Amazônia

Run4Amazonia: desafios virtuais em prol da preservação da floresta, veja como participar

Desafio · 30 mar, 2021

As notícias sobre a devastação da Floresta Amazônica estão cada vez mais frequentes e em evidência global. No ano passado, a região registrou recordes de focos de incêndio e de área desmatada. Segundo o INPE, cerca de 11,1 mil km² […]


Run4Amazonia: desafios virtuais em prol da preservação da floresta, veja como participar

Desafio · 30 mar, 2021

As notícias sobre a devastação da Floresta Amazônica estão cada vez mais frequentes e em evidência global. No ano passado, a região registrou recordes de focos de incêndio e de área desmatada. Segundo o INPE, cerca de 11,1 mil km² […]

Confira as novidades da Maratona de Manaus 2020

Maratona · 19 mar, 2020

A Cosan, conglomerado brasileiro com atuação em energia e logística, é a nova patrocinadora da Maratona de Manaus 2020. A prova será realizada no dia 22 de novembro, e que para esta edição terá novidades nos percursos. Além das provas […]


Confira as novidades da Maratona de Manaus 2020

Maratona · 19 mar, 2020

A Cosan, conglomerado brasileiro com atuação em energia e logística, é a nova patrocinadora da Maratona de Manaus 2020. A prova será realizada no dia 22 de novembro, e que para esta edição terá novidades nos percursos. Além das provas […]

Maratona Internacional de Manaus está com inscrições abertas

Inscrições · 19 set, 2019

A segunda edição da Maratona Internacional de Manaus, que acontece no dia 17 de novembro, com percursos de 42km, 21km, 10km e 5km, está com inscrições abertas e oferece aos corredores a oportunidade de viver a experiência amazônica. As inscrições […]


Maratona Internacional de Manaus está com inscrições abertas

Inscrições · 19 set, 2019

A segunda edição da Maratona Internacional de Manaus, que acontece no dia 17 de novembro, com percursos de 42km, 21km, 10km e 5km, está com inscrições abertas e oferece aos corredores a oportunidade de viver a experiência amazônica. As inscrições […]

Liege Souza volta ao XTerra na Amazônia, após um ano parada por lesão

Triathlon · 14 jun, 2011

Liege Carolina de Souza à primeira vista pode enganar muitos desavisados: de rosto angelical, jeito delicado e maquiagem sempre em dia, ela mostra toda sua força quando entra numa competição de triathlon. Após um ano parada por conta de lesão e outros problemas pessoais, ela retornou oficialmente no último sábado (11/06) durante o XTerra Brasil, na Floresta Amazônica.

Correndo na categoria elite, a jovem de 23 anos havia disputado sua última prova justamente na etapa amazônica do XTerra há um ano. “Dessa vez achei mais difícil, fiz mais força, mas essa competição é incrível e virei aqui em todas as edições”, garante a triatleta que divide o tempo entre os treinos e estudos.

Exímia nadadora, ela ainda busca melhorar nas outras modalidades e se deparou com diversos obstáculos ao longo do percurso de bike, como um atoleiro que derrubou alguns atletas. “Eu pensei que fosse cair, mas dei um jeitinho e consegui passar bem”. Já na corrida, a travessia de um igarapé passou de adversidade para momento de descanso. “A água vinha praticamente até a cabeça, então eu nadei para descansar as pernas”.

Com um uniforme cor de rosa e a maquiagem sempre feita, ela chegou a ser apelidada de “Barbie” por algumas pessoas que acompanhavam a prova, mas ao longo do percurso deixou muitos marmanjos para trás e chegou em sétimo lugar entre as mulheres, com 3h44min44. “A selva também tem seu charme. O esporte já é tão masculino, a gente se suja toda na lama, então acho que um pouco de feminilidade é importante”, ressalta Liege, que compete desde 2007 e já foi terceira colocada na categoria 20 a 24 anos do Xterra Mundial, no Havaí.

Confiança - Por conta da lesão após a prova do ano passado, Liege perdeu um pouco do ritmo de provas, mas garante que a partir de agora voltará a brigar pelas primeiras posições com as rivais. “Ainda sou nova e acredito que tenho potencial para evoluir e chegar à frente das meninas”, garante a catarinense radicada em Belo Horizonte.


Liege Souza volta ao XTerra na Amazônia, após um ano parada por lesão

Triathlon · 14 jun, 2011

Liege Carolina de Souza à primeira vista pode enganar muitos desavisados: de rosto angelical, jeito delicado e maquiagem sempre em dia, ela mostra toda sua força quando entra numa competição de triathlon. Após um ano parada por conta de lesão e outros problemas pessoais, ela retornou oficialmente no último sábado (11/06) durante o XTerra Brasil, na Floresta Amazônica.

Correndo na categoria elite, a jovem de 23 anos havia disputado sua última prova justamente na etapa amazônica do XTerra há um ano. “Dessa vez achei mais difícil, fiz mais força, mas essa competição é incrível e virei aqui em todas as edições”, garante a triatleta que divide o tempo entre os treinos e estudos.

Exímia nadadora, ela ainda busca melhorar nas outras modalidades e se deparou com diversos obstáculos ao longo do percurso de bike, como um atoleiro que derrubou alguns atletas. “Eu pensei que fosse cair, mas dei um jeitinho e consegui passar bem”. Já na corrida, a travessia de um igarapé passou de adversidade para momento de descanso. “A água vinha praticamente até a cabeça, então eu nadei para descansar as pernas”.

Com um uniforme cor de rosa e a maquiagem sempre feita, ela chegou a ser apelidada de “Barbie” por algumas pessoas que acompanhavam a prova, mas ao longo do percurso deixou muitos marmanjos para trás e chegou em sétimo lugar entre as mulheres, com 3h44min44. “A selva também tem seu charme. O esporte já é tão masculino, a gente se suja toda na lama, então acho que um pouco de feminilidade é importante”, ressalta Liege, que compete desde 2007 e já foi terceira colocada na categoria 20 a 24 anos do Xterra Mundial, no Havaí.

Confiança - Por conta da lesão após a prova do ano passado, Liege perdeu um pouco do ritmo de provas, mas garante que a partir de agora voltará a brigar pelas primeiras posições com as rivais. “Ainda sou nova e acredito que tenho potencial para evoluir e chegar à frente das meninas”, garante a catarinense radicada em Belo Horizonte.

Secretário de esportes de Manaus completa XTerra após correr o Ironman

Triathlon · 13 jun, 2011

Direto de Manaus - Muitos políticos adoram fazer belos discursos sobre os mais variados temas, mas poucos mostram para a população na prática o que querem dizer. Um desses raros exemplos é Fabrício Lima, Secretário de Esportes de Manaus, que além de ter lutado para trazer a etapa Global Tour do XTerra Brasil para sua cidade, também completou a disputa duas semanas depois de finalizar o Ironman Brasil.

Em 2010 a capital amazonense recebeu uma etapa regional do Circuito Xterra e, desde então, Fabrício não mediu esforços para transformar a prova na etapa brasileira do Mundial da categoria, privilégio que pertencia à cidade de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. “Eu me aproximei do Bernardo [Fonseca, diretor do evento], viajamos juntos às várias cidades que recebem o XTerra, corri com ele na Orla do Rio de Janeiro, onde mora, enfim, fiz de tudo para que a nossa cidade pudesse sediar a disputa”, relata Fabrício.

O amazonense sempre praticou esportes e, quando entrou para a Secretaria, trouxe sua experiência de atleta para proporcionar benefícios à população. “Não adianta apenas a gente pedir que as pessoas pratiquem atividade física, se não dermos o exemplo”, ressalta.

O Secretário disputou os 3,8 quilômetros de natação, 180 de bike e 42 de corrida do Ironman Brasil no último dia 29 em Florianópolis e, duas semanas depois estava pronto para o XTerra na Base de Instrução número quatro do Exército Brasileiro. “Para mim foi uma emoção muito grande. Acho que botei mais água no Rio Negro de tanto que eu chorei”, conta emocionado. “Muitas pessoas vieram para minha cidade e não tem preço saber que Manaus está se tornando uma grande capital do esporte”, completa.

O XTerra Amazônia teve 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida, percorridos por Fabrício com muito esforço, já que ele está com uma lesão no joelho. Mesmo debilitado ele seguiu em frente e ainda ajudou um competidor, que estava com dificuldades durante o percurso. “Disse a ele que na selva ninguém fica para trás e viemos cantando algumas músicas aprendidas no Exército até cruzar a linha de chegada”.

Numa época em que tanto se fala de sustentabilidade e proteção da Floresta Amazônica, nada melhor do que conhecer para preservar. “Tenho certeza que todos que vieram aqui hoje se tornaram defensores da Amazônia e certamente ano que vem esse número vai aumentar”.

E por falar em ano que vem, apesar de ainda não confirmada a etapa Global na Amazônia, se depender de Fabrício a prova terá uma longa vida pela frente. “Dificilmente o XTerra sairá de Manaus, pois nossa cidade alia perfeitamente o esporte com o meio ambiente”.


Secretário de esportes de Manaus completa XTerra após correr o Ironman

Triathlon · 13 jun, 2011

Direto de Manaus - Muitos políticos adoram fazer belos discursos sobre os mais variados temas, mas poucos mostram para a população na prática o que querem dizer. Um desses raros exemplos é Fabrício Lima, Secretário de Esportes de Manaus, que além de ter lutado para trazer a etapa Global Tour do XTerra Brasil para sua cidade, também completou a disputa duas semanas depois de finalizar o Ironman Brasil.

Em 2010 a capital amazonense recebeu uma etapa regional do Circuito Xterra e, desde então, Fabrício não mediu esforços para transformar a prova na etapa brasileira do Mundial da categoria, privilégio que pertencia à cidade de Angra dos Reis, no Rio de Janeiro. “Eu me aproximei do Bernardo [Fonseca, diretor do evento], viajamos juntos às várias cidades que recebem o XTerra, corri com ele na Orla do Rio de Janeiro, onde mora, enfim, fiz de tudo para que a nossa cidade pudesse sediar a disputa”, relata Fabrício.

O amazonense sempre praticou esportes e, quando entrou para a Secretaria, trouxe sua experiência de atleta para proporcionar benefícios à população. “Não adianta apenas a gente pedir que as pessoas pratiquem atividade física, se não dermos o exemplo”, ressalta.

O Secretário disputou os 3,8 quilômetros de natação, 180 de bike e 42 de corrida do Ironman Brasil no último dia 29 em Florianópolis e, duas semanas depois estava pronto para o XTerra na Base de Instrução número quatro do Exército Brasileiro. “Para mim foi uma emoção muito grande. Acho que botei mais água no Rio Negro de tanto que eu chorei”, conta emocionado. “Muitas pessoas vieram para minha cidade e não tem preço saber que Manaus está se tornando uma grande capital do esporte”, completa.

O XTerra Amazônia teve 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida, percorridos por Fabrício com muito esforço, já que ele está com uma lesão no joelho. Mesmo debilitado ele seguiu em frente e ainda ajudou um competidor, que estava com dificuldades durante o percurso. “Disse a ele que na selva ninguém fica para trás e viemos cantando algumas músicas aprendidas no Exército até cruzar a linha de chegada”.

Numa época em que tanto se fala de sustentabilidade e proteção da Floresta Amazônica, nada melhor do que conhecer para preservar. “Tenho certeza que todos que vieram aqui hoje se tornaram defensores da Amazônia e certamente ano que vem esse número vai aumentar”.

E por falar em ano que vem, apesar de ainda não confirmada a etapa Global na Amazônia, se depender de Fabrício a prova terá uma longa vida pela frente. “Dificilmente o XTerra sairá de Manaus, pois nossa cidade alia perfeitamente o esporte com o meio ambiente”.

Australiano e Austríaca vencem XTerra Brasil na Selva Amazônica

Triathlon · 12 jun, 2011

“Sobrepujai todos os vossos oponentes! (...) E dai-nos também Senhor/ A esperança e a certeza do retorno/ Mas, se defendendo esta brasileira Amazônia/ Tivermos que perecer, ó Deus!/ Que o façamos com dignidade/ E mereçamos a vitória! SELVA!”. Com essas palavras, a oração do Guerreiro de Selva da Amazônia, começou a edição 2011 do XTerra Global Tour no sábado (11/06), prova com 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida no coração da maior floresta tropical do mundo.

Direto de Manaus - Atletas do Brasil e também de outros países estiveram presentes no evento, que começou e terminou sob muito calor e alta umidade nos arredores da Base de Instrução número quatro do Exército Brasileiro, em Manaus (AM). As condições climáticas adversas não favoreceram os competidores locais e nem os brasileiros acostumados a disputar etapas do XTerra, já que a vitória ficou com Benjamin Allen (Austrália) e Carina Wasle (Áustria).

O tiro de partida foi dado com um explosivo aquático às 7h, momento em que cerca de 500 triatletas saíram para a natação num afluente do Rio Negro. Depois de contornar as bóias eles seguiram rumo à bike, onde foram desafiados por muita lama na estrada de terra principal e pela alta umidade no interior da selva, no trecho de single track.

Neste momento o calor aumentava o desgaste do triatletas, que ainda tinham todo o trecho de corrida pela frente, com algumas surpresas. No começo da empreitada era necessário atravessar um trecho de água a nado, algo que agradou a maioria dos desgastados guerreiros.

Campeões - Ao final, Benjamin cruzou a linha de chegada com o tempo de 2h27min09 e disse que o calor não foi um adversário. “O clima aqui é muito parecido com da Austrália, então estou acostumado com o calor e alta umidade”, relata. Em sua primeira visita ao Brasil, ele se disse muito contente em poder conhecer a Floresta Amazônica. “É uma sensação incrível, gostei muito”.

Ele saiu da água na segunda colocação, mas alcançou a liderança no trecho de bike e não foi mais alcançado. “Na corrida eu tropecei em alguns galhos e arranhei o pé, mas nada que comprometesse o desempenho final”, garante.


O brasileiro Felipe Moletta, que marcou o tempo de 2h29min36, foi o vice-campeão. “Foi uma superação total, pois a prova é muito dura. Mas valeu estar na Selva”. Ele conta ainda que fez muito esforço para chegar entre os três melhores. “Pensei que não fosse conseguir, porque o Sam Garder saiu muito forte para a corrida, mas consegui ultrapassá-lo no trecho final”.

O britânico Sam Gardner marcou 2h31min04 par alcançar o terceiro posto. “A organização da prova foi muito boa e adorei a experiência de conhecer uma base militar no meio da Floresta Amazônica. Esse foi um XTerra totalmente diferente de outros que eu já tinha corrido”. Ele conta também que o calor foi o maior desafio e o pequeno rio no meio da corrida foi um bom refresco. “Tive uma natação ruim, perdi algum tempo na transição para a bike, mas fiquei feliz com o resultado. Viajei muitas horas para chegar aqui”. Sam diz ainda que esse foi seu último XTerra do ano, já que a partir de agora vai se dedicar às longas distâncias. “Antes disso vou tirar uma semana de folga no Rio de Janeiro”.

Entre as mulheres, a austríaca Carina Wasle correu praticamente de ponta a ponta até marcar 2h52min33. “Gostei bastante do trecho de natação e ficava imaginando se algum peixe ia nos atacar”, brinca a atleta de 26 anos. “Fiz a prova da mesma forma como me dedico aos treinamentos e foi muito divertido”.

A segunda colocada foi a brasileira Sabrina Gobbo, que travou uma disputa acirrada com a terceira colocada, Manuela Vilaseca. “Tentei sair da natação na cola da Carla Prada, mas ela é muito boa na água e não consegui. Depois vi a Manuela, saímos juntas na transição, eu abri no primeiro single track, mas ela saiu na minha frente na transição para a corrida”. Sabrina ultrapassou a concorrente na travessia do igarapé e depois abriu para completar com o tempo de 3h14min39.

A terceira colocada, Manuela, veio preparada para encarar fortes desafios. “Eu já sabia que a prova seria dura por conta do clima e pelas fortes concorrentes, então eu vim com a faca nos dentes para buscar o primeiro lugar”, relata. “A disputa foi incrível e maior do que eu imaginava, já que eu e a Sabrina estivemos próximas o tempo todo, sem tempo para respirar”. Ela chegou a se sentir mal durante o começo da corrida e o igarapé serviu para refrescar o corpo. “Tive vontade de ficar lá, mas foi nessa hora que a Sabrina me ultrapassou”.

Os atletas foram recebidos logo cedo pelo Coronel Palaia, comandante do Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs) e pelos demais militares do quartel. Alguns mais aventureiros passaram a noite na selva no dia anterior e aprenderam algumas técnicas de sobrevivência.

Após o término da competição foi servido um almoço na base, antes do retorno à cidade. A etapa da Amazônia do XTerra ofereceu 34 vagas para o mundial da categoria, no Havaí, o que levou muitos atletas a acordarem cedo no domingo (12/06) para garantir a vaga.

A próxima competição do XTerra acontecerá no dia 13/08 na cidade de Angra dos Reis (RJ), com a etapa Costa Verde. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas no site oficial, o www.xterrabrasil.com.br.


Australiano e Austríaca vencem XTerra Brasil na Selva Amazônica

Triathlon · 12 jun, 2011

“Sobrepujai todos os vossos oponentes! (...) E dai-nos também Senhor/ A esperança e a certeza do retorno/ Mas, se defendendo esta brasileira Amazônia/ Tivermos que perecer, ó Deus!/ Que o façamos com dignidade/ E mereçamos a vitória! SELVA!”. Com essas palavras, a oração do Guerreiro de Selva da Amazônia, começou a edição 2011 do XTerra Global Tour no sábado (11/06), prova com 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida no coração da maior floresta tropical do mundo.

Direto de Manaus - Atletas do Brasil e também de outros países estiveram presentes no evento, que começou e terminou sob muito calor e alta umidade nos arredores da Base de Instrução número quatro do Exército Brasileiro, em Manaus (AM). As condições climáticas adversas não favoreceram os competidores locais e nem os brasileiros acostumados a disputar etapas do XTerra, já que a vitória ficou com Benjamin Allen (Austrália) e Carina Wasle (Áustria).

O tiro de partida foi dado com um explosivo aquático às 7h, momento em que cerca de 500 triatletas saíram para a natação num afluente do Rio Negro. Depois de contornar as bóias eles seguiram rumo à bike, onde foram desafiados por muita lama na estrada de terra principal e pela alta umidade no interior da selva, no trecho de single track.

Neste momento o calor aumentava o desgaste do triatletas, que ainda tinham todo o trecho de corrida pela frente, com algumas surpresas. No começo da empreitada era necessário atravessar um trecho de água a nado, algo que agradou a maioria dos desgastados guerreiros.

Campeões - Ao final, Benjamin cruzou a linha de chegada com o tempo de 2h27min09 e disse que o calor não foi um adversário. “O clima aqui é muito parecido com da Austrália, então estou acostumado com o calor e alta umidade”, relata. Em sua primeira visita ao Brasil, ele se disse muito contente em poder conhecer a Floresta Amazônica. “É uma sensação incrível, gostei muito”.

Ele saiu da água na segunda colocação, mas alcançou a liderança no trecho de bike e não foi mais alcançado. “Na corrida eu tropecei em alguns galhos e arranhei o pé, mas nada que comprometesse o desempenho final”, garante.


O brasileiro Felipe Moletta, que marcou o tempo de 2h29min36, foi o vice-campeão. “Foi uma superação total, pois a prova é muito dura. Mas valeu estar na Selva”. Ele conta ainda que fez muito esforço para chegar entre os três melhores. “Pensei que não fosse conseguir, porque o Sam Garder saiu muito forte para a corrida, mas consegui ultrapassá-lo no trecho final”.

O britânico Sam Gardner marcou 2h31min04 par alcançar o terceiro posto. “A organização da prova foi muito boa e adorei a experiência de conhecer uma base militar no meio da Floresta Amazônica. Esse foi um XTerra totalmente diferente de outros que eu já tinha corrido”. Ele conta também que o calor foi o maior desafio e o pequeno rio no meio da corrida foi um bom refresco. “Tive uma natação ruim, perdi algum tempo na transição para a bike, mas fiquei feliz com o resultado. Viajei muitas horas para chegar aqui”. Sam diz ainda que esse foi seu último XTerra do ano, já que a partir de agora vai se dedicar às longas distâncias. “Antes disso vou tirar uma semana de folga no Rio de Janeiro”.

Entre as mulheres, a austríaca Carina Wasle correu praticamente de ponta a ponta até marcar 2h52min33. “Gostei bastante do trecho de natação e ficava imaginando se algum peixe ia nos atacar”, brinca a atleta de 26 anos. “Fiz a prova da mesma forma como me dedico aos treinamentos e foi muito divertido”.

A segunda colocada foi a brasileira Sabrina Gobbo, que travou uma disputa acirrada com a terceira colocada, Manuela Vilaseca. “Tentei sair da natação na cola da Carla Prada, mas ela é muito boa na água e não consegui. Depois vi a Manuela, saímos juntas na transição, eu abri no primeiro single track, mas ela saiu na minha frente na transição para a corrida”. Sabrina ultrapassou a concorrente na travessia do igarapé e depois abriu para completar com o tempo de 3h14min39.

A terceira colocada, Manuela, veio preparada para encarar fortes desafios. “Eu já sabia que a prova seria dura por conta do clima e pelas fortes concorrentes, então eu vim com a faca nos dentes para buscar o primeiro lugar”, relata. “A disputa foi incrível e maior do que eu imaginava, já que eu e a Sabrina estivemos próximas o tempo todo, sem tempo para respirar”. Ela chegou a se sentir mal durante o começo da corrida e o igarapé serviu para refrescar o corpo. “Tive vontade de ficar lá, mas foi nessa hora que a Sabrina me ultrapassou”.

Os atletas foram recebidos logo cedo pelo Coronel Palaia, comandante do Centro de Instrução de Guerra na Selva (Cigs) e pelos demais militares do quartel. Alguns mais aventureiros passaram a noite na selva no dia anterior e aprenderam algumas técnicas de sobrevivência.

Após o término da competição foi servido um almoço na base, antes do retorno à cidade. A etapa da Amazônia do XTerra ofereceu 34 vagas para o mundial da categoria, no Havaí, o que levou muitos atletas a acordarem cedo no domingo (12/06) para garantir a vaga.

A próxima competição do XTerra acontecerá no dia 13/08 na cidade de Angra dos Reis (RJ), com a etapa Costa Verde. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas no site oficial, o www.xterrabrasil.com.br.

Atletas de elite confirmam presença no XTerra Global Tour, em Manaus

Triathlon · 06 jun, 2011

No próximo sábado (11/06) centenas de triatletas terão pela frente os desafios da Selva Amazônica na etapa Global Tour do XTerra Brasil, em Manaus (AM). Diversos competidores da elite já confirmaram presença na disputa que terá 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida.

Felipe Moletta, Cristian Cruz, Cid Florêncio, Newton Leitão e Lucas Leite compõem o time masculino do Brasil. "Estou em falta com meus treinos, pois no sul tem feito muito frio, uma média de 7°C, mas estou preparado”, relata Felipe Moletta, terceiro colocado no Ranking do ano passado. “Mesmo com poucos treinos estou bem fisicamente e pronto para a disputa. Não conheço o percurso e estou com grandes expectativas”, completa o paranaense.

Além dos nomes já citados, o maior destaque fica pela presença de Alexandre Ribeiro, especialista em provas de longa distância. O carioca é tetracampeão do Ultraman, prova com dez quilômetros de natação, 421 de bike e 84 de corrida.

No feminino estão confirmados os nomes de Luzia Bello, Manuela Vilaseca, Sabrina Gobbo e Carla Prada. "Estou treinando bastante. Espero ficar em primeiro entre as brasileiras, pois sei que o ní¬vel das atletas internacionais no pedal é altí¬ssimo e faz com que elas abram um bom tempo na nossa frente" relata Luzia Bello, lí¬der do ranking ano passado.

Entre os atletas internacionais, representantes da Argentina, Áustria, África do Sul, Colômbia, Guiana Francesa, Grã Bretanha, Itália, Inglaterra e França lutarão por uma vaga na final da disputa, no Havaí. Além do triathlon, serão realizadas mais duas provas: a Night Run, corrida noturna com cinco ou dez quilômetros de distância pelas trilhas da Base de Instrução Exército e a Kids Running, uma corrida com distâncias variadas, aberta a crianças com idades de um a 12 anos.


Atletas de elite confirmam presença no XTerra Global Tour, em Manaus

Triathlon · 06 jun, 2011

No próximo sábado (11/06) centenas de triatletas terão pela frente os desafios da Selva Amazônica na etapa Global Tour do XTerra Brasil, em Manaus (AM). Diversos competidores da elite já confirmaram presença na disputa que terá 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida.

Felipe Moletta, Cristian Cruz, Cid Florêncio, Newton Leitão e Lucas Leite compõem o time masculino do Brasil. "Estou em falta com meus treinos, pois no sul tem feito muito frio, uma média de 7°C, mas estou preparado”, relata Felipe Moletta, terceiro colocado no Ranking do ano passado. “Mesmo com poucos treinos estou bem fisicamente e pronto para a disputa. Não conheço o percurso e estou com grandes expectativas”, completa o paranaense.

Além dos nomes já citados, o maior destaque fica pela presença de Alexandre Ribeiro, especialista em provas de longa distância. O carioca é tetracampeão do Ultraman, prova com dez quilômetros de natação, 421 de bike e 84 de corrida.

No feminino estão confirmados os nomes de Luzia Bello, Manuela Vilaseca, Sabrina Gobbo e Carla Prada. "Estou treinando bastante. Espero ficar em primeiro entre as brasileiras, pois sei que o ní¬vel das atletas internacionais no pedal é altí¬ssimo e faz com que elas abram um bom tempo na nossa frente" relata Luzia Bello, lí¬der do ranking ano passado.

Entre os atletas internacionais, representantes da Argentina, Áustria, África do Sul, Colômbia, Guiana Francesa, Grã Bretanha, Itália, Inglaterra e França lutarão por uma vaga na final da disputa, no Havaí. Além do triathlon, serão realizadas mais duas provas: a Night Run, corrida noturna com cinco ou dez quilômetros de distância pelas trilhas da Base de Instrução Exército e a Kids Running, uma corrida com distâncias variadas, aberta a crianças com idades de um a 12 anos.

Circuito XTerra 2011 chega à selva Amazônica no dia 11 de junho

Triathlon · 16 maio, 2011

No dia 11 de junho, os principais triatletas do Brasil e do mundo vão enfrentar os desafios da Selva Amazônica no XTerra Amazon. A etapa, válida para o Circuito Mundial de Trithlon Cross Country (XTerra Globar Tour), faz parte do circuito brasileiro da modalidade e vale vaga para a final, no Havaí, em novembro. A prova na Amazônia será a segunda de 11 programadas no país durante o ano e será realizada dentro do Centro de Instrução de Guerra na Selva do Exército Brasileiro (CIGS).

Antes da disputa pelas 35 vagas para o Mundial no Havaí, 330 triatletas terão a oportunidade de passar a noite em redes na mata, na Base de Instrução 4 (BI4), dentro do “Quadrado Maldito”, área de treinamento do exército. Os atletas serão apelidados de Mundurukus (formigas vermelhas) e receberão instrução dos militares para sobrevivência na selva. "Os atletas terão a grande oportunidade de conhecer um dos mais belos e exuberantes ambientes naturais do planeta, a Amazônia brasileira. Tenho a plena convicção de que os participantes do evento jamais esquecerão esta grande aventura”, diz o General Mattos, do Comando Militar da Amazônia.

Para os Mundurukus a aventura começará às oito horas, com largada no Rio Amazonas, para 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida nas estradas de terra e trilhas de selva fechada.

O sócio da X3M Sports Business, Bernardo Fonseca, que detém os direitos do XTerra acredita que será um evento especial, diferente e único. "Pelo segundo ano consecutivo estamos levando o XTERRA para Manaus. A diferença é que esse ano o evento é internacional e faz parte do XTERRA GLOBAL TOUR. Não tenho dúvida que essa prova será épica. Serão mais de 2000 atletas envolvidos, entre todas as provas, mais toda equipe de produção e ainda contamos com o apoio do CIGS e do Comando Militar da Amazônia para toda logística”, conta ele.

A novidade deste ano é que o CIS recepcionará os participantes da Night Run e da Kids Running. Ainda no dia 11 de junho, às 16 horas, será a vez dos atletas mirins. Crianças entre um e 12 anos de idade participarão de disputas de corrida, divididas de acordo com a faixa etária. As lanternas da Night Run vão iluminar a selva a partir das 19 horas. Os 1.500 atletas poderão escolher entre os percursos de cinco ou dez quilômetros. Este ano as provas serão realizadas dentro da Base de Instrução 5 (BI5).

As inscrições já estão abertas e podem ser feitas no site www.xterrabrazil.com.br


Circuito XTerra 2011 chega à selva Amazônica no dia 11 de junho

Triathlon · 16 maio, 2011

No dia 11 de junho, os principais triatletas do Brasil e do mundo vão enfrentar os desafios da Selva Amazônica no XTerra Amazon. A etapa, válida para o Circuito Mundial de Trithlon Cross Country (XTerra Globar Tour), faz parte do circuito brasileiro da modalidade e vale vaga para a final, no Havaí, em novembro. A prova na Amazônia será a segunda de 11 programadas no país durante o ano e será realizada dentro do Centro de Instrução de Guerra na Selva do Exército Brasileiro (CIGS).

Antes da disputa pelas 35 vagas para o Mundial no Havaí, 330 triatletas terão a oportunidade de passar a noite em redes na mata, na Base de Instrução 4 (BI4), dentro do “Quadrado Maldito”, área de treinamento do exército. Os atletas serão apelidados de Mundurukus (formigas vermelhas) e receberão instrução dos militares para sobrevivência na selva. "Os atletas terão a grande oportunidade de conhecer um dos mais belos e exuberantes ambientes naturais do planeta, a Amazônia brasileira. Tenho a plena convicção de que os participantes do evento jamais esquecerão esta grande aventura”, diz o General Mattos, do Comando Militar da Amazônia.

Para os Mundurukus a aventura começará às oito horas, com largada no Rio Amazonas, para 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida nas estradas de terra e trilhas de selva fechada.

O sócio da X3M Sports Business, Bernardo Fonseca, que detém os direitos do XTerra acredita que será um evento especial, diferente e único. "Pelo segundo ano consecutivo estamos levando o XTERRA para Manaus. A diferença é que esse ano o evento é internacional e faz parte do XTERRA GLOBAL TOUR. Não tenho dúvida que essa prova será épica. Serão mais de 2000 atletas envolvidos, entre todas as provas, mais toda equipe de produção e ainda contamos com o apoio do CIGS e do Comando Militar da Amazônia para toda logística”, conta ele.

A novidade deste ano é que o CIS recepcionará os participantes da Night Run e da Kids Running. Ainda no dia 11 de junho, às 16 horas, será a vez dos atletas mirins. Crianças entre um e 12 anos de idade participarão de disputas de corrida, divididas de acordo com a faixa etária. As lanternas da Night Run vão iluminar a selva a partir das 19 horas. Os 1.500 atletas poderão escolher entre os percursos de cinco ou dez quilômetros. Este ano as provas serão realizadas dentro da Base de Instrução 5 (BI5).

As inscrições já estão abertas e podem ser feitas no site www.xterrabrazil.com.br

Xterra Amazônia já está com as inscrições abertas

Triathlon · 05 maio, 2011

O Xterra Amazônia chega à segunda edição no dia 11 de junho e deverá reunir centenas de atletas em uma das provas mais inusitadas do circuito Global Tour, que oferecerá 35 vagas para a etapa mundial, no Havaí. A competição, disputada no coração da maior floresta tropical do mundo, também distribuirá R$ 25 mil em prêmios.

Os participantes enfrentarão 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida. A largada será dada às 8h no Centro de Instrução de Guerra na Selva do Exército Brasileiro, o CIGS. Além do triathlon, haverá uma corrida noturna em trilha, a Night Trail Run, às 19h do dia cinco, na Praia de Ponta Negra, em Manaus, com percursos de cinco e 10 quilômetros.

Outra competição que faz parte do evento é a Kids Running, com distâncias que variam conforme a idade da criança. Todos os atletas mirins ganham medalha de participação, modelo Survivor, e sobem ao pódio para a foto oficial. As inscrições para o Xterra Regional Amazônia já estão abertas nas categorias amador, profissional ou revezamento. Para garantir um lugar na etapa mais esperada do ano, basta acessar www.xterrabrasil.com.br.


Xterra Amazônia já está com as inscrições abertas

Triathlon · 05 maio, 2011

O Xterra Amazônia chega à segunda edição no dia 11 de junho e deverá reunir centenas de atletas em uma das provas mais inusitadas do circuito Global Tour, que oferecerá 35 vagas para a etapa mundial, no Havaí. A competição, disputada no coração da maior floresta tropical do mundo, também distribuirá R$ 25 mil em prêmios.

Os participantes enfrentarão 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida. A largada será dada às 8h no Centro de Instrução de Guerra na Selva do Exército Brasileiro, o CIGS. Além do triathlon, haverá uma corrida noturna em trilha, a Night Trail Run, às 19h do dia cinco, na Praia de Ponta Negra, em Manaus, com percursos de cinco e 10 quilômetros.

Outra competição que faz parte do evento é a Kids Running, com distâncias que variam conforme a idade da criança. Todos os atletas mirins ganham medalha de participação, modelo Survivor, e sobem ao pódio para a foto oficial. As inscrições para o Xterra Regional Amazônia já estão abertas nas categorias amador, profissional ou revezamento. Para garantir um lugar na etapa mais esperada do ano, basta acessar www.xterrabrasil.com.br.

Após intensas negociações, Amazônia será a seletiva mundial do XTerra

Triathlon · 24 nov, 2010

Durante a etapa do Ceará do Circuito XTerra, realizada no último sábado (20/11), os organizadores anunciaram que a cidade de Manaus, no Amazonas, sediará a seletiva brasileira do circuito mundial do triathlon cross country. A Floresta Amazônica foi palco de uma etapa regional esse ano e, para sediar o Global Tour, venceu a concorrência com Ilhabela e Angra dos Reis.

“Fizemos uma enquete com alguns atletas e colocamos diversas regras a serem cumpridas para que determinada cidade fosse a sede do Global Tour”, ressalta Bernardo Fonseca, diretor da X3M Sport Business, empresa responsável pelo XTerra no Brasil. “O prefeito de Ilhabela lutou bastante, Angra tem o viés de possuir uma estrutura muito boa, mas em Manaus há uma cultura única”, completa.

A prova amazônica será mais uma vez realizada no coração da floresta, no Centro de Instrução do Grupamento de Selva do Exército (CIGS), apelidado de “quadrado maldito” pelos militares. “É apaixonante estar no meio da selva”, ressalta Bernardo. Ainda segundo ele, o envolvimento do poder público será ainda maior em 2011. “Teremos o apoio de todas as esferas do governo (Estadual e Municipal), além de todo o Exército”.

Ilhabela foi a primeira sede do Global Tour, título que ostentou até 2007, já que no ano seguinte Angra dos Reis foi o local escolhido. “Manaus venceu desta vez, mas não será perpétuo, já que anualmente teremos uma disputa saudável”, ressalta Bernardo.

Os melhores colocados em cata categoria na prova Global Tour ganham o direito de competir a final no Havaí e, para conquistar uma vaga, os atletas têm diversas opções pelo mundo. Para 2011 haverá seletivas na África do Sul, Filipinas, Ilhas Marianas do Norte, Nova Zelândia, Itália, Brasil, Áustria, França, França, México, República Tcheca, Alemanha, Japão, Canadá, Suíça e Estados Unidos.

A prova - A disputa na Amazônia aconteceu em junho, mesma época em que acontecerá em 2011, com distâncias de 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida na Base de Instrução número quatro do Exército. A logística da prova envolveu uma verdadeira operação de guerra, já que para chegar ao local foi necessário usar ônibus e balsas.

“Não foi fácil concorrer com as outras cidades. Tivemos uma disputa árdua, com muitos almoços, reuniões e corridas no calçadão de Copacabana com o Bernardo”, lembra Fabrício Lima, Secretário de Municipal de Desporto e Lazer de Manaus. “Estamos muito felizes com o crescimento do circuito e vamos envolver toda a cidade com o evento. Pretendemos receber o pessoal muito bem, para que ninguém fique com saudades de Angra”, brinca.

Ele enfatiza ainda que já há estudos de melhorias a serem feitas na estrutura organizacional. “Vamos fazer um acordo com uma rede de hotéis para que possamos hospedar os atletas com tarifas diferenciadas e pretendemos receber todos no aeroporto”.

Por conta da distância grande entre o centro da cidade e o local da largada, os competidores são obrigados a acordar cedo e se alimentar muito antes do início da competição, motivo pelo qual a organização montou um café da manhã, que deve ser ainda mais reforçado na disputa do ano que vem. “Queremos montar um café da manhã mais organizado e um almoço caprichado pós prova”, ressalta Fabrício.

O Secretário afirma ainda que a prova deixou um legado muito importante para a cidade de Manaus. “Depois do XTerra o prefeito criou outra imagem para o esporte e abriu as portas para grandes eventos de diversas modalidades, em parceria com o setor privado”.

Esse ano a disputa aconteceu logo após o Ironman Brasil, em Florianópolis, e a X3M premiou os competidores com menor tempo nas duas provas com o troféu “Double Survivor”. “Esse ano o XTerra será duas semanas depois do Ironman e mais uma vez teremos essa premiação. Além disso, vamos visitar alguns países para divulgar o Global Tour na Amazônia”, garante Fabrício.


Após intensas negociações, Amazônia será a seletiva mundial do XTerra

Triathlon · 24 nov, 2010

Durante a etapa do Ceará do Circuito XTerra, realizada no último sábado (20/11), os organizadores anunciaram que a cidade de Manaus, no Amazonas, sediará a seletiva brasileira do circuito mundial do triathlon cross country. A Floresta Amazônica foi palco de uma etapa regional esse ano e, para sediar o Global Tour, venceu a concorrência com Ilhabela e Angra dos Reis.

“Fizemos uma enquete com alguns atletas e colocamos diversas regras a serem cumpridas para que determinada cidade fosse a sede do Global Tour”, ressalta Bernardo Fonseca, diretor da X3M Sport Business, empresa responsável pelo XTerra no Brasil. “O prefeito de Ilhabela lutou bastante, Angra tem o viés de possuir uma estrutura muito boa, mas em Manaus há uma cultura única”, completa.

A prova amazônica será mais uma vez realizada no coração da floresta, no Centro de Instrução do Grupamento de Selva do Exército (CIGS), apelidado de “quadrado maldito” pelos militares. “É apaixonante estar no meio da selva”, ressalta Bernardo. Ainda segundo ele, o envolvimento do poder público será ainda maior em 2011. “Teremos o apoio de todas as esferas do governo (Estadual e Municipal), além de todo o Exército”.

Ilhabela foi a primeira sede do Global Tour, título que ostentou até 2007, já que no ano seguinte Angra dos Reis foi o local escolhido. “Manaus venceu desta vez, mas não será perpétuo, já que anualmente teremos uma disputa saudável”, ressalta Bernardo.

Os melhores colocados em cata categoria na prova Global Tour ganham o direito de competir a final no Havaí e, para conquistar uma vaga, os atletas têm diversas opções pelo mundo. Para 2011 haverá seletivas na África do Sul, Filipinas, Ilhas Marianas do Norte, Nova Zelândia, Itália, Brasil, Áustria, França, França, México, República Tcheca, Alemanha, Japão, Canadá, Suíça e Estados Unidos.

A prova - A disputa na Amazônia aconteceu em junho, mesma época em que acontecerá em 2011, com distâncias de 1,5 quilômetro de natação, 30 de mountain bike e nove de corrida na Base de Instrução número quatro do Exército. A logística da prova envolveu uma verdadeira operação de guerra, já que para chegar ao local foi necessário usar ônibus e balsas.

“Não foi fácil concorrer com as outras cidades. Tivemos uma disputa árdua, com muitos almoços, reuniões e corridas no calçadão de Copacabana com o Bernardo”, lembra Fabrício Lima, Secretário de Municipal de Desporto e Lazer de Manaus. “Estamos muito felizes com o crescimento do circuito e vamos envolver toda a cidade com o evento. Pretendemos receber o pessoal muito bem, para que ninguém fique com saudades de Angra”, brinca.

Ele enfatiza ainda que já há estudos de melhorias a serem feitas na estrutura organizacional. “Vamos fazer um acordo com uma rede de hotéis para que possamos hospedar os atletas com tarifas diferenciadas e pretendemos receber todos no aeroporto”.

Por conta da distância grande entre o centro da cidade e o local da largada, os competidores são obrigados a acordar cedo e se alimentar muito antes do início da competição, motivo pelo qual a organização montou um café da manhã, que deve ser ainda mais reforçado na disputa do ano que vem. “Queremos montar um café da manhã mais organizado e um almoço caprichado pós prova”, ressalta Fabrício.

O Secretário afirma ainda que a prova deixou um legado muito importante para a cidade de Manaus. “Depois do XTerra o prefeito criou outra imagem para o esporte e abriu as portas para grandes eventos de diversas modalidades, em parceria com o setor privado”.

Esse ano a disputa aconteceu logo após o Ironman Brasil, em Florianópolis, e a X3M premiou os competidores com menor tempo nas duas provas com o troféu “Double Survivor”. “Esse ano o XTerra será duas semanas depois do Ironman e mais uma vez teremos essa premiação. Além disso, vamos visitar alguns países para divulgar o Global Tour na Amazônia”, garante Fabrício.