desafio carlos dias

Desafio: Carlos Dias está no Pará

Ultra Maratona · 09 jun, 2007

O ultramaratonista Carlos Dias já está no estado do Pará. Ele travessa o Brasil de ponta a ponta para conquistar o desafio de correr do Oiapoque (norte do país) ao Chuí (extremo sul). No início do desafio, em Amapá, Carlos enfrentou muito lama, agora é só poeira.

“Depois de correr em mais estradas de terra, subidas e descidas de Laranjal do Jari até Almeirim, peguei o barco e viajei pelo rio Amazonas e também pelo Xingu. Agora vou descansar para encarar o trecho de Altamira até Pacajá em estrada de terra. Aqui faz muito calor, 34ºC e tem muita poeira. Já sinto saudade da lama do início”, revela.

De acordo com Carlos, a respiração fica difícil por causa da poeira. Na sua viagem de barco, ele conta que uma embarcação afundou. “Na quinta-feira choveu muito e um barco grande afundou assustando todos que estavam na embarcação. Estou com muita saudade de casa e gostaria de agradecer o meu treinador o Herói Fung por estar me transmitindo sempre palavras de apoio, gostaria de mandar um abraço a todos os ultra atletas que também enfrentam as dificuldades com maestria, e dizer que vou devagar mais vou chegar”, revela. O Desafio continua até setembro e o Webrun irá acompanhar tudo de perto.


Desafio: Carlos Dias está no Pará

Ultra Maratona · 09 jun, 2007

O ultramaratonista Carlos Dias já está no estado do Pará. Ele travessa o Brasil de ponta a ponta para conquistar o desafio de correr do Oiapoque (norte do país) ao Chuí (extremo sul). No início do desafio, em Amapá, Carlos enfrentou muito lama, agora é só poeira.

“Depois de correr em mais estradas de terra, subidas e descidas de Laranjal do Jari até Almeirim, peguei o barco e viajei pelo rio Amazonas e também pelo Xingu. Agora vou descansar para encarar o trecho de Altamira até Pacajá em estrada de terra. Aqui faz muito calor, 34ºC e tem muita poeira. Já sinto saudade da lama do início”, revela.

De acordo com Carlos, a respiração fica difícil por causa da poeira. Na sua viagem de barco, ele conta que uma embarcação afundou. “Na quinta-feira choveu muito e um barco grande afundou assustando todos que estavam na embarcação. Estou com muita saudade de casa e gostaria de agradecer o meu treinador o Herói Fung por estar me transmitindo sempre palavras de apoio, gostaria de mandar um abraço a todos os ultra atletas que também enfrentam as dificuldades com maestria, e dizer que vou devagar mais vou chegar”, revela. O Desafio continua até setembro e o Webrun irá acompanhar tudo de perto.