carreira

Vanderlei Cordeiro encerra carreira na São Silvestre

Maratona · 05 nov, 2008

Depois de 23 anos de corrida, o maratonista Vanderlei Cordeiro de Lima anunciou aposentadoria nessa última terça-feira (3). Detentor de feitos históricos, o paranaense encerra a carreira na próxima corrida de São Silvestre, no dia 31 de dezembro em São Paulo.

Bicampeão pan-americano, campeão da Maratona de Tóquio, de São Paulo entre outros, Vanderlei teve o maior destaque de sua carreira na Olimpíada de Atenas, em 2004. Durante a maratona olímpica, quando liderava a prova, um padre irlandês entrou na pista e empurrou o brasileiro, que mesmo assim levantou e continuou a corrida.

Ainda com todo esse obstáculo extra no caminho, Vanderlei garantiu a medalha de bronze e se tornou o primeiro brasileiro a subir no pódio de uma maratona olímpica. Indagado se hoje ele se arrepende de ter perdido o ouro em Atenas, Vanderlei diz que não. “Não tenho arrependimento daquilo que aconteceu. O que aconteceu foi um imprevisto que não tinha nada haver com a corrida. Mas realizei um sonho que foi conquistar uma medalha olímpica. Foi um momento de superação e conquista”.

Aos 39 anos, a decisão de encerrar a carreira foi feita em conjunto com o seu treinador, Ricardo D´Angelo. “Já são 23 anos de corrida. Achamos que essa era a hora de parar”, conta. Vanderlei começou a correr na escola incentivado por um professor. Desde então ele não parou mais. E mesmo depois da aposentadoria, ele não vai parar de correr.

“Eu encerro minha carreira profissional, mas vou continuar correndo com o compromisso e objetivo de ser padrinho da minha equipe. Eu vou ser um atleta que vou promover o esporte não só dentro da equipe como também dentro da federação e confederação brasileira”, revela Vanderlei que integra a equipe BM&F e ainda continua com seus patrocinadores.

Para a São Silvestre, o atleta não fará nenhum treinamento específico, o seu objetivo é completar a prova. “Vai ser uma participação especial, não estou preocupado com performance”, conta. Ainda acometido por uma pubalgia, ele está em fase de tratamento e espera sanar a doença o mais rápido possível para encerrar a carreira bem.

Futuro do atletismo brasileiro- De acordo com Vanderlei, o Brasil está melhorando no incentivo ao esporte, mas ainda está longe do ideal. “O atletismo está evoluindo muito bem. As pessoas estão aprendendo a gostar de correr. Apesar de ser um esporte que pode ser praticado em qualquer condição, o Brasil ainda é carente em infra-estrutura. Nós ainda temos poucas pistas de atletismo no Brasil, por exemplo”.

Para ele, atualmente o principal nome do atletismo brasileiro é Marílson Gomes dos Santos. O maratonista conquistou o bicampeonato da Maratona de Nova York no último domingo (2) nos Estados Unidos. “Ele tem tudo para chegar numa olimpíada aí e alcançar um grande resultado. Hoje o Marílson sem dúvida é o grande nome do atletismo brasileiro pelo seu trabalho e resultados”, comenta.

Mas para alcançar o sucesso, assim como ele e como Marílson, Vanderlei acredita que a nova geração tem que treinar muito. “É preciso ter garra, determinação e disciplina para alcançar o sucesso. Muitas vezes o jovem atleta vai ter que abdicar muitas coisas, principalmente a família, para chegar na grande conquista”.

O segredo para isso é ter foco. “O jovem tem que colocar isso na cabeça. Hoje ele tem muitas coisas de fácil acesso e isso acaba distraindo o jovem na busca da perfeição do esporte”.


Vanderlei Cordeiro encerra carreira na São Silvestre

Maratona · 05 nov, 2008

Depois de 23 anos de corrida, o maratonista Vanderlei Cordeiro de Lima anunciou aposentadoria nessa última terça-feira (3). Detentor de feitos históricos, o paranaense encerra a carreira na próxima corrida de São Silvestre, no dia 31 de dezembro em São Paulo.

Bicampeão pan-americano, campeão da Maratona de Tóquio, de São Paulo entre outros, Vanderlei teve o maior destaque de sua carreira na Olimpíada de Atenas, em 2004. Durante a maratona olímpica, quando liderava a prova, um padre irlandês entrou na pista e empurrou o brasileiro, que mesmo assim levantou e continuou a corrida.

Ainda com todo esse obstáculo extra no caminho, Vanderlei garantiu a medalha de bronze e se tornou o primeiro brasileiro a subir no pódio de uma maratona olímpica. Indagado se hoje ele se arrepende de ter perdido o ouro em Atenas, Vanderlei diz que não. “Não tenho arrependimento daquilo que aconteceu. O que aconteceu foi um imprevisto que não tinha nada haver com a corrida. Mas realizei um sonho que foi conquistar uma medalha olímpica. Foi um momento de superação e conquista”.

Aos 39 anos, a decisão de encerrar a carreira foi feita em conjunto com o seu treinador, Ricardo D´Angelo. “Já são 23 anos de corrida. Achamos que essa era a hora de parar”, conta. Vanderlei começou a correr na escola incentivado por um professor. Desde então ele não parou mais. E mesmo depois da aposentadoria, ele não vai parar de correr.

“Eu encerro minha carreira profissional, mas vou continuar correndo com o compromisso e objetivo de ser padrinho da minha equipe. Eu vou ser um atleta que vou promover o esporte não só dentro da equipe como também dentro da federação e confederação brasileira”, revela Vanderlei que integra a equipe BM&F e ainda continua com seus patrocinadores.

Para a São Silvestre, o atleta não fará nenhum treinamento específico, o seu objetivo é completar a prova. “Vai ser uma participação especial, não estou preocupado com performance”, conta. Ainda acometido por uma pubalgia, ele está em fase de tratamento e espera sanar a doença o mais rápido possível para encerrar a carreira bem.

Futuro do atletismo brasileiro- De acordo com Vanderlei, o Brasil está melhorando no incentivo ao esporte, mas ainda está longe do ideal. “O atletismo está evoluindo muito bem. As pessoas estão aprendendo a gostar de correr. Apesar de ser um esporte que pode ser praticado em qualquer condição, o Brasil ainda é carente em infra-estrutura. Nós ainda temos poucas pistas de atletismo no Brasil, por exemplo”.

Para ele, atualmente o principal nome do atletismo brasileiro é Marílson Gomes dos Santos. O maratonista conquistou o bicampeonato da Maratona de Nova York no último domingo (2) nos Estados Unidos. “Ele tem tudo para chegar numa olimpíada aí e alcançar um grande resultado. Hoje o Marílson sem dúvida é o grande nome do atletismo brasileiro pelo seu trabalho e resultados”, comenta.

Mas para alcançar o sucesso, assim como ele e como Marílson, Vanderlei acredita que a nova geração tem que treinar muito. “É preciso ter garra, determinação e disciplina para alcançar o sucesso. Muitas vezes o jovem atleta vai ter que abdicar muitas coisas, principalmente a família, para chegar na grande conquista”.

O segredo para isso é ter foco. “O jovem tem que colocar isso na cabeça. Hoje ele tem muitas coisas de fácil acesso e isso acaba distraindo o jovem na busca da perfeição do esporte”.