Cobertura_Mundial_Moscou2013

CBAt divulga índices de qualificação para o Mundial de Moscou

Atletismo · 20 dez, 2012

A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) divulgou os índices de qualificação para o Campeonato Mundial de Atletismo de Moscou, que acontecerá entre os dias dez e 18 de agosto de 2013. Todas as modalidades, com exceção da maratona masculina, feminina e 50 quilômetros de marcha masculina, – que tiveram seus períodos de qualificação abertos em 1º de outubro de 2012 e encerram-se em cinco de maio de 2013 – terão desde 1º de janeiro até 14 de julho para obtenção das marcas.

Segundo a Associação Internacional das Federações de Atletismo (Iaaf), até quatro atletas em cada modalidade podem ser inscritos para o Mundial. Porém, entre os credenciados, somente três poderão competir. A Iaaf tem os índices A e B (sendo o A mais exigente que o B) para cada modalidade, mas enquanto a CBAt é o órgão regulador máximo do atletismo nacional, todos os atletas brasileiros precisam atingir as marcas estipuladas pela Confederação.

Os índices equivalem à média da 12ª melhor marca de cada uma das três últimas competições de maior relevância do atletismo mundial, sendo eles: os Jogos de Londres-12, o Mundial de Daegu-11 e o de Berlim-09. Esse foi o mesmo critério adotado para o campeonato coreano de 2011 e para as Olimpíadas de 2012.

Assim como ocorrido na última Olimpíada, as marcas estabelecidas pela CBAt são mais rigorosas que as exigidas pela Iaaf. Ou seja, mesmo que um atleta atinja o índice mais alto da Associação, ele não estará automaticamente classificado para o Mundial.

Estímulo controverso- A evolução dos índices gera desenvolvimento no esporte, pois é um estímulo para os atletas melhorarem marcas e desempenhos, afirmam especialistas. “O critério que se faz é em relação ao desempenho global, não brasileiro”, afirmou Henrique Viana, treinador da Pé de Vento e membro do Conselho da CBAt, ao Webrun em entrevista em maio desse ano sobre a rigidez dos índices estipulados pela confederação.

Porém, ao mesmo tempo que esses índices exigentes impulsionam o atletismo nacional a se equiparar com os países de ponta no esporte, isso deixa mais aparente as deficiências do país. Um exemplo é Aldemir Gomes da Silva Júnior, o homem mais rápido do Brasil na atualidade.

Para o velocista alcançar a marca que o credencia para o Mundial, ele ainda precisa baixar seis décimos de segundo de sua melhor marca. Até o momento, os 10seg20 da Aldemir nos 100 metros rasos não são rápidos o suficiente para levá-lo até Moscou.

O mesmo acontece com Adriana Aparecida da Silva. A maratonista foi a única a se credenciar para as Olimpíadas de Londres, porém o tempo que a levou pra a Inglaterra – também o melhor de sua carreira até então, 2h29min17 – não é rápido suficiente segundo a CBAt. A Confederação fixou índice de 2h28min50 para os 42 quilômetros femininos.

Na próxima página, confira os índices definidos pela Iaaf e pela CBAt para o Mundial de Moscou.



CBAt divulga índices de qualificação para o Mundial de Moscou

Atletismo · 20 dez, 2012

A Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) divulgou os índices de qualificação para o Campeonato Mundial de Atletismo de Moscou, que acontecerá entre os dias dez e 18 de agosto de 2013. Todas as modalidades, com exceção da maratona masculina, feminina e 50 quilômetros de marcha masculina, – que tiveram seus períodos de qualificação abertos em 1º de outubro de 2012 e encerram-se em cinco de maio de 2013 – terão desde 1º de janeiro até 14 de julho para obtenção das marcas.

Segundo a Associação Internacional das Federações de Atletismo (Iaaf), até quatro atletas em cada modalidade podem ser inscritos para o Mundial. Porém, entre os credenciados, somente três poderão competir. A Iaaf tem os índices A e B (sendo o A mais exigente que o B) para cada modalidade, mas enquanto a CBAt é o órgão regulador máximo do atletismo nacional, todos os atletas brasileiros precisam atingir as marcas estipuladas pela Confederação.

Os índices equivalem à média da 12ª melhor marca de cada uma das três últimas competições de maior relevância do atletismo mundial, sendo eles: os Jogos de Londres-12, o Mundial de Daegu-11 e o de Berlim-09. Esse foi o mesmo critério adotado para o campeonato coreano de 2011 e para as Olimpíadas de 2012.

Assim como ocorrido na última Olimpíada, as marcas estabelecidas pela CBAt são mais rigorosas que as exigidas pela Iaaf. Ou seja, mesmo que um atleta atinja o índice mais alto da Associação, ele não estará automaticamente classificado para o Mundial.

Estímulo controverso- A evolução dos índices gera desenvolvimento no esporte, pois é um estímulo para os atletas melhorarem marcas e desempenhos, afirmam especialistas. “O critério que se faz é em relação ao desempenho global, não brasileiro”, afirmou Henrique Viana, treinador da Pé de Vento e membro do Conselho da CBAt, ao Webrun em entrevista em maio desse ano sobre a rigidez dos índices estipulados pela confederação.

Porém, ao mesmo tempo que esses índices exigentes impulsionam o atletismo nacional a se equiparar com os países de ponta no esporte, isso deixa mais aparente as deficiências do país. Um exemplo é Aldemir Gomes da Silva Júnior, o homem mais rápido do Brasil na atualidade.

Para o velocista alcançar a marca que o credencia para o Mundial, ele ainda precisa baixar seis décimos de segundo de sua melhor marca. Até o momento, os 10seg20 da Aldemir nos 100 metros rasos não são rápidos o suficiente para levá-lo até Moscou.

O mesmo acontece com Adriana Aparecida da Silva. A maratonista foi a única a se credenciar para as Olimpíadas de Londres, porém o tempo que a levou pra a Inglaterra – também o melhor de sua carreira até então, 2h29min17 – não é rápido suficiente segundo a CBAt. A Confederação fixou índice de 2h28min50 para os 42 quilômetros femininos.

Na próxima página, confira os índices definidos pela Iaaf e pela CBAt para o Mundial de Moscou.


Homem mais rápido do país quer chegar à final do Mundial de Moscou

Atletismo · 18 dez, 2012

Aldemir Gomes da Silva Júnior será um dos representantes do país no Campeonato Mundial de Atletismo, que acontece em agosto de 2013, na Rússia. O homem mais rápido do Brasil já iniciou seu treinamento de base visando a competição internacional. Na atual temporada, Aldemir cravou 10seg20 nos 100 metros rasos (melhor tempo nacional em 2012) e 20seg38 nos 200 metros (segundo melhor tempo no país no ano).

Após avaliar 2012 como “maravilhoso, fantástico”, o velocista tem como grande objetivo chegar à final em Moscou e melhorar suas marcas pessoais. “Este ano foi realmente meu ano de entrada no atletismo internacional, com resultados além das expectativas”, afirma.

Visto como uma das principais promessas do país, Aldemir é apontado por Robson Caetano, recordista sul-americano dos 100 metros rasos (10seg00), como um dos principais velocistas do país. Nessa temporada, o carioca de 20 anos representou o Brasil em Londres, e chegou até a semifinal dos 200 metros.


Homem mais rápido do país quer chegar à final do Mundial de Moscou

Atletismo · 18 dez, 2012

Aldemir Gomes da Silva Júnior será um dos representantes do país no Campeonato Mundial de Atletismo, que acontece em agosto de 2013, na Rússia. O homem mais rápido do Brasil já iniciou seu treinamento de base visando a competição internacional. Na atual temporada, Aldemir cravou 10seg20 nos 100 metros rasos (melhor tempo nacional em 2012) e 20seg38 nos 200 metros (segundo melhor tempo no país no ano).

Após avaliar 2012 como “maravilhoso, fantástico”, o velocista tem como grande objetivo chegar à final em Moscou e melhorar suas marcas pessoais. “Este ano foi realmente meu ano de entrada no atletismo internacional, com resultados além das expectativas”, afirma.

Visto como uma das principais promessas do país, Aldemir é apontado por Robson Caetano, recordista sul-americano dos 100 metros rasos (10seg00), como um dos principais velocistas do país. Nessa temporada, o carioca de 20 anos representou o Brasil em Londres, e chegou até a semifinal dos 200 metros.

Bolt decide provas que competirá na Olimpíada do Rio de Janeiro

Atletismo · 08 out, 2012

O homem mais rápido do mundo definiu quais provas correrá nas próximas Olimpíadas. Vencedor em Londres dos 100 e 200 metros, além do Revezamento 4x100m, Usain Bolt cogitou uma mudança de ares em terras brasileiras, competindo no salto em distância ou nos 400 metros. Agora, anunciou sua decisão de planejamento.

“Fazer as três (provas de tiro) é o foco. Não quero tentar nada diferente no Rio”, diz o velocista. “Quero defender meus títulos para mostrar ao mundo que posso conseguir mais uma vez”, prossegue Bolt.

Velocidade ainda é desafio- Apesar de ter dito em agosto “meu técnico quer que eu corra os 400 metros, eu quero tentar o salto em distância” e indicado que a decisão se baseava em estabelecer metas diferentes, Bolt ainda vê objetivos a serem alcançados nas provas mais rápidas. Uma boa oportunidade de mostrá-lo será no Mundial de Atletismo de 2013, em Moscou.

“Continuo trabalhando duro, conecentrado e forçando meus limites. Este é meu foco agora: ver o quão rápido eu posso ser e tentar ser mais veloz a cada ano”. Sem dúvida será um grande desafio, uma vez que seus recordes mundiais nos 100 metros (9seg58) e 200 metros (19seg19) já terão quatro anos no Mundial de Moscou.


Bolt decide provas que competirá na Olimpíada do Rio de Janeiro

Atletismo · 08 out, 2012

O homem mais rápido do mundo definiu quais provas correrá nas próximas Olimpíadas. Vencedor em Londres dos 100 e 200 metros, além do Revezamento 4x100m, Usain Bolt cogitou uma mudança de ares em terras brasileiras, competindo no salto em distância ou nos 400 metros. Agora, anunciou sua decisão de planejamento.

“Fazer as três (provas de tiro) é o foco. Não quero tentar nada diferente no Rio”, diz o velocista. “Quero defender meus títulos para mostrar ao mundo que posso conseguir mais uma vez”, prossegue Bolt.

Velocidade ainda é desafio- Apesar de ter dito em agosto “meu técnico quer que eu corra os 400 metros, eu quero tentar o salto em distância” e indicado que a decisão se baseava em estabelecer metas diferentes, Bolt ainda vê objetivos a serem alcançados nas provas mais rápidas. Uma boa oportunidade de mostrá-lo será no Mundial de Atletismo de 2013, em Moscou.

“Continuo trabalhando duro, conecentrado e forçando meus limites. Este é meu foco agora: ver o quão rápido eu posso ser e tentar ser mais veloz a cada ano”. Sem dúvida será um grande desafio, uma vez que seus recordes mundiais nos 100 metros (9seg58) e 200 metros (19seg19) já terão quatro anos no Mundial de Moscou.