Cob_MeiaTribuna_2005

Técnico Valmir Nunes e seus pupilos: Uma história de sucesso

Caminhada · 28 nov, 2005

Valmir Nunes, bicampeão mundial dos 100 km e dono da melhor marca nas Américas em provas de 24 horas, teve seu trabalho reconhecido na 2ª Meia-Maratona A Tribuna-Praia Grande com seus dois pupilos, Sirlene e Geovane, subindo no degrau mais alto do pódio.

Sirlene começou a correr aos 12 anos de idade e costumava trabalhar de faxineira na casa de Valmir. A partir do nascimento de sua filha Beatriz, há cinco anos, começou a intensificar os treinamentos.

Já Geovane, era garçom, viu Valmir correndo nas areias da praia e pediu para treinar junto, iniciando uma parceria vitoriosa.
Um misto de pai e técnico durão, Valmir mantêm um grupo de mais de 50 atletas em Santos, denominado Ultra Nunes.

“Não dormi as duas últimas noites, por ansiedade. Estamos fazendo um trabalho bem profissional e pego no pé mesmo. Eu acredito no potencial deles e ponho na cabeça dos dois que eles podem vencer. Sei o quando é difícil chegar nesse nível. A gente sofre, mas está valendo a pena”, explica.

Outra ajuda considerável para o crescimento dos atletas é a de Pepe Altstut, proprietário da Memorial e patrocinador de diversos atletas, como triatleta Oscar Galindez e o judoca medalha de bronze em Atenas, Leandro Guilheiro.


Técnico Valmir Nunes e seus pupilos: Uma história de sucesso

Caminhada · 28 nov, 2005

Valmir Nunes, bicampeão mundial dos 100 km e dono da melhor marca nas Américas em provas de 24 horas, teve seu trabalho reconhecido na 2ª Meia-Maratona A Tribuna-Praia Grande com seus dois pupilos, Sirlene e Geovane, subindo no degrau mais alto do pódio.

Sirlene começou a correr aos 12 anos de idade e costumava trabalhar de faxineira na casa de Valmir. A partir do nascimento de sua filha Beatriz, há cinco anos, começou a intensificar os treinamentos.

Já Geovane, era garçom, viu Valmir correndo nas areias da praia e pediu para treinar junto, iniciando uma parceria vitoriosa.
Um misto de pai e técnico durão, Valmir mantêm um grupo de mais de 50 atletas em Santos, denominado Ultra Nunes.

“Não dormi as duas últimas noites, por ansiedade. Estamos fazendo um trabalho bem profissional e pego no pé mesmo. Eu acredito no potencial deles e ponho na cabeça dos dois que eles podem vencer. Sei o quando é difícil chegar nesse nível. A gente sofre, mas está valendo a pena”, explica.

Outra ajuda considerável para o crescimento dos atletas é a de Pepe Altstut, proprietário da Memorial e patrocinador de diversos atletas, como triatleta Oscar Galindez e o judoca medalha de bronze em Atenas, Leandro Guilheiro.

2ª Meia Maratona A Tribuna-Praia Grande tem dobradinha santista

Atletismo · 28 nov, 2005

Os companheiros de casa Geovane de Jesus Santos e Sirlene Souza de Pinho venceram a prova realizada no último domingo (27), para alegria do público e do técnico Valmir Nunes.

Geovane, natural de Sergipe, completou os 21.097 metros do percurso em 1 hora e 6 minutos, deixando para trás o queniano Charles Korir, que cruzou em segundo há apenas 45 segundos atrás. O ex-garçom, de 26 anos, disse após a prova: “Vim para cá para ir para cima, mas não esperava ganhar. Estou muito feliz”. Completou o pódio ainda, Fernando Sílvio dos Santos, com 1 hora e 7 minutos.

Já no feminino, Sirlene não deu chance aos adversários e venceu com tranqüilidade marcando 1 hora e 16 minutos, quase 2 minutos à frente da segunda colocada, a paranaense Luzia de Souza Pinto. Após a vitória, a baiana radicada em Santos há 12 anos, comentou: “Pensei que ia ser mais difícil. Não forcei, porque tenho a Volta da Pampulha na semana que vem e vim tranqüila. Foi ótimo vencer aqui, que é praticamente em casa”. A atleta é a atual número 1 do ranking brasileiro nessa distância.

A disputa masculina começou com o queniano à frente, sempre com um ritmo muito forte e liderando de forma isolada até o km 12. Geovane, que já tinha como estratégia “atacar” quem saísse forte, começou a aumentar o ritmo a partir da metade da prova até alcançar Korir. A partir daí, esbanjou preparo físico e, após forçar três vezes, abriu vantagem na última reta e cruzou em primeiro. “Cutuquei e ele não veio. Daí fui apertando. Devo muito isso ao Valmir Nunes e ao Seu Pepe (patrocinador), que me apoiaram muito. E claro, a esse povo maravilhoso”.

Charles Korir admitiu ter errado na estratégia de forçar muito desde o início e comentou a prova: “O calor complicou o meu desempenho e o Geovane foi mais rápido do que eu e teve um desempenho mais eficiente nos quilômetros finais”.

O mineiro Fernando Silvio dos Santos, 3º colocado, com 1 hora e 7 minutos, também comemorou. “Foi uma prova muito dura. O vento contra atrapalhou bem. Sou um atleta que vem de trás e até achei que daria para vencer, mas o campeão foi muito rápido”.

No feminino, Sirlene deixou os outros competidores comendo areia, abrindo vantagem a partir do terceiro quilômetro. “Eu abri e fui tranquila. Até porque o meu ex-cunhado (Alexandre) e a minha filha (Beatriz) iam me informando que eu estava com boa folga. Não precisei forçar, mas se tivesse alguém correndo forte, eu iria junto”. A atleta, de 29 anos, vem se preparando para duas importantes competições, a Volta da Pampulha e a São Silvestre.

Luiza Pinto, segunda colocada com 1 hora e 18 minutos, comentou o desempenho de Sirlene “Ela está um nível acima. Não adianta ir com ela, que vai quebrar. Já esperava esse desempenho dela”.

Alberto Mourão, prefeito de Praia Grande, comentou: “É muito gratificante ver o público radiante e uma festa esportiva deste porte, com pessoas de todo o Brasil e até do exterior. Estamos investindo no esporte e em 2007 teremos os Jogos Abertos do Interior na Cidade. A expectativa é de sempre melhorar”.

Ao todo a prova contou com 1946 atletas cruzando a linha de chegada, sempre sob um sol forte e vento contra, na segunda metade do percurso, feita em trecho plano. Entre os caminhantes, o prefeito de Praia Grande foi o primeiro a completar os 3 km.


2ª Meia Maratona A Tribuna-Praia Grande tem dobradinha santista

Atletismo · 28 nov, 2005

Os companheiros de casa Geovane de Jesus Santos e Sirlene Souza de Pinho venceram a prova realizada no último domingo (27), para alegria do público e do técnico Valmir Nunes.

Geovane, natural de Sergipe, completou os 21.097 metros do percurso em 1 hora e 6 minutos, deixando para trás o queniano Charles Korir, que cruzou em segundo há apenas 45 segundos atrás. O ex-garçom, de 26 anos, disse após a prova: “Vim para cá para ir para cima, mas não esperava ganhar. Estou muito feliz”. Completou o pódio ainda, Fernando Sílvio dos Santos, com 1 hora e 7 minutos.

Já no feminino, Sirlene não deu chance aos adversários e venceu com tranqüilidade marcando 1 hora e 16 minutos, quase 2 minutos à frente da segunda colocada, a paranaense Luzia de Souza Pinto. Após a vitória, a baiana radicada em Santos há 12 anos, comentou: “Pensei que ia ser mais difícil. Não forcei, porque tenho a Volta da Pampulha na semana que vem e vim tranqüila. Foi ótimo vencer aqui, que é praticamente em casa”. A atleta é a atual número 1 do ranking brasileiro nessa distância.

A disputa masculina começou com o queniano à frente, sempre com um ritmo muito forte e liderando de forma isolada até o km 12. Geovane, que já tinha como estratégia “atacar” quem saísse forte, começou a aumentar o ritmo a partir da metade da prova até alcançar Korir. A partir daí, esbanjou preparo físico e, após forçar três vezes, abriu vantagem na última reta e cruzou em primeiro. “Cutuquei e ele não veio. Daí fui apertando. Devo muito isso ao Valmir Nunes e ao Seu Pepe (patrocinador), que me apoiaram muito. E claro, a esse povo maravilhoso”.

Charles Korir admitiu ter errado na estratégia de forçar muito desde o início e comentou a prova: “O calor complicou o meu desempenho e o Geovane foi mais rápido do que eu e teve um desempenho mais eficiente nos quilômetros finais”.

O mineiro Fernando Silvio dos Santos, 3º colocado, com 1 hora e 7 minutos, também comemorou. “Foi uma prova muito dura. O vento contra atrapalhou bem. Sou um atleta que vem de trás e até achei que daria para vencer, mas o campeão foi muito rápido”.

No feminino, Sirlene deixou os outros competidores comendo areia, abrindo vantagem a partir do terceiro quilômetro. “Eu abri e fui tranquila. Até porque o meu ex-cunhado (Alexandre) e a minha filha (Beatriz) iam me informando que eu estava com boa folga. Não precisei forçar, mas se tivesse alguém correndo forte, eu iria junto”. A atleta, de 29 anos, vem se preparando para duas importantes competições, a Volta da Pampulha e a São Silvestre.

Luiza Pinto, segunda colocada com 1 hora e 18 minutos, comentou o desempenho de Sirlene “Ela está um nível acima. Não adianta ir com ela, que vai quebrar. Já esperava esse desempenho dela”.

Alberto Mourão, prefeito de Praia Grande, comentou: “É muito gratificante ver o público radiante e uma festa esportiva deste porte, com pessoas de todo o Brasil e até do exterior. Estamos investindo no esporte e em 2007 teremos os Jogos Abertos do Interior na Cidade. A expectativa é de sempre melhorar”.

Ao todo a prova contou com 1946 atletas cruzando a linha de chegada, sempre sob um sol forte e vento contra, na segunda metade do percurso, feita em trecho plano. Entre os caminhantes, o prefeito de Praia Grande foi o primeiro a completar os 3 km.