abandono

Depois de passar mal na Meia do Rio, Lucélia Peres visa Mundial de Atletismo

Meia Maratona · 05 set, 2006

A atleta Lucélia Peres abandonou a Meia Maratona do Rio de Janeiro, no último domingo (3), faltando poucos metros para cruzar a linha de chegada. Na ocasião, ela liderava a prova quando foi ultrapassada por Marizete Resende e teve que ser atendida pelos médicos.

O treinador de Lucélia, Edilberto Barros, explica quais os fatores a lavaram a abandonar a competição e comenta também como está o estado de espírito da atleta. “Há duas semanas ela venceu as 10 milhas Garoto, em Vitória, onde um cachorro pegou na perna dela”, comenta Barros. “Na tentativa de se livrar ela quase caiu e teve uma pequena lesão em um dos tendões do pé”.

Com essa lesão, a corredora teve que alterar os seus treinamentos preparatórios para prova, o que diminuiu um pouco o condicionamento físico, afirma o técnico. Outros dois fatores que podem ter ocasionado a fadiga ao final da Meia, foram o não consumo de um repositor energético durante a corrida e o sol forte.

“Nós tivemos um problema com o repositor e não conseguimos coloca-lo à disposição para ela ingerir na prova”, lamenta Edilberto. O calor também influenciou o rendimento da atleta. “Estava muito frio no sábado e domingo estava 28ºC, o que não é uma temperatura muito alta, mas o sol estava muito forte”.

Desgaste excessivo - Lucélia está acostumada a correr sob forte calor, pois treina em Brasília onde as temperaturas são altas, mas devido à falta do repositor energético e o fato de não estar na plenitude das condições físicas, acabou se desgastando demais.

“Ela fez uma prova tática, se posicionou na retaguarda e passou a liderar a partir do quilômetro 15. No 16 ela estava com uma mecânica fantástica de corrida e sinalizou para mim que estava tudo bem”, lembra Barros. “Ela não teve nenhuma técnica suicida, não exagerou no ritmo, estava correndo no mesmo ritmo que corre em Brasília e entrou no último quilômetro com 47 segundos de vantagem, um tempo confortável”.

Nos último 300 metros da prova, Lucélia fez um esforço excessivo para continuar e, ao perceber a aproximação de Marizete, tentou buscar forças para seguir em frente, mas não agüentou e se dirigiu para a lateral do percurso, instantes antes de perder a consciência.

“Quando ela foi alcançada já tinha perdido a consciência, não conseguia mais manter uma linha simétrica de percurso. Eu estava no quilômetro 20 e fiquei olhando ela cambaleando de um lado para o outro e percebi que não ia finalizar a prova”, explica Edilberto. Segundo ele, a corredora teve uma perda de coordenação motora e teve que completar de maca os metros finais.

Ao ser perguntado se ela estava bem fisicamente e psicologicamente após a decepção de abandonar uma prova nos instantes finais, Edilberto foi enfático ao dizer que não se pode ficar lamentando demais o ocorrido. “Quando se sofre um processo desses, o impacto é muito grande. Ela está bem, focada em outras coisas, sorridente e recuperada da parte fisiológica”. Lucélia nunca havia abandonado uma prova antes de forma voluntária, mas o ocorrido do fim de semana servirá como aprendizado. “Ela ficou chateada, pois correr 20km e 800 metros e abandonar faltando 300 metros para completar, não é justo, mas aconteceu”.

O futuro - Ela sofreu uma pequena contusão no tornozelo direito e está com um pequeno inchaço, mas nada que a impeça de seguir com os próximos compromissos, segundo o treinador. Lucélia segue para a Grécia, onde disputará a Copa do Mundo de Atletismo, no próximo final de semana, representado a seleção das Américas e depois retorna ao Brasil para disputar algumas provas importantes.

“Do dia 21 a 24 ela disputa o Troféu Brasil, descansa 10 dias, depois treina para a Volta da Pampulha, a São Silvestre e damos por encerrada a temporada”. Com 25 anos de idade, certamente Lucélia Peres ainda terá muito sucesso em sua carreira.


Depois de passar mal na Meia do Rio, Lucélia Peres visa Mundial de Atletismo

Meia Maratona · 05 set, 2006

A atleta Lucélia Peres abandonou a Meia Maratona do Rio de Janeiro, no último domingo (3), faltando poucos metros para cruzar a linha de chegada. Na ocasião, ela liderava a prova quando foi ultrapassada por Marizete Resende e teve que ser atendida pelos médicos.

O treinador de Lucélia, Edilberto Barros, explica quais os fatores a lavaram a abandonar a competição e comenta também como está o estado de espírito da atleta. “Há duas semanas ela venceu as 10 milhas Garoto, em Vitória, onde um cachorro pegou na perna dela”, comenta Barros. “Na tentativa de se livrar ela quase caiu e teve uma pequena lesão em um dos tendões do pé”.

Com essa lesão, a corredora teve que alterar os seus treinamentos preparatórios para prova, o que diminuiu um pouco o condicionamento físico, afirma o técnico. Outros dois fatores que podem ter ocasionado a fadiga ao final da Meia, foram o não consumo de um repositor energético durante a corrida e o sol forte.

“Nós tivemos um problema com o repositor e não conseguimos coloca-lo à disposição para ela ingerir na prova”, lamenta Edilberto. O calor também influenciou o rendimento da atleta. “Estava muito frio no sábado e domingo estava 28ºC, o que não é uma temperatura muito alta, mas o sol estava muito forte”.

Desgaste excessivo - Lucélia está acostumada a correr sob forte calor, pois treina em Brasília onde as temperaturas são altas, mas devido à falta do repositor energético e o fato de não estar na plenitude das condições físicas, acabou se desgastando demais.

“Ela fez uma prova tática, se posicionou na retaguarda e passou a liderar a partir do quilômetro 15. No 16 ela estava com uma mecânica fantástica de corrida e sinalizou para mim que estava tudo bem”, lembra Barros. “Ela não teve nenhuma técnica suicida, não exagerou no ritmo, estava correndo no mesmo ritmo que corre em Brasília e entrou no último quilômetro com 47 segundos de vantagem, um tempo confortável”.

Nos último 300 metros da prova, Lucélia fez um esforço excessivo para continuar e, ao perceber a aproximação de Marizete, tentou buscar forças para seguir em frente, mas não agüentou e se dirigiu para a lateral do percurso, instantes antes de perder a consciência.

“Quando ela foi alcançada já tinha perdido a consciência, não conseguia mais manter uma linha simétrica de percurso. Eu estava no quilômetro 20 e fiquei olhando ela cambaleando de um lado para o outro e percebi que não ia finalizar a prova”, explica Edilberto. Segundo ele, a corredora teve uma perda de coordenação motora e teve que completar de maca os metros finais.

Ao ser perguntado se ela estava bem fisicamente e psicologicamente após a decepção de abandonar uma prova nos instantes finais, Edilberto foi enfático ao dizer que não se pode ficar lamentando demais o ocorrido. “Quando se sofre um processo desses, o impacto é muito grande. Ela está bem, focada em outras coisas, sorridente e recuperada da parte fisiológica”. Lucélia nunca havia abandonado uma prova antes de forma voluntária, mas o ocorrido do fim de semana servirá como aprendizado. “Ela ficou chateada, pois correr 20km e 800 metros e abandonar faltando 300 metros para completar, não é justo, mas aconteceu”.

O futuro - Ela sofreu uma pequena contusão no tornozelo direito e está com um pequeno inchaço, mas nada que a impeça de seguir com os próximos compromissos, segundo o treinador. Lucélia segue para a Grécia, onde disputará a Copa do Mundo de Atletismo, no próximo final de semana, representado a seleção das Américas e depois retorna ao Brasil para disputar algumas provas importantes.

“Do dia 21 a 24 ela disputa o Troféu Brasil, descansa 10 dias, depois treina para a Volta da Pampulha, a São Silvestre e damos por encerrada a temporada”. Com 25 anos de idade, certamente Lucélia Peres ainda terá muito sucesso em sua carreira.