Bogotá

Marílson Gomes não corre a Meia de Bogotá e prioriza Troféu Brasil

Atletismo · 01 ago, 2011

O fundista Marílson Gomes dos Santos estava confirmado na lista de inscritos da Meia Maratona de Bogotá, na Colômbia, no último domingo (31/07), mas em acordo com seu treinador Adauto Domingues resolveu não correr a prova. O objetivo é se focar para a disputa do Troféu Brasil de Atletismo, que começa nessa quarta-feira (06/08) em São Paulo.

Marílson deve entrar na pista do Estádio Ícaro Castro de Melo já na quarta-feira para correr os 10.000m às 17h e ainda há chances de disputar os 5.000m no domingo às 9h40. O bicampeão da Maratona de Nova York costuma marcar presença anualmente no evento para ajudar sua equipe a somar pontos.

“Ele tem treinado bem e acho que deve lutar por mais uma medalha de ouro”, relata o técnico, dizendo que o atleta disputará a mesma prova no Mundial de Daegu, em agosto, na Coreia do Sul, e no PAN de Guadalajara, em outubro, no México. Quanto a participação na distância menor, Adauto afirma que, “se o clube precisar de mais pontos para a conquista do título, ele estará à disposição para correr”. O fundista se prepara ainda para a Maratona de Chicago, nos Estados Unidos, no início de outubro. “Se tudo der certo, ele deve assegurar o índice para a Olimpíada (Londres 2012) e ter tranquilidade depois para treinar.”

Meia de Bogotá - Na prova colombiana, o favoritismo do queniano Geoffrey Mutai prevaleceu, já que ele fechou os 21 quilômetros em 1h02min20, novo recorde da competição. A segunda colocação ficou com o etíope Deriba Merga (1h04min49) e a terceira com o queniano Wilson Chebet (1h04min57).

Entre as mulheres, vitória de Joyce Chepkiru, do Quênia, ao marcar 1h13min34, seguida pela etíope Mare Dibaba (1h13min54) e pela queniana Emily Chebet (1h15min41). Os dois campeões levaram para casa um automóvel zero quilômetro e Mutai ainda faturou 3.100 pesos pelo recorde.


Marílson Gomes não corre a Meia de Bogotá e prioriza Troféu Brasil

Atletismo · 01 ago, 2011

O fundista Marílson Gomes dos Santos estava confirmado na lista de inscritos da Meia Maratona de Bogotá, na Colômbia, no último domingo (31/07), mas em acordo com seu treinador Adauto Domingues resolveu não correr a prova. O objetivo é se focar para a disputa do Troféu Brasil de Atletismo, que começa nessa quarta-feira (06/08) em São Paulo.

Marílson deve entrar na pista do Estádio Ícaro Castro de Melo já na quarta-feira para correr os 10.000m às 17h e ainda há chances de disputar os 5.000m no domingo às 9h40. O bicampeão da Maratona de Nova York costuma marcar presença anualmente no evento para ajudar sua equipe a somar pontos.

“Ele tem treinado bem e acho que deve lutar por mais uma medalha de ouro”, relata o técnico, dizendo que o atleta disputará a mesma prova no Mundial de Daegu, em agosto, na Coreia do Sul, e no PAN de Guadalajara, em outubro, no México. Quanto a participação na distância menor, Adauto afirma que, “se o clube precisar de mais pontos para a conquista do título, ele estará à disposição para correr”. O fundista se prepara ainda para a Maratona de Chicago, nos Estados Unidos, no início de outubro. “Se tudo der certo, ele deve assegurar o índice para a Olimpíada (Londres 2012) e ter tranquilidade depois para treinar.”

Meia de Bogotá - Na prova colombiana, o favoritismo do queniano Geoffrey Mutai prevaleceu, já que ele fechou os 21 quilômetros em 1h02min20, novo recorde da competição. A segunda colocação ficou com o etíope Deriba Merga (1h04min49) e a terceira com o queniano Wilson Chebet (1h04min57).

Entre as mulheres, vitória de Joyce Chepkiru, do Quênia, ao marcar 1h13min34, seguida pela etíope Mare Dibaba (1h13min54) e pela queniana Emily Chebet (1h15min41). Os dois campeões levaram para casa um automóvel zero quilômetro e Mutai ainda faturou 3.100 pesos pelo recorde.

Saiba um pouco mais sobre a Meia de Bogotá

Meia Maratona · 27 jun, 2006

No próximo dia 30 acontece a sétima edição da Meia Maratona Internacional de Bogotá, um dos eventos que mais mobiliza atletas e o público no país, que esse ano deve contar com recorde de inscritos. Confira um breve histórico sobre a competição.

Primeira edição, seis de agosto de 2000
O objetivo dos organizadores era realizar um evento que trouxesse competitividade, aproveitando a infra-estrutura de Bogotá para trazer mais lucros para a cidade, gerar empregos e qualidade de vida para os habitantes. Também pretendiam consolidar no país um dos esportes mais praticados e mais democráticos do mundo.

“Fazer em nossa capital uma corrida como nos grandes centros mundiais”.

Segunda edição, cinco de agosto de 2001
A Associação Correamigos, apoiada pela Federação Colombiana de Atletismo, pela prefeitura e pela Iniciativa Privada realizaram um sonho dos organizadores: reunir milhares de atletas para correr, trotar ou caminhar nas ruas da capital colombiana.

Os erros cometidos na edição passada foram corrigidos, alguns benefícios para os participantes foram adicionados e a cobertura pela mídia foi maior.

“Então Bogotá segue em frente!”

Terceira edição, quarto de agosto de 2002
A imprensa já realizava uma boa cobertura e a prova começou a ter cada vez mais reconhecimento em nível mundial. Como já era de se esperar, o número de inscritos foi maior do que nos outros anos, com cada vez mais pessoas aderindo à essa celebração familiar.

Milhares de espectadores acompanharam a competição, em uma verdadeira demonstração de coexistência pacífica entre cidadãos, atletas, mídia e empresas.

Com a proximidade do aniversário da cidade, “Todos querem correr”.

Quarta edição, três de agosto de 2003
Mais uma vez recorde de participação, de espectadores, de premiação, de países competindo, etc... O evento se torna ainda maior e se transforma em um verdadeiro show, com diversas atividades de entretenimento acontecendo na arena da prova.

A Meia Maratona mostra que a Colombia é um país com potencial humano e corporativo, com pessoas que sabem prestigiar as boas iniciativas para construir um país tranqüilo e pacífico a cada dia.

Quinta edição, primeiro de agosto de 2004
O atletismo continua a ganhar destaque no país e é possível encontrar pessoas de todas as idades treinando nos parques, praças e ruas vestindo a camiseta do evento.
A Meia Maratona contribuiu para que esse esporte básico fizesse parte da vida dos cidadãos, que se identificam, respiram, vivem e sentem a corrida.

“Assim como outros esportes pouco a pouco conseguem seu espaço todos os anos, as pessoas começam a viver uma febre de Maratona”.

Sexta edição, 31 julho 2005
Esse ano todas as marcas foram surpreendidas, com 40.796 inscritos. As ruas foram tomadas para celebrar o evento com esperança e muita descontração e mais uma vez as pessoas vestiram a camisa da prova.

Esse ano
Na edição do ano passado as três primeiras colocações ficaram com corredores do Quênia e para esse ano os colombianos querem mudar a história. Diversos treinamentos foram programados com atletas consagrados no país, com o objetivo de preparar os competidores especificamente para a Meia Maratona Internacional de Bogotá.


Saiba um pouco mais sobre a Meia de Bogotá

Meia Maratona · 27 jun, 2006

No próximo dia 30 acontece a sétima edição da Meia Maratona Internacional de Bogotá, um dos eventos que mais mobiliza atletas e o público no país, que esse ano deve contar com recorde de inscritos. Confira um breve histórico sobre a competição.

Primeira edição, seis de agosto de 2000
O objetivo dos organizadores era realizar um evento que trouxesse competitividade, aproveitando a infra-estrutura de Bogotá para trazer mais lucros para a cidade, gerar empregos e qualidade de vida para os habitantes. Também pretendiam consolidar no país um dos esportes mais praticados e mais democráticos do mundo.

“Fazer em nossa capital uma corrida como nos grandes centros mundiais”.

Segunda edição, cinco de agosto de 2001
A Associação Correamigos, apoiada pela Federação Colombiana de Atletismo, pela prefeitura e pela Iniciativa Privada realizaram um sonho dos organizadores: reunir milhares de atletas para correr, trotar ou caminhar nas ruas da capital colombiana.

Os erros cometidos na edição passada foram corrigidos, alguns benefícios para os participantes foram adicionados e a cobertura pela mídia foi maior.

“Então Bogotá segue em frente!”

Terceira edição, quarto de agosto de 2002
A imprensa já realizava uma boa cobertura e a prova começou a ter cada vez mais reconhecimento em nível mundial. Como já era de se esperar, o número de inscritos foi maior do que nos outros anos, com cada vez mais pessoas aderindo à essa celebração familiar.

Milhares de espectadores acompanharam a competição, em uma verdadeira demonstração de coexistência pacífica entre cidadãos, atletas, mídia e empresas.

Com a proximidade do aniversário da cidade, “Todos querem correr”.

Quarta edição, três de agosto de 2003
Mais uma vez recorde de participação, de espectadores, de premiação, de países competindo, etc... O evento se torna ainda maior e se transforma em um verdadeiro show, com diversas atividades de entretenimento acontecendo na arena da prova.

A Meia Maratona mostra que a Colombia é um país com potencial humano e corporativo, com pessoas que sabem prestigiar as boas iniciativas para construir um país tranqüilo e pacífico a cada dia.

Quinta edição, primeiro de agosto de 2004
O atletismo continua a ganhar destaque no país e é possível encontrar pessoas de todas as idades treinando nos parques, praças e ruas vestindo a camiseta do evento.
A Meia Maratona contribuiu para que esse esporte básico fizesse parte da vida dos cidadãos, que se identificam, respiram, vivem e sentem a corrida.

“Assim como outros esportes pouco a pouco conseguem seu espaço todos os anos, as pessoas começam a viver uma febre de Maratona”.

Sexta edição, 31 julho 2005
Esse ano todas as marcas foram surpreendidas, com 40.796 inscritos. As ruas foram tomadas para celebrar o evento com esperança e muita descontração e mais uma vez as pessoas vestiram a camisa da prova.

Esse ano
Na edição do ano passado as três primeiras colocações ficaram com corredores do Quênia e para esse ano os colombianos querem mudar a história. Diversos treinamentos foram programados com atletas consagrados no país, com o objetivo de preparar os competidores especificamente para a Meia Maratona Internacional de Bogotá.