC-CAIXA), Jorge Célio Sena (Vasco da Gama) e Bruno Pacheco (Vasco da Gama-CAIXA) venceram com 39.64.

Eles melhoraram em 11 centésimos o recorde anterior, que era da equipe e fora conseguida no Mundial da Jamaica. “Continuamos com um grupo forte de velocistas. E eles podem progredir muito, ainda”, afirmava Carlos Cavalheiro, coordenador da Comissão Nacional de Treinadores da CBAt.

Keila da Silva Costa (Olympikus/Santos Dumont-CAIXA) ganhou o salto em distância com 6,37. Foi sua segunda medalha de ouro no torneio (na véspera, ela vencera o triplo, prova em que foi bronze no Mundial Juvenil). Os 6,37 de Keila é também novo recorde sul-americano juvenil (o anterior era de Jennifer Innis, da Guiana, com 6,34, marca de 1978). “Fui muito feliz no salto, não esperava tanto”, explicava atleta.

A outra ganhadora de medalha de bronze para o Brasil na Jamaica, Juliana Paula Santos de Azevedo (BM&F Atletismo-CAIXA), ganhou os 800m, com 2:06.01 (recorde do Campeonato). “A fase continua boa, tenho que aproveitar”, brincava Juliana.

O Campeonato termina neste sábado e entre as provas mais esperadas está a dos 110m com barreiras, em que Thiago Carahyba tentará sua segunda medalha de ouro.


7° Jogos Sul-Americano de Atletismo – 2° dia

Atletismo · 03 ago, 2002

Depois do segundo dia, o Brasil lidera amplamente o Campeonato Sul-Americano Juvenil. A competição corresponde este ano ao torneio de atletismo dos Jogos Sul-Americanos. As provas estão sendo disputadas no Estádio Olímpico do Pará, em Belém.

Faltando apenas a etapa deste sábado à noite (dia 3), os brasileiros já garantiram 21 medalhas de ouro, 12 de prata e 10 de bronze. A Venezuela ocupa a segunda colocação, com 3 medalhas de ouro, 7 de prata e 6 de bronze. O Brasil tem 386 pontos (209 no masculino e 177 no feminino) e a Venezuela 115 (48 no masculino e 67 no feminino).

Na sexta-feira à noite, o melhor resultado técnico foi o obtido pelo brasileiro Thiago Carahyba no salto em distância. O atleta paulista, da BM&F Atletismo-CAIXA, saltou 7,92, novo recorde sul-americano juvenil (até 19 anos). O recorde anterior era 7,87 e pertencia, desde 1987, ao peruano Ricardo Valiente.

Thiago comemorou muito o recorde, deu a volta na pista com as bandeiras do Brasil e do Pará. “Até pouco tempo atrás eu estava no céu, porque era campeão mundial (na categoria menor, até 17 anos, título ganho na Hungria em 2001). Daí, fui mal no Mundial Juvenil (em julho último na Jamaica) fiquei muito decepcionado. Agora estou novamente num bom lugar”, dizia o atleta, para explicar a euforia.

Outro recorde sul-americano juvenil foi conseguido pela equipe brasileira no 4 x 100m masculino. Eliezer de Almeida (ASSEM São José dos Campos), Bruno Góes (ABC-CAIXA), Jorge Célio Sena (Vasco da Gama) e Bruno Pacheco (Vasco da Gama-CAIXA) venceram com 39.64.

Eles melhoraram em 11 centésimos o recorde anterior, que era da equipe e fora conseguida no Mundial da Jamaica. “Continuamos com um grupo forte de velocistas. E eles podem progredir muito, ainda”, afirmava Carlos Cavalheiro, coordenador da Comissão Nacional de Treinadores da CBAt.

Keila da Silva Costa (Olympikus/Santos Dumont-CAIXA) ganhou o salto em distância com 6,37. Foi sua segunda medalha de ouro no torneio (na véspera, ela vencera o triplo, prova em que foi bronze no Mundial Juvenil). Os 6,37 de Keila é também novo recorde sul-americano juvenil (o anterior era de Jennifer Innis, da Guiana, com 6,34, marca de 1978). “Fui muito feliz no salto, não esperava tanto”, explicava atleta.

A outra ganhadora de medalha de bronze para o Brasil na Jamaica, Juliana Paula Santos de Azevedo (BM&F Atletismo-CAIXA), ganhou os 800m, com 2:06.01 (recorde do Campeonato). “A fase continua boa, tenho que aproveitar”, brincava Juliana.

O Campeonato termina neste sábado e entre as provas mais esperadas está a dos 110m com barreiras, em que Thiago Carahyba tentará sua segunda medalha de ouro.

7° Jogos Sul-Americano de Atletismo – 1° dia

Atletismo · 02 ago, 2002

Thatiana Regina Ignácio tem 19 anos e é uma das esperanças do atletismo feminino do Brasil. Quando ela nasceu, em 2 de setembro de 1983, em São Vicente, no litoral paulista, o recorde dos 100m no Campeonato Sul-Americano Juvenil era 11.58, pertencia à mineira Esmeralda de Jesus e já vigorava desde 17 de outubro de 1976.

O recorde de Esmeralda finalmente caiu. Foi logo na abertura do torneio de atletismo dos 7o Jogos Sul-Americanos. A competição, que corresponde ao Sul-Americano Juvenil de 2002, começou nesta quinta-feira, dia 1, e termina sábado, dia 3, no Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, em Belém. Na final da prova, Thatiana, que compete pela BM&F Atletismo-CAIXA, venceu com 11.57.

Curiosamente, Esmeralda – que também foi recordista brasileira absoluta nos 100m, salto em distância e salto triplo – está em Belém, trabalhando na organização dos Jogos. Ela não pôde ver seu recorde cair, pois o trabalho exige sua presença no Hilton Belém, onde fica a sede da organização. “Ainda bem que temos gente nova e boa”, disse, depois, Esmeralda, que também é treinadora em São Paulo.

Thatiana, que esteve no Mundial da Jamaica em julho, onde conseguiu o quinto lugar na prova, parecia surpresa com a longevidade da marca de Esmeralda. “Fazia tanto tempo assim?”, dizia. A partir de 2003, ela já competirá na categoria principal. Para Carlos Cavalheiro, coordenador da Comissão Nacional de Treinadores, “isto não significará nenhum problema, pois Thatiana já tem nível de atleta adulta”.

No triplo feminino, Keila da Silva Costa – medalha do bronze no Mundial da Jamaica – venceu com 13,79 (recorde do Campeonato). Keila (Olympikus/Santos Dumont-CAIXA) é uma das grandes atrações do torneio e competirá também no salto em distância. “O importante é a regularidade das marcas da Keila”, disse seu treinador, Roberto Ribeiro de Andrade. Keila é recordista sul-americana juvenil com 14,00 (marca de 2001) e no Mundial saltou 13,70.

Ainda no primeiro dia, um dos destaques foi a disputa dos 5.000m masculino, com o esperado duelo entre Franck Caldeira de Almeida (Mangueira-CAIXA) e Fernando Alex Fernandes (Maringá-CAIXA). Eles lideraram toda a prova e se revezaram na primeira colocação. A definição só aconteceu nos últimos 200m: Fernando ganhou com 14:13.29 (recorde do Campeonato) e Franck foi o segundo com 14:14.18.

Outro grande resultado obteve o campeão dos 100m masculino, o representante das Antilhas Holandesas Martina Churandy. Ele ganhou com 10.40 (na semifinal marcou 10.30), enquanto os brasileiros Bruno Pacheco (Vasco da Gama-CAIXA) e Eliezer de Almeida (ASSEM São José dos Campos) ficaram com os segundo e terceiro lugares, com 10.50 e 10.60.

Depois das dez provas finais disputadas no primeiro dia do Campeonato, o Brasil disparou na liderança, com 6 medalhas de ouro, 6 de prata e 2 de bronze. Na pontuação, os atletas brasileiros marcaram 120 pontos e a Venezuela estava em segundo lugar, com 43.

A segunda rodada começou na manhã desta sexta-feira, dia 2. E o Brasil conquistou a sua sétima medalha de ouro, na marcha feminina de 10.000m, com Alessandra Picagevicz (Timbó-CAIXA). Alessandra marcou 50:34.59, novo recorde do Campeonato. A principal rival da brasileira era a boliviana Ariana Quino Salazar, que foi desqualificada.


7° Jogos Sul-Americano de Atletismo – 1° dia

Atletismo · 02 ago, 2002

Thatiana Regina Ignácio tem 19 anos e é uma das esperanças do atletismo feminino do Brasil. Quando ela nasceu, em 2 de setembro de 1983, em São Vicente, no litoral paulista, o recorde dos 100m no Campeonato Sul-Americano Juvenil era 11.58, pertencia à mineira Esmeralda de Jesus e já vigorava desde 17 de outubro de 1976.

O recorde de Esmeralda finalmente caiu. Foi logo na abertura do torneio de atletismo dos 7o Jogos Sul-Americanos. A competição, que corresponde ao Sul-Americano Juvenil de 2002, começou nesta quinta-feira, dia 1, e termina sábado, dia 3, no Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, em Belém. Na final da prova, Thatiana, que compete pela BM&F Atletismo-CAIXA, venceu com 11.57.

Curiosamente, Esmeralda – que também foi recordista brasileira absoluta nos 100m, salto em distância e salto triplo – está em Belém, trabalhando na organização dos Jogos. Ela não pôde ver seu recorde cair, pois o trabalho exige sua presença no Hilton Belém, onde fica a sede da organização. “Ainda bem que temos gente nova e boa”, disse, depois, Esmeralda, que também é treinadora em São Paulo.

Thatiana, que esteve no Mundial da Jamaica em julho, onde conseguiu o quinto lugar na prova, parecia surpresa com a longevidade da marca de Esmeralda. “Fazia tanto tempo assim?”, dizia. A partir de 2003, ela já competirá na categoria principal. Para Carlos Cavalheiro, coordenador da Comissão Nacional de Treinadores, “isto não significará nenhum problema, pois Thatiana já tem nível de atleta adulta”.

No triplo feminino, Keila da Silva Costa – medalha do bronze no Mundial da Jamaica – venceu com 13,79 (recorde do Campeonato). Keila (Olympikus/Santos Dumont-CAIXA) é uma das grandes atrações do torneio e competirá também no salto em distância. “O importante é a regularidade das marcas da Keila”, disse seu treinador, Roberto Ribeiro de Andrade. Keila é recordista sul-americana juvenil com 14,00 (marca de 2001) e no Mundial saltou 13,70.

Ainda no primeiro dia, um dos destaques foi a disputa dos 5.000m masculino, com o esperado duelo entre Franck Caldeira de Almeida (Mangueira-CAIXA) e Fernando Alex Fernandes (Maringá-CAIXA). Eles lideraram toda a prova e se revezaram na primeira colocação. A definição só aconteceu nos últimos 200m: Fernando ganhou com 14:13.29 (recorde do Campeonato) e Franck foi o segundo com 14:14.18.

Outro grande resultado obteve o campeão dos 100m masculino, o representante das Antilhas Holandesas Martina Churandy. Ele ganhou com 10.40 (na semifinal marcou 10.30), enquanto os brasileiros Bruno Pacheco (Vasco da Gama-CAIXA) e Eliezer de Almeida (ASSEM São José dos Campos) ficaram com os segundo e terceiro lugares, com 10.50 e 10.60.

Depois das dez provas finais disputadas no primeiro dia do Campeonato, o Brasil disparou na liderança, com 6 medalhas de ouro, 6 de prata e 2 de bronze. Na pontuação, os atletas brasileiros marcaram 120 pontos e a Venezuela estava em segundo lugar, com 43.

A segunda rodada começou na manhã desta sexta-feira, dia 2. E o Brasil conquistou a sua sétima medalha de ouro, na marcha feminina de 10.000m, com Alessandra Picagevicz (Timbó-CAIXA). Alessandra marcou 50:34.59, novo recorde do Campeonato. A principal rival da brasileira era a boliviana Ariana Quino Salazar, que foi desqualificada.

Amanhã começa os Jogos Sul-Americanos de Atletismo

Atletismo · 31 jul, 2002

Começa amanhã (01)Campeonato Sul-Americano de Atletismo Juvenil. A competição, para atletas com até 19 anos, corresponde, este ano, ao torneio de atletismo dos Jogos Sul-Americanos. As provas serão todas disputadas no moderno Estádio Olímpico do Pará, situado no Mangueirão, em Belém.

Mais de 200 atletas competirão, representando 11 países – dez países da América do Sul, mais Antilhas Holandesas, que compete por participar dos Jogos Sul-Americanos.

A seleção brasileira, com 71 atletas, é a mais numerosa do torneio. E são do Brasil as duas principais atrações do Campeonato: a saltadora pernambucana Keila da Silva Costa (Olympikus/Santos Dumont-Caixa) e a meio-fundista paulista Juliana Paula Santos de Azevedo (BM&F Atletism-CAIXA). Keila, no salto triplo, e Juliana, nos 800m, ganharam a medalha de bronze no Mundial Juvenil, disputado em julho na Jamaica.

Keila, por sinal, já compete neste primeiro dia, a partir das 19:00. Ela é recordista sul-americana juvenil do triplo com 14,00, marca de 2001. Na Jamaica, ela ganhou bronze com um salto de 13,70. Segundo o treinador da atleta, Roberto Ribeiro de Andrade, “Keila está muito bem. Não sei se conseguirá repetir a marca do Mundial, mas ela é a favorita”, disse o treinador.

O programa da primeira rodada começa às 16:30. Além do triplo feminino, outras dez finais serão disputadas: lançamento do martelo feminino, salto em altura feminino, 3.000m feminino, lançamento do dardo masculino, 5.000m masculino, arremesso do peso masculino, 100m masculino, 100m feminino, 400m masculino e 400m feminino.

Uma disputa interessante também deve acontecer nos 5.000m masculino, entre os brasileiros Franck Caldeira de Almeida (Mangueira/RJ-Caixa) e Fernando Alex Fernandes (AA Maringá/PR-CAIXA). Franck foi o sétimo nos 10.000m na Jamaica e Fernando o quinto nos 3.000m com obstáculos.

Nos 100m masculino um dos fasvoritos é o brasileiro Bruno Nascimento Pacheco (Vasco da Gama/RJ-CAIXA). Nos 100m feminino, o grande nome também é do Brasil: Thatiana Regina Ignácio (BM&F Atletismo/SP-CAIXA). Ambos ficaram em quinto lugar no Campeonato Mundial.

Luís Eduardo Ambrósio será um dos representantes do Brasil nos 400m. No Mundial ele terminou em quinto lugar e bateu o recorde brasileiro, ao marcar 46.18.

Estádio Olímpico do Pará - Foi inaugurado com o Grande Prêmio Brasil de Atletismo, em 5 de maio deste ano. Na ocasião, mais de 40 mil pessoas foram ao estádio para ver as provas. A pista tem padrão internacional e deverá receber outras competições de atletismo no futuro, segundo integrantes do Governo do Pará e da CBAt.


Amanhã começa os Jogos Sul-Americanos de Atletismo

Atletismo · 31 jul, 2002

Começa amanhã (01)Campeonato Sul-Americano de Atletismo Juvenil. A competição, para atletas com até 19 anos, corresponde, este ano, ao torneio de atletismo dos Jogos Sul-Americanos. As provas serão todas disputadas no moderno Estádio Olímpico do Pará, situado no Mangueirão, em Belém.

Mais de 200 atletas competirão, representando 11 países – dez países da América do Sul, mais Antilhas Holandesas, que compete por participar dos Jogos Sul-Americanos.

A seleção brasileira, com 71 atletas, é a mais numerosa do torneio. E são do Brasil as duas principais atrações do Campeonato: a saltadora pernambucana Keila da Silva Costa (Olympikus/Santos Dumont-Caixa) e a meio-fundista paulista Juliana Paula Santos de Azevedo (BM&F Atletism-CAIXA). Keila, no salto triplo, e Juliana, nos 800m, ganharam a medalha de bronze no Mundial Juvenil, disputado em julho na Jamaica.

Keila, por sinal, já compete neste primeiro dia, a partir das 19:00. Ela é recordista sul-americana juvenil do triplo com 14,00, marca de 2001. Na Jamaica, ela ganhou bronze com um salto de 13,70. Segundo o treinador da atleta, Roberto Ribeiro de Andrade, “Keila está muito bem. Não sei se conseguirá repetir a marca do Mundial, mas ela é a favorita”, disse o treinador.

O programa da primeira rodada começa às 16:30. Além do triplo feminino, outras dez finais serão disputadas: lançamento do martelo feminino, salto em altura feminino, 3.000m feminino, lançamento do dardo masculino, 5.000m masculino, arremesso do peso masculino, 100m masculino, 100m feminino, 400m masculino e 400m feminino.

Uma disputa interessante também deve acontecer nos 5.000m masculino, entre os brasileiros Franck Caldeira de Almeida (Mangueira/RJ-Caixa) e Fernando Alex Fernandes (AA Maringá/PR-CAIXA). Franck foi o sétimo nos 10.000m na Jamaica e Fernando o quinto nos 3.000m com obstáculos.

Nos 100m masculino um dos fasvoritos é o brasileiro Bruno Nascimento Pacheco (Vasco da Gama/RJ-CAIXA). Nos 100m feminino, o grande nome também é do Brasil: Thatiana Regina Ignácio (BM&F Atletismo/SP-CAIXA). Ambos ficaram em quinto lugar no Campeonato Mundial.

Luís Eduardo Ambrósio será um dos representantes do Brasil nos 400m. No Mundial ele terminou em quinto lugar e bateu o recorde brasileiro, ao marcar 46.18.

Estádio Olímpico do Pará - Foi inaugurado com o Grande Prêmio Brasil de Atletismo, em 5 de maio deste ano. Na ocasião, mais de 40 mil pessoas foram ao estádio para ver as provas. A pista tem padrão internacional e deverá receber outras competições de atletismo no futuro, segundo integrantes do Governo do Pará e da CBAt.

Belém sedia Congresso Técnico de Atletismo

Atletismo · 30 jul, 2002

Técnicos e dirigentes participam a partir de 9 horas desta quarta-feira (01) no Hotel Sagres, em Belém, do Congresso Técnico para as provas de atletismo do 7º Jogos Sul-Americanos.

Estão hospedadas no local todas as delegações de atletismo que disputarão a competição, que neste ano é válida pelo Campeonato Sul-Americano Juvenil.

Os Jogos Sul-Americanos iniciam amanhã, dia 1º de agosto, tendo como local a pista de atletismo do Estádio Olímpico do Pará, que foi recentemente reformado para abrigar competições da modalidade. A disputa começa às 16h30 com a prova dos 100m rasos masculino do Decatlo e com a final do lançamento do martelo feminino.

O atletismo é a equipe com maior número de inscritos na delegação nacional para os Jogos Sul-Americanos, que neste ano são organizados pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB). A modalidade conta com 72 atletas, sendo 37 homens e 35 mulheres que chegaram na segunda-feira à capital paraense. No geral, o Brasil compete com 586 integrantes.

Além do atletismo em Belém, os Jogos Sul-Americanos também serão realizados até o dia 11 de agosto nas cidades de Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba, quando estarão em disputa outras 28 modalidades.

Vão disputar os Jogos, além do Brasil, também os países de Antilhas Holandesas, Argentina, Bolívia, Chile, Equador, Gyuana, Paraguai, Peru, Venezuela e Uruguai. Destes, somente a delegação das Antilhas não disputa oficialmente o Sul-Americano de Juvenis por não pertencer à Confederação Sul-Americana de Atletismo (Consudatle).


Belém sedia Congresso Técnico de Atletismo

Atletismo · 30 jul, 2002

Técnicos e dirigentes participam a partir de 9 horas desta quarta-feira (01) no Hotel Sagres, em Belém, do Congresso Técnico para as provas de atletismo do 7º Jogos Sul-Americanos.

Estão hospedadas no local todas as delegações de atletismo que disputarão a competição, que neste ano é válida pelo Campeonato Sul-Americano Juvenil.

Os Jogos Sul-Americanos iniciam amanhã, dia 1º de agosto, tendo como local a pista de atletismo do Estádio Olímpico do Pará, que foi recentemente reformado para abrigar competições da modalidade. A disputa começa às 16h30 com a prova dos 100m rasos masculino do Decatlo e com a final do lançamento do martelo feminino.

O atletismo é a equipe com maior número de inscritos na delegação nacional para os Jogos Sul-Americanos, que neste ano são organizados pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB). A modalidade conta com 72 atletas, sendo 37 homens e 35 mulheres que chegaram na segunda-feira à capital paraense. No geral, o Brasil compete com 586 integrantes.

Além do atletismo em Belém, os Jogos Sul-Americanos também serão realizados até o dia 11 de agosto nas cidades de Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba, quando estarão em disputa outras 28 modalidades.

Vão disputar os Jogos, além do Brasil, também os países de Antilhas Holandesas, Argentina, Bolívia, Chile, Equador, Gyuana, Paraguai, Peru, Venezuela e Uruguai. Destes, somente a delegação das Antilhas não disputa oficialmente o Sul-Americano de Juvenis por não pertencer à Confederação Sul-Americana de Atletismo (Consudatle).

Seleção Brasileira já está em Belém para o Sul-americano

Atletismo · 29 jul, 2002

A delegação brasileira de atletismo já está em Belém (PA) para a 7ª edição dos Jogos Sul-Americanos, competição organizada pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e que inicia na próxima quinta-feira (1º) no Estádio Olímpico do Pará.

A equipe nacional desembarcou na capital paraense otimista em manter a hegemonia de mais de 20 anos do atletismo brasileiro em competições no continente. Os Jogos serão válidos pelo Campeonato Sul-Americanos Juvenis da temporada.

O atletismo é a modalidade com maior número de atletas na delegação brasileira, competindo com 72 atletas – 37 homens e 35 mulheres – entre os 465 participantes do país para as várias modalidades em disputa.

A delegação é formada por atletas que disputaram neste mês o Campeonato Mundial de Atletismo Juvenil em Kingston, na Jamaica, quando o Brasil teve sua melhor participação em competições internacionais na categoria.

Já estão confirmadas, entre outros destaques do Brasil, as participações das atletas Keila Costa (Olympikus/Santos Dumont/PE-CAIXA), do salto triplo, e Juliana Paula Santos de Azevedo (BM & F Atletismo/SP-CAIXA), para os 800m rasos, que conquistaram as duas únicas medalhas de bronze da história do atletismo brasileiro em Mundiais.

Além do atletismo em Belém, os Jogos Sul-Americanos vão envolver disputas de 1º a 11 de agosto também nas cidades de Curitiba (PR), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP), totalizando 2.069 atletas de 14 delegações em 26 modalidades esportivas. Segundo o Comitê Olímpico Brasileiro, que é organizador dos Jogos, o evento vai movimentar 4.644 pessoas entre atletas, oficiais, árbitros, imprensa e integrantes do Comitê Organizador.


Seleção Brasileira já está em Belém para o Sul-americano

Atletismo · 29 jul, 2002

A delegação brasileira de atletismo já está em Belém (PA) para a 7ª edição dos Jogos Sul-Americanos, competição organizada pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e que inicia na próxima quinta-feira (1º) no Estádio Olímpico do Pará.

A equipe nacional desembarcou na capital paraense otimista em manter a hegemonia de mais de 20 anos do atletismo brasileiro em competições no continente. Os Jogos serão válidos pelo Campeonato Sul-Americanos Juvenis da temporada.

O atletismo é a modalidade com maior número de atletas na delegação brasileira, competindo com 72 atletas – 37 homens e 35 mulheres – entre os 465 participantes do país para as várias modalidades em disputa.

A delegação é formada por atletas que disputaram neste mês o Campeonato Mundial de Atletismo Juvenil em Kingston, na Jamaica, quando o Brasil teve sua melhor participação em competições internacionais na categoria.

Já estão confirmadas, entre outros destaques do Brasil, as participações das atletas Keila Costa (Olympikus/Santos Dumont/PE-CAIXA), do salto triplo, e Juliana Paula Santos de Azevedo (BM & F Atletismo/SP-CAIXA), para os 800m rasos, que conquistaram as duas únicas medalhas de bronze da história do atletismo brasileiro em Mundiais.

Além do atletismo em Belém, os Jogos Sul-Americanos vão envolver disputas de 1º a 11 de agosto também nas cidades de Curitiba (PR), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP), totalizando 2.069 atletas de 14 delegações em 26 modalidades esportivas. Segundo o Comitê Olímpico Brasileiro, que é organizador dos Jogos, o evento vai movimentar 4.644 pessoas entre atletas, oficiais, árbitros, imprensa e integrantes do Comitê Organizador.

Delegação brasileira nos Jogos Sul-Americanos

Atletismo · 26 jul, 2002

O Brasil vai competir com 72 atletas durante o 7º Jogos Sul-Americanos que serão disputados de 1º a 3 de agosto em Belém (PA). A delegação para a competição, que é válida pelo Campeonato Sul-Americano da categoria, foi definida durante o Campeonato Brasileiro Caixa de Atletismo de Juvenis realizado de 8 a 9 de junho em Maringá (PR).

A equipe brasileira contará com 37 homens e 35 mulheres. A expectativa é de que o Brasil mantenha sua hegemonia de mais de 20 anos no continente em mais esta competição sul-americana. O país conquistou o Campeonato Sul-Americano do ano passado, disputado em Santa Fé, na Argentina, garantindo 21 medalhas de ouro, 11 de prata e 13 de bronze.

O Brasil sediará a 7ª edição dos Jogos Sul-Americanos após desistência da Argentina e depois da Colômbia. O país disputou com o Chile e venceu em votação por 11 votos a 3. Além do atletismo em Belém, a competição vai envolver disputas de 1º a 11 de agosto também nas cidades de Curitiba (PR), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP).

A delegação tem atletas de destaque e que estão em ascensão no atletismo brasileiro. É o caso de Bruno Nascimento Pacheco (Vasco da Gama/RJ-CAIXA), que estabeleceu o novo recorde nacional da categoria para a prova dos 100m (10.43) e dos 200m (20.71) durante o Campeonato Brasileiro Caixa de Atletismo de Juvenis.

Em maio, no Grande Prêmio Brasil Caixa de Atletismo disputado em Belém, Bruno participou do revezamento 4 x 100 que ficou em primeiro lugar e também obteve a terceira colocação na prova dos 200m. No Mundial Juvenil realizado no final de semana em Kingston, na Jamaica, ele se destacou novamente ao fazer parte da equipe dos 4 x 100 que estabeceleu o novo recorde sul-americano para a prova.

Thiago Carahyba (BM & F Atletismo/SP-CAIXA), campeão Mundial de Menores em 1997 na Hungria no salto em distância, e Alessandra Picagevicz (Timbó/SC), recordista brasileira da Marcha Atlética em pista, estão confirmados.

Também fazem parte da delegação atletas como os amazonenses Danionison Pereira Sarkis, para o lançamento do martelo, e Mônica de Cássia Nascimento Freitas no revezamento 4 x 100m. Ambos fazem parte da equipe do São Raimundo (AM) e integram o Centro de Treinamento de Alto Nível (Cetan) de Manaus, projeto da Confederação Brasileira de Atletismo em parceria com a Confederação Sul-Americana da modalidade. Danionison conquistou no último final de semana, em Goiânia (GO), a medalha de ouro no lançamento do martelo durante os Jogos da Juventude.

A delegação será chefiada pelo pernambucano Warlindo Carneiro da Silva Filho, tendo como Treinador-chefe José Haroldo Loureiro Gomes (RS).


Delegação brasileira nos Jogos Sul-Americanos

Atletismo · 26 jul, 2002

O Brasil vai competir com 72 atletas durante o 7º Jogos Sul-Americanos que serão disputados de 1º a 3 de agosto em Belém (PA). A delegação para a competição, que é válida pelo Campeonato Sul-Americano da categoria, foi definida durante o Campeonato Brasileiro Caixa de Atletismo de Juvenis realizado de 8 a 9 de junho em Maringá (PR).

A equipe brasileira contará com 37 homens e 35 mulheres. A expectativa é de que o Brasil mantenha sua hegemonia de mais de 20 anos no continente em mais esta competição sul-americana. O país conquistou o Campeonato Sul-Americano do ano passado, disputado em Santa Fé, na Argentina, garantindo 21 medalhas de ouro, 11 de prata e 13 de bronze.

O Brasil sediará a 7ª edição dos Jogos Sul-Americanos após desistência da Argentina e depois da Colômbia. O país disputou com o Chile e venceu em votação por 11 votos a 3. Além do atletismo em Belém, a competição vai envolver disputas de 1º a 11 de agosto também nas cidades de Curitiba (PR), Rio de Janeiro (RJ) e São Paulo (SP).

A delegação tem atletas de destaque e que estão em ascensão no atletismo brasileiro. É o caso de Bruno Nascimento Pacheco (Vasco da Gama/RJ-CAIXA), que estabeleceu o novo recorde nacional da categoria para a prova dos 100m (10.43) e dos 200m (20.71) durante o Campeonato Brasileiro Caixa de Atletismo de Juvenis.

Em maio, no Grande Prêmio Brasil Caixa de Atletismo disputado em Belém, Bruno participou do revezamento 4 x 100 que ficou em primeiro lugar e também obteve a terceira colocação na prova dos 200m. No Mundial Juvenil realizado no final de semana em Kingston, na Jamaica, ele se destacou novamente ao fazer parte da equipe dos 4 x 100 que estabeceleu o novo recorde sul-americano para a prova.

Thiago Carahyba (BM & F Atletismo/SP-CAIXA), campeão Mundial de Menores em 1997 na Hungria no salto em distância, e Alessandra Picagevicz (Timbó/SC), recordista brasileira da Marcha Atlética em pista, estão confirmados.

Também fazem parte da delegação atletas como os amazonenses Danionison Pereira Sarkis, para o lançamento do martelo, e Mônica de Cássia Nascimento Freitas no revezamento 4 x 100m. Ambos fazem parte da equipe do São Raimundo (AM) e integram o Centro de Treinamento de Alto Nível (Cetan) de Manaus, projeto da Confederação Brasileira de Atletismo em parceria com a Confederação Sul-Americana da modalidade. Danionison conquistou no último final de semana, em Goiânia (GO), a medalha de ouro no lançamento do martelo durante os Jogos da Juventude.

A delegação será chefiada pelo pernambucano Warlindo Carneiro da Silva Filho, tendo como Treinador-chefe José Haroldo Loureiro Gomes (RS).