· ,

1970-01-01 -
Revezamento 4x400 da BMF foi o mais rápido do dia (foto: Renato Aranda/ Webrun.com.br)
Revezamento 4×400 da BMF foi o mais rápido do dia (foto: Renato Aranda/ Webrun.com.br)

Direto de São Paulo– As últimas duas provas do Troféu Brasil de Atletismo reservaram muita emoção e surpresa. O sol forte castigou alguns atletas do revezamento 4×400 masculino e alguns velocistas chegaram a, literalmente, desabar após a passagem do bastão. Já entre as mulheres não houve surpresas, já que a BM&F Bovespa venceu a prova.

Com uma largada forte e consistente, a primeira atleta da BM&F passou o bastão para Jailma Sales de Lima já com alguns metros de vantagem. Na segunda passagem Liliane Cristina Barbosa já estava bem à frente das outras corredoras e Joelma das Neves Sousa só precisou se preocupar em correr forte para alcançar o índice para o Mundial de Moscou e cruzar a linha de chegada.

“A prova foi tranquila. A gente fez o que pôde para conseguir o índice, mas não foi dessa vez. Agora vamos tentar de novo no Sul-Americano. Vamos treinar mais, porque lá é outra coisa”, avalia Joelma. A BM&F terminou a prova em 3min34s01.

Em segundo lugar ficou a Orcampi, com tempo de 3min46s18 e em terceiro a equipe do Pinheiros, com tempo final de 3min53s42.

Joelma espera conseguir o índice no Sul-Americano   Foto: Renato Aranda/ Webrun.com.br
Joelma espera conseguir o índice no Sul-Americano Foto: Renato Aranda/ Webrun.com.br

Expectativa de convocação– Depois do Troféu Brasil Liliane Cristiana Barbosa ainda não sabe se volta a treinar em São Caetano do Sul (SP), sede da BM&F, ou se integrará a seleção nacional e começará a preparação para a competição continental, que acontece na em julho, na Colômbia. “Ainda não sei se terá algum camp, mas de qualquer jeito a gente vai encarar a prova de lá com foco no índice”, explica.

Surpresa no 4×400 masculino– A equipe carioca da Brasil Foods (BRF) não atraia muitas atenções enquanto o primeiro velocista do time de revezamento se preparava para a largada. Formada somente por dois especialistas na distância, os corredores estavam ali apenas para somar mais pontos para a sua equipe.

“O nosso objetivo aqui era só de terminar a prova bem, mas a gente sabia que poderia ter um resultado bom. Nós não treinamos para a distância, mas o nosso preparo técnico e físico feito durante o ano nos dá condições de encarar uma prova dessas, mesmo depois de ter corrido os 200m e ter feito o terceiro tempo”, ressalta Jefferson Liberato Lucindo.

A BRF cravou o segundo melhor tempo do revezamento (3min06s24), enquanto a Orcampi foi o time mais rápido. Rodrigo Bargas afirma que o sol forte não chegou a prejudicar o rendimento do time durante a prova, mas a recuperação do organismo acaba sendo mais demorada por conta da alta temperatura.

Time da Orcampi correu muito forte para conseguir a vitória   Foto: Renato Aranda/ Webrun.com.br
Time da Orcampi correu muito forte para conseguir a vitória Foto: Renato Aranda/ Webrun.com.br

“A prova foi muito rápida e muito boa. Acho que essa deve ser uma das melhores marcas do país hoje (3min05s58). O único atleta nosso que sofreu com essa oscilação de temperatura de ontem para hoje foi o Hugo Baldunio”, fala o velocista.

Não foi só Baldunio que sofreu com os 26C em São Paulo. Ailson da Silva fez a largada pela BM&F e após entregar o bastão na mão de seu companheiro, cambaleou e desabou às margens da pista de atletismo. Prontamente atendido, o atleta se recuperou, mas não quis dar entrevista sobre o ocorrido.

Ailson da Silva foi um dos atletas que sentiram o forte sol de São Paulo   Foto: Renato Aranda/ Webrun.com.br
Ailson da Silva foi um dos atletas que sentiram o forte sol de São Paulo Foto: Renato Aranda/ Webrun.com.br

Este texto foi escrito por: Renato Aranda